quinta-feira, 15 de setembro de 2016

“Como Mudar e Ter Mais Energia e Alegria Na Vida”

“Como Mudar e Ter Mais Energia e Alegria Na Vida”

Pergunta de leitor do Cool Vibes (aviso, é muito longa):

Olá Pedro, sou eu, o maluco dos ingressos dos Guns n’Roses hehe, vou mandar um texto grande, em várias partes, pois excedi por muito os caracteres, pois é algo que sinceramente me deu a vontade de fazer, tamanha a energia que o blog tem. Ouvi o áudio em que você diz que é as perguntas dos leitores que mantém o blog funcionando, e isso foi o que me fez querer compartilhar minha história, dar a cara a tapas. Pela minha consciência atual de me ver, sempre me considerei um cara consciente e verdadeiro, tive uma infância muito legal, mas aos 5 anos meus pais se separaram, a partir disso eu sempre tinha uma tristeza e muita saudades do meu pai, o via bastante em finais de semana, mas o momento de voltar para minha cidade natal era sempre ruim, eu cresci de uma maneira um pouco solitária, morei uma boa parte da infância no próprio local de trabalho da minha mãe, não tive exemplos e acompanhamento ''normal'' dos pais acompanhando meus estudos e alimentação, como uma família normal, não que eu fosse de rua, mas minha convivência quando criança foi com pessoas mais velhas e vivia no meio de jogatinas, sinuca, boliche, meu amigo era o zelador do clube hehehe, mas tinha sim meus amigos na escola, era normal nesse sentido. Mas tive também bons lugares para morar depois disso, não tenho do que me queixar, valorizo muito meu crescimento, pois gosto de parte do que sou hoje, e devo também a isso. Mas o que acontece é que o tempo passa, e a evolução é necessária, e conforme entrei no ensino médio, eu de certa maneira parei no tempo, meus amigos começaram a trabalhar, sair com mulheres, essas coisas, e eu fiquei parado, eu sempre fui eu mesmo na vida, isso me deixa feliz, mas por esse motivo eu acabava sendo visto como ''muito feliz'', até mesmo bobalhão, gostava de fazer as pessoas rirem e ser engraçado, e isso inclusive me fez pagar micos, impulsos do ego em que eu me auto zuava para parecer legal, fazendo algumas coisas ridículas, quando as coisas pareciam ir bem para mim, eu pensava: 'ora', as coisas irem bem para mim está errado, preciso fazer piadas disso para não parecer melhor ou superior'', e me desvalorizava. Nunca me achei sem valor, pelo contrário, sei que tenho um valor imenso, e as pessoas me gostam, não tenho inimigos e sou querido por várias pessoas, assim como elas também são para mim. Mas essa minha forma de ser tão sincera acabou me deixando como o cara engraçadão que não liga para a reputação. Em festas enquanto todo mundo fazia poses para parecer fixe e maduro para as mulheres, eu queria curtir a festa, rir, claro que também queria as mulheres, mas preferia ser eu mesmo e me divertir do que sair com uma mulher de lá. No primeiro ano do ensino médio beijei minha primeira garota, mas não foi algo que eu tive muito mérito, ela era de ficar com todos hahaha, mas sim, tive coragem e fui, foi muito horrível, mas a sensação de ter feito foi libertadora. Depois disso parei no tempo com as mulheres, passou o ano e tudo começou normal, até que na metade de 2011, tivemos uma difícil fase financeira e tivemos que nos mudar para o campo, numa casa bem simples, onde eu odiava, realmente me fazia mal, ia para a escola sujo, meus amigos curtiam a fase do ensino médio e eu com pouco dinheiro e tendo que ir para casa por ser longe, não ficava nas saídas, aquilo naquela época me marcou, eu fazia coisas legais com a gurizada também, mas não participei de festas e tudo como queria, não perdi todas, cheguei a aproveitar, mas teve momentos que a meu nível foram ruins de perder, chegou fim do ano e eu sabia que tinha rodado, já vinha mal desde um tempo na escola, pelo fato de ser muito preguiçoso e desinteressado por estudar, simplesmente não dava mínima, fazia as provas e seja o que Deus quiser, naquele tempo eu já planejava ir morar com meu pai, pelo fato de morar no campo, era algo que eu seria capaz de tudo para me ver livre. 

