AMOR

"Ensina só Amor, pois é isso que tu és"

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

“Ele Ainda Era Virgem Aos 30 Anos, Mas Ela Nunca Mais O Esqueceu”


Ele Ainda Era Virgem Aos 30 Anos, Mas Ela Nunca Mais O Esqueceu”

Mais uma prova de que ser-se virgem não é um obstáculo para nada na vida amorosa e sexual, e não é motivo nenhum de vergonha ou insegurança.


História de leitora:

O meu último namorado era virgem, tinha 30 anos, e para mim foi uma imensa surpresa, mas que me maravilhou por ele ter tido a coragem de admitir. E por ter sido corajoso a ponto de estar ali, comigo naquele momento, desejando talvez apenas perder a virgindade com uma garota com que não tinha nada (na época) mas com quem havia saído e resolveram dormir na mesma cama - não íamos transar nem nada, estávamos ali como amigos. O admirei imensamente por isso, e a coisa toda foi tão bonita que resolvemos até sair juntos para comprar camisinha, pois como nada fora planejado, não tínhamos nada à mão. E assim foi que ficamos juntos depois disso por mais de 2 anos. Nada planejado, depois disso ainda passamos por muitos desafios, sem grandes compromissos a não ser de estarmos juntos por prazer. Lembro-me de ele admitir que estava apaixonando-se por mim de fato após alguns meses de namoro (entendi que até então e de início ele se sentiu atraído sexualmente, e não por amor propriamente), e para mim aquilo tudo foi muito bonito, o que ele me disse foi muito especial, porque foi verdadeiro e natural. Tudo aconteceu sem pressão alguma. Claro que ele havia tentado antes, com outras mulheres, mas me disse que umas foram muito afoitas, outras ele sentiu que não eram a pessoa certa.

A minha primeira vez também o foi assim, com 25 anos, e algum tempo (acho que um ano) após eu despertar para o desejo de querer experienciar o sexo. Ocorreu sem cobranças relacionadas a estar presa a alguém (o que chamam de estar num relacionamento nos moldes tradicionais). Foi uma entrega maravilhosa, que me trouxe apenas o que pode ser considerado positivo. Sem cobranças e sem grandes expectativas a não ser viver aquilo, ter aquele momento que para mim passou a se natural que existisse em minha vida. E comigo, também quando percebi que havia uma oportunidade de perder a virgindade, fui sincera com esse meu primeiro parceiro sexual, a quem até então tinha mais como amigo, embora já estivéssemos aos olhos dele em um relacionamento mais sério. Ele a princípio achou aquilo inusitado, uma mulher da minha idade ainda virgem, porque hoje em dia isso não é comum, a não ser por escolha para o caso de casar virgem, etc. Notei que ele se preocupou, e mais tarde vim a entender seus motivos pois era um homem muito honrado, digamos assim. E preparou então para a minha primeira vez para que fosse o mais especial possível dentro das suas possibilidades na época. 
De fato a sinceridade, o compromisso consigo mesmo e a sua própria verdade tornam tudo muito diferente e mágico. A verdade nos liberta, de nossas amarras, e geram até um fascínio nos demais, já que o raro hoje em dia é ser verdadeiro consigo mesmo. No mais, acredito que a vida nos traz a partir daí as boas experiências, pois abrimos espaço para isso. São confissões, coincidem com a história acima, e confirmam a tese do Pedro. E trazem apenas a felicidade como resultado. Grata por passar por essas experiências e poder dividi-las.


Resposta, comentários:

Não há nada como o que é autêntico, verdadeiro, natural, espontâneo e inocente. Ele tinha 30 anos e era virgem, e não fez qualquer diferença para ti. Nunca mais esqueceste a experiência bonita que vocês tiveram, e quando há coração na atitude é assim que as coisas acontecem. Muitos homens acham que ser virgem é um problema, então virgem aos 30 anos julgam ser um pesadelo, mas estão errados. Não é ser virgem o problema, mas sim a nossa percepção da nossa virgindade e como lidamos com ela. Obrigado pela tua partilha!

Segue o que Amas,

Pedro C.

6 comentários:

nelson goncalves disse...

Um psicólogo é evoluído? Ele tem conhecimento de como a mente a funciona. A pessoa vai a umas consultas ele ajuda.

Pedro Ribeiro disse...

Obrigado pelos posts frequentes Pedro!
Têm-me ajudado muito!

Pedro C. disse...

De nada Pedro, é uma honra.

Pedro C. disse...

Nélson Gonçalves:

Um psicólogo sabe o que vem nos livros, e isso pode chegar para ajudar. Mas isso não significa que o psicólogo tenha transcendido algum aspecto do seu ego e que tenha sabedoria própria para partilhar. É importante não confundir os psicólogos mais antigos que de facto tinham um nível de consciência mais elevado (Sigmund Freud, Carl Jung e Viktor E. Frankl, por exemplo), com o comum profissional da área que decorou livros e pode ser, ou não ser, íntegro sequer. Cada caso é um caso, essa profissão tem a sua utilidade para a sociedade mas por si só não garante sabedoria e integridade.

Pedro C. disse...

Quando falo em psicólogos falo também em psiquiatras. A mente não é o Espírito ;)

Outlets e companhia disse...

:)