sexta-feira, 3 de junho de 2016

"Como Lidar Com a Desmotivação de Socializar e Conhecer Mulheres"

"Como Lidar Com a Desmotivação de Socializar e Conhecer Mulheres"

Subscreve o novo canal de Youtube do Cool Vibes em:


 


Pergunta de leitor do Cool Vibes:

Olá Pedro como estás? Mais uma pergunta (sou um grande chato haha!). Tenho vindo a notar que estou cada vez mais desmotivado em estar com pessoas a socializar, sinto por vezes que é uma seca! Eu sempre tive tendência a isolar-me bastante desde pequeno, a verdade é que adoro estar sozinho e sempre me senti bem com isso, até melhor do que estar acompanhado; também sinto cada vez menos vontade de sair á noite sozinho, pois sinto algo de negativo, vou na intenção de conhecer mulheres e felizmente quero retirar isso pois só me causa mal-estar. Quero adoptar uma intenção diferente, contemplar a beleza das luzes da noite e a sua atmosfera que foi algo que sempre adorei fazer desde criança! Achas que isto é normal, como uma fase ou assim? Um grande apocalipse haha! Um abraço para ti!”

Obrigado pela tua pergunta.

Segue o que Amas,
Pedro C.

17 comentários:

Pedro Ribeiro disse...

Hey Pedro! Enquanto tento contemplar enquanto ando na rua durante o dia, surge-me sempre o mesmo problema que é: mal consigo abrir os olhos e isto impede-me muitas vezes de contemplar, porque como explicas é preciso estar com os olhos bem abertos para conseguir ver a visão periférica toda. Dizes que para contemplar temos que fixar os olhos e não mexer o olhar e tentar não pastanejar, mas eu não consigo tenho sempre uma tentação em franzir a testa e fechar quase os olhos devido ao sol... O que posso fazer?

Outlets e companhia disse...

Olá Pedro, como estás? Também tenho uma história parecida, adorava desenhar e me entreter sozinha, mais do que ter a companhia de outros embora nunca tenha tido problemas em fazer amizades. Mas não acreditava nelas. A grande diferença na vida foi minha paixão pela matemática. Neste momento me sinto bem só e acho que me dedicar à própria evolução pessoal está sendo mais importante. Se possível vivenciaria experiências neste planeta sem precisar me envolver demais com as pessoas, meu ego ficaria feliz da vida, risos. Ter mais tempo para contemplar uma bela flor, olhar o céu, perceber a natureza. E essas experiências me parecem que são mais ricas quando estou só.
Gosto de observar as pessoas naquilo que eu penso que preciso aprimorar em mim mesma, e para mim a vida junto aos demais seres está mais relacionada em trazer para fora o que há de melhor em mim e descobrir o que há de pior. E as pessoas me surpreendem, e quando isso ocorre eu fico refletindo a respeito.
Mas eu tenho uma dúvida Pedro: eu antes não prestava muita atenção, mas parece que percebo muito mais hoje a inveja que outros sentem sobre mim. Por outro lado, percebo também a falsidade nessas pessoas e gostaria de saber se essa inveja alheia tem alguma causa naquilo que eu sou ou faço. Ou seja, se há o que eu possa fazer para diminuir ou evitar que essa inveja ocorra já que muitas dessas pessoas eu não posso evitar a convivência. Por outro lado raramente essas pessoas conseguem me prejudicar - eu sempre passo ao largo, percebendo a tentativa de me prejudicar quando ela já ocorreu sem que eu tenha sido atingida diretamente, felizmente! Ou então eu consigo lidar com a situação mas me dá mais trabalho atingir os resultados. Porém, no final tudo isso sai a meu favor e muitas revelam bençãos escondidas - já percebi isso também.
Pedro, essas experiências são criadas pelo meu espírito, certo?

nelson goncalves disse...

Pedro estar a conduzir é estar no momento presente? Não se está dentro da cabeça tal como já disseste.

Ge B disse...

Grande Pedro Constantino! Obrigado por suas palavras e intenção! Sempre bem vindo, acalmando corações, redirecionando ilusões e confeccionando um caminho à PAZ!!! Saiba que seu esforço tem muito valor em minha vida! Abraço!

Romário Belarmino disse...

Pedro, será que existe uma única forma de se ser feliz para todo o mundo ou cada um pode ser feliz à sua maneira? Por exemplo, eu me considero ser uma pessoa feliz, mas aos olhos de algumas pessoas, por razões várias, que eu desconheço, poderão pensar que não sou assim tão feliz.