Já havia morado um tempo com meu pai desde a separação, mas pouco tempo, a maioria foi com minha mãe, e um tempo com a minha avó também. Perdi o ano e me mudei para a cidade do meu pai, isso me recarregou as baterias, eu estava numa fase boa de querer acabar a escola, começar a trabalhar e estudar, e seguir a vida de uma forma mais feliz. Fui todo nervoso para minha nova escola, fui o primeiro a chegar na sala, e um tempo depois passou um cara ouvindo som alto no celular, pensei: é aqui que vou levar uma grande surra hahahahah, mas engano meu, eram pessoas legais, assim que vi a quantidade de garotas bonitas daquela escola, logo me esqueci de planos futuros e só pensava em namorar uma delas, eram muitas, tinha 5 homens na minha turma e o resto eram mulheres, me senti no paraíso. Inclusive quando cheguei em casa fui para o google pesquisar ''como arrumar namorada'' uma coincidência, achei apenas truques baratos também e de nada me foi útil. O ano estava indo bem, meu estilo de vida sempre foi um pouco parado, dormia bastante, mas acordava e ia para a academia, depois acordava e ia pra aula, e estava indo tudo bem, tinha-me livrado da energia ruim que deixei na cidade natal, apesar de estarem lá meus amigos de mais fé, foi bom dar um tempo de todos, o ano foi passando e fui levando assim, estava mais feliz e disposto, comecei a melhorar minha forma física, até que por Junho daquele ano comecei a falar com uma colega de sala, que era amiga de uma garota que meu deu um bilhete que estava afim de mim, mas eu não estava, expliquei que não queria e ficamos bem, foi num tema sobre o show do Slash que comecei a falar com essa garota da sala, ao início meu interesse era zero, fui falando como amiga, saíamos como amigos e até ia na casa dela, não sei como ia na casa de uma garota como amigo, pois não sou gay, hahahahaha, as coisas foram indo e ela se declarou, para mim foi estranho, eu não a via como namorada, expliquei que não queria e ela se fechou um pouco, ela era uma garota legal, mas de um nível de consciência baixo, se auto machucava, baixa auto-estima... Um tempo depois dela se declarar, eu comecei a sentir uma vontade natural de a beijar e sair com ela, foi surgindo, quando me dava por conta estava pensando nela, quis voltar a esse assunto, mas ela me bloqueava, pois tinha sido ruim para ela minha negativa, e ela achava que eu estava a zoar, mas eu queria era ter a relação, uma noite estava eu, a amiga do bilhete e outra garota na casa dela vendo filme, ali começamos a nos relacionar, não houve beijo, ouve trocas de caricias, um tempo depois a beijei, meu primeiro beijo depois da garota da escola anterior, e a beijei com a amiga do bilhete do lado, me arrependo disso hoje haha, e foi muito bom para mim, estar a beijar alguém para meu atual nível era mágico, logo em seguida já saímos de novo e eu com desejo de algo mais e ela por receio de estarmos há pouco tempo juntos não quis, não era sexo ainda, era outros tipos de sexo hahahahaha, ou seja, já a pedi em namoro com duas saídas com beijos e uma semana depois comprei anéis de compromisso, coisas de principiante, meu pai me ri disso até hoje. hahahaha.

Durou 5 meses, e foi muito legal, me sentia com uma energia nunca antes vista, ter alguém para beijar, sair, etc... Fui na formatura dos meus amigos da outra cidade com ela, e me senti no topo. Ela não era espetacular, e não foi meu mérito conseguir uma garota espetacular, eu tinha pouca energia, mas o suficiente para ter esse namoro. Nesses 5 meses eu via meus amigos com dificuldade para chegar nas mulheres, coisa que eu tinha muito, mas pela energia do namoro, que me dava energia extra, eu olhava para aquilo e pensava: é tão simples, só beijá-la, era como se eu pudesse chegar na garota e acontecer tão facilmente, claro que não fiz nada disso, respeitei a relação, gostei de verdade dessa garota, fiz tudo com ela nesses 5 meses com 100% da minha verdade e sinceridade, e gosto disso. Mas veio meu último ano de escola, e essa energia que ela me dava me subiu á cabeça, e eu comecei a me atrair por uma outra colega de sala, e por uma garota que ia na van escolar comigo, duas gatas, estilo muito atraente, e pensei de forma narcisista e errada: agora que tenho essa energia e sou o maior, isso na minha ilusão é claro, vou aproveitar meu último ano com essas gatas, perdi o interesse no namoro, até porque esses foram 5 meses muito intensos, era todo dia quase que fazíamos algo, e começou de uma forma na qual nem eu nem ela estávamos bem sozinhos, precisamos da troca de energia para isso. Terminei o namoro e ela não aceitou bem, me excluiu do facebook, me deu umas xingadas antes, e não olhava mais na minha cara, ahahahaha, achei cómico, e quando acabei era como se não tivesse vivido nada com ela, pois mal lembrava dela, foi algo estranho. O que aconteceu depois foi que como eu não sabia na época, perdi a energia, voltei a ser o que era antes, saí de confiante e ''maior'' para envergonhado, fraco e cagão de sempre. Deixei o tempo passar pensando em como agir com as garotas e pensando em varias formas de manipulação, o que aconteceu que com a colega de sala, a convidei pela internet para tomar um drink, com umas cantadas baratas e não deu em nada, e hoje rio disso e me sinto bem por ter ao menos tentado. O ano passou, me formei, fazia auto escola, ia começar a faculdade, e apesar de com as mulheres estar na mesma, me sentia bem com isso, a garota da van escola adicionei no facebook, e nada fiz, está lá até hoje, inclusive namorando. Ainda antes da formatura eu já havia conhecido a garota dos ingressos do Guns n’Roses, agora lhe escrevendo isso fazem exatos 3 anos que á vi, ela é muito linda para mim, tenho tanta atração que poderia tomar banho gelado no inverno hahahah, pensei em a convidar para a festa de formatura, mas lá foi meu ego perfeito e cagão dizer que era má ideia. Enfim veio 2014, o ano do trabalho e estudo que tanto sonhei, e com ele um choque de realidade, da qual trabalhar iria requerer de mim uma consciência que eu não tinha, e que a faculdade não iria ser o american pie com beer pong em copos vermelhos, já não estava mais com aquela energia boa, mas também não estava nos meus piores dias, estava intermediário digamos assim, o fim da escola foi um susto de realidade, e não aceitei bem. 

