segunda-feira, 29 de agosto de 2016

"Liberdade: Os Inacreditáveis Benefícios da Contemplação"

Liberdade: Os Inacreditáveis Benefícios da Contemplação


Pergunta de leitor do Cool Vibes:

“Hey Pedro! Tudo bem? Recentemente recomendaste num dos teus áudios para ler o "Letting Go: The Pathway to Surrender" de David Hawkins. Decidi seguir a tua recomendação e estou estupefacto que apenas pelo facto de ler o livro e inclusive durante a leitura do mesmo, eu tinha vários momentos de felicidade aleatória vinda do nada.

Gostaria de saber a tua experiência com esta técnica. É isto que chamas de contemplação? Porque reparei que é basicamente aquilo que descreveste no método de contemplação. Observar os pensamentos e sentimentos sem os julgar e sem tentar oferecer resistência, apenas ficar a olhar para eles como se fosse uma nuvem que estivesse a passar, sem comentar, sem julgar e principalmente sem rotular.
Acabei de o ler faz uns dias e até hoje tenho estado sempre que consigo, a fazer aquilo que o Hawkins explicou. Gostaria de saber a tua experiência com esta técnica e qual a tua opinião em relação a ela. Foi daqui que "tiraste" a Contemplação? Abraço, obrigado por tudo.


Resposta, comentários:

De nada, é uma honra.

Parabéns por leres o livro! Haha nem todos o fazem, e nem todos beneficiam da sabedoria e energia. Todos os livros do David Hawkins são excelentes.

eu tinha vários momentos de felicidade aleatória vinda do nada”

Não era aleatória, nem vinha do nada haha Essa é a experiência comum de se ler um livro do David Hawkins. O nível de verdade e o nível de energia do livro fizeram-te sentir melhor, trouxeram-te estados mais elevados que os que geralmente tens. Libertaram-te um pouco, e durante um pouco, do ego. Não vem do nada, vem do Espírito, e podes sentir-te assim sempre que quiseres, pois o Espírito está sempre presente =) Isso pode levar a uma inspiração que te motiva a aplicar os princípios no teu dia-a-dia e a praticar as técnicas regularmente. E é aí que começa o grande caminho e aventura de evolução, cura, transformação e transcendência!

Não foi daí que tirei a contemplação, mas sim, é a mesma coisa. Sinceramente não me lembro de onde aprendi essa técnica, chamemos-lhe assim. Lembro-me que foi antes de descobrir o David Hawkins, e que na altura conhecia-a como Consciência, ou estar Consciente, presente no momento, focado no agora. O filme “Peaceful Warrior” fala nisso um pouco. É algo que pratico desde 2008, mais ou menos. Estar focado na respiração foi das primeiras técnicas que descobri e que comecei a praticar. O David Hawkins trouxe-me clareza em relação à técnica, explicou-me o seu contexto, e levou tudo para outro nível de compreensão e inspiração. Assim como de eficácia, resultados e experiências.

No fundo todas as verdadeiras técnicas espirituais têm o mesmo propósito: pôr-nos mais focados na realidade, e menos nas ilusões, emoções e pensamentos. Ou seja, menos no nosso conteúdo individual, e mais no contexto em que nos encontramos. Contemplação é isso que explicaste, é observar e experienciar tudo sem questionar. É testemunhar todas as emoções, todos os pensamentos e tudo o que nos acontece na vida sem resistir, sem desejar que fosse diferente. É no fundo uma super-aceitação da existência e destino do nosso eu individual (ego/corpo/personagem no teatro da dimensão física). É deixar acontecer e entrar em acção quando necessário. É um largar do impulso de controlo que o ego julga ter sobre a vida/realidade física… mas que não tem haha!

Tudo acontece espontaneamente e automaticamente por si só. O todo, o Universo, ou o contexto máximo em que tudo existe e se move, vai-se alterando em harmonia, tudo ao mesmo tempo. Não há um elemento que provoque o outro. A causa-efeito é uma ilusão, pois ignora a realidade espiritual invisível que está por detrás de tudo o que acontece. Ignora o contexto. Por exemplo, desenhar. Para eu poder fazer um desenho, que teve de acontecer e existir? Bom, eu tenho de ter uma folha de papel e um lápis, pelo menos, e um suporte rígido. E a vontade de desenhar, de onde vem? E a folha de papel, o lápis e o suporte, de onde vieram? Quem transformou a matéria-prima nesses materiais? E de onde vêm essas pessoas? Quem teve essa ideia? De onde veio a ideia? E para desenhar é preciso estar em algum lado lol pode ser ao ar livre, mas de onde? Um jardim ou floresta em Portugal, que para existir precisa de um contexto maior que é o planeta terra, que precisa de um contexto maior que é o sistema solar, que está na via láctea, que está algures no universo… e só a interacção do lápis com a folha de papel contém sei lá quantos factores que nos são invisíveis e impossíveis de saber, e que determinam o tipo de linha que vai aparecer. E isto é apenas desenhar :D Tudo acontece espontaneamente e automaticamente por si só, nada causa nada. O universo move-se todo ao mesmo tempo, não há qualquer controlo da nossa parte. É por isso que considero que o desenho é algo que me acontece, e não algo que faço ou crio. É mais algo que deixo acontecer.

Repara, nem a lavar os dentes estamos segundo a segundo a pensar no próximo micro movimento e em como o fazer. Temos a intenção de lavar os dentes e o resto acontece automaticamente. Não pensamos, “agora pego na escova, agora no tubo da pasta de dentes, agora coloco a escova perto do tubo, agora aperto o tubo, agora pouso o tubo, agora levo a escova aos dentes, agora esfrego de cima para baixo num ângulo de 45 graus a velocidade x…”. É automático e espontâneo =) tudo. E isto é o que se aprende durante a contemplação. Não logo na primeira vez haha mas quando se contempla o suficiente durante meses, ou anos. Quando se ganha consciência de mais um pouco de realidade/verdade, larga-se automaticamente mais um pouco de ilusão. O controlo é uma delas. Planear coisas com semanas, meses ou anos de antecedência pode ter a sua utilidade, mas no fim é cómico pois o que vai acontecer é o nosso karma e não o que o nosso ego/mente planeia :D

Só existe o agora, nada mais. Agora sabes como é e podes fazer uma escolha, depois não se sabe nada haha tudo pode acontecer. O melhor que se pode fazer é manter uma vida simples, reduzida ao essencial e bonito, em que a probabilidade de surpresas desagradáveis é mínima (mas não inexistente), e mesmo assim lá vem o karma ensinar-nos uma lição dolorosa quando menos esperamos haha! E se aprendemos essa lição, é quase impossível não haver mudanças significativas em nós, na nossa percepção de tudo, prioridades, princípios, estilo de vida, etc. Ops! Lá se foi o controlo. E se não aprendermos a lição…? Entra-se num processo lento (ou rápido, depende da pessoa), de auto-destruição. Um exemplo clássico disto é o sem abrigo que tinha uma vida normal, mas porque lhe faleceu alguém próximo (filho, mãe, irmão, etc), entrou em depressão, deixou de conseguir trabalhar, e o resto é história.

