AMOR

"Ensina só Amor, pois é isso que tu és"

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

“Como Ensinar e Transmitir aos Filhos o Modo de Vida da Evolução e Felicidade”


“Como Ensinar e Transmitir aos Filhos o Modo de Vida da Evolução e Felicidade”

Ou

“Não Podemos Mudar os Outros, Apenas Nos Dedicar ao Caminho”


Pergunta de leitora:

“Olá Pedro, tudo bem? Eu quero fazer uma questão. Eu tenho acompanhado o Cool Vibes, e surgiu-me uma dúvida. Eu sei que nós não podemos mudar as outras pessoas e dizer-lhes para evoluírem, são elas que têm que tomar a iniciativa, mas eu um dia gostava de ser mãe, e como quero seguir este caminho para o resto da minha vida gostava de lhes ensinar e transmitir desde pequenos este modo de vida.

Como, por exemplo, ao dar de mamar a eles estou a olhá-los nos olhos para transmitir-lhes confiança e segurança para que eles não tenham problemas no futuro em olhar nos olhos as outras pessoas.

Mas eu ao querer transmitir estes princípios que tanto me ajudam não estarei a manipulá-los e a querer que eles sigam o mesmo caminho que eu? Eu penso que não, porque quero que os meus filhos não tenham tantos problemas como eu tenho para conseguir controlar o ego, e também sinto que é o melhor para eles como está a ser para mim. Afinal de contas eles são um pouco de mim. Mas sei que no futuro se não quiserem seguir tenho que os respeitar. Continuação de um bom trabalho! Bjs”


Resposta, comentários:

Olá! :)

Primeiro de tudo, eu não sou mãe haha! Não tenho filhos, nem tenho intenções de ter, logo a minha sabedoria na área é limitada, como é óbvio. Seja como for, filhos são seres humanos, e os princípios espirituais de evolução aplicam-se igualmente a eles. A Verdade é igual para todos .

Provavelmente no passado falei em "controlar o ego". Hoje diria que não se controla o ego, isso é impossível. Não se controla nem se muda o ego, transcende-se o ego. A forma mais correcta que de momento conheço para descrever esse processo é ignorar e não seguir o ego. Ou seja, ignorar e não seguir inconscientemente os seus impulsos, ideias, pensamentos e programações, que nada mais são que meras sugestões baseadas em ilusões e emoções negativas. E isso não é controlá-lo, é transcendê-lo. É incorporá-lo, integrá-lo na nossa maneira de ser, conscientemente, sem sermos limitados e controlados por ele.

E é verdade: é impossível mudar os outros. O que acontece é que quando dizemos a alguém que essa pessoa deveria ser diferente ou pensar de forma diferente, ela pode vir a forçar e fingir essas atitudes para não perder a nossa aprovação, e/ou com medo das consequências de nos chatear por ser como é. A maior parte das pessoas não é autêntica nem independente. Grande parte das pessoas apenas segue aquilo que os outros lhes dizem pois quer a sua aprovação e querem evitar ao máximo o golpe no orgulho (a ilusória vergonha) de serem rejeitadas. Logo parecem mudar, mas a mudança é apenas ao nível da aparência e não é real, a essência fica na mesma, é apenas trabalho de actor para parecer diferente e obter a desejada aprovação. Não há qualquer transformação, é apenas um esforço para fazer aquilo que não é o que realmente querem fazer. Não há mudança nenhuma, apenas dizem o que queres ouvir para obterem a tua validação.

Qualquer pessoa que realmente se dedique a um caminho de evolução de consciência sabe o quanto difícil é de facto mudar. Difícil e lento! Mesmo com uma dedicação genuína e diária. E sabe as coisas extremamente difíceis e desagradáveis que tem de enfrentar em si própria. Não é apenas ler e aceitar certas ideias que se programam na mente, é de facto largar aquilo que se acredita ser, e no qual se investiu uma vida inteira a seguir e a defender, haha! É fazer escolhas diferentes na prática e enfrentar o desconhecido. É largar os prazeres negativos do passado pela felicidade da paz do presente.

São muito poucos mesmo os que realmente mudam, a grande maioria daqueles que “mudam” nunca mudaram, apenas acreditam que mudaram, só mudaram na sua imaginação e não na realidade. A essência manteve-se apesar de tudo o que foi lido e de tudo em que pensam. Mas aparência não é essência, e uma prova de que nunca mudaram é que nunca compreendem as explicações daqueles que realmente mudaram, e nunca se identificam com o lado invisível e não linear do processo subjectivo de transcendência e transformação. Aliás, quando isso é explicado quem o partilha geralmente é rotulado de estúpido e alucinado por essas pessoas de falsa mudança :D pois vê coisas que não estão lá! É louco! haha

Quanto à questão dos filhos, sejam os filhos, a irmã, os pais, amigos, namorado, ou colegas de trabalho, só há uma coisa que se pode fazer: dar o exemplo. Ser como gostaríamos que eles fossem, digamos assim. Seguir e viver os princípios em vez de apenas falar neles e de dizer aos outros para os seguirem e viverem, haha! Na verdade é ser sem pensar em como os outros deveriam ser. É ser pelo extraordinário estado de ser em si, pelos princípios que verdadeiramente apreciamos e que nos trazem felicidade e bem estar no dia-a-dia. O que os outros escolhem ser é problema deles, é o seu karma, não o nosso. E é no nosso que nos devemos focar. Se os inspirarmos, óptimo, mas esse fenómeno acontece por si só, automaticamente e espontaneamente, não é possível controlá-lo.