Nunca voltei a ter a energia de quando eu estava a namorar, tiveram ótimos momentos depois do namoro, mas a partir de 2014 minha vida começou a decair, e agora em Setembro de 2016, lhe digo que estou com a energia levemente melhor dos meus piores dias. Meu problema nunca foi não ser atraente para garotas, não me acho feio, me acho bem bacana, já houveram gatassas que se sentaram ao meu lado, e eu como um super agente 007 inventava meios de fugir delas, porque as ia beijar mal e perder minha pose de galã, que coisa mais besta, aceito isso com naturalidade, mas umas chibatadas seriam bem-vindas hahahaha, voltando ao inicio de 2014, logo vi que não tinha as qualidades para emprego e estudo, o karma de ser preguiçoso refletiu nos estudos e não tem como alguém que não estuda ser um cara estudioso do dia pra noite, passei na maioria das disciplinas da faculdade até agora, mas já perdi dinheiro e uma boa parte delas também por preguiça e desleixo, já poderia estar mais avançado nesse quesito, inglês por ouvir músicas e filmes e estudar e gostar, aprendi bem e sei que é questão de tempo até dominar essa área, tenho contato diário, leio, gosto e faço. Mas o problema é que o que eu não gosto e quero verdadeiramente eu não faço, e isso me faz estar assim tão baixo ainda. Se aproximando do final de 2014 consegui um emprego, mas fiquei nervoso e como não sabia lidar logo saí, sem ao menos nem avisar as pessoas, me envergonho. E nisso eu vi que aqui com meu pai eu não iria evoluir no sentido emprego, que era o que considerava vital, e quis voltar para minha cidade natal, a casa no campo já estava melhor e minha mãe tinha aberto seu negócio, ou seja, teria emprego, apesar de ela me amar e querer meu bem, me cobra muito, acha que com minha idade já preciso ser perfeito, responsável, com alta energia, mas não consigo, não tenho essa energia, impossível agora, e brigamos muito, fiquei com meu pai, passou 2015, e 2015 não me lembro de absolutamente nada de verdadeiramente útil que fiz, minha emoção mais legal foi estrear na arena do meu time, uma linda arena lotada, com uma vitória de 5x0 no maior rival, fui com meu primo, fora isso claro que tudo é útil apesar de acharmos que não, mas foi um ano que eu prometi trabalhar e encarar a vida, e não o fiz, levei a faculdade a base de se der deu, se não der azar, passei numas disciplinas, reprovei noutras, até que veio 2016 e resolvi voltar para cidade natal trabalhar com minha mãe. Não soube valorizar o meu salário e minha oportunidade, deu errado e voltei 3 meses depois para a cidade do meu pai.

