quarta-feira, 15 de julho de 2015

"Um Mergulho Profundo no Silêncio da Verdade - Curso Online, Parte 6"


"Um Mergulho Profundo no Silêncio da Verdade"


Parte 6 do curso online do Cool Vibes, "Como Ter Uma Vida Amorosa Alegre".


Mais esclarecimentos, dicas e princípios sobre vida social, iniciar conversas e conhecer mulheres, encontros amorosos com mulheres e relações amorosas. Visão espiritual da vida amorosa para mais felicidade.








Faz as tuas perguntas na secção de comentários do blogue.


Para a semana:


"Um Poder Criativo Chamado Visualização"

8 comentários:

Romário Belarmino disse...

Olá Pedro,
Muito obrigado, mais uma vez, pelos áudios. Gostaria de saber como reagirias perante uma mulher que diz ter problemas X, Y, Z. Ou seja, dias atrás, estava no facebook e, de repente, uma amiga minha do facebook mandou-me uma mensagem a dizer que estava a passar por uma situação bastante difícil, uma vez que a mãe dela a tinha colocado fora de casa e que ela não tinha para onde ir, pelo que estava a precisar de uma ajuda para poder arrendar uma casa. Pedro, como proceder neste caso? Devo ajudá-la, apesar de nunca a tenho visto pessoalmente? Ou devo ser muito prudente nestas situações, como muito bem costumas dizer, não o salvador dela?

Romário Belarmino disse...

Pedro, embora eu não aprecie muito sair com várias mulheres ao mesmo tempo, não tenho nada contra. Agora, já me aconteceu sair com duas raparigas e elas me ignoraram e ficaram a conversar uma com a outra, durante largos minutos, como se eu não estivesse presente. E, para piorar a situação resolveram "convidar" mais uma amiga que ali se encontrava para se juntar à conversa e eu fiquei ali, no meio delas, com a cara de parvo. E, como não podia aguentar todo aquele vexame, resolvi pagar a conta e pedí-las para irmos embora, uma vez que não me restava outra opção. Se fosses tu, no meu lugar, qual seria a tua reação?

nelson goncalves disse...

"Não saias em pensar como conhecer mulheres" está-se num estado de caçador tal como o dizes , se sair a rua e ver uma mulher atraente , se falar com ela para a conhecer isso também é um estado de caçador ou nessa situação o nível de consciência é diferente do anterior.

Pedro C. disse...

Romário Belarmino: "Devo ajudá-la, apesar de nunca a tenho visto pessoalmente?"

Não és responsável pela vida dela, nem pelas escolhas dela. Ela tem o seu karma e lições a aprender. Se nem sequer a conheces pessoalmente, se ela nem sequer faz parte da tua vida, então não a tens de ajudar. Estás correcto na tua percepção do salvador, o ego masculino adora fazer esse papel, mas é um erro pois não estamos cá para salvar mulheres do seu karma. Elas é que têm de assumir a responsabilidade da sua vida, evoluir, e resolver o que tiverem a resolver. Se ela fosse tua namorada, aí sim, terias alguma responsabilidade devido ao contexto da relação e faria sentido fazê-lo. Não te sendo nada, esquece, não finjas ser um santo lol apenas deseja-lhe boa sorte (que é o mesmo que desejar bom karma). Se a vida da mulher é um desastre, isso é sinal de que ela é um desastre. Não tens de ajudar, tens é de ser selectivo e afastar-te para que o seu karma negativo não afecte aquilo que tens de positivo em ti e na tua vida, e que é merecido. Porque na verdade nem estarias a ajudar... estarias a roubar-lhe uma oportunidade para passar por uma experiência que a obrigaria a mudar de atitude e a evoluir para estar à altura das circunstâncias da vida. Estarias basicamente a impedi-la de evoluir. E ela nem sequer faz parte da tua vida lol Se fizesse seria outro contexto, e se quisesses ajudar tudo bem, principalmente se fosse tua namorada.

Pedro C. disse...

