AMOR

"Ensina só Amor, pois é isso que tu és"

sexta-feira, 24 de junho de 2016

"Transcendência: De Desejo a Namorada"

Transcendência: De Desejo a Namorada

Subscreve o novo canal de Youtube do Cool Vibes em:




Pergunta de leitor do Cool Vibes:

“Olá Pedro tudo bom por aqui, em primeiro lugar um bom verão a todos, em segundo Força Portugal!!:D Bem Pedro, não sei se foi má interpretação minha dos teus ensinamentos, mas pelo que interpretei, nós devemos avançar as coisas com as mulheres quando nos surgir a vontade de avançar (pode ser na 1º conversa, na 2º ou na 14º :D) a verdade é que apetece-me avançar tudo de uma vez logo no 1º encontro e muitas vezes antes disso, parece-me que estou a ser controlado pelo desejo e muitas vezes percebo que nem tenho a mulher em consideração, então baseando nisso que acabei de falar, eu decidi, levar as coisas mais no "Não vou procurar namorada, se aparecer a oportunidade eu avalio as coisas e/ou aceito namorar ou não", pronto e é assim que eu estou a tentar levar a minha vida, a minha dificuldade é que eu ate sei o que é o desejo, mas não sei o que é o outro lado, eu sei o que é seguir o impulso de desejo, mas não sei o que é seguir o impulso da atracão.

Gostava de saber se a atitude que estou a ter é a melhor atitude a ter ou se não for qual a melhor atitude, isso também pode ser uma forma de o ego evitar a rejeição visto que com desejo não há mulher que aguente um homem hahaha..Han também acho que isso pode ser importante, eu estou a tentar ser feliz e desfrutar da minha vida sem depender de ninguém, estou como a me libertar das "correntes" das pessoas que me rodeiam....se quiser ir à praia por exemplo e não tiver ninguém para ir, muitas vezes ficava em casa, agora eu vou sozinho e quando chego à praia acontecem duas coisas, ou fico sozinho e pronto tento desfrutar ou encontro alguém conhecido e ficamos juntos...

Quem diz a praia diz uma ida ao café, ontem disse a um amigo meu o seguinte "a vida é como andar de bicicleta, há quem tenha pedalada para mim e me acompanha, há quem não tenha e fica para trás e há quem tenha mais pedalada do que eu" ou seja quer me acompanhem ou não vou me manter no meu caminho, na procura da minha felicidade e bem-estar, vivendo a minha vida como eu sinto que é a melhor forma e depois com os erros e a experiência de vida hei-de aprender a pedalar mais depressa :) eu não vou abrandar para esperar por alguem, nem vou avançar depressa para apanhar quem está à frente, vou ao meu ritmo :) Pronto Pedro :) Obrigada e segue as tuas paixões :D”

Obrigado pela tua pergunta.

Segue o que Amas,
Pedro C.

12 comentários:

Alexandra disse...

Boa noite. Acho curioso que haja uma grande preocupação ao nível do ego, mas que seja "negligenciada" a parte do desenvolvimento pessoal de forma geral. Amor próprio, aceitação, perdão, abundância... para quê viver na carência afetiva se tudo o que precisamos está dentro de nós? Parece-me que é necessário avaliar se ao tentar "trabalhar o ego" não se está a "sabotar ou manipular" as questões, colocando então uma "roupa de amor próprio" quando se alimenta ainda mais o ego!
Nós nascemos sozinhos..as relações não devem ser vistas como um alicerce ou pilar do nosso bem estar.
Mas é só a minha perspectiva. ;)
Sejam felizes.

Pedro C. disse...

Alexandra:

Estás correcta, e é isso que partilho no Cool Vibes.

A minha questão é: leste ou ouviste alguma coisa aqui no Cool Vibes do princípio ao fim? :D É que parece que partilhaste a tua ideia achando que estavas a dizer algo de diferente do que é partilhado aqui no Cool Vibes e da sua intenção.