O David Hawkins disse que é bom encostar música clássica à barriga quando se está grávida, e rodear a criança de arte (beleza, estética), e de um ambiente o mais agradável e positivo possível. Rodeá-la ao máximo de tudo o que é íntegro e belo, evitando o que seja doentio, negativo, narcisista, violento, etc. Isto só é possível, claro, se já vivermos com essa atitude de selecção consciente no nosso estilo de vida. Senão não sabemos o que é benéfico, ou prejudicial, para a evolução e felicidade da criança.

Em conclusão, a criança vai aprender observando os teus comportamentos, reacções, escolhas e decisões, e nunca ouvindo-te a falar sobre princípios. Ela tem de te ver a seguir esses princípios, só assim poderá aprender. Só conseguimos ensinar aquilo que somos.

Obrigado pela tua pergunta.

Segue o que Amas,

Pedro C.

7 comentários:

Romário Belarmino disse...

Geralmente, de facto, as pessoas querem ser "aplaudidas" pela multidão. Ou seja, gostariam de ser adoradas e acarinhadas por todo o mundo. Por isso, muitas delas são capazes de venderem a própria alma para poderem obter a aprovação e a validação dos outros. E não é por acaso que, depois, vem a decepção e o descontentamento, uma vez que a pessoa diz: "fiz tudo para lhe agradar, mas, infelizmente, ele/ela não reconheceu o meu esforço". Resumindo e concluindo, acho que a maioria das pessoas adoram viver de aparência e nunca, jamais aceitam o que elas, na verdade,são.

David Nunes disse...

Pedro, surgiu-me uma dúvida.Wiston Churchill, que viveu em uma nível do amor, 510, realmente foi uma importante personalidade do século XX.Estava vendo suas frases e elas são incríveis!! Porém, nas aulas de história, lembro-me que meu professor falou que ele tinha várias amantes.Outra personalidade, é Albert Einstein, que até eu estava lendo livros sobre sua visão de ver o mundo, que era vinculada ao Panteísmo ( não existe um Deus pessoal, e sim a natureza), trocava cartas românticas com sua prima, enquanto casado.Historiadores falavam que eles tinham um caso, até mesmo porque posteriormente, Eistein confessava à sua esposa sobre isso e depois, ele se casou com Elza( sua prima).
Comecei a me perguntar...por que esses homens com níveis de consciência altos e frases estimulantes e inspiradoras traiam suas mulheres?

nelson goncalves disse...

Pedro não sei se colocaste aqui no teu blog. Quais são as músicas que o David Hawkins recomenda?

Pedro C. disse...

Nélson G.:

O David Hawkins calibrou várias bandas e artistas no livro Truth versus Falsehood.

Pedro C. disse...

David Nunes: "por que esses homens com níveis de consciência altos e frases estimulantes e inspiradoras traiam suas mulheres?"

Porque níveis de consciência altos não significam perfeição. Isso só a partir do nível do Amor Incondicional, segundo dizem. Até lá o ego está sempre presente e há sempre áreas da vida em que se é limitado.

E depois? haha Tanto o Churchill como o Einstein foram grandes homens que contribuíram imenso para o mundo, de forma prática e concreta. O que interessa a sua vida amorosa...? E até que ponto essas histórias são verdade? E terá acontecido mesmo assim? E com que intenção fizeram eles o que fizeram na sua vida amorosa? O ego distorce sem remorsos as escolhas dos grandes para não se sentir tão pequeno ;)

Seja como for, até mestres espirituais genuínos mais elevados que eles caíram no erro do orgulho do ego e o seu nível de consciência baixou, e muito, tornando-se em gurus caídos e falsos mestres. E ninguém quer saber (ou tem a capacidade de o perceber) e continuam a comprar os seus livros e a glorificá-los. Eu pessoalmente prefiro a sabedoria de homens que tinham várias mulheres por serem homens e elas gostarem deles, a gurus caídos e falsos que desencaminham as almas de quem os segue e venera.

Portanto o ego está presente até ao fim. Eles eram bastante evoluídos (nível da lógica/razão e amor), mas não eram perfeitos. Eram autênticos, humanos e contribuíram imenso para o mundo. E isso chega :)

David Nunes disse...

Obrigado :))

Pedro C. disse...

De nada David, foi uma honra.