AMOR

"Ensina só Amor, pois é isso que tu és"

sexta-feira, 29 de maio de 2015

"Como Não Ter Medo De Perder Uma Mulher"

"Como Não Ter Medo De Perder Uma Mulher"



Pergunta de leitor:

"Olá Pedro, tudo bem?

Recentemente, tomei consciência do que poderá ser uma dúvida que me causa paragem ego-espiritual xD que é a seguinte:

Quando eu me interesso por alguém, normalmente ao início eu porto-me bem, mas com o passar do tempo começam a surgir pensamentos do tipo "ela não quer nada comigo", "ela tem um monte de rapazes atrás de si", "eles são melhores que eu" e por aí vão mais pensamentos do tipo. Já pensei em mudar estes pensamentos para algo como "eu sou o rapaz dos sonhos dela", "eu tenho tudo para lhe fazer feliz", mas acho que isto também não é a melhor solução pois daí poderá vir uma certa arrogância da minha parte. O que me recomendas?

Tipo, eu tenho uma certa dificuldade em aparecer ou em fazer-me entender, ou então são elas que não querem entender. Porque eu digo as coisas sérias meio na brincadeira, mas digo. Não sei, acho que elas não percebem a mensagem, acho que vou dizer as coisas de uma forma mais séria. Obrigado Pedro."


Resposta, comentários:

Olá!

Não és tu quem tem esses pensamentos, é o ego. Portanto sempre que eles surgirem, lembra-te que eles não são os teus pensamentos, mas sim os pensamentos do ego. Não fazem parte do teu verdadeiro eu, são apenas algo do qual tens consciência, como carros a passar na rua ou moscas a passar no ar. Não te identifiques com esses pensamentos, pois eles não são teus nem fazem parte de ti. Tu és apenas alegria, e não medo.

É normal o ego ter esses pensamentos pois ele está preocupado coma  aceitação da mulher. Ele sente desejo pela mulher, e não quer ser rejeitado. Orgulho é importante e prioritário para o ego, e ser rejeitado pela mulher significa para o ego que ele não presta, é feio, estúpido, não é atraente, não tem valor, é inferior aos outros, etc. Seja pensar que a mulher não o quer, ou que ela prefere os outros, vai dar ao mesmo: medo de ser rejeitado. A mulher preferir outro homem é apenas, para o ego, um estilo diferente de o rejeitar, por uma razão diferente. Mas no fundo o medo é o mesmo.

E está correcto, pensares "eu sou o rapaz dos sonhos dela" ou "eu tenho tudo para lhe fazer feliz", são percepções/ilusões de orgulho, e há uma atitude e mentalidade mais elevada para te ajudar. Se o "ela não me quer" e "ela vai preferir outro que anda atrás dela", são ilusões negativas, "eu sou o rapaz dos sonhos dela" e "eu tenho tudo para lhe fazer feliz" são ilusões orgulhosas. Ilusões porquê? Porque ainda não sabes se isso é verdade. Não são ideias baseadas na realidade do que está a acontecer. Se estás a sair com a mulher, ainda não sabes se ela não quer nada contigo. Se ela ainda não começou a andar com outro homem, não sabes se ela irá preferir outro homem que anda a sair com ela. Não sabes se és o rapaz dos sonhos dela, pois vocês podem ser incompatíveis e ela pode não se sentir atraída por ti para um namoro. Não sabes se tens tudo para a fazer feliz, porque ainda não estás num contexto com ela, de completa intimidade e relação, em que a estás a fazer feliz apenas sendo tu próprio. E fazer feliz também é uma ilusão, pois podemos contribuir para a felicidade de alguém, trazendo algo de bom à sua vida, mas as pessoas apenas são felizes conforme o seu nível de consciência e essência. Não dá para fazer os outros mais felizes do que aquilo que o seu nível de consciência permite.

Portanto pode-se contribuir para o nível de felicidade que a mulher já tem, não a impedindo de o experienciar, e trazendo-lhe boas experiências e momentos connosco, mas não dá para adicionar energia, sabedoria, poder e amor à sua essência. Isso só o Espírito "faz" conforme ela deixar, conforme for largando o seu ego para essa energia da realidade "entrar" em si.