Então quando se contempla o suficiente, quando se integra essa “técnica” no nosso estilo de vida e dia-a-dia, o que acontece? Quais são os benefícios concretos e reais, na prática?

O primeiro é a forma como nos sentimos. Há uma sensação de relaxamento. É por isso que quando íamos tirar sangue para uma análise a enfermeira nos dizia para respirarmos fundo. Não era um truque de magia, mas é que o respirar fundo coloca a nossa atenção (consciência), na respiração, ou seja, na realidade. Isso relaxa e descontrai pois só há emoções negativas no ego/mente. Na realidade só há paz, amor e alegria, haha! No momento presente só há emoções positivas e estados extraordinários, nada mais. Toda a emocionalidade negativa e desagradável está “dentro” do ego/mente, provocada pelas suas percepções, opiniões e posicionalismos relativamente ao que acontece (ilusões), e só sofremos se lhes dermos atenção. Se a nossa atenção estiver na realidade e não nas ilusões do ego/mente, não sofremos e sentimos a energia do Espírito/realidade/verdade/universo/consciência/etc.

Depois acelera-se o processo de evolução. Isto na verdade traz emoções desagradáveis haha porquê? Porque ao contemplar ficamos prontos para lidar com o que está escondido no nosso inconsciente. Ou seja, é como se estivéssemos a pedir mais acesso a mais realidade sobre nós, pois a nossa atenção e intenção está na realidade e em ser um com ela. Então porque estamos prontos (é o Espírito que decido o quando, nada acontece no momento errado, é sempre perfeito), o nosso karma é acelerado, digamos assim haha! E temos acesso a partes de nós que estavam inconscientes por serem demasiado desagradáveis para lidarmos com elas antes. E o que se faz quando isso vem ao consciente? Contempla-se :D é simples. Depois passa, e voltamos a um estado positivo ainda melhor que antes, pois libertámo-nos de mais ilusões, que antes nem sabíamos que tínhamos.

Terceiro, passamos a conseguir fazer melhores escolhas na vida. Esta é óbvia, pois se estamos mais calmo e conscientes do que nos rodeia, temos acesso a mais elementos e factores e podemos ser mais racionais e ponderados nas nossas escolhas. Isto inclui tudo, principalmente… relações. A clássica selecção consciente. Muitos problemas e sofrimento são evitados quando rejeitamos aquilo e aqueles cuja essência é contra a verdade, amor e integridade. Como por exemplo os recentes ataques que recebi no Cool Vibes, ao áudio da selecção portuguesa no Euro 16, e sobre os downloads ilegais, haha! Foram os clássicos comentários destruidores de universos, portanto irracionais e de baixa energia (e mal escritos também, cheios de erros ortográficos e gramaticais), logo inúteis, e por isso rejeitados ;) quando a nossa essência está do lado certo do campo de batalha, quando fazemos o que amamos e vivemos em prol da integridade, somos atacados e não há nada a fazer. Não te iludas, não vais ganhar fãs por ser um ser humano mais decente, confiante e feliz. Irás conhecer pessoas mais evoluídas, tipo meia dúzia, mas o resto vai-te invejar, odiar e querer eliminar da face da terra :D quando te tornas numa ameaça para o ego e trazes à consciência aquilo que ele não quer saber e que não quer que os outros saibam, tornas-te automaticamente num alvo a abater. Bom, mas já que cá estou, tenho que me entreter com alguma coisa não é? ^_^ o nosso ego morre lentamente. Não é uma festa, é guerra. Mas no fim não é nada, foi apenas uma espécie de sonho. O período de vida no nível de consciência anterior vai-nos sempre parecer um sonho. Porque será…? ;)

Com contemplação vais-te sentir mais confiante, mais tranquilo e mais independente. Isto permite-te viver de uma forma mais estimulante, com mais paz e alegria, a fazer e resolver tudo mais rápido, a agir sem tanta hesitação, a arriscar mais e a desfrutar mais no geral. Irás admirar e respeitar mais as qualidades dos outros, e o que é belo no mundo e que te melhora a vida, e irás deixar de tolerar tudo aquilo que bloqueia isso ou que o tenta destruir/sabotar. Aquilo que é de interesse geral para o nosso lado animal, ou mesmo humano, deixa de te interessar tanto, ou de todo, e torna-se aborrecido. Começas a perceber que muitos dos estímulos que as pessoas procuram são desnecessários, assim como o esforço que fazem e a vida que levam para os terem. Tornas-te diferente, pois começas a viver tendo prioridades, preferências e princípios diferentes da maioria das pessoas, e da sociedade no geral. Descobres que há vida para além do Facebook, Instagram e Twitter :D que não precisas do orgulho dessa atenção, mas que preferes a simplicidade e paz da vida discreta, sem alimentar o individualismo e orgulho do ego. Ah, e que consegues conhecer mulheres sem ter nada nesses sites ;) para conhecer mulheres pela internet basta usar sites que existem para isso, como o Tinder e o Badoo. Mais simples e eficazes, as mulheres estão lá porque querem falar com homens e conhecê-los pessoalmente (na maior parte dos casos), e assim perde-se menos tempo com tretas, tal como eu adoro =) e sim, irás sobreviver sem fazer downloads ilegais, hahaha!

Mais a nível pessoal e específico, eu vivo o dia-a-dia sem planear grande coisa. Eu sei do que gosto e do que não gosto, e procuro desfrutar o melhor possível momento a momento, independentemente do que me acontece ou do que acontece à minha volta. A minha vida será como tiver de ser, quando tiver de ser, eu farei o que conseguir para desfrutar, ou para me sentir o melhor possível dentro das circunstâncias, sejam estas boas ou más para o meu eu individual. Nada é bom ou mau, apenas é. Apenas acontece. Eu sou bastante livre dos problemas do mundo e das pessoas, não tenho emocionalismos e consequentes opiniões em relação a isso. Tenho uma visão mais real, o que me liberta, pois faz-me ver que não há problemas no mundo haha apenas pessoas com karmas diferentes em interacção que têm de passar pelo que têm de passar, pois o propósito é evolutivo, e não de conforto ou validação do ego/eu animal.