Perdi minha boa forma física depois da escola, me desleixei, fumo á mais de 2 anos, achava cool fumar, ''é rock n roll' eu me dizia, e ainda estou fumando, agora inclusive. Pedro, conheci o cool vibes pesquisando o post ''Por que as mulheres que eu não gosto gostam de mim, e as que eu quero não me gostam'', e só neste post senti a energia, e uma empatia no blog que me alucinou, apesar de tudo que lhe falei, nunca me achei vítima, sempre aceitei que foram meus próprios atos que me levaram as consequências, e apesar de não ter todas essas explicações, eu meio que já queria esse estilo de vida de verdade e fazer as coisas sem medo pois não há mal nem morte, um prévia de cool vibes, sem conhecer o cool vibes, por exemplo, falar com as garotas e ser sincero sem me preocupar, eu já queria isso, só não tinha a coragem. Quando achei o cool vibes foi como me encontrar nessas ideias, mas daí com mais energia, explicações e um mestre. Minha mãe está mais legal comigo, eu moro com meu pai agora e minha avó mora connosco, meu pai teve um problema de saúde e se perdeu um pouco na vida, ele esta parado e frustrado, é um cara muito legal, mas ele está preso no desemprego e falta de dinheiro, minha avó é uma pessoa de que gosto muito, mas sua energia é muito baixa, muita tristeza e vive presa no ego, ela é a ''vitima'' de tudo e todos, isso me aborrece e enfraquece nossa relação. O que eu gostaria de ouvir de você Pedro, é uma forma de eu começar a sair disso tudo, em casa tenho esses problemas, não tenho energia para ser capaz de trabalhar, no quesito mulheres, agora que estou mais descuidado não me acho tão atraente e me penso comigo: vou-me cuidar, ficar em forma, tirar o aparelho dentário e ir a luta, me faço de campeão com as mulheres, chega a hora e nada faço, dos 3 tipos de homem me considero o cobarde que não é tímido e que sai aos lugares, mas não passa disso. A mulher me vem e me abraça, só falta dizer para a beijar, e eu fujo, não quero mais isso, mas meu ego me diz: vais a beijar mal, ela vai ver que era uma imagem falsa e se decepcionar contigo''. O que faço no momento é ir ajudar minha mãe finais de semana, com muita resistência de o fazer, pois tenho a marca de morar no campo em mim ainda, é um trauma, mas o faço por que sim, gosto de estar com minha mãe também e ajudar o que dá nosso sustento, valorizo isso, e também para ter meu dinheiro com trabalho, vou realizar o sonho de ver a banda que amo, e isso eu preciso merecer, ou seja, trabalhar para isso, ganhar isso de mão beijada seria feio, pois o esforço e mérito da minha mãe me daria isso, e não o meu mérito. Pedro, estar compartilhando isso com você e com o cool vibes me alegra muito, me desculpe (se é que preciso me desculpar), por esse texto tão longo e talvez cansativo, mas como lhe considero uma inspiração, seria sincero da minha parte falar o que me deu vontade de dizer e saber sua valiosa opinião.

As bases do que me ajudaria imenso ouvir de você são:

1. Como ter energia para encarar minha cidade natal e trabalhar para me manter, sendo que não faço isso com toda minha alegria, mas por outro lado acho legal o fazer também em alguns aspectos.

    2. Como ter uma melhor alegria no dia-a-dia sem deixar que os problemas dos meus familiares pesem tanto. Vou fazer um grande esforço para ao mesmo tempo que me cuido e páro de fumar, ir falar e beijar garotas, não como instrumentos da minha evolução, mas como pessoas que tenho atração e vejo seu valor, dar o melhor de mim, dizer que tenho receio de não dar o melhor beijo da vida delas, mas que vou fazer o melhor hahaha

    3. E uma última questão sobre essa garota que tenho essa atração que nunca tive por outra: achas que por eu ter essa atração por ela seria legal eu me sentir melhor e mais disposto antes de tentar falar com ela? Não preciso que aconteça algo, mas seria mais agradável ter uma energia maior para dar a ela, do que essa atual, claro que ainda sou virgem, e só tive esses dois relacionamento com mulheres, a garota do primeiro beijo e a ex-namorada. Fiz as listas do que sou grato, e isso é realmente muito bom, já foram momentos ótimos, mas certas coisas ruins como as que eu citei no texto também pesam ainda. A contemplação é algo que quero muito, minha cabeça vive a mil, e isso me bloqueia muito, preciso começar por ai acredito. Sei que alta energia e verdade funcionam, pois uma noite eu estava tão tranquilo e sem planejar nada que me ocorreu de uma garota que eu fiquei atraído estar lá, e a conversa fluir e ela gostar de mim naturalmente, depois voltei ao meu normal, pensei demais e nunca mais falei com ela. Obrigado Pedro, esse é meu relato, como sou, e como quis falar, espero que seja legal e contribua para o cool vibes e para mim. Um grande abraço. Nicholas. 21 anos. Obs: continue rocker com seus solos de Would' e impedindo as pessoas de ''down in a hole'' piada péssima hahahaha. 


Resposta, comentários:

Olá! Bem, acho que temos um novo recorde de pergunta mais longa no Cool Vibes haha! O homem estava entusiasmado! :D E mais vale seres o maluco dos ingressos dos Guns n’Roses do que o certinho que não está disposto a tentar nada. Quanto ao resto, não vou comentar a piada no fim hahaha

“Como ter energia para encarar minha cidade natal e trabalhar para me manter, sendo que não faço isso com toda minha alegria, mas por outro lado acho legal o fazer também em alguns aspectos.”