Rui Filipe disse...

Boas Pedro! É assim, tenho uma dúvida à qual não consegui encontrar resposta no blog e espero que me ajudes. Sei que provavelmente não será fácil estares a responder sempre à mesma coisa , porque se calhar até existe no blog a resposta à minha dúvida... Vamos a isso! Eu estou interessado numa rapariga e essa mesma rapariga também está interessada em mim, por troca de olhares, a maneira como fala comigo, é diferente! Eu não sou muito próximo dela mas quando estou com ela gera-se momentos intensos, pelo menos para mim. Por sua vez, tenho um amigo interessado nela que fala-me dela com um entusiasmo enorme, e tem bastantes esperanças de ter uma relação com ela mas não vejo muito interesse da parte dela... Ele não sabe que eu estou interessado nela, porque eu tenho medo de o magoar de qualquer forma e deixá-lo frustrado... Ele próprio afirma que ela está interessada em mim mas mesmo assim insiste. Eu no outro dia até sonhei com ela, e por acaso foi um sonho que me tocou imenso. Quando acordei, ganhei coragem e depois adicionei-a. Fui lavar os dentes e quando voltei para o facebook ela tinha aceitado mas nesse preciso momento lembrei-me do meu amigo e decidi removê-la para não o deixar em baixo. Mas ao mesmo tempo fiquei triste comigo mesmo... Estou interessado na rapariga e na realidade quero aproximar-me e criar bons momentos mas ao mesmo tempo não quero magoar o meu amigo. Sei que ele ficaria magoado pelo modo como fala com ela... Espero que esclareças a minha dúvida. Um abraço e continuação de um excelente trabalho! :D

Pedro C. disse...

Pedro Ribeiro:

Para contemplar só tens de relaxar o olhar e estar atento à tua visão periférica. Isso são só desculpas para evitares contemplar. Se te incomoda contemplar quando estás a levar com o sol na cara, contempla quando não estás a levar com o sol na cara.

Pedro C. disse...

Outlets:

As pessoas são invejosas devido à sua essência, não tem nada a ver com os outros. Não há nada que possas fazer para mudar a essência dos outros. Segue o teu caminho com integridade, é tudo o que podes fazer para te sentires feliz apesar de como os outros são. E claro, vê-te livre de quem puderes assim que puderes, haha!

Pedro C. disse...

Nélson G.:

Convém estares presente no momento a conduzir, senão tens um acidente, haha!

Pedro C. disse...

Ge B:

Obrigado, é uma honra.

Pedro C. disse...

Romário B.:

A nível humano diferentes tipos de personalidade sentem-se satisfeitos com experiências e estilos de vida diferentes.

Vitor Ayres disse...

Pedro, você já ouviu falar do trabalho do Helio Couto? Tem esse livro dele, Marqueting e Arquetipos que é excelente, tem o pdf na internet, recomendo muito a leitura, excelente conhecimento!

Tem um outro livro que ele fala sobre a bioquímica do amor, algo parecido com o descrito pela Dr Helen Fisher.

Gustavo Mendes disse...

Pedro algo se repete em minhas experiências e não consigo enxergar a solução no momento. Quando começo a me envolver com uma mulher e ter mais intimidade e passamos a desfrutar de um relacionamento no qual nos vemos com frequência , surge por parte da mulher a curiosidade de conhecer meus familiares. É natural isso , e eu até compreendo , mas acho desnecessário visto que o que mais importa é o que existe entre nós dois. O fato é que como relatei em uma pergunta anterior , meus familiares são pessoas negativas , ou seja , estão sempre prontos e desejosos de expressarem comentários sarcásticos , falam com ironia e deboche , gostam de utilizar adjetivos pejorativos e palavras depreciativas quase que constantemente e por isso já há muitos anos não apresento namoradas ou quem quer que seja a eles. Meu diálogo com eles é mínimo. Essa foi a forma que encontrei de manter a paz ( ou tento ) enquanto estiver nesse lugar. E quando a mulher insiste em querer conhece-los tento explicar que é desnecessário e isso causa desconfiança nas mulheres. Acham que estou escondendo algo , ou que não quero assumir compromisso e etc. E todas as vezes que decidi ceder e apresentar a mulher a eles , sempre foi constrangedor. Já tentei levar isso com humor e ainda tento mas só funciona para mim , ou seja , depois que levo a mulher para conhecer meus familiares, já considero isso mal sinal e início do fim do relacionamento. Como sugere proceder diante disso ?