A forma como vejo as coisas começa a ser demasiado escandalosa para os padrões de sentimentalismo comum animal/humano (ilusões do ego), para poder dizer o que realmente vejo nas pessoas e situações, por exemplo. Por isso calo-me, e deixo acontecer, até porque só acontece o que é suposto acontecer. As minhas palavras são irrelevantes, o que interessa são as escolhas que faço, o que sou, como vivo, como lido com as minhas limitações e karma, e como vejo isto tudo. O resto é conversa :D Graças à contemplação sou livre, e desfruto dessa liberdade. Levo uma vida simples e pacífica sem fogo-de-artifício, e sem problemas, não porque não acontece nada, mas porque estou bastante tranquilo com o que acontece e vejo as coisas mais “dramáticas” com humor, reconhecendo o seu valor evolutivo e o seu lado positivo prático. Ser livre de sofrimento emocional e livre deste mundo são as melhores coisas que conheço – se bem que westerns, G.I. Joes, música 80s, e certas coisas que uma mulher nos pode fazer também estão no topo da lista ;)

O meu único sonho é viajar sozinho tranquilamente de onde estou em direcção à Luz Final. Tranquilamente não porque não acontece nada de desafiante, mas porque estou à altura desses desafios. Como? Contemplando e aceitando esse caminho. Obrigado pela tua pergunta, segue o que Amas.


- Pedro Constantino



terça-feira, 23 de agosto de 2016

“Dowloads Ilegais e Pirataria: Como Prejudica a Evolução, Felicidade e Karma”

“Dowloads Ilegais e Pirataria:
Como Prejudica a Evolução, Felicidade e Karma”


Pergunta de leitor do Cool Vibes:

“Olá Pedro tudo bem? Antes de mais queria agradecer-te pela tua resposta na minha pergunta anterior, Obrigado :) Vim hoje aqui porque gostaria que me clarificasses alguns conceitos, um sobre entretenimento pessoal e o outro sobre pirataria. Recentemente falaste em entretenimento pessoal e que não era o mesmo que desenvolvimento pessoal e isso parece claro, no entanto me questiono, o entretenimento pessoal não é uma consequência do desenvolvimento pessoal? Estou a perguntar isso porque ultimamente ando tendo mais entretenimento pessoal do que é costume e isso só é possível porque tenho energia suficiente para me divertir, porque em níveis mais baixos não temos nem energia para fazer coisas que gostamos.

P.S.: O entretenimento pessoal de que aqui falo tem mais haver com saídas e actividades e não tanto com ver televisão ou jogar PC, por exemplo :)

Pirataria. Há alguns meses atrás talvez, eu questionei-me se seria integro andar a ver filmes de forma ilegal (downloads ou online) e comecei a me sentir ingrato pois os responsáveis pelos filmes tiveram tanto trabalho para fazer um filme com boa energia e/ou com qualidade, e eu ao ver os filmes de forma ilegal não estava a dar o meu contributo. Depois num vídeo teu creio eu também falaste no assunto e a partir desse dia nunca mais vi filmes de forma ilegal e por incrível que pareça nessa semana uns canais de filmes premium abriram e deu alguns filmes fixes que aproveitei logo para gravar para ver mais tarde eheheh.
Depois disso apercebi-me que sou um pirata, os jogos que tenho são piratas, os programas que tenho são piratas, os livros que tenho são piratas, e via futebol de forma pirata, mas surge-me uma duvida em relação à musica pois basta ir ao youtube para ouvirmos a musica que queremos, e não sei se isso é legal ou não, eu queria saber qual a melhor maneira de ouvir musica em qualquer lado de forma integra e legal :)

Apelo: No próximo dia 20 Conor Mcgregor vai combater, no entanto eu ainda não consegui encontrar um local para assistir ao combate uma vez que este vai ser transmitido num canal premium, peço a vossa ajuda para encontrar um lugar ou uma família com SportTv que esteja disposto a me aturar madrugada dentro. Ahahahaah Abraço a todos :)”


Resposta, comentários:

Olá! Está tudo bem por aqui, obrigado.

Eu falo de entretenimento pessoal no contexto de formações de desenvolvimento pessoal. Uma coisa são princípios que de facto nos ajudam a evoluir, e verdades que nos abrem os olhos para algo em nós que nos pode vir a libertar de uma limitação, e assim contribuir para a nossa mudança e felicidade. Princípios têm um efeito a longo prazo, e permanente. Outra coisa são histórias, piadas, jogos, curiosidades, exercícios e convívios nessas formações (ou em casa lol), que apenas estimulam a mente e nos entretêm temporariamente, e que trazem um pico de energia que desaparece passado pouco tempo.

Se de facto evoluímos passamos a ter mais energia, logo conseguimos fazer mais coisas na vida. Mas isso é viver a vida e desfrutá-la, não tem a ver com o entretenimento pessoal de que falo. E a partir de certo nível de energia/consciência, estamos tão preenchidos e completos pelo Espírito que não precisamos de qualquer tipo de entretenimento. E é aí que começa a verdadeira transcendência da mente e do mundo, e se larga cada vez mais o linear/conteúdo da dimensão física, e se vive cada vez mais no não linear/contexto do Espírito =)

Quanto aos downloads ilegais e pirataria, sim, obviamente que não é íntegro, haha! :D

Há aquela clássica, mas inválida, desculpa de, “mas eles fazem milhões de euros com os filmes!”. O que não faz sentido nenhum. É apenas uma racionalização e desculpa do ego para se sentir melhor com ele próprio, para aliviar a culpa inconsciente de fazer downloads ilegais. A quantidade de dinheiro que alguém faz criando algo, ou trabalhando em algo, não é justificação válida para se obter ilegalmente, sem se pagar, o que essa pessoa faz. Isto é básico. Na vida só temos o que merecemos, é assim que funciona o karma. Se é suposto pagar-se para se ter um filme ou música, então só merecemos esse filme ou música se tivermos dinheiro suficiente para o comprar. E quem não tiver dinheiro para comprar, não vê o filme nem ouve a música, é simples. É esse o seu karma e só vai evoluir se o aceitar.

Se um actor ganha o que ganha ao fazer um filme, é porque karmicamente merece esse dinheiro. Ele tem o talento e as qualidades humanas que lhe permitiram ser actor e ser capaz de fazer o filme. Se não merecesse esse dinheiro, não o teria, nem seria actor ;p não é o ego que decide o que é justo ou injusto, ele nem tem capacidade para saber isso. É o Espírito, e já está tudo perfeito neste momento, pois as pessoas têm karmas diferentes e têm diferentes lições a aprender na vida humana. Umas numas áreas, outras noutras áreas, a níveis diferentes. É por isso que há de tudo no mundo, desde o mais rico ao mais pobre, do mais sofisticado ao mais primitivo, do mais santo ao mais maldoso, etc. É suposto ser assim, e é perfeito assim para o seu propósito de escola de almas, na qual há karma negativo a “pagar” (lições a aprender), e a transformar em positivo. E claro, desfruta-se aquilo que já se aprendeu. Não há sorte nem azar, há karma positivo e negativo. Pode-se é não estar consciente disso, ou não se querer aceitar isso, e assim não se compreender as verdadeiras razões que estão por detrás do que é chamado de “sorte” e de “azar”.