Essas percepções negativas e orgulhosas começam-se a curar quando se começa a aceitar a realidade de que não é possível controlar nada lol a vida não se controla, aceita-se, pois tudo o que nos acontece tem uma lição que precisamos de aprender. A realidade é que apenas um pequeno número de mulheres vai gostar de nós como nós somos. Aceitando essa lição passamos a ficar tranquilos em relação à mulher "x" não querer nada connosco, ou a preferir outro homem que conhece, pois aceitamos que isso é normal na vida, e que não significa nada em relação ao nosso nível de valor como homem e ser humano. Há diferentes tipos de pessoas no mundo, logo nem todas se vão sentir atraídas por todas, isso é normal. É bom vermos isto como impessoal, pois é impessoal, em vez de lhe darmos um significado pessoal relativo ao nosso valor individual.

"Ela não quer nada comigo".

"E depois?" lol

Há mais mulheres e és o mesmo, com a mesma liberdade, para conheceres mais mulheres até descobrires uma do tipo que irá gostar de ti como és. Quando a mulher gosta mesmo de nós como somos, apenas um esforço mínimo é necessário para as coisas avançarem na direcção de um namoro. Basta tranquilamente e alegremente desfrutar e apreciar os momentos que se está com ela, demonstrar essa apreciação por ela, avançar fisicamente (beijo), e procurar estar com ela sempre que nos apetecer. Ela irá aceitar tudo isto com entusiasmo e apreciação pois quer o mesmo que nós, pois gosta mesmo de nós como nós somos. É um erro manipular e forçar uma mulher seja para que for, pois ela estará connosco por razões falsas que não existem, e só resulta a curto prazo. Para não falar de que não é nada bonito de se fazer, pois não tem em consideração a mulher, uma vez que se a leva a fazer escolhas baseadas em algo falso sobre nós, que não existe.

Por outro lado podes não ser o rapaz dos sonhos dela, nem ter tudo para a fazer feliz.

E depois? lol

Não tens de ser, mas poderás ser algo semelhante para uma próxima mulher que conheças e namorarás com ela. Não tens de ser perfeito, nem espectacular. Basta seres humano e sincero na tua apreciação pela mulher. Seres normal o suficiente para as conheceres, estares com elas, avançares e colocares o narcisismo de lado para realmente quereres saber delas e elas sentirem que estão a ser amadas e apreciadas, em vez de usadas por egocentrismo (busca de validação ou sexo). No fundo as mulheres apenas querem a companhia do homem. Se essa companhia for boa - segura e estimulante - tudo acontece naturalmente. Mas ao mesmo tempo depende sempre da compatibilidade entre os dois, e isso é algo que se descobre, não é algo que se cria, constrói ou força. Cada um já tem uma essência real, o que se faz é ver como estas essências interagem, e se é consistentemente estimulante ou não. Se ambos não amam o mesmo tipo de coisas, sobre o que vão falar? O que vão fazer juntos? Se não valorizam o mesmo tipo de coisas, como estarão em harmonia?

Outra lição importante é que tudo na vida é temporário. E não há nenhuma técnica que mude isso lol o teu corpo está neste momento e constante transformação. Células morrem e nascem. Não o conseguimos ver, mas está a acontecer. Tudo é temporário e está em transformação. Não há como o controlar, e parte de ser feliz é aceitar aquilo que não é possível controlar, em vez de se ser arrogante achando que se será capaz de controlar o incontrolável. Portanto aceitamos que todas as relações são temporárias, nem que seja porque um dos dois morre primeiro. Seja qual for a razão porque uma relação acaba, isso é secundário. Ela acaba, é suposto acabar pois é assim a vida: tudo é temporário e é bom o aceitarmos. Há uma imensa tranquilidade e liberdade que vem de aceitar essa realidade da vida. Não há nenhuma técnica de sedução ou estratégia lógica de desenvolvimento pessoal que irá impedir a morte de todas as pessoas que conhecemos. Tudo é temporário.

