AMOR

"Ensina só Amor, pois é isso que tu és"

domingo, 3 de abril de 2016

“Como Lidar Com Um Emprego e Colegas Não Íntegros”

“Como Lidar Com Um Emprego e Colegas Não Íntegros”



Pergunta de leitora:

“Olá Pedro, gostaria de fazer uma pergunta, se puder me ajudar. Tenho praticado o máximo possível os ensinamentos daqui, me aventurado a estudar o que outros iluminados disseram, etc. E tenho me tornado muito perceptiva ao que não via antes, o que se trata de julgamento dos outros e seus comportamentos. Ando avaliando o meu narcisismo e trabalhando nele, para minimizá-lo e já percebo melhorias. O que me incomoda agora é o meu emprego, onde faço o que amo fazer.

Entretanto antes eu não percebia claramente que algumas coisas que eu fazia com sucesso e era muito requisitada para isso não são coisas íntegras. Eu suspeitava mas estava cega, e agora que percebo não me arrependa pois entendo que não tinha clareza, talvez tenha criado um karma mas é o que eu era. Mas agora que sei estou numa dúvida sobre o que fazer. Tenho evitado fazer essas coisas e tenho procurado me esmerar em fazer aquilo que realmente é bom e beneficia a todos e por mérito talvez eu tenho a felicidade de ter um emprego onde posso servir a muitos. Mas me incomoda cada vez mais aquilo que só agora me caiu à consciência. Muitas vezes não consigo disfarçar minha repugnância e meu julgamento aos colegas que tentam me convencer a não ser íntegra.

Penso em buscar uma actividade que me permita fazer apenas aquilo que não ferir a minha consciência, e que se dane o resto. Às vezes me pego pensando se o bem que hoje tenho oportunidade de fazer não compensa e que o melhor seria ir ficando até que ficasse claro aos colegas que mudei e daí eles me tirassem - agir passivamente, sabe? É deixar as coisas fluírem. Porque hoje não sei para onde ir ou o que fazer. Estou me preparando para buscar outros empregos, estudar, reunir memorial, essas coisas. Viver com mais simplicidade mas trilhar um caminho em que tenha paz. Achas que devo tomar alguma decisão agora ou aguardo que a vida vá me guiando e essa oportunidade irá aparecer no momento certo? Como ocorria ao Forrest, embora eu esteja longe de ser tão íntegra quanto ele?



Resposta, comentários:

Yap, é sempre um choque quando descobrimos mais um pouco sobre nós, o que temos feito, as nossas intenções e o que na verdade somos. Isto porque o que há a descobrir, graças ao ego, não é lá muito bonito :D

Não te tens de massacrar com culpa pelo que és e fizeste. A solução não é energia negativa, mas sim positiva. Perdoas-te a ti própria, e és paciente contigo própria, pois és humana, logo és imperfeita e limitada. Fazes aquilo que dizes estar a fazer, que é deixar de fazer essas coisas não íntegras, e passar a fazer outras com melhores intenções. Quanto aos teus colegas, tens de os perdoar, pois és exactamente como eles: humana, imperfeita e limitada. Eles apenas estão no seu nível, ainda um pouco inferior ao teu em consciência e energia. Enquanto não lidares com o ego colectivo (o “teu” ego e o ego dos “outros”) com compaixão, não te libertarás do ciclo de energia negativa e sofrimento dos julgamentos (ódio). As pessoas são como conseguem ser. Se conseguissem ser diferentes já seriam diferentes do que são. É uma questão de aceitar a realidade em vez de resistir a ela, achar que poderia ser diferente e tentar controlá-la e mudá-la, o que é uma ideia (ilusão) de pura ficção científica :P

Quando eles te sugerirem fazer algo não íntegro, basta responderes com firmeza que isso te parece errado e que não o vais fazer.

Eu não sei qual é o teu emprego, mas se o amas provavelmente não há necessidade de o deixares. Não tomes decisões precipitadas, vai procurando outro emprego que seja semelhante ao teu para continuares a fazer algo que amas, vai preparando tudo o que precisares de preparar, com calma e paciência, e vai tentando deixar de fazer as coisas não íntegras que referiste. É possível que consigas trabalhar integramente onde estás sem teres de mudar de emprego, começa por tentar essa mudança de atitude e intenção. A fase de transição leva tempo, vai pensando no que fazer e vai preparando aquilo de que te lembrares. Se for suposto mudares de emprego mudarás quando menos esperares. A vida não é linear, o Espírito traz-nos mudanças e oportunidades que surgem do nada, sem qualquer sentido ou lógica, sem sequência linear. De um momento para o outro, se o mereceres karmicamente, pode-te surgir de repente um convite para trabalhares noutro sítio mais íntegro. Seja como for, uns sítios podem ser melhores que outros, mas há sempre senãos, há sempre um lado negativo.

A nossa salvação, ou paz, está sempre na atitude que escolhemos, na nossa intenção de dar sempre o nosso melhor em tudo, de aceitarmos com humildade e gratidão tudo o que a vida nos traz como necessário para a nossa evolução, e de ver com compaixão e humor aquilo que nos rodeia, pois nem sempre é bonito e como achamos que deveria ser.

Obrigado pela tua pergunta.

Segue o que Amas,
Pedro C.



4 comentários:

Outlets e companhia disse...

Oh puxa vida, muito obrigada Pedro! De fato percebo um grande desafio para mim aprender a lidar com o ego coletivo. Me sinto só também, as vezes, e estou lidando com tudo isso e não sei como o faria sem ter aqui o apoio seu, as leituras do Coolvibes e a certeza de que tudo passará, e isto é para a minha evolução. Muito obrigada!
Ana

Pedro C. disse...

De nada Ana, é uma honra poder ajudar e inspirar.

Outlets e companhia disse...

Olá Pedro, tudo bem? Sabe, tenho sido presenteada pelo espírito com percepções sobre o meu ego e realmente, como dizes, é assustador. O ego é completamente insano e irresponsável, e de uma visão muito curta acerca do que implicam os seus atos. É como uma criança má. Tenho constatado em mim mesma atos absurdos, e o carma criado é ainda mais assustador. Não sei o que irá decorrer desses atos no futuro, mas prevejo muitas vidas de reencarnação para saldar tantas dívidas. Ainda por conta de sentir-me responsável (não diria culpada) por esses atos, e por me preocupar em como se dará o pagamento desses carmas, tenho refletido sobre como ter mais compaixão não apenas comigo mas com os demais. Então agora consigo melhor perceber o sentido do perdão. É interessante como tudo é o começo e o fim, num ciclo constante. Me parece que tudo se encontra de uma forma ao mesmo tempo não compreensível mas que faz todo o sentido. Para mim, neste estágio de consciência, me parece que a prática do Letting go ocorre simultaneamente à capacidade de perceber o que precisa ser liberado. Ou seja, o encontro das emoções que me trazem sofrimento é ao mesmo tempo a cura delas. É como admitir que errei ou que não sei algo - é nesse momento que o aprendizado de fato se inicia. Tudo isso me deixa extremamente enternecida com a sabedoria deste jogo chamado vida.
Obrigada por estar sempre ao nosso lado nos iluminando para esse caminho!

Pedro C. disse...

Outlets:

De nada, é uma honra.