É que eu não digo em lado nenhum que as relações devem ser vistas como um alicerce ou pilar do nosso bem estar, haha! Eu falo em ser independente, e em como se tornar independente. E só transcendendo o ego é que se tem amor próprio, aceitação, perdão e abundância, pois é precisamente por se ser controlado e limitado pelo ego que não se é essas coisas. Só ganhando consciência do ego (pois o ego não é possível de mudar, logo não se trabalha o ego), é que se pode experienciar um processo real de evolução, que simplesmente é largar as ilusões do ego, indo progressivamente ganhando assim cada vez mais consciência e energia do Espírito.

A tua ideia sobre as relações e o seu propósito parece-me certa.

Sê feliz ;)

Alexandra disse...

Boa tarde Pedro.

Desculpa se invadi o teu blog.
Realmente não li nada, mas a minha intenção não era ir contra ou a favor do que dizes. Apenas me limitei a dar a opinião sobre a pergunta do outro leitor.

É talvez um hábito facebookiano de opinar quando não nos é nada perguntado. Ahahah.

Em lado nenhum foi contra o que dizes.
Mais uma vez desculpa a invasão no teu blog.

Bem hajas. :)

Fábio disse...

Olá :D

Senhor Pedro, Portugal já não tem só empates, felizmente! :D
Ontem ganhamos só porque tu estavas confiante quanto ao jogo :D

Um Abraço!

Outlets e companhia disse...

Olá Pedro, como vais? Tenho me atentado para os momentos em que sinto necessidade de emitir críticas para outras pessoas, e que essas críticas são aspectos importantes a serem melhor trabalhados e/ ou compreendidos em mim mesma. E tenho sido cada vez mais grata aos "inimigos" (pessoas que resolvem tentar me prejudicar, mas que ao fim me ajudam), aos "problemas" (momento de transição de alguma limitação) e às tais críticas. Graças a ti e aos teus posts a vida me tem parecido cada vez mais agradável, meu amigo! :D

Acabo de assistir ao vídeo que está disponível no youtube, A Profecia Celestina. Lembro-me de em um dos áudios a segunda voz do coolvibes (de quem sou fã, é sempre bom lembrar disso, hahahaha) comentou a respeito - ou seria outra profecia? De qualquer forma, o filme é curto para tantos ensinamentos, claro. Mas fala de maneira rápida e resumida muito do que dizes aqui. Acho que o Hawkins comenta dessa Profecia também (será? Ando lendo tantas coisas que me confundo, mas pouco importa, acredito). Bom, fato é que achei brutal (espero ter usado de maneira correta a palavra brutal) tudo o que assisti, e muitos insights e lembranças me vieram a mente. De forma que ultimamente passei a entender até mesmo porque nasci na família em que nasci. Sempre tive muitos conflitos com a minha mãe, mas agora percebo que com exceção das discordâncias, ela trilhou os caminhos que eu precisava tomar e marcou o caminho para mim.

Se achares que há o que comentar sobre esse livro. Já vi que o autor foi criando outras profecias, vou pesquisar mais a respeito.

Obrigada pelos áudios, ouvi-os todos, fascinantes como sempre.

Pedro C. disse...

Alexandra:

Não tens de pedir desculpa, não invadiste nada. És bem-vinda :)

Eu percebi que não era um ataque, mas sim outra coisa mais relacionada com mal entendido ou confusão. Se fosse um ataque o teu comentário não teria sido aceite, pois não tolero essa energia negativa/narcisista no Cool Vibes, nem na minha vida.

Os "hábitos Facebookianos" não são os melhores, mas há pior :D

Está tudo bem :)

Pedro C. disse...

Fábio:

Aos 90 minutos continuamos só com empates haha mas vamos avançando!

O que interessa é marchar contra os canhões ;)

Abraço!

Pedro C. disse...

Outlets:

Se o filme te entusiasmou, a minha sugestão é veres outra vez o filme e leres o livro. É bom seguirmos o nosso entusiasmo.

Não é eficaz misturarmos muitos ensinamentos, mestres e livros diferentes. Na fase de adquirir informação isso parece-me normal, mas chega a altura em que temos de nos dedicar ao caminho a sério :P e tal como o David Hawkins disse: "basta uma canoa para atravessarmos o rio, não é preciso 10 canoas". haha!

Outlets e companhia disse...

