AMOR

"Ensina só Amor, pois é isso que tu és"

quinta-feira, 21 de abril de 2016

Welcome to Portugal Conor McGregor! :D

Welcome to Portugal Conor McGregor! :D


“I am just trying to do my job and fight here. I am paid to fight. I am not yet paid to promote. I have become lost in the game of promotion and forgot about the art of fighting. 

There comes a time when you need to stop handing out flyers and get back to the damn shop. 50 world tours, 200 press conferences, 1 million interviews, 2 million photo shoots, and at the end of it all I'm left looking down the barrel of a lens, staring defeat in the face, thinking of nothing but my incorrect fight preparation. And the many distractions that led to this. 

Nothing else was going through my mind. It is time to go back and live the life that got me this life. Sitting in a car on the way to some dump in Conneticut or somewhere, to speak to Tim and Suzie on the nobody gives a fuck morning show did not get me this life. 

Talking to some lady that deep down doesn't give a fuck about what I'm doing, but just wants some sound bites so she can maybe get her little tight ass a nice raise, and I'm cool with that too, I've been giving you all raises. But I need to focus on me now. I'm coming for my revenge here. 

I flew an entire team to Portugal and to Iceland to make my adjustments in preparation and fix my errors I made with the weight and the cardio prep. 

With the right adjustments and the right focus, I will finish what I started in that last fight. I will not do this if I am back on the road handing out flyers again. I will always play the game and play it better than anybody, but just for this one, where I am coming off a loss, I asked for some leeway where I can just train and focus. I did not shut down all media requests. I simply wanted a slight adjustment. But it was denied. 

There had been 10 million dollars allocated for the promotion of this event is what they told me. So as a gesture of good will, I went and not only saved that 10 million dollars in promotion money, I then went and tripled it for them. And all with one tweet. Keep that 10 mill to promote the other bums that need it. My shows are good. 
I must isolate myself now. I am facing a taller, longer and heavier man. I need to prepare correctly this time.  I can not dance for you this time. It is time for the other monkeys to dance. I've danced us all the way here. 

Nate's little mush head looks good up on that stage these days. Stuff him in front of the camera for it.  He came in with no shit to do that last one. I'd already done press conferences, interviews and shot the ads before RDA pulled out. Maybe I'll hit Cabo this time and skull some shots pre-fight with no obligation.

I'm doing what I need for me now.  It is time to be selfish with my training again. It is the only way. I feel the $400million I have generated for the company in my last three events, all inside 8 months, is enough to get me this slight leeway. 

I am still ready to go for UFC 200.  I will offer, like I already did, to fly to New York for the big press conference that was scheduled, and then I will go back into training. With no distractions.
If this is not enough or they feel I have not deserved to sit this promotion run out this one time, well then I don't know what to say. 

For the record also - For USADA and for the UFC and my contract stipulations - I AM NOT RETIRED.”


- Conor McGregor

2 comentários:

Outlets e companhia disse...

Pedro, como estás? Tudo bem?
A minha pergunta é bem estranha para mim, mas vamos lá... A realidade e a ilusão. A realidade é o aqui e agora. Como vou saber se alguma experiência fora do meu comum é algo psicótico? As vezes acho que estou ou ficando louca, ou então como nunca vivi a realidade direito, o que vem ocorrendo É a realidade. Andei lendo sobre surtos psicóticos e me parece que não há muito como diagnosticar com testes físicos - baseiam-se no comportamento da pessoa e no que ela diz. Talvez eu procure um psiquiatra...
O que se passou recentemente foi o seguinte: eu estava num restaurante, fiz meu pedido e estava presente no momento. Percebi quem estava sentado ao meu lado e enquanto aguardava me pus a ler o livro do Hawkins que levo no telemóvel. Ao meu lado esquerdo e mais a frente, distância de um metro, estava um mesa com um casal, duas crianças das quais uma vi que era menina pois me era a mais visível. A mãe estava de costas para mim e o pai de frente. A menininha, como toda criança, não ficava sentada, mas ajoelhada na cadeira e brincando. Eu ouvia as conversas que vinham de outras mesas, o lugar estava cheio, mas me concentrei na leitura que estava sendo maravilhosa. De repente passou-se algo como num filme: eu estava consciente de estar lendo o livro mas percebi que uma bolinha pequenina que a menina segurava começou a cair da sua mão. Eu vi a bolinha caindo lentamente e vi ela indo em direção a minha mesa e passando lentamente ao lado da mesa (não ao meu lado) e me vi levantando e pegando a bolinha no exato momento em que seria possível pega-la - era uma daquelas que pulam muito, então as vezes você vai para pegar e ela quica, tem que ser preciso para captura-la. Mas não me vi fisicamente... como posso explicar? Eu não saí do corpo nem nada, pois eu continuava a segurar o telemóvel sentada. Foi como se as coisas se dividissem em duas e eu estivesse observando a tudo, e eu estivesse ainda lendo e ao mesmo tempo fazendo tudo isso. Mas na verdade o que se passou foi que eu parei de ler e fiz exatamente o que descrevi acima. E tudo se passou pela segunda vez, num ritmo tão lento que ao pegar a bolinha na mão e ir em direção para devolver para a menina fiquei até confusa se estava vendo ou fazendo aquilo - foi sem pensar. Ao me levantar com a bolinha na mão, e chegar no ponto do que havia já se passado, tudo se juntou - eu e o momento presente. A mãe se virou para mim, acho que estava tão surpresa quanto eu, e eu devolvi a bolinha para a menina. Daí pronto! Como é que eu vi a bolinha, que era tão pequena, na mão da menina, e caindo se eu estava a ler o livro? Como é que eu sabia o exato momento que ela estava passando? Porque depois que ela caiu da mão da menina, de onde eu estava não seria nem possível ver o momento que ela acertou o chão e em que momento exato ela passaria ao meu lado. Como é que eu me estendi da cadeira, me movimentei cerca de 1,5 metros para alcançar a bolinha e o fiz no exato momento que ela passava??? Eu fui com a mão exatamente no ponto certo de passagem dela, como se ela estivesse na verdade vindo para a minha mão.

Daí que eu quase levantei e fui embora. Estou ficando louca, ou sempre fui... Isso são coisas que podem acontecer, Pedro?

Perdoe-me, tenho até vergonha de escrever isso aqui. Qual seria a razão de eu não conseguir confiar no que me acontece Pedro, e estar confusa sobre o que é a realidade e a ilusão? Eu sei que há um mar de descobertas ainda para mim, muito a que descobrir sobre isso e ir percebendo: isto é ilusão, aquilo é ilusão. Tantas coisas que eu faço e fazia e que hoje enxergo a programação que seguia, que aquilo não era eu. Mas nesse processo pode ser que eu já esteja louca e isso que eu acho que é realidade na verdade é ilusão também? Acho que não há respostas para isso, pois se já estou louca nada do que você me diga, que eu leia ou que eu viva vai me responder de verdade. Não há escolhas, é viver essas coisas sem explicação se é ou não é e seguir em frente?

Pedro C. disse...

Outlets:

Se apanhaste a bola, apanhaste a bola. Qual é a ilusão disso? Parece que estavas mais atenta que o costume ao momento presente (realidade), apercebeste-te do que estava prestes a acontecer e agiste de acordo, apanhando assim a bola.