Aceitação, optimismo e empenho. Tens de aceitar que o tens de fazer pois isso faz parte do teu caminho de evolução. Quando deixas de resistir a algo, libertas energia em ti que estava a ser gasta nessa atitude de resistência e… voilá! Passas a ter mais energia =) resistir, desejar que não fosse assim ou que fosse diferente, reprimir, negar, etc, tudo gasta energia desnecessariamente. Aceita e faz o que é preciso sem hesitação e sem birras do ego haha Depois tens de te focar mais no lado positivo e benéfico da situação. Seja o que for, pareça-te pequeno ou irrelevante, desde que seja positivo, é sempre essencial. Se te focares só no negativo não vais gostar da situação e não a vais querer, vais resistir. Se te focares mais no positivo vais aprender a aceitá-la melhor e até a gostar dela. Todas as situações da vida são benéficas para a nossa evolução, e é evolução que traz mais felicidade. Depois há os aspectos positivos e benefícios específicos que só tu podes saber, e que podem ir desde a zona onde trabalhas ser bonita (ou ter algo que adores), a o trabalho poder ensinar-te coisas úteis, ao dinheiro que vais ganhar, à confiança que vais desenvolver, etc. Isso tens de ser tu a reparar e a descobrir, puxa pela cabeça! “O que tem o meu trabalho de positivo e benéfico?”. E finalmente, empenho. Procurar fazer tudo bem para que corra tudo bem, desde a hora a que acordas, até ao transporte que apanhas, até como te vestes, como falas com os colegas, como fazes o teu trabalho, etc. Pois enquanto estás focado em melhorar em tudo aquilo que fazes relacionado com o trabalho, estás a usar a mente de uma forma construtiva e útil, o que substitui os pensamentos negativos do costume. E depois, sempre que consegues melhorar mais um pouco, sentirás uma satisfação no que alcançaste, o que é mais uma emoção positiva que se vai adicionando à tua felicidade pessoal no geral, à tua confiança, auto-estima, etc. Em relação à vida profissional, um dos melhores autores que podes estudar é o Zig Ziglar. O homem era um génio, cheio de entusiasmo e sentido de humor. Experimenta ver uns vídeos dele no Youtube.

“Como ter uma melhor alegria no dia-a-dia sem deixar que os problemas dos meus familiares pesem tanto.”

Provavelmente não vais ficar Iluminado este fim-de-semana, haha portanto uma vez num ambiente negativo, irás sempre sentir a sua energia negativa. E é a saturação dessa energia negativa que te motivará a evoluir e a conseguir uma vida melhor. Primeiro de tudo, os problemas são dos teus familiares, não são teus. Eles é que estão envolvidos com os problemas, não és tu. Logo, se estás sozinho e nada está a acontecer e ninguém te está a dizer nada, não tens de perder tempo a pensar nos teus familiares e nos seus problemas. Parte do teu sofrimento vem dos pensamentos sobre eles, e o que disseram, e o que fizeram, e de não aceitares nada disso. O sofrimento vem de querer que isso fosse diferente, “Bolas!! Porque raio eles não são positivos?? Porque raio isto aconteceu??”. Se aceitares e deixares de pensar nisso, irás sentir-te muito melhor e mais alegre imediatamente. Este processo exige duas coisas: desligares-te emocionalmente da tua família (dos membros problemáticos, não de todos haha), e viveres mais no presente e menos no passado.

O teu loooooooooooooooooongo texto sobre a tua vida revela que vives muito na cabeça, em pensamentos, memórias e imaginações. Não há nada de errado nisso, mas se estás preso nessa experiência subjectiva, não vais conseguir não pensar nos teus familiares problemáticos e nos dramas da tua vida. Tens de largar esse vício! Haha repara como descreveste tantas situações e detalhes negativos, que no fundo são desnecessários para as respostas às perguntas. Eu compreendo que me quisesses contextualizar, e tudo bem, mas só uma pessoa presa na cabeça e focada no negativo é que se iria dar ao trabalho de escrever tanto sobre si própria e o seu passado. A nossa memória não é de confiança… é uma distorção do que aconteceu. Assim que algo acontece, temos uma percepção desse algo, cujo grau de verdade depende do nosso nível de consciência na altura. Logo a memória dessa percepção vai ser sempre algo incompleto, emocionalmente distorcido e até errado muitas vezes. Alguns factos neutros estarão correctos, mas a essência da situação não estará correcta. Portanto, para quem quer ser mais positivo e alegre, tem de largar o hábito de pensar tanto em si próprio e no seu passado. O passado passou, é por isso que se chama passado haha o que importa é o presente, que é onde está tudo, é onde estamos, é onde fazemos as nossas escolhas e onde está a verdade da qual temos de ganhar consciência para fazermos melhores escolhas que nos levem a uma vida melhor e mais alegre.

A mente não tem poder para te fazer feliz. Consegue fazer contas, resolver problemas lógicos e construir máquinas e casas, mas pouco mais haha tudo útil e bom, mas em termos de felicidade, é inútil. Se tivesse esse poder, já tinhas a vida que querias e a namorada que querias, pois estás farto de pensar nisso, certo? ;) a mente nunca te irá conseguir resolver isso, pois só tem a informação que adquiriste subjectivamente vivendo no teu nível de consciência. A sabedoria que precisas vem de uma forma diferente de viver, de experiências diferentes que ainda não tiveste. Portanto pensa menos e age mais. Pensa menos e foca-te mais no momento presente, onde tudo está. Faz os exercícios de contemplação ao longo do dia, sempre que te for possível. E faz também os exercícios para seres mais positivo, os quais já partilhei no Cool Vibes várias vezes (vai à secção de posts “Ser Positivo” e também à secção “Como Transcender”).

