AMOR

"Ensina só Amor, pois é isso que tu és"

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

"Man in the Wilderness" - Filme íntegro da semana


Man in the Wilderness

*

Filme íntegro da semana



Nota: a explicação que se segue estraga as surpresas do filme. Ups! :D

Inspirado num caso verídico do início do século XIX, "Man in the Wilderness" conta a história de Zachary Bass. Atacado por um urso durante uma expedição, Bass fica de tal forma ferido que os seus companheiros acham que ele vai morrer em pouco tempo. Nada podendo fazer por ele, e com receio de serem atacados por índios, abandonam-no julgando-o morto... mas Bass estava vivo. Estava muito mal tratado, mas vivo. Bass sobrevive então sozinho, tratando-se e curando-se com o que encontra na natureza, coxeando e caminhando na direcção da expedição, perseguindo-a com o objectivo de se vingar de quem o abandonou.

Até aqui tudo mal: uma história de vingança :D

O que o filme tem de extraordinário para mim, é a evolução de Bass. Não só pela fantástica história de coragem e sobrevivência que passa diante dos nossos olhos, como pela sua mudança de estado e intenção conforme o filme vai chegando perto do fim. Ele inicialmente queria-se vingar e matar quem o abandonou, mas depois, aos poucos, vai largando o ódio que o motivava. Sozinho e sem nada no meio da natureza, Bass vai descobrindo a gratidão por todas as pequenas coisas que vai descobrindo e que o ajudam a tratar-se, comer e a sobreviver melhor e com mais conforto. Não só isso, como se vai lembrando da mulher e do filho, o que o leva a largar o ódio e a deixar-se motivar cada vez mais pela gratidão do que tem de bom e bonito na vida, e pelo amor que tem por isso. Vai portanto de um sentimento de vingança a apenas querer voltar para casa vivo e desfrutar a vida com a sua família.

A história de sobrevivência e transformação de Bass faz-nos lembrar que é apenas quando atingimos o nosso fundo de sofrimento que vamos largar o que precisamos para nos erguermos e alcançarmos um novo e mais elevado nível de consciência. Para Bass largar aquela vida dura e aquelas companhias duvidosas das expedições, passando a valorizar a vida bonita e de amor que tinha com a sua mulher e filho, foi preciso ser atacado por um urso, ficar às portas da morte, ser abandonado meio morto, e ter de se tratar e sobreviver sozinho no meio da natureza. Uau! O ego é mesmo um chato :D 

O filme é simples, e não é uma obra-prima do cinema. É um filme bonito, pela evolução de Bass, pelas lições de gratidão e pelas paisagens naturais. Os índios têm um visual bonito também, talvez dos mais bonitos que já vi - e eu já vi muitos westerns mesmo. Tem também um lado um pouco surreal visualmente, pois a expedição tem cavalos a puxar... um barco! Yap, a ideia deles é chegar ao próximo rio e ir o resto do caminho de barco, mas até lá o barco tem rodas e está a ser puxado por cavalos. Parece uma imagem ridícula, e poderia ser se fosse visualizada e tratada de outra forma, mas o filme tem boa energia, e uma intenção bonita que conta uma boa história de bons princípios com simplicidade e beleza.

"Power vs Force" - David R. Hawkins



Power vs Force
David R. Hawkins