domingo, 13 de novembro de 2016

"Escolhas Certas Com As Mulheres"

Escolhas Certas Com As Mulheres


Subscreve o novo canal de Youtube do Cool Vibes em:




Perguntas de leitores do Cool Vibes:

Olá Pedro! Enquanto escutava este podcast me veio a mente uma situação que tive com uma garota e que ainda me incomoda. Há um pouco mais de três anos me interessei por uma garota que apesar de eu não ter um convívio muito próximo, acabo por vê-la uma a duas vezes por semana. Na época eu conhecia o Cool Vibes há uns três meses e identifiquei que estava tomado pelo estado de desejo, o que sei que tem um efeito muito negativo na interacção com as mulheres. Não sabendo lidar com esse estado, tratei de dizer-lhe logo o que sentia de uma forma um tanto precipitada, ela me rejeitou e ao mesmo tempo me interpretou de forma equivocada, como se eu a estivesse pedindo em namoro.

Passou-se cerca de um ano e fui a um acampamento no qual ela também estava, lá tentei me aproximar mais uma vez, ela não rendeu muito assunto comigo na primeira aproximação e na segunda, havia uma espécie de dança de salão, me dirigi a ela para convidá-la para dançar, mas ela fugiu de mim, chamando para dançar o primeiro homem que viu, fiquei muito envergonhado/constrangido porque sobrei sozinho no meio da pista e não soube lidar com isso. Depois disso, ou seja, mais ou menos uns dois anos para cá, nunca mais tentei qualquer aproximação dela, quando a vejo em um grupo de pessoas na direcção a qual estou indo, desvio meu caminho, quando me deparo com ela em um corredor onde desviar não é possível, apenas cumprimento.

Entretanto algo que me incomoda e que ocorre desde o início, lá em 2013, é que sempre percebo ela olhando para mim, em 2013 e 2014 a retribuía com um sorriso, mas depois da situação constrangedora que passei, não altero minha expressão, sempre permaneço sério, e como eu disse acima, me limito a cumprimentá-la se esse olhar ocorrer a uma distância curta, que é a minoria das vezes. Várias vezes ela demora bastante a desviar o olhar. Mesmo ela não sendo uma mulher de uma beleza acima da média, soube que outros dois rapazes do nosso meio de convívio se aproximaram dela e também foram rejeitados, isso com atitudes que não vejo acontecer com mulheres do mesmo meio que são notoriamente mais bonitas do que ela, um deles chegou a ir a sua casa pedir-lhe em namoro. Acho que esse rapaz não teria se exposto dessa forma se não sentisse que estava sendo correspondido em algum nível, o que me fez crer que ela faz esse jogo do olhar intencionalmente, como uma forma de alimentar o ego e ver quantos ela consegue deixar interessados. Soube por uma amiga que outras garotas pensam dela o mesmo que eu.

Minhas dúvidas são as seguintes: Estaria ela a me olhar dessa forma para manter-me interessado para mera satisfação de seu ego ou haveria outro significado para esse comportamento? Outras mulheres que me rejeitaram na vida não agiam assim comigo, inclusive eu entendia a ausência de contacto visual como uma demonstração clara de rejeição, não tinha maiores problemas em aceitar, em poucos dias o sentimento de rejeição estava superado. Já saí com várias mulheres nesses últimos dois anos e quase cheguei a namorar, mas mesmo não tendo mais a impressão positiva que tinha a respeito dela, ainda me sinto atraído e afectado com sua presença, entretanto não acho que seria íntegro eu tentar qualquer nova aproximação uma vez que já fiz isso em duas oportunidades, também não creio ser íntegro ainda ter esses pensamentos bem como essas coisas me incomodarem, para mim é uma demonstração clara do meu baixo nível de consciência. Ter que conviver com ela algumas vezes na semana me atrapalha no processo de desapegar, não estou sabendo lidar com isso.

Além das dúvidas, gostaria de sua opinião a respeito da situação por completo, fique a vontade para requerer maiores esclarecimentos caso tenha sido confuso em meu relato. Desde já agradeço sua paciência em ler esse texto enorme, por já ser um leitor do blog e inscrito nos canais do Cool Vibes no YouTube me sinto merecedor de um forte puxão de orelha por estar trazendo uma situação dessas a essa altura do campeonato. Um abraço do Brasil.”