“No problem can be solved from the same level of consciousness that created it.” Portanto Segundo esta citação genial do Albert Einstein, a solução para o teu problema está em evoluíres e subires de nível de consciência. Ora para isso acontecer tens de primeiro estar disposto a largar os envolvimentos que tens com o teu nível de consciência actual. Se não o fizeres é como quereres navegar para um novo continente sem levantar a âncora. Ups, não é possível haha! Daí desligares-te emocionalmente dos membros problemáticos da tua família, e desligares-te de todas as pessoas que aches que são negativas e/ou que não são compatíveis com o tipo de homem que queres ser, e com o caminho de vida que queres seguir (pois todas essas pessoas fazem parte do teu nível de consciência actual, assim como a mentalidade actual, os teus interesses actuais, etc). Eu tive de fazer o mesmo, e eu sei por experiência que, por exemplo, quem não se afasta de pelo menos 1 ou 2 amigos negativos/incompatíveis/narcisistas, nunca irá realmente mudar e evoluir. Essa é a prova dos 9, isso é levantar a âncora. Queres ir longe, mas se não levantares o travão de mão, o carro é capaz de não andar lá grande coisa haha o ego tem inveja de quem tem a coragem para tentar ser mais feliz, logo vai-te tentar sabotar todos os esforços e puxar para baixo das mais variadas formas. Se queres mesmo mudar e evoluir, tens de te ver livre das pessoas que conheces que mais estão alinhadas com o ego, pois não há escape das suas artimanhas sabotadoras – que vão desde manipulações lógicas e sentimentais, a gozar contigo, a tentar baralhar-te em relação ao que está certo e errado, e ao que é verdadeiro e falso, e a desvalorizar os ensinamentos dos mestres que aprecias, “ah isso é tudo treta!”, “não me digas que tu acreditas nisso…??”, “isso é só filosofia!”, “isso é só conversa!”, e outras variantes, que nada mais são que chamar-te de estúpido por gostares do que gostas. Grandes amigos hein? :D viva ao pessimismo, ao narcisismo e à ignorância! Hahaha

Então mas na prática o que significa desligares-te emocionalmente dos teus familiares problemáticos? Significa que deixas que eles sejam como querem e focas-te noutras coisas que te interessam. Os problemas são deles, não teus. Eles estão a prejudicar a tua felicidade, logo evitas falar e estar com eles ao máximo. Deixas de os procurar, e arranjar o teu canto, ou oásis positivo, em casa – o teu quarto – onde constantemente te rodeias de tudo o que é positivo e que te faz sentir bem: contemplação, afirmações positivas, vídeos de desenvolvimento pessoal e motivação, ler sobre esses temas, ver filmes positivos, ouvir música positiva, ver comédia, etc, evitando tudo o que seja negativo.

Desligares-te emocionalmente dos familiares negativos pode parecer algo frio e desumano… mas não é. Pensa um bocado: já não os poder ver à frente fingir que se continua amiguinho é o quê? Haha para mim isso é que é ser frio, pois é ser-se falso. Desligar-se emocionalmente não quer dizer desprezar e desrespeitar as pessoas, nada disso. Isso é o que se faz quando não se gosta das pessoas, quando há ódio. Neste caso és neutro em relação a eles. Estás neutro em relação ao que eles são, dizem e fazem, e ao que lhes acontece. Tens tipo uma relação profissional com eles, como de médico para paciente. Respeitas as pessoas, és simpático e educado, dizes piadas, cumprimentas e despedes-te, mas não os procuras para saídas e conversas, e evitas revelar detalhes da tua vida pessoal e privada. Eu estou emocionalmente desligado da pessoa que me atende no supermercado, mas é com bom gosto que a cumprimento e respeito, e se houver oportunidade, digo uma piada ou duas. Portanto ajudas e respeitas os teus familiares negativos, mas não tens uma ligação pessoal com eles, pois já descobriste que eles só te fazem sentir mal. E é a intenção que faz a diferença: não é porque os odeias por alguma razão irracional ou de inveja e lhes desejas mal; é porque queres mudar, queres ser mais feliz, e o caminho é assim.

É difícil de explicar isto, mas não te preocupes. Selecção consciente é um grande passo de coragem, e só o darás quando estiveres pronto, quando fores confiante e emocionalmente independente o suficiente. Até lá, e sempre, respeita as outras pessoas, pois respeito não implica relação, e todos estamos neste mundo com um propósito, mesmo aqueles que são negativos, narcisistas ou que simplesmente são incompatíveis connosco.

Fiz as listas do que sou grato, e isso é realmente muito bom, já foram momentos ótimos, mas certas coisas ruins como as que eu citei no texto também pesam ainda.”