Voltando à justificação do “mas eles ganham milhões com o filme!”, no fundo não passa de inveja daqueles que estão melhor na vida e têm mais dinheiro. Sim, o ego é estúpido a esse nível :D se ganham milhões é porque conseguem, devido ao seu talento, qualidades e esforço, pois há muito trabalho por detrás de uma obra ou produto acabado. Trabalho, criatividade e inteligência. Assim como também entusiasmo, confiança e optimismo. Tudo qualidades que merecem o que obtêm. Portanto a justificação é falsa e não vale nada. Não safa ninguém do karma negativo de estar a meter as patinhas em algo que não merece, pois não pagou por isso :P E há uma equipa enorme por detrás da criação de um filme, não é só os que ganham milhões, mas todo o tipo de pessoas que também precisam de meter comida na mesa e alimentar a sua família. Assim como também há vários desafios por detrás da criação de qualquer obra de arte ou produto. Não é nada fácil, e com humildade e respeito reconhecemos isso e passamos a valorizar o trabalho de todas as pessoas, fazendo questão de pagar por ele, se queremos desfrutar do seu esforço e talento para nos entretermos, ou aprendermos.

Outra típica desculpa/racionalização/justificação para os downloads ilegais é a do estado da industria de Hollywood. Que é gananciosa, põe o dinheiro à frente da arte e dos artistas e espalha maus princípios através dos seus filmes. Ok, tudo bem. Mas é uma desculpa da treta haha porquê? Porque é hipócrita :) quem não gosta de Hollywood simplesmente não vê os seus filmes. Essa é a atitude de integridade. Mas não, o que estes "santos" fazem é ver os filmes de uma indústria que supostamente odeiam, mas sem pagar para os ver LOL é óbvio que não passa de uma desculpa esfarrapada, e quem a dá precisa desse entretenimento, validando a fonte deste que diz estar errada :D ora um ser humano íntegro que segue princípios e não emoções, se genuinamente não gosta de Hollywood, não vai ver os seus filmes. Mas estes "heróis" anónimos vêm os filmes à mesma, e para se sentirem bem consigo próprios para os sacarem à borla e verem sem pagar, associam isso a uma espécie de castigo que não faz sentido nenhum e é treta :) Hollywood tem bons e maus filmes, independentemente da indústria ter a sua falta de integridade. O que temos é de ser selectivos e não viciados em entretenimento, e temos de pagar todos os filmes que decidirmos ver, essa sim é uma atitude digna e um bom exemplo. E quem não gosta, simples, não vê ;)

Integridade não é para meninos. Experimenta hoje, e já, deixar de fazer downloads ilegais para sempre... o ego vai-te logo atacar com o medo de estar a perder algo, por não ter acesso a tantos filmes, séries, ebooks e músicas que o distraem da realidade. E depois? Ele não merece essa quantidade se não puder pagar essa quantidade. É doloroso e difícil, mas é algo que tem de ser largado por quem quer mesmo viver num nível superior de paz, felicidade e confiança, precisando de cada vez menos validação externa, e estando cada vez menos perdido em ilusões, no orgulho da falsa superioridade moral e nas armadilhas do sentimentalismo (ver o mundo e a humanidade através de lentes cor de rosa).

Sempre que adquirimos algo que não merecemos, pois é óbvio que é suposto pagar para ter isso e foi adquirido sem pagar por meios ilegais, estamos a acumular karma negativo. O que é perfeito! Há uns anos atrás veio-me um pensamento à cabeça: não é curioso que a geração dos downloads ilegais é ao mesmo tempo uma geração com dificuldade em arranjar emprego…? Estará relacionado? Pode nem estar, mas será que não valorizar o trabalho e capacidades dos outros (adquirindo o que criam sem pagar) traz o karma negativo de o nosso esforço e capacidades não serem valorizados (ser difícil encontrar alguém que nos queira pagar ordenado)…? Pensa nisso.

Se estás interessando/a em evoluir e em alcançar um nível superior de felicidade, paz e harmonia na vida, tens de deixar para sempre os downloads ilegais. E a boa notícia é que é grátis fazer isso! :D e se tens cópias pirata em casa e no computador, tens de apagar tudo e mandar tudo para o lixo. Todos os filmes, músicas, ebooks, séries, jogos de pc, programas de computador (incluindo o Windows e o Microsoft Office, assim como Anti-Vírus). Tudo. E a minha sugestão para além disso, é se algumas dessas coisas realmente te fizeram sentir bem, se as adoraste, compra-as. Se viste, ouviste e usaste, e adoraste, compra. E desfaz assim o karma negativo de as teres adquirido ilegalmente.

Não tens de comprar tudo o que sacaste ilegalmente, basta parares, basta a tua intenção de viver de forma impecável e com dignidade, e de comprares apenas aquilo de que realmente gostaste. Quando o fizeres vais descobrir em ti uma nova confiança e sensação de satisfação, e certas coisas vão automaticamente melhorar na tua vida. Até porque quando se saca de tudo por ser falsamente grátis, fácil e rápido de adquirir, não há processo de selecção nem de apreciação. Vê-se de toda a porcaria em termos de nível de energia/consciência, e não se dá o devido valor pois dali a 5 minutos pode-se ter outro filme, e depois outro, e outro, e outro, infinitamente. Não se aprecia o que se está a ver, ouvir ou ler. A atenção não está mesmo lá, no momento. Perde-se a essência, não se beneficia das lições e da beleza da arte. E porque se tem sempre uma coisa nova em minutos ou segundos, não se revê, ouve ou relê novamente a anterior devidamente, e isso é grave, pois leva a um nível de preguiça mental que nos afecta em tudo na vida. Leva-nos a um estado de desinteresse anestesiado, em que só se aprecia superficialmente a aparência das coisas, o que é novidade, coisas a acontecerem e a mexerem-se (no caso dos filmes lol), escapando significados importantes, como se estivéssemos num transe negativo e fraco. E há coisas que nos escapam na primeira e segunda vez que vemos um filme, ouvimos uma música, ou lemos um livro. Há interpretações erradas que fazemos nas primeiras vezes. Como se descobre isso quando se está num transe de vício de “mais e novo entretenimento agora!!”, não revendo nada dando o devido valor?

Não te iludas, ver algo sem pagar quando é suposto pagar traz imediatamente um estado fraco, de baixa energia, pois a atitude não é íntegra. Há sempre culpa inconsciente. E esse transe fica connosco em todas as áreas da vida, profissional, amorosa, social, trazendo níveis prejudiciais de impaciência, superficialidade e preguiça, por exemplo.

Quanto ao Youtube, a forma como vejo a situação, é na boa. Porquê? Porque o Youtube é um site legal, e certamente pagas a conta da internet para teres acesso ao Youtube. Não estás a adquirir uma cópia para ti, apesar de para vermos algo temos sempre de pagar (seja o bilhete de cinema ou o DVD/Blu-Ray, por exemplo).