Portanto, aceitando com humildade as lições da vida, e que todas as relações são temporárias, vamos ver as mulheres como uma boa experiência temporária. Não algo que é nosso para sempre, mas algo que surge temporariamente na nossa vida como uma dádiva, que permanece o tempo que permanecer, que apreciamos e desfrutamos e amamos enquanto durar, e que é livre de ir-se embora quando assim o quiser, seja quando for, seja porque razão for. Esta atitude traz-nos tranquilidade e confiança baseadas na realidade, o que é atraente, ao contrário da atitude de ter medo de perder alguém de e tentar controlar e forçar a sua presença na nossa vida e proximidade, o que nos coloca num estado negativo, que por sua vez provoca na mulher um estado de estar a ser sugada e presa, o que é repelente. Na vida, ou realidade, força traz sempre contra-força. Se forçamos a mulher a ficar, nela surgirá a contra-força de se libertar. Se a mulher quer acabar a relação, mais vale a deixarmos acabar com uma atitude bonita de gratidão e respeito pela sua liberdade, do que a forçar a ficar desrespeitando a sua liberdade, e tornando a separação numa má experiência.

As mulheres são como uma inocente borboleta que poisa na nossa mão aberta, e que apreciamos enquanto está poisada, e que deixamos ir embora a voar quando quiser. São como ondas do mar que surgem e nos banham com a sua energia feminina, e que se vão com a maré. Não são nossas, são dádivas. Não ficamos indiferentes à sua partida, ficamos com pena e tristes durante um período de tempo, mas respeitamos a sua vontade e deixamo-las ir em paz, livres e lindas.

Se a nossa essência é bonita, é apenas uma questão de tempo para, sem grande esforço, outra mulher surgir na nossa vida. Isto não é para tirar valor às mulheres pois são muitas, e se não for esta será outra. Todas as que surgem na nossa vida são tratadas com o mesmo nível de amor, apreciação e respeito. Nenhuma é desvalorizada lá porque há mais no centro comercial da zona lol mas esta é a realidade, e um dia percebemos que não é a mulher específica individual, mas sim o feminino em si, impessoal, que buscamos. Portanto o nosso nível de amor e apreciação torna-se mais global, mais ao nível do Todo. Não baixa por haverem mais mulheres, pelo contrário sobe, pois o que é apreciado e amado é uma energia impessoal que está em todas as mulheres. Aprecia-se a ama-se a mulher que no momento está connosco devido ao seu valor como ser humano e alma. Isto traz-nos paz, mulher a mulher. Amar todas não é o mesmo que ter relações com todas ou sexo com todas lol é apreciar todas pelo que são, pela sua energia feminina.

Nota: Sempre que uma mulher demonstra interesse no homem, e sempre que o homem consegue fazer sexo com a mulher, (portanto sempre que a mulher valida de alguma forma o homem), o ego masculino leva como que um "shot" de orgulho e pode ficar viciado nisso, buscando por mais validação, de mais mulheres, de mais formas diferentes, sentindo sempre que falta algo, nunca estando satisfeito ou completo. Esse "shot" de orgulho (validação) é algo que faz o ego masculino sentir-se melhor do que o que geralmente se sente, logo é viciante para ele.

Amar todas as mulheres é uma questão de atitude perante todas as mulheres que se cruzam connosco na vida. E quando uma entra na nossa vida de forma mais profunda, procuramos ser Um com ela, dedicando-nos a 100% apenas a essa, e não vamos "amar" as vizinhas de Erasmus do 4º direito. lol o ego acredita na ilusão da separação e de seres individuais, então acha que para amar todas as mulheres tem de correr todos os corpos e personalidades lol não. O Espírito vê campos de energia não-linerares e não-físicos, e as suas interacções. Vê tipos de pessoas, e de atitudes. Logo isto é uma maneira de ser no mundo, um tipo de atitude perante as mulheres como expressão da energia e beleza feminina.