Nélson Gonçalves: "se sair a rua e ver uma mulher atraente, se falar com ela para a conhecer isso também é um estado de caçador ou nessa situação o nível de consciência é diferente do anterior"

Uma coisa é canalizarmos a vida para andar atrás de mulheres. Outra coisa é vivendo a nossa vida despreocupados com isso, ao vermos uma mulher bonita, irmos falar com ela.

Uma coisa é todas as escolhas que fazemos na vida dependerem do desejo de conhecer mais mulheres - por questões de orgulho, validação, sexo, etc. Outra coisa é sermos autênticos e livres, fazendo as escolhas devido a como somos e o que amamos, sem pensar em mulheres, mas indo falar com as mulheres que queremos quando elas surgem do nada na nossa vida.

A primeira atitude, de caçador, é uma prisão e tenta controlar a vida, forçando a atracção das mulheres pelo homem, indo a sítios não porque realmente se gosta desses sítios mas porque há lá mulheres, fazendo coisas não porque realmente se gosta de as fazer mas sim porque há lá mulheres a fazê-lo.

A segunda atitude, de autenticidade, é livre e não tenta controlar nada. Vive-se o dia-a-dia normalmente, vai-se onde realmente se gosta de ir, faz-se o que realmente se gosta de fazer, e quando dentro desse estilo de vida autêntico nos cruzamos por acaso com uma mulher bonita, vamos falar com ela se quisermos. Não se anda à caça de nada, nem se pensa em coisas como "hoje tenho de ir falar com 4 mulheres" lol. É algo que deixamos acontecer. Simplesmente é-se autêntico, faz-se o que se ama, quase que se esquece que mulheres existem (lol), e quando nos cruzamos com elas falamos com as que queremos, sem planear nada, e sem tentar controlar ou forçar seja o que for. Quanto mais espontâneo, puro e inocente, melhor.

José Coelho disse...

Olá Pedro
A questão que se me oferece colocar-te diz respeito a uma dúvida acerca duma afirmação que mencionas com alguma regularidade e que eu confirmo isso mesmo no terreno :) É a seguinte: "Haverá sempre muito poucas mulheres que irão gostar de ti como tu és"
Se quiseres descascar esta afirmação em toda a sua plenitude agradeço desde já. Abraço.

José Coelho

Pedro C. disse...

Romário Belarmino: "já me aconteceu sair com duas raparigas e elas me ignoraram e ficaram a conversar uma com a outra, durante largos minutos, como se eu não estivesse presente."

Se fosse eu isso não me acontecia. As mulheres com quem eu saio não me ignoram. A minha essência não atrai esse tipo de pessoas e situações. Se elas te fizeram isso é porque nenhuma delas estava interessada em ti, e se calhar fizeste bem em acabar ali a saída. Eu ficaria a apreciar a minha bebida e a contemplar as mulheres enquanto falavam umas com as outras, apreciando a sua beleza e femininidade :)

Pedro C. disse...

José Coelho: "Haverá sempre muito poucas mulheres que irão gostar de ti como tu és"

Eu explico o porquê neste post:
http://coolvibesblog.blogspot.pt/2015/07/factores-de-atraccao-e-compatibilidade.html

Seja como for, há poucas mulheres que vão gostar de nós como somos pois há poucas mulheres que são compatíveis connosco, e há poucas que são compatíveis connosco pois os factores de compatibilidade são vários: aparência, saúde, vitalidade, tipo de personalidade, nível de consciência, estatuto socio-económico, experiência sexual, etc. Quando falo nisto falo em boas relações duradouras, de intimidade e harmonia. Para saídas, curtes, uma noite de sexo e ligações breves basta haver atracção, e a compatibilidade pode ser fingida através da esperteza de actor da manipulação. Mas isso não é o mesmo que felicidade na vida amorosa. Pode trazer prazer a curto prazo, mas não é felicidade, pois felicidade só é possível com integridade, autenticidade, espontaneidade, inocência, humildade, pureza de intenção, etc.