O que podes fazer é, sempre que vires um filme, série, ou ouvires uma música no Youtube, se gostares mesmo muito, compra a seguir. Claro que com a tua evolução vais precisar cada vez menos de ver tantos filmes e séries para te distraíres da realidade, logo esse “problema” e sofrimento desaparecem automaticamente.

Menos filmes, menos música, menos séries, menos livros, mas mais qualidade, e sempre comprado. Eu adoro comprar os DVDs, CDs e os livros, são objectos reais que aprecio e sinto-me de forma espectacular sempre que os compro. Não preciso de gastar muito dinheiro pois não preciso de ver algo todos os dias, e há muita coisa em segunda mão bem barato =) e tenho essa área da vida limpa, o que traz uma confiança que não se adquire de outra forma.

O ser humano existiu a maior parte do tempo sem filmes e séries haha lembra-te que Sócrates nunca viu um filme na vida, e não foi menos sábio por causa disso ;)

Há um vício em entretenimento hoje em dia, e tudo bem. Eu não tenho nada contra isso, nem nada contra quem faz downloads ilegais, nada. A questão é que se estás mesmo interessado em mudar a tua vida para melhor, em evoluir e ser mais feliz, a tua atitude em relação a isso tem mesmo de mudar, os downloads ilegais e a pirataria têm mesmo de acabar. São poucos os que vão conseguir, ou sequer tentar, mas a história do mundo é a de uma minoria íntegra a carregar isto às costas, portanto… :D

E quando ao McGregor, tem juízo. ;P


Pergunta de leitor do Cool Vibes:


Olá Pedro, obrigado pela partilha que tens feito com o teu projecto! Tens vindo a falar que não devemos fazer pirataria das músicas, filmes, programas, etc... de facto comecei a deixar de consumir pirataria por completo há pouco tempo, bem que há um ano para cá já consumia mesmo muito pouco de conteúdo pirata. Bem, agora começo a pensar, mas isto agora parece-me um pouco injusto, eu estar a comprar tudo e algumas pessoas continuam a desfrutar do conteúdo sem pagar. O que gostaria de perceber é como a nível espiritual isto pode ser bom para mim e para as pessoas que também tentam sempre ajudar os autores dos conteúdos? Obrigado."


Resposta, comentários:


Olá, obrigado eu, é uma honra.

Estás no caminho certo, estás a fazer algo genuinamente bom. Não podes deixar o ego sabotar-te a evolução e felicidade. Essa ilusão do “injusto”, de “parece-me um pouco injusto, eu estar a comprar tudo e algumas pessoas continuam a desfrutar do conteúdo sem pagar”, nada mais é que uma armadilha do ego para te seduzir para o lado não íntegro da humanidade. Sim, eles desfrutam do conteúdo sem pagar em dinheiro, mas vão pagar em karma negativo de diferentes formas, e é esse o problema. Há consequências negativas a médio/longo prazo, e ninguém escapa. Temos de acordar para a realidade e perceber que sacar um filme na internet é o mesmo que roubar um DVD na FNAC, por exemplo. Em aparência são actos diferentes, mas em essência são a mesma coisa: estamos a obter algo sem pagar que é suposto pagar.

É bom para ti não o fazer por várias razões: quem não valoriza e respeita o trabalho dos outros nunca vê o seu trabalho valorizado e respeitado. Não interessa se o filme é bom ou mau, caro ou barato, se Holywood é isto ou aquilo, se fazem muito ou pouco dinheiro, temos de pagar pelo filme e acabou-se. Muitos sacam numa espécie de atitude anti-Holywood, o que é imaturo e falso, pois se têm algo contra Hollywood não lhes roubem filmes, simplesmente não os vejam lol e as mesmas pessoas anti-Holywood também sacam filmes feitos noutros países, muitos deles projectos de artistas que amam cinema e contam histórias bonitas com orçamentos baixos. Qual é a desculpa nesse caso? Haha! mas tenho a certeza que conseguem inventar uma desculpa, pois é a sua especialidade.

Porquê? Porque a segunda consequência é culpa inconsciente. Esta culpa surge quando se faz algo errado, que não é suposto fazer-se, pois está-se a negligenciar um ou mais princípios espirituais. Esta culpa inconsciente é reprimida e “combatida” com desculpas, justificações e racionalizações para a pessoa conseguir continuar a cometer o erro sem se sentir mal com ela própria (“ah eles fazem muito dinheiro” – isto é estúpido pois então a partir de que quantidade de dinheiro que alguém faz é que se pode roubar o seu trabalho? Lol onde está a tabela? Haha se a pessoa ou empresa/indústria faz muito dinheiro é porque o merece/consegue, devido a qualidades, ideias e esforço. Isso não é justificação para se roubar o seu trabalho). O problema é que a culpa está sempre lá, a sabotar a confiança e boa disposição emocional da pessoa, mesmo que ela não se aperceba.

Outro problema é o facilitismo. Sacar-se de tudo sem se merecer as coisas, sem se gastar o dinheiro e sem se trabalhar para ter esse dinheiro, leva a uma preguiça crónica subtil. Se já se tem os filmes de graça, para quê esforçar-se para ter o dinheiro para os comprar? Lol esta atitude leva ao bloqueio da evolução pois há coisas que nunca se vão fazer, lições que nunca se vão aprender, e a humildade e independência de, “se quero ver este filme tenho de o merecer pagando para o ver, se não tiver o dinheiro largo o desejo e esqueço-o”, que nunca se vai ter.

Finalmente vem a selecção consciente. Quando é “grátis” saca-se de tudo sem critérios verdadeiros. Quando não se tem dinheiro para tudo tem-se mesmo de escolher o que se vai comprar, pois não se pode comprar tudo o que se quer. Isto leva-nos a largar a quantidade em nome da qualidade, o que é um princípio essencial para qualquer pessoa que queira ser feliz. Não precisamos de muitos filmes e músicas, precisamos é de bons filmes e boa música (artisticamente excelentes e de energia positiva). O sacanço perpetua o vício em entretenimento que por sua vez perpetua a inconsciência do nosso ego e realidade. Quanto mais se saca mais se tem para se distrair da realidade e de nós próprios, em vez de enfrentarmos a nossa verdadeira essência (ego) e a nossa vida, e fazermos algo em relação a isso com a intenção de termos uma vida melhor e de nos sentirmos melhor no dia-a-dia. Há uma confiança, bem estar e satisfação enorme quando compramos sempre o que queremos e largamos o desejo daquilo que não conseguimos comprar.