Outlets e companhia disse...

Olá Pedro, tudo bem?
Me perdoe mais uma pergunta, as vezes me parece que abuso da sua boa vontade. Mas agradeço imensamente toda a preciosa atenção que nos dá.
Quando criamos verdadeiro "asco" por alguém, ou seja, procuramos evitar essa pessoa ao máximo, até mesmo olha-la nos olhos, seria essa condição ocasionada por aquele fenômeno que o ego cria de "sombra"?
Notei que de uma hora para outra eu ando criando isso, não consigo olhar nos olhos de algumas pessoas, algumas que até então eu tinha certo grau de amizade. Se pudesse me afastaria completamente, mas infelizmente não me é de todo possível. Apenas as evito ao máximo. Isso passa a ocorrer quando percebo nessas pessoas atitudes negativas, falta de integridade em alguma coisa que considero muito grave. Porém, o ato de não olhar nos olhos é agressivo demais, diferente de tudo que já experienciei, e é automático! Viro a cara. Nunca me ocorreu isso de forma tão automática e impensada, e sei que ao fazer isso estou sendo tão transparente que chega a ser agressivo. Meu egozinho indomável anda cada vez mais rebelde!!! Acredito que preciso praticar mais o perdão e a compaixão, mas não sei muito bem ainda como isso se dará - como é essa prática. Tenho certo de que meu espírito me guiará, mas és o nosso atalho Pedro. :D
Obrigada como sempre, meu amigo!

Outlets e companhia disse...

Pedro, outra dúvida que me surgiu: eu tenho meus ataques mensais de instabilidade mental quando estou naqueles dias que nós mulheres temos. Não sei como é o nome em Portugal, risos. De qualquer forma, fico totalmente afetada pela variação hormonal, parece que estou drogada. Alguns meses eu fico irritadíssima e ataco até as pessoas mais queridas, e até meu chefe lol Noutros meses, sou uma louca no volante, dirijo como se estivesse numa corrida de fórmula 1, e fico surpresa porque até hoje nunca sofri um acidente mais grave. Normalmente tudo isso se dá e após eu chegar em 5 minutos num trajeto que levaria 15 minutos eu me dou conta que estou no estado mental mensal ilusório e quase suicida :D
Neste mês estou chorona. Choro por tudo, e por todos. Daí acho que além do ego ainda lido com alguma força maior do que eu mesma - somos em 3 pelo menos aqui dentro: meu ego, meu espírito e o meu amigo mensalista :)))
Quero dizer, o que você pensa sobre isso? Os homens, dizem, também têm flutuações hormonais. Como o Hawkins fala de tratar o corpo, imagino que ele reconheça algumas situações aonde a parte orgânica exerça papel substancial em quem somos e o que fazemos. A contemplação me ajudaria nessa questão orgânica também, eu suponho. Estaria certo?
Obrigada Pedro!

Pedro C. disse...

Outlets:

O caminho de evolução torna-nos selectivos. É portanto normal que certas atitudes comuns negativas e narcisistas nos desmotivem e façam perder o interesse nas pessoas que as têm. Logo é natural que nem queiras olhar para elas haha! Elas que percebam que não gostas delas! :P que interessa? Isso é ser autêntica: demonstrar do que gostas e do que não gostas. E assim que possível vê-te livre de quem não gostas. Perdão e compaixão não têm nada a ver com o sentimentalismo da aprovação constante independentemente de tudo, isso é estúpido. E é estúpido pois nem tudo merece ser aprovado, validado e aceite. Aprovação tem de ser merecida por qualidades reais :D perdoar é a atitude de não culpar, e compaixão é compreender por experiência subjectiva que o ser humano é limitado e tem imperfeições devido ao seu ego. Logo não se odeia, simplesmente larga-se quem não se tolera. É uma questão de percepção e não de relação. É deixar o outro em paz, em vez de pensar nele com ódio, querer vingança, tentar sabotá-lo de alguma forma, fazê-lo pagar por algo, falar mal dele aos outros, etc. É ver quem não gostamos como pessoas limitadas, inconscientes e prejudiciais, e não como demónios maléficos à caça da nossa alma :D

Pedro C. disse...

Outlets:

Emoções são sempre emoções, seja durante o período da mulher, seja no dia-a-dia normal. A forma de lidar com elas é a mesma: contemplação. Ganhando consciência das emoções, sem pensar nelas e sem as seguir, elas deixam de nos controlar e afectar as nossas escolhas. Tens é de ter um estilo de vida contemplativo, ou esquece :P