Ignora e esquece as coisas ruins, é porque pensas nelas que elas têm peso. Dás-lhes “peso” (energia) ao dar-lhes valor e atenção (pensar nelas). Esse tempo de brincadeira acabou-se haha! foca-te só naquilo porque estás grato. Escreve a lista novamente e tenta adicionar alguma coisa, e lê essa lista todos os dias antes de ires dormir e assim que acordares. E no teu dia-a-dia vive atento a todas as oportunidades que tenhas para seres grato e expressares essa gratidão. Agradece tudo o que te dão e dizem de bom e útil. Ter o hábito de dizer obrigado pode ser o início de uma vida melhor.

“Sei que alta energia e verdade funcionam, pois uma noite eu estava tão tranquilo e sem planejar nada que me ocorreu de uma garota que eu fiquei atraído estar lá, e a conversa fluir e ela gostar de mim naturalmente”

Exactamente =)

“achas que por eu ter essa atração por ela seria legal eu me sentir melhor e mais disposto antes de tentar falar com ela?”

Não, já não tens tempo para brincar mais haha sentes-te muito atraído por ela? Diz-lhe isso e liberta-te da seriedade desse estado de desejo. Esquece-a como potencial namorada, tiveste duas “namoradas” e és virgem… precisas de transcender as bases primeiro. Ou seja, de fazer as coisas apenas para seres mais confiante e atraente, e não para conseguir algo com uma mulher (contacto, saída, beijo, etc). Sê mais sociável e sai mais, nem que seja só um bocado mais. Sai sozinho, sai acompanhado, mais sai mais. Quanto mais saíres mais socialmente confiante te vais tornar, e mais facilmente irás conhecer mulheres. Arranja uma amiga, uma amiga a sério, e desabafa com ela. Explica-lhe a história das namoradas e da virgindade, e que gostavas de ter namorada, e pede-lhe ajuda. No nível inicial em que estás, tu precisas da ajuda de uma amiga, ela pode dar-te dicas sobre como te vestires, e até te pode apresentar a amigas dela. O teu problema de fugires das mulheres é o medo de seres rejeitado. Tens medo que a mulher não goste de ti pois isso destrói a falsa auto-imagem de perfeição que o ego tem de si próprio. O que leva a um estado de vergonha, que é de facto desagradável. Mas é o orgulhoso que está sujeito à vergonha, e não o humilde. Pois o humilde não tem falsa auto-imagem de perfeição, ou pelo menos não se identifica com ela. O que ele tem é uma imagem realista se si próprio: humano imperfeito com limitações. E está confortável com isso – nele e consequentemente nos outros – e sabe por experiência que rejeição não significa nada em termos do seu valor como homem e ser humano, mas que é apenas um sinal de incompatibilidade. E que ele é sempre incompatível com a maior parte das mulheres. Portanto a solução é não ter qualquer orgulho associado a nada na nossa vida amorosa, ou com as mulheres, e assim ficamos livres de ir em frente, de ir meter conversa, de beijar, etc. És virgem, logo a atracção que sentes pelas mulheres está amplificada por falta de experiência, falta de sabedoria, e muita imaginação. Tens de começar pelo início para te poderes ver livre de todos esses bloqueios e ilusões, para te sentires confiante e funcionares normalmente perante uma mulher que aches atraente.

Para acabar, uma pequena sugestão de exercício. Nada de novo, mas seria bom parares um pouco e sentares-te com um lápis e folha de papel, e pensares no tipo de homem que gostarias de ser, e escreveres afirmações à volta disso. Assim defines um objectivo, uma intenção a realizar com a tua dedicação, e mais rápido lá chegarás. Podes também escrever como gostarias de te sentir no dia-a-dia, o que gostarias de conseguir fazer que agora não consegues, e como gostarias que a tua vida fosse nas suas diferentes áreas. E depois de escreveres tudo, lê o que escreveste todos os dias, pelo menos uma vez. E vê vídeos do Tony Robbins no Youtube.

Estes pequenos exercícios serão o início de uma fantástica aventura de evolução, que terá os seus momentos difíceis, mas terá também inacreditáveis surpresas agradáveis que te vão deixar contente como nunca antes. E quando vires com os teus próprios olhos as coisas boas que irão surgir na tua vida, e esta a mudar para melhor aos poucos, irás chegar à inevitável conclusão de que, sim, valeu a pena todo o esforço.

Obrigado pela tua (longa) pergunta =)
Segue o que amas,
 - Pedro C.

8 comentários:

Romário Belarmino disse...

Pedro, na minha opinião, acho que o que nos impede de abandonarmos os nossos "amigos", é o medo que temos da forma como eles poderiam reagir perante a nossa sinceridade. Por exemplo, no meu caso, já me aconteceu, por diversas vezes, ter que aceitar convites dos meus "amigos" apenas e só para lhes satisfazer as vontades. O que não deixa de ser ridículo. Ou seja, eu tinha uma enorme dificuldade em dizer "não" a tudo aquilo que me eram propostos pelos meus "amigos". Pois, procurava agradá-los, o máximo possível, mesmo indo contra a minha própria vontade. O que não deixa de ser uma estupidez de todo o tamanho. Pronto, agora isto já não acontece. E o medo de perder os "amigos" há muito que desapareceu, uma vez que, agora, só fazem parte da minha vida pessoas que, realmente, me merecem.