Pergunta de leitor do Cool Vibes:

“Olá Pedro, como é que estás? Na sequência da pergunta anterior, queria perguntar-te o que achas de ver filmes online sem os sacar? Mais especificamente, em sites próprios para se ver filmes. É isto também uma atitude não íntegra? Tenho andado a ver filmes que recomendas e esta opção tem me ajudado muito no meu crescimento. Agora, não tenho a certeza se me está a ajudar por um lado e a prejudicar por outro. Tenho em mente algumas coisas em que possa prejudicar (se for o caso) mas não vejo muitos problemas com isto. Por exemplo, a educação superior na Suécia é gratuita, o que me parece ser uma medida espectacular. Penso que o ensino deveria ser um direito acessível a qualquer pessoa. Neste sentido, pergunto-me também, será que ver filmes online gratuitamente (em sites específicos para isso) poderá ser considerado uma atitude íntegra? É um acesso mais livre a cultura e ao crescimento e só quem está realmente interessado é que vai procurar e ver os filmes. Obrigado e um abraço.”


Resposta, comentários:

Isto é muito simples: se o filme está à venda em algum lado, é preciso pagar para o ver. Se o virmos sem pagar, seja como for (sacado ou num site), não estamos a fazer as coisas como deve de ser. Se o vês num site sem pagar, a solução é depois o ires comprar, e tens mesmo de o ir comprar. Se a FNAC (por exemplo) tem à venda o DVD do Fast and the Furious, então tem que se pagar para se ver o Fast and the Furious. Não é suposto sacar-se esse filme, nem vê-lo gratuitamente num site qualquer. Fazer isso não é na boa, não é fixe nem é aceitável. Tem que se acordar para a realidade e começar a viver com decência e respeitar o trabalho, qualidades e investimento dos outros. Claro que isto apenas interessa a quem realmente quer evoluir, ser íntegro e desfrutar dos estados interiores positivos desses níveis de consciência. Quem não quer saber disso vai apenas arranjar mais desculpas, racionalizações e justificações – sempre inválidas - para poder continuar a curtir os prazeres preguiçosos da falta de integridade sem se sentir mal com ele próprio devido à culpa de andar a fazer algo errado. E tudo bem, cada um é que sabe de si. Somos todos livres de experienciar a vida humana como quisermos, mas a Verdade é a Verdade e todas as nossas escolhas, mentalidades e atitudes têm consequências.

O ensino não tem nada a ver com sacar filmes. Nada, zero. Só na nossa imaginação é que isso tem ligação (e a Suécia faz isso pois tem dinheiro para isso. A manutenção de uma Universidade custa muito dinheiro e tem que se pagar ordenado aos professores). Os filmes inspiradores são bons para ver, mas não são essenciais. Uma pessoa pode nascer e deixar o mundo sem ver nenhum filme e evoluir espiritualmente, o que é algo que acontece devido a como vive a vida, acumulando karma positivo, sendo optimista, sendo selectivo, fazendo boas escolhas, enfrentando os seus medos, contemplando e deixando de seguir o ego (largar a ilusão pela Realidade), etc. As pessoas falam em amor e querem proteger os animais e a natureza e são contra os ricos e a América e blá blá blá mas não sabem o que é amor. As suas escolhas no dia-a-dia desmascaram-nas. Sentimentalismo não é amor. Sentimentalismo distorce a Verdade para os não íntegros se poderem sentir melhor com eles próprios e ganharem benefícios que não merecem. Tudo na vida exige mérito, tudo. O Sylvester Stallone passou fome para poder fazer o filme Rocky. Chegou a ter de vender o próprio cão para poder comer (que mais tarde comprou à pessoa a quem o tinha vendido por um valor ridiculamente alto). O guião foi escrito por ele, e nem o queriam como actor principal, mas ele conseguiu ser o actor principal. Apesar da miséria porque passou e pelas rejeições que sofreu, conseguiu fazer um filme bonito e inspirador. Fixe... bora sacar o filme para ver! Que atitude bonita não é...? Quem faz isto está-se a cagar para o esforço e mérito dos outros, só está a pensar na sua vontade de ver o filme. Só está a pensar no seu prazer de ver o filme, só está a pensar no seu entretenimento. Só está a pensar nele próprio. Amor? Zero!

Seja o Rocky ou seja o Fast and the Furious, seja o filme bom ou mau, houve seres humanos a investir tempo, energia e dinheiro para fazerem o filme. Nem todos por dinheiro ou fama, muitos por amor à sua arte, e a passar dificuldades para o conseguirem fazer. E mesmo aqueles que o fazem facilmente por dinheiro e fama, se o fazem é porque o conseguem fazer, têm as qualidades, ideias e a determinação, e merecem o que ganham com os filmes que fazem. Tem que se largar a inveja e ódio dos ricos e famosos, e começar a valorizar o seu sucesso, com humildade e vendo-o como fonte de inspiração.

Quem saca filmes regra geral também saca música, livros, videojogos, software, etc. Enche o disco rígido (ou discos rígidos) de coisas que não merece. Não há humildade, não há amor... logo não há uma vida feliz. A culpa inconsciente vai envenenar tudo, secretamente e lentamente. Não há escape, pois o propósito da vida é evolutivo, e chega o dia em que se tem de enfrentar essa culpa e aceitar a realidade das coisas erradas que se tem andado a fazer, e largar as justificações inválidas.

Muitos dos filmes que recomendo estão a 5 ou 8 euros na FNAC e pode-se alugar vários desses filmes no Youtube por 3 ou 4 euros. Não é preciso ver estes filmes. Muito menos é preciso ver estes filmes todos os dias, ou todas as semanas. E quando se compra um filme pode-se ver esse filme as vezes que se quiser, para sempre. Qualidade em vez de quantidade, neste caminho é importante largar o vício por entretenimento. O ego sente que vai ficar a perder, e fica. Mas o que o ego perde, o Espírito ganha. O ego perde quantidade de coisas falsamente grátis, e perde o falso luxo de poder não enfrentar o que é e tem andado a fazer (culpa), mas tu ganhas em satisfação, confiança e em ter uma vida boa e decente cujas bases do que tens são reais. Ficas mais livre e consciente, tanto do ego como das suas artimanhas para te manter sem integridade, cego e distraído da verdade sobre ti e do que te rodeia.

Como pode ser difícil deixar de fazer downloads ilegais quando um homem como Viktor Frankl sobreviveu a mais que um campo de concentração, a comer espinhas de peixe em água quente, a descobrir a beleza nisso e significado para a sua vida, partilhando as suas descobertas com os seus companheiros, inspirando-os a sentirem-se melhor, e depois de sair daquele pesadelo horrível, escreve dois livros que têm vindo a inspirar pessoas por todo o mundo? Bora sacar-lhe os livros, que isso é que é fixe! Lol


Deixemos-nos de tretas.


Obrigado pelas vossas perguntas.

Paga pelo que Amas (haha!),

- Pedro C.