-

Pedro, se o homem e a mulher tiverem o mesmo nível de consciência, significa que a relação entre os dois tem tudo para dar certo ou nem por isso? Ou seja, se tiverem a mesma ideologia política, religião e os mesmos gostos e interesses, é quase certo que a relação vai durar por muito tempo? Costuma-se dizer que o diálogo, uma boa conversa, resolve tudo. O diálogo é possível entre um homem e uma mulher que são incompatíveis?”

-

Olá Pedro, esta pergunta vem na linha da minha pergunta anterior. Há mulheres que encaram a religião como uma questão de vida ou de morte. E, até chegam a confundir Deus com religião. Ou seja, para essas mulheres, a religião tem que estar, sempre, em primeiro lugar e só, depois é que vem o namorado, o marido, os filhos, etc, etc. E o mais grave de tudo isso, é que nunca admitem esse fanatismo religioso, chegando ao ponto de elas estarem, sempre, a afirmar que, apenas, estão a cumprir os mandamentos de Deus e não uma determinada doutrina religiosa. Elas fazem questão de levar o homem, quase que, diariamente, para todas as actividades de culto na igreja, mesmo a contragosto deste. Pedro, será que a mulher anda a fazer essas coisas porque gosta do homem ou, apenas, quer satisfazer os caprichos dela? E, se o homem recusar em fazer-lhe a companhia à igreja, a mulher ameaça terminar a relação. Pedro, qual é a melhor saída para o homem, neste caso, em concreto? Terminar a relação e partir para outra ou dialogar com a mulher, procurando alertá-la para as consequências nefastas para a saúde que o fanatismo religioso pode trazer, mais cedo ou mais tarde? Mas, como fazer isso, sabendo que a crença religiosa das pessoas é uma questão muito sensível e que mexe com elas?”

-

Olá Pedro, obrigado pelo áudio! Tenho uma pergunta para ti. Há mais ou menos meio ano atrás comecei a sair com uma rapariga do trabalho. Eu queria mesmo sair com ela e prometi-me a mim mesmo que se acontecesse algo entre nós sempre a iria respeitar. Tive uma infância desagradável que fez com que não sinta emoções agradáveis em relação à intimidade e expliquei-lhe isso porque ela queria estar mais comigo e eu queria espaço, muito espaço. Conforme ia passando o tempo notei que queria começar a conhecer outras mulheres e disse-lhe isso, no entanto continuamos-nos a ver. Ou seja foi tudo um caos da minha parte. Ela tem 10 anos mais que eu e isso também me deixou um pouco preocupado por medo de ser julgado. Acho que a magoei sendo tão distante com ela. Ela fartou-se da situação e decidiu afastar-se de mim porque ela gosta de mim. Sempre nos demos bem. Quando estamos juntos, é divertido. De momento estou de ferias mas acho que poderia dar mais de mim com ela, não seguir o medo ser mais carinhoso e presente com ela. Na tua opinião achas que faz sentido voltar a estar com ela ou seria melhor deixar terminar tudo? Ouvi o teu áudio anterior em que falas que não devemos ser tão esquisitos com elas e isso fez-me pensar. Obrigado! (espero que não seja demasiado confusa a pergunta). Abraço!”

-


Pedro, é certo que existem diversos sítios onde se pode encontrar mulheres, desde discotecas, praias, festivais, supermercados e assim por diante. Agora, na minha opinião, penso que, nas discotecas, as mulheres, geralmente, estão mais receptivas às abordagens dos homens, uma vez que o próprio ambiente nesses lugares contribui para isso. Se em outros espaços de lazer, as mulheres podem achar estranho a aproximação de um homem desconhecido, já, nas discotecas, elas acham normal quando um homem resolve aproximar-se delas, convidando-lhes para dançar, por exemplo. Ou seja, salvo raras excepções, para as mulheres, nas discotecas, não existem homens desconhecidos. Pronto, infelizmente, sempre existe aquele grupo restrito de mulheres que vão para discotecas quase que com o objectivo de fazer uma espécie de sabotagem do espaço. Mas, penso que, nem por isso, a imagem, das discotecas, fica beliscada. Estou certo ou estou errado?“

Obrigado pelas perguntas! Segue o que Amas,
Pedro C.