LEONIN disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fábio disse...

Oi Pedro! :)


É PÁ, fiquei a suar de tanto ler eheh :)


Abraços e continuação de bom trabalho

Pedro C. disse...

Leonin:

Olá! Comer de forma saudável é sempre bom, assim como comermos o que nos faz sentir bem. Portanto não te julgues em relação ao que te apetece comer e beber, e ao que não te apetece comer e beber. Simplesmente come e bebe o que te apetece e desfruta dessa satisfação. Agora, na minha experiência pessoal, não mudei a minha alimentação, sempre comi de tudo, e a minha essência mudou. É óbvio que sou mais evoluído em consciência hoje em dia do que era em 2004. Isto deveu-se a passar a pensar positivo e a desafiar-me socialmente e com as mulheres. Foi o início, logo depois vieram as práticas e princípios espirituais, que têm a ver com estar presente no momento (contemplação) o máximo de tempo possível, ser eu próprio, fazer o que amo, ser humilde, ser grato, largar ilusões (opiniões e julgamentos), etc. E foi isso que me mudou, não foi a alimentação em si.

Deixar de comer carne parece que está na moda haha! Para quem se sente melhor não comendo carne, óptimo! Não coma carne, perfeito. Para quem se sente bem comendo carne, coma carne :) o problema está em impingir ideias aos outros. Ninguém é obrigado a deixar de comer carne, nem ninguém tem de continuar a comer carne. Anda muito ódio por aí em relação a quem come de tudo, e arrogância em vários daqueles que se tornaram vegetarianos. Para quê? haha comam o que querem e deixem os outros em paz. Odiar os outros por causa do que comem é o mesmo que odiar alguém por ser de uma religião diferente ou ter uma cor de pele diferente. Achar-se superior a quem come carne (chamam-lhe carnívoros, como se só comessem carne, haha mas eles não são herbívoros. Nada destes termos fazem sentido lol), está errado e é falso.

Em termos de evolução, há uma citação referente à alimentação de que gosto muito:

"Não é o que entra pela boca o que torna uma pessoa impura, mas o que sai da boca, isto sim, corrompe a pessoa"

Pedro C. disse...

Fábio:

O calor também não ajuda haha!

Obrigado, é uma honra.

tuno disse...

Pedro, gostaria que me ajudasses a entender o seguinte: Porque é que as mulheres, de repente, nos surpreende com cada coisa? Ou seja, elas querem deixar de serem, apenas namoradas para, imediatamente, tornarem-se esposas, sem mais nem menos. Elas não querem saber se estamos ou não preparados para assumirmos essa tamanha responsabilidade. Elas, simplesmente, nos dizem que já estão cansadas de viverem na casa dos pais e que, por outro lado, andam a enfrentar algumas dificuldades em partilharem a casa com os irmãos que já são todos maiores de idade. E, caso a nossa resposta for negativa, a mulher ameaça terminar a relação com o argumento de que, afinal, nós não gostamos dela. Pedro, qual é a atitude que devemos ter perante esse desafio? Devemos manter sangue frio, tentando dialogar o máximo possível para evitar a ruptura da relação? Ou devemos ser firmes nas nossas posições sem ceder às chantagens seja de quem for?

Luis Rodrigues disse...

Boa tarde Pedro Constantino . Concordo com as suas filosofias e uma delas é o facto de você dizer que a pessoa pode fazer o que quiser. E fazermos o que queremos parece ser a única coisa que se tem controle. Porque o resto não se consegue controlar.

Pedro C. disse...

Luis Rodrigues:

Somos responsáveis pelo esforço mas não pelo resultado. Nesse sentido controlamos a acção, decidimos nos dedicar e vamos em frente, mas o resultado dos nossos esforços dependem de um número infinito de factores dos quais não temos consciência nem controlamos.

Na verdade podemos não controlar o que queremos fazer haha repara, porque queremos fazer o que queremos fazer? Qual é a motivação? A intenção? Se isso for inconsciente estamos a ser impulsivos e não há qualquer controlo da nossa parte. É bom largar a ilusão de controlo e focarmos-nos antes em sermos autênticos, pois é assim que ganhamos consciência das nossas motivações secretas e intenções inconscientes e podemos ser conscientes e selectivos em relação às nossas acções, em vez de andarmos sempre a fazer (e dizer) coisas das quais nos arrependemos. A base é: lá porque sentimos uma emoção não quer dizer que a tenhamos de seguir (ou dar ouvidos). Todas as emoções são ilusões, o nosso único guia é o momento real, ou momento presente, ou contexto em que estamos, do qual se ganha progressivamente cada vez mais consciência desenvolvendo um estilo de vida contemplativo.