Caro Pedro, tens razão - como sempre, como sempre!!! lol

Isso é o meu cérebro querendo explicar as coisas, entender, virar do avesso, validar, comprovar, se certificar, etc. E eu me permitindo perder o foco. Mas, como uma estudante de má vontade fico avaliando as teorias e me dedico muito pouco a aplicá-las. E sempre racionalizando tudo como a experiência da bolinha, que foi mágica e singela, e eu quase transformei em uma tese de doutorado para tentar acabar com a magia.

Ainda não estou naquela situação que comentas sempre, aonde a pessoa se farta e toma uma ação que muda de vez o rumo. Quero dizer, algumas coisas estão sim se sucedendo, noto melhoras, percebo melhor a realidade, mas...

Não sabia dessa frase do Hawkins, e agora compreendo melhor outras respostas tuas a respeito desse mesmo tema. Obrigada mais uma vez!

Pedro Ribeiro disse...

Hey Pedro! =)
Espero que estejas bem...

Ultimamente tenho passado bastante tempo com uma rapariga com quem comecei a falar. Já a conhecia de vista à 2/3 anos mas nunca tinhamos falado nem nos aproximado. Agora que estou no último ano do meu curso, não sei porquê, nem como, temo-nos vindo a aproximar e temos estado algum tempo juntos nos intervalos e horas de almoço.
Ela fisicamente não tem grandes atributos, diria que o que mais me cativa nela é a sua personalidade, maneira de ser e ela até se veste de uma maneira atraente, ou seja, é bastante bonita.
Ela muitas vezes senta-se ao meu lado encostando o corpo todo em mim, penso que isso é uma demonstração de interesse. Ela é uma rapariga que gosta muito de falar e às vezes sinto-me um bocado saturado de a estar a ouvir. Mas penso que faz parte, não?
Mas tenho reparado que dentro de mim, surge-me sempre a pergunta "Será que isto tudo que estou a sentir não é derivado de carência?"
Sim, porque eu nunca tive nenhum tipo de relação amorosa com uma rapariga.
Outras vezes, dou por mim a pensar "Será que isto é tudo um esquema do ego para eu continuar a não ter nenhuma relação amorosa?".
Nestes últimos dias que tenho estado mais próximo dela, tenho-me percebido de várias coisas em relação a mim próprio.
Percebi que um dos meus grandes medos, é sem dúvida, ficar vulnerável a uma rapariga. Confessar tudo e expôr-me por completo. Eu tenho medo de ser rejeitado. Tenho medo de ficar sozinho, tenho medo de ser gozado, tenho medo de mostrar quem realmente sou e que ela não goste. Tenho medo do que os outros possam dizer sobre mim ou sobre nós os dois. Tenho medo de não ter resposta para o que eles disserem. No fundo, não consigo ser realmente eu próprio, devido a este medo estúpido que me persegue durante estes anos de vida. Outras vezes dou por mim a pensar: "Será que é tudo uma estratégia do ego fazer-me pensar que isto vem de carência e assim evitar que eu enfrente os meus medos e continue miserável?"
Pedro, na minha vida inteira, que me lembre, nunca fui capaz de ser eu próprio, por causa deste medo. Sempre me ajustei aos outros para não acabar sozinho. Sempre aceitei o medíocre e aqueles que nem gosto assim tanto, porque afinal de contas, é melhor isso do que estar sozinho e ser gozado por todos... ou talvez não...
Gostava mesmo muito de poder ultrapassar este medo e começar a ser mais feliz...
Pedro,em relação à rapariga, o que achas que deva fazer? Achas que tudo isto é por mera carência? Achas que é tudo derivado à escassez?

Desculpa o desabafo grande.
Abraço.

Miguel disse...

Olá Pedro, muito obrigado pelo audio e pela resposta, acredito que me vai ser muito útil, de qualquer das formas vou ouvir mais uma vez pelo menos pois acho que me escapou alguma coisa :)

P.S. Portugal! Portugal! Portugal! Ahahahah Vamos ser campeões da Europa :D

Pedro C. disse...

Miguel:

Obrigado eu, foi uma honra.

Portugal!! :D