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Sade - Keep Looking


SADE
Keep Looking

-

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

"Porque o Homem Não Tem De Pagar Sempre a Conta"

Porque o Homem Não Tem De Pagar Sempre a Conta

Subscreve o novo canal de Youtube do Cool Vibes em:




Pergunta de leitor do Cool Vibes:

Pedro sei que já falou sobre o assunto mas não de forma pormenorizada, mas que me diz sobre a questão das mulheres que acham que o homem sempre tem que pagar as contas? Porque já conheci mulheres que por terem condições financeiras melhores que as amigas, pagam tudo para as amigas, mas quando estão comigo querem que seja eu a pagar tudo. Tipo ter que pagar o cinema, o motel e depois o lanche ou jantar. Quando estou começando a conhecer alguém até me sinto bem em fazer algumas pequenas gentilezas, mas quando noto que a mulher quer sempre que se encontra comigo ir lanchar, ou ficar indo em lugares caros, isso não me parece bom sinal. Também me parece mau sinal quando a mulher me convida para sair querendo somente ir para algum lugar comer e depois retornar. Coisa que muito raramente permito. O fato é que quando falo em dividir noto que isso as aborrece bastante. E outra, não dá para sair pagando as coisas para toda mulher que vou conhecendo porque então dessa forma não sobraria mais dinheiro para nada. Pois estou sempre a conhecer mulheres. Que pensa a respeito?”

Obrigado pela tua pergunta.

Segue o que Amas,
Pedro Constantino

terça-feira, 2 de agosto de 2016

“A Verdade Para Além Da Percepção Do Ego”

“A Verdade Para Além Da Percepção Do Ego”


Pergunta de leitora do Cool Vibes:

“Olá Pedro! Algumas experiências bem sucedidas aqui no Cool Vibes e sua forma de atingi-las coincidem com uma palestra que assisti ontem de um Lama budista brasileiro (que aliás adooooraaaa futebol e dar exemplos usando esse desporto, rs). Ele proporcionou um retiro sobre vários temas, e ele comenta sobre as "bolhas" em que vivemos, aonde por ex. o futebol seria uma bolha com regras próprias, as quais nos identificamos no período do jogo e depois ela se desfaz para cada partida, e assim vamos activando-as a cada novo jogo ou temporada. 

Daí que para mim, depois de ouvi-lo por umas 15 horas :D facilitou entender melhor até o que você fala neste áudio e como as coisas funcionam. As limitações que nós criamos considerando estarmos numa determinada bolha. E então veio um exemplo da formiga que está me intrigando até agora!!!

No budismo tibetano eles acreditam em 6 reinos, e que os seres de cada reino irão passando por evoluções e alcançando reinos melhores até atingir a iluminação. A formiga está no reino dos animais, e seria muito difícil para ela, apesar de ter a inteligência primordial, se ver numa condição superior. Mas, a partir do momento que ela perceber dentro da sua bolhinha que o que a limita é a sua maneira de se perceber, na sua forma, daí ela pode sim iniciar esse trajecto para reinos superiores. Entretanto, como a formiga pode ter pouca visão do que é uma vida iluminada, então ela precisa no mínimo se dispor a querer isso e, na visão do budismo, o Buda daquele reino irá ajudá-la. Seria, simbolicamente, a entrega. Acredito que seria o princípio do Hawkins. Se colocar fora da bolha se dá pelos mesmos caminhos ensinados aqui, ou seja, pela contemplação. 

Mas de fato, eu percebo essa limitação da formiguinha em mim. Eu me pergunto como no exemplo do Lama, se o que eu enxergo é mesmo o caminho da iluminação ou não. Porque na minha limitação eu posso pensar que estou sim no caminho certo mas isso ser mais uma ilusão.


E daí ele menciona que o objectivo é que as bolhas não nos atinjam mais, que consigamos perceber todas as ilusões, regras, e que o mundo não é um jogo de futebol, rs. O mundo lá fora não tem juiz, bandeirinha, faltas não marcadas.

Entretanto, viver fora da bolha é muito difícil, temos que estar atrelados a alguma senão perdemos a identidade em alguns aspectos da vida.

Desculpe por usar esses termos repetidamente, ou as "bolhas", não sei se me fiz entender.  Por fim, a contemplação nos faz criar um observador que nos permite olhar além das bolhas. Eu às vezes me sinto assim mesmo, ou sinto como se tivesse alguém me observando ou observando a mente e sensações e dessa forma tentando aquietá-las. 

Nos termos budistas, você Pedro seria um Bodhsatva e o Cool Vibes a forma que você criou de cumprir com a sua missão, interferindo em várias bolhas.  Por fim, toda essa história me faz pensar que nada faz sentido então. Não faz sentido ficar brava, não faz sentido sentir ciúmes, não faz sentido sentir medo. Claro que esse nível de consciência não corre pelas minhas veias, é apenas intelectual ainda. 

Mas faz sentido o contrário, o que consideramos como "o lado bom da vida"? 

Essa experiência que estamos tendo como humanos (ou sei lá em que reino estou, rs) a cada momento me intriga mais. Talvez seja o caso de pedir ajuda ao Buda desta minha bolha para entendimento e iluminação... Acho que no momento é você Pedro.

Em resumo, estas experiências que temos, de "bom e de ruim", são para que ultrapassemos as limitações que elas mesmas nos impõem? Ao invés de sofro e fico triste, sou amada fico feliz, eu devo ser eu mesma o tempo todo sem que isso me afecte profundamente? Isso não é sem graça, risos? Obrigada Pedro!”


Resposta, comentários:

Olá! Primeiro de tudo, eu não sou nenhum Buda! Haha nem nenhum santo, nem iluminado, e é um erro considerar-me isso. Se sou alguma coisa, sou um cowboy :D

Segundo, qualquer dúvida que tenhas tido na palestra do Lama budista brasileiro, deve ser esclarecida com o Lama budista brasileiro. Só ele sabe o que quis dizer, qual era a sua intenção e como usa os seus termos específicos.

E depois, relativamente ao geral do que comentaste e perguntaste, o obstáculo é que o ego não consegue ver nada para além dele próprio. O ego não consegue ter consciência de que há uma realidade para além dele, logo pensa erradamente que se não for ele, não há vida, não há emoções de nenhum tipo, nem pensamentos, nem nada, haha!

“Sem as minhas percepções, opiniões e julgamentos, não sentes nada e a vida é um vazio!” – diz o ego a todos nós :D

Mas isso é falso.

É verdade que contemplando ganhamos consciência do que é real e do que é ilusão. Contemplar é viver e experienciar o momento sem comentar mentalmente, sem julgar, sem ter opinião sobre o que acontece. Só a verdade importa e nos pode orientar de forma eficaz, opiniões são construções falsas do ego baseadas em percepções incompletas e erradas da realidade (ilusões), logo são obviamente má ideia.

É o que a realidade nos diz que importa, e não as opiniões, julgamentos e emoções do ego. Uma coisa é a realidade em si, e o que de facto é verdade. Outra coisa é a percepção da realidade, que é sempre distorcida e incompleta, pois as emoções distorcem a percepção e impedem-nos de ver as situações e as pessoas como realmente são. O que a percepção distorcida nos leva a fazer é a colar rótulos e significados errados nas situações e nas pessoas. A nossa ideia das coisas é forçada nas próprias coisas (projecção), em vez de simplesmente estarmos conscientes de como as coisas realmente são, ou seja de recebermos da realidade a ideia correcta das coisas. Por outras palavras, a percepção emocionalizada do ego leva-nos a “empurrar para fora” e a despejar informação sobre as coisas nas próprias coisas tapando e escondendo a sua verdadeira essência, em vez de humildemente recebermos da realidade (momento presente, agora, etc) a informação correcta sobre as coisas na nossa consciência.

O ego e a mente por si só não têm a capacidade de discernir o que é bom de mau, o certo do errado, o verdadeiro do falso, logo apenas podem ter julgamentos sobre as coisas. As pessoas têm níveis de consciência e tipos de personalidade diferentes, logo o que uma julga ser bom, outra pode julgar ser mau. Quem está certo? Ambos estão certos e errados, haha porque a nível humano, devido ao tipo de personalidade e nível de consciência, é um facto que cada um sabe de si e de como quer viver, e do que o faz sentir bem e mal, e é livre de ir na direcção que o faz sentir-se bem, e de rejeitar o que o faz sentir-se mal - isto tendo em conta que a pessoa tem um nível íntegro de auto-conhecimento e é autêntica. Mas a nível espiritual nada é bom ou mau :D

Na realidade espiritual não há opiniões nem preferências pessoais, pois não há individualidade. Se faz parte da vida humana é porque é suposto fazer parte da vida humana. Pode ser desagradável em termos físicos, ou emocionais, ou psicológicos, mas não é mau. A vida é uma escola de almas, tudo é necessário, válido e justo para aprendermos o que temos a aprender. E cada um de nós tem o seu karma, logo tem de passar por experiências diferentes para evoluir, e estas estão sempre certas e acontecem sempre no momento certo. É o espírito que manda, digamos assim. As opiniões do ego sobre como o mundo e as pessoas deveriam ser, estão sempre erradas haha são inúteis, são arrogantes. O ego acha-se Deus, e acha que sabe como tudo deveria ser diferente. É estupidez infinita :D o mundo é perfeito como é.

Pensar em como o mundo poderia mudar, ou em como os outros poderiam ser diferentes, é perfeito para se evitar olhar para dentro e enfrentar-se a verdade sobre nós próprios. Olhar para fora é uma fuga para aqueles que não querem evoluir, pois não querem passar pelas emoções desagradáveis de culpa e vergonha que são impossíveis de contornar quando descobrimos que de facto não somos tão espectaculares como achávamos que éramos, e quando percebemos que tudo é responsabilidade nossa (aceitação do karma).

O mundo está perfeito exactamente como é, com tudo o que nos acontece na vida e com tudo o que vemos nas notícias. Pois o que define a sua perfeição não é se o ego gosta ou não do que vê, é o seu propósito de ser uma escola de almas. E na escola o aluno não muda a escola conforme o que acha que seria fixe, isso é estúpido :D porque uns alunos acham uma coisa, e outros acham outra, e muda-se a escola conforme a opinião e gosto de quem? Lutam até à morte e os que sobreviverem mudam o que querem à sua vontade? Haha! No final são todos ignorantes, estão lá é para aprender o que têm de aprender, e não para mandar :P pois os exames podem ser desagradáveis e um stress, ter horários pode ser chato, assim como trabalhos de casa, e alunos chumbarem pode ser visto como desagradável (por quem chumba principalmente haha) mas são coisas necessárias e úteis no ensino, logo não se vai acabar com elas só porque há alunos que não gostam delas :P nenhum ladrão gosta da polícia :D

Este mundo, planeta terra da dimensão física, não é o céu nem o paraíso, nem nunca será, haha! e não é suposto ser. Já existe um Paraíso, e não é aqui. Aqui é o reino do ego, e quando o transcendemos e nos fartamos dele, evoluímos para dimensões menos físicas e mais bonitas :) é perfeito! Quem está mal, muda-se haha! E há outra essencial: “Só sei que nada sei” – Sócrates (o grego, haha!). Nessa atitude de humildade perante a essência e verdade das coisas da vida humana e da dimensão física, é que é possível receber-se a Sabedoria do Espírito sobre nós próprios (eu individual) e o que nos rodeia (pessoas, situações, o contexto, etc). Enquanto houver a arrogância de que se acha que se sabe, não entra Verdade nenhuma em nós, e continua-se ignorante, inconsciente e claro, em sofrimento, woohoo!! :D

O que acontece quando largamos os nossos julgamentos sobre a vida e o mundo, é que nos sentimos imediatamente mais em paz. Há mais alegria, pois quando largamos as ilusões do ego, largamos as suas emoções negativas também. Isto permite que a energia do Espírito entre em nós, e sentimo-nos alegres e em paz. Nós somos alegria, e o momento presente é sempre paz. São condições de experiência subjectiva que estão sempre presentes e acessíveis. Nós sentimos o que queremos sentir. E sim, na verdade não faz sentido sentir nenhuma emoção negativa, pois não só nos faz sofrer como são baseadas em ilusões (percepções erradas ou incompletas da realidade).

Agora, o lado bom da vida não tem como origem uma ilusão. O lado bom é real. Tudo o que é bom na vida humana é graças ao Espírito, seja o que nos acontece, seja o que sentimos, logo a atitude normal é de gratidão, entusiasmo e alegria. Então largar as percepções, ilusões e emoções do ego não leva a uma existência sem graça e sem risos, bem pelo contrário! É o que permite uma existência com graça e risos =) Pois quando largamos as nuvens cinzentas, levamos imediatamente com a luz do sol no focinho :D e isso é bom. A energia do Espírito traz alegria, pois é alegria. Mas não a conseguimos experienciar enquanto estamos identificados com o ruído mental opinioso e julgador do ego. Ou se experiencia uma coisa ou a outra, não existe meio-termo. E outra coisa: vai-se transcendendo ilusões em diferentes áreas da vida. É um processo com muitos degraus, não é um salto único em que se vai de perdido a iluminado haha! Não se vai de turista bronco a Indiana Jones :D

É o Espírito e não o ego que nos guia melhor na vida para fazermos melhores escolhas, de forma a termos uma vida mais agradável e estimulante, e sermos mais felizes. Através da contemplação temos acesso à verdade sobre as situações e as pessoas, temos acesso à sua essência, e é isso que importa no momento da verdade para discernimos o que é benigno do que é maligno, ou seja, o que pode ser seguido do que deve ser evitado, nas diferentes dimensões. Largar as opiniões emocionalizadas de “bom” e “mau”, ou de “certo” e “errado” do ego não nos deixa perdidos à mercê dos perigos do mundo e das pessoas, mas permite-nos sim estar conscientes dos verdadeiros perigos aos quais o ego nos cega.

Confia na realidade e não nas emoções. Coragem é a única saída daqui.

Obrigado pela tua pergunta.

Segue o que Amas,


Pedro Constantino