A realidade é que basta uma mulher para se experienciar a beleza e energia feminina... não é preciso ir provar os corpos de todas as miúdas do 3º ano do curso de Direito para se "amar" todas as mulheres :D isso é querer-se prazer com muitas mulheres, e obter a validação de muitas mulheres, não é o mesmo que amar todas as mulheres. Uma mulher é o suficiente, está-se com ela o tempo que se estiver, e depois da relação acabar é apenas uma questão de tempo até se estar com outra. Sendo solteiro pode-se fazer sexo com quem se quiser, não estou a dizer que haja alguma coisa de errado nisso. O que quero clarificar é que ter uma relação com apenas uma mulher não nos impede de amar todas as mulheres, pois amar todas as mulheres é amar o feminino nelas, e isso é uma atitude, não é uma acção. É espiritual, não é físico.

Se quiseres usar alguma afirmação que te ajude, creio que algo do género, "há mulheres que vão gostar de mim como eu sou", será útil e está alinhado com a realidade.

Quando estás a dizer algo importante a uma mulher, tens de o dizer de forma normal, senão ela não o percepciona como real. Tens de ser claro e directo na tua comunicação. Se disseres coisas importantes na brincadeira, é isso que ela vai percepcionar: é uma brincadeira, portanto não é verdade. Se dizes na brincadeira que gostas de cães, ela não vai acreditar pois disseste-o na brincadeira. Tens de o dizer de forma sincera, clara e directa, com o entusiasmo normal que vem de falar de algo que gostamos. O dizer coisas na brincadeira só resulta quando é óbvio que não és assim. Mas tem mesmo de ser óbvio que não és assim, e tens mesmo de não ser assim. Por exemplo, se dizes na brincadeira à mulher que não és tímido, mas na verdade és tímido, ela não vai acreditar. Mas se disseres na brincadeira, com humor, que és tímido, e és mesmo tímido, ela vai acreditar e verá que não tens problemas em ser tímido, que aceitas isso e o admites. Por outro lado, se não fores tímido nem virgem, mas com humor disseres que és tímido e virgem, a mulher vai perceber que não és, pois brincar com isso demonstra que é impossível o seres pois só quem já não é, é que brinca com essas coisas. Porquê? Porque só quem já não é, é que geralmente tem o à vontade para brincar com isso. Quem é leva a questão a sério e sente-se mal com isso e ou evita o assunto ou mente dizendo que não é.

O melhor é praticares dizer sempre o importante de forma sincera, directa e clara. O humor virá depois mais tarde quando tiveres mais experiência e à vontade.


Obrigado pela tua pergunta. 

domingo, 24 de maio de 2015

"Como Transcender o Desejo de Ser a Vedeta e o Maior"

"Como Transcender o Desejo de Ser a Vedeta e o Maior"



Pergunta de leitor:


"Olá Pedro. Tudo bem?

Uma pergunta: Como é que posso transcender o desejo de ser a vedeta e o maior? Eu toco um instrumento e gosto muito do que faço, sinto-me bem a tocar mas muitas vezes durante o dia penso no "artista" que sou e claro, imagino-me a tocar e a ser adorado pelas pessoas (especialmente pelas mulheres). Eu sei que isto é egocêntrico mas muitas vezes deixo-me envolver totalmente por estes pensamentos. Como é possível fazer/seguir algo de maneira integra só porque sim, só porque é bom? Já há algum tempo que me dou conta do que se passa mas agora quero mudá-lo e torná-lo íntegro.

Vou aproveitar para te fazer outra pergunta sobre um assunto que me incomoda e me deixa sem saber como agir:
Acontece-me que um amigo me veio visitar e uma noite saímos eu, ele e a minha companheira de apartamento. Nessa noite eu tentei fazer com que a conversa seja sempre entre os três, integrando sempre as outras duas pessoas. Mas a certa altura os dois começaram a falar entre eles sobre um assunto que realmente era interessante e eu comecei a ficar de lado durante um bom tempo (calado e um pouco chateado). Isto acontece-me algumas vezes também com outras pessoas (isto sentados em uma mesa de um restaurante). O que devo fazer nestes casos? Ir-me embora ou demonstrar que não estou a gostar, ou simplesmente contemplar e esperar que passe a emoção? Realmente não me sinto respeitado nestas situações porque eu também tento sempre evitar que alguém fique de parte numa conversa. Obrigado Pedro pelos teus posts e pela tua ajuda !!! Abraço!"



Resposta, comentários:


Obrigado eu pela tua visita =)

Bom, a tua pergunta não existe lol no bom sentido! Mas quem é que nos dias de hoje, nesta sociedade, quer saber como transcender o desejo de ser a vedeta e o maior? O pessoal quer é saber como ser a vedeta e o maior! haha é excelente a tua atitude, e dou-te os parabéns por isso. Humildade leva-nos ao Céu, o resto, bom... Terra lol orgulho não é o oposto de humildade, é a sua ausência. Não só potencia o ataque dos outros egos, como é um bloqueio à evolução pois a pessoa orgulhosa não aceita e admite as suas limitações e erros, e vive com uma ilusão de falsa auto-imagem de perfeição. É por isso que eu sou o mesmo estúpido de sempre e nunca mudei :D

Primeiro de tudo, não estás a fazer nada de errado. Nem penses nisso, bem pelo contrário! Estás a ganhar consciência das percepções do ego, o que é óptimo. É o ego que tem esse desejo de ser a vedeta e o maior, não és tu. Simplesmente estás consciente de que isso surge, nada mais. Uma vez que estás consciente de que isso surge, podes escolher entre o desejo do ego de ser (ou pensar ser) a vedeta e o maior, ou não. Não odeies esse desejo do ego, procura ver o seu lado cómico, como se fosse um animal de estimação a fazer algum disparate amoroso. No fundo é só isso. Depois, não tens de escolher seguir o desejo do ego de ser a vedeta e o maior, nem tens de pensar que o és. Podes escolher em vez disso humildade e gratidão em relação a tocar o instrumento musical. A gratidão de poderes ter o instrumento e saber tocá-lo, e de o poderes tocar e de te poderes sentir bem ao tocá-lo. É tudo uma dádiva devido a mérito karmico. Tu mereces tocar o instrumento e conseguir tocá-lo como tocas. O poder disso não vem do eu individual (ego) mas sim do Espírito. Daí o orgulho de ser a vedeta e o maior ser falso. Podes ficar contente por saberes tocar o instrumento, e não tens de fingir não o saber tocar por pareces arrogante lol isso é uma coisa completamente diferente do que expliquei. Mas em relação a tocar o instrumento, toca-o à vontade se isso de faz sentir bem, e a minha sugestão é que tenhas uma atitude de gratidão perante essa tua dedicação. Eu desenho e o meu ego é a mesma coisa! lol ele acha-se grande artista haha mas a verdade é que eu sou um zé ninguém que ama desenhar, e nada mais. Nem tenho alegria em fazer desenhos por dinheiro, e já recusei fazê-lo. É forçado, e para mim desenho é algo que me acontece e que é uma expressão de autenticidade. Eu não desenho nada, eu permito que o desenho aconteça e é tudo graças ao Espírito. Sem a sua energia, estado e sabedoria nunca conseguiria desenhar. Atenção que isto que estou a dizer não é o mesmo que ter algo contra quem desenha profissionalmente e ganhar dinheiro com isso. Ainda bem que assim é, pois os profissionais ensinam-me e inspiram-me muito. A minha atitude perante o desenho é apenas uma opção pessoal, e também já fiz dinheiro com desenhos que fiz. Nada de especial, mas sei a diferença de desenhar com alegria porque estou entusiasmado com uma imagem e tema na cabeça, e desenhar porque alguém quer, com prazo "x" e preço "y". Já foram vários os desenhos bem trabalhosos que fiz de graça para ajudar pessoas, e isso deixou-me bem feliz.

"Realmente não me sinto respeitado nestas situações porque eu também tento sempre evitar que alguém fique de parte numa conversa."

Atitude espectacular! Eu só não bato palmas porque senão não consigo escrever isto :D talvez se eu tentar com o nariz :D isso é de facto bonito da tua parte e demonstra uma boa intenção e maturidade. Mas pelo que escreveste é algo que te está a fazer sofrer, de alguma forma. As minhas sugestões para poderes aliviar esse sofrimento nesse tipo de situações são:

* Se ainda não o tentaste fazer, passa a tentar fazer parte da conversa paralela. Não é meteres-te à campeão, interrompendo e desrespeitando, mas sim, se tens interesse real na conversa, fazeres alguma pergunta sobre o que está a ser dito e assim inserires-te nela através de curiosidade real;

* Nunca deixes de tentar inserir as pessoas nas conversas, mas equilibra isso com ter em atenção se há algo em comum o suficiente para haverem conversas naturais de entusiasmo e interesse comum. Se as pessoas forem demasiado diferentes de ti, irás ser sempre colocado de parte, o que é desagradável, e não há nada que possas fazer pois não há compatibilidade. Pensa nisso, procura perceber se as pessoas têm mesmo a ver contigo ou não. Se tiverem, óptimo, a primeira sugestão vai resolver a situação. Se não tiverem vais experienciar mais do mesmo. Procura estar com quem ama o mesmo que tu amas, e as conversas (e actividades) serão sempre de entusiasmo, pois ambos estão a desfrutar e a apreciar algo que amam. E quando experienciares isso não vais querer outra coisa, pois é lindo.

A mim parece-me que estás no bom caminho, por isso continua! =)

Obrigado pela tua pergunta

segunda-feira, 18 de maio de 2015

"Estrada da Fúria Para a Integridade - Mad Max: Fury Road"

"Estrada da Fúria Para a Integridade - Mad Max: Fury Road"


Se ainda não viste este filme, devo avisar que irei falar de elementos da história que irão estragar algumas surpresas. Informo também que ao longo do tempo irei acrescentar e alterar elementos no texto, conforme me for lembrando de detalhes relevantes, e chegar a melhores formas de expressar certos princípios e significados.

O contexto, um futuro pós-apocalíptico no qual escasseia o que é essencial para a sobrevivência: água, comida e a natureza no geral. O mundo é um deserto onde não é agradável viver, e a busca pelo próximo bocado de água e comida é constante. Tal como nos baixos níveis de consciência, os momento de emoção positiva são poucos... e a percepção do mundo é negativa, como se fosse um deserto vazio de felicidade, sem esperança, sem nada no horizonte para além de mais areia, poeira e sofrimento.

A estética, parece que as figuras e designs de H.R. Giger foram animados e passeiam pelos desertos pintados por Salvador Dalí, com alguns toques subtis de Dune à mistura, e originais e fantásticos designs de carros. Para um filme passado num futuro pós-apocalíptico está cheio de cor! É quase sempre de dia, cheio de luz e cores vibrantes. Só há um pequeno período de noite, e mesmo aí o azul escuro vibra. O azul do céu contrasta na perfeição com os laranjas da areia do deserto. É lindo e excelente, portanto. Uma das cenas mais fantásticas de ver no cinema é quando os carros se aproximam da colossal tempestade de areia. Só um mestre artista poderia visualizar e concretizar um filme destes, e George Miller é sem dúvida dos melhores.

As cenas de acção são geniais, variadas e grandiosas. Uma ópera de trabalho de acrobacias, stunt work, que sem dúvida merece uma categoria própria nos Óscares. Sem CGI, o que dá logo mais energia ao filme pois o que aparece no ecrã foi filmado a acontecer na realidade, e não criado digitalmente.

O filme tem várias cenas em que se percebe o que está a acontecer devido à linguagem corporal das personagens. São momentos sem diálogo, sem conversas, que passam a mensagem do momento subtilmente, o que é uma forma sofisticada de contar uma história.

As performances dos actores e actrizes não são de nível de Óscar, mas são boas o suficiente para o tipo de filme e personagens em questão. As mais interessantes são as de Charlize Theron como Imperator Furiosa, e de Tom Hardy como "Mad" Max Rockatansky.

O filme tem algum humor, mas pouco. São breves momentos subtis, mas são óptimos. Mesmo com pouco humor acaba por ser positivo e ter boa energia, pelas razões que vais perceber a seguir, ao longo deste texto.

A aparência do filme é portanto excelente como obra de arte cinematográfica. Só vendo... e aquilo que os olhos vêem irá entreter, mas só aquilo que o Olho do Espírito Vê irá inspirar. E é por isso que escrevo este texto no Cool Vibes, pois Mad Max Fury Road é uma das melhores metáforas cinematográficas de todos os tempos em termos de evolução de consciência no geral, e de passar da não-integridade para a integridade, especificamente. E não só...

Quando vi o trailer no cinema, algo me chamou silenciosamente. Eu tinha de ver este filme, e vi-o precisamente hoje. Nos dias seguintes a ver o trailer no cinema, várias foram as vezes que vi os diferentes trailers no Youtube. Algo me chamava silenciosamente, quase como nada antes. A atracção para este filme era tão poderosa que eu já era como que fã antes de o ver lol havia algo nele que eu desconfiava ser precioso e não apenas mais um filme violento de acção para entreter o animal adolescente em cada um de nós. Ao longe no horizonte contemplava um potencial que me fazia sentir em relação a um filme como não me lembro de sentir. Nenhum western - que é algo que amo desde quase que nasci; nenhum filme espiritual - que são lindos e inspiradores,  nem os filmes recomendados por David R. Hawkins - que são dos melhores e nunca me desiludiram; me deixaram tão entusiasmado antes de o(s) ver.

Mad Max: Fury Road não é um filme perfeito, eu não gosto de tudo o que acontece nele, e não tenho como intenção glorificá-lo. Mas a minha missão e responsabilidade aqui é chamar à atenção para o que importa em termos de pelo menos inspiração para uma vida mais alegre, e este filme é uma das experiências essenciais em tal contexto. Nem todos verão nele o que eu vi, infelizmente. Mas por um lado ainda bem... é como que uma arma secreta que pode ajudar muita gente a libertar-se da sua actual condição negativa e transcender o seu sofrimento. Eu nunca vi nada assim, tão cheio do que mais importa, em palavras e imagens, disfarçado e salpicado de negativo, e bem feito o suficiente para atrair as massas. O ser humano comum vai adorar a acção, alguns será mais os designs, outros irão gostar sem saber bem porquê, mas todos ficarão com uma semente, um pequeno sorriso secreto que se irá abrir e crescer com o tempo, pois a Espada da Verdade não tem de ser uma arma óbvia e visível, pode estar disfarçada pelo Bem Maior, pelo bem de todos. Eu cada vez mais acredito que estes ensinamentos também podem ser secretos, para terem uma hipótese de chegar às massas e influenciar positivamente e secretamente quem os ver, neste caso, através de um filme. Nos dias de hoje, em que o ego é glorificado e o narcisismo aplaudido nas suas diferentes expressões, eu tenho a visão da passagem de princípios espirituais de forma secreta, disfarçados daquilo que o ego e o nosso lado mais primitivo idolatram. Eu acredito na arma secreta espiritual, como meio de ajudar a aliviar sofrimento no mundo. Seja através de filmes, músicas, banda desenhada ou qualquer outra arte. A pessoa negativa e inconsciente assim nem os precisa de procurar... irá em direcção à aparência daquilo que idolatra e que é um reflexo do seu nível de consciência e estado emocional mais comum, mas irá encontrar em essência, sem se aperceber, Verdades e princípios que a poderão inspirar a procurar viver de outra forma e ser mais feliz.

É genial, e já começou a acontecer:

Immortan Joe é o nosso ego de serviço no filme. Um falso deus que controla a água, e por isso controla também o pobre povo deste inferno de sobrevivência. Os seus seguidores, os War Boys, seguem-no enganados por falsas promessas de irem para Valhala se o servirem incondicionalmente até à morte. Os War Boys querem morrer por Immortan Joe para merecerem o falso paraíso de Valhala, e têm a atitude de antes de o fazerem alertarem os outros para os observarem. Algo subtil mas que revela que esta mentalidade e atitude giram à volta de orgulho ("olha para mim a fazer algo fixe!"). Eles são como acólitos do ego, basicamente. Immortan Joe é assim uma excelente metáfora para o ego: falsamente relevante e poderoso, que controla os desesperados, perdidos e fracos de espírito através de força, intimidação e ilusões (manipulação, lavagem cerebral, etc). Ele é o ditador da Citadela, onde tudo começa... e surpreendentemente acaba.

É da Citadela que Imperator Furiosa foge com as 5 noivas de Immortan Joe. Pessoalmente eu adoro estes nomes, são sonantes e criativos. Imperator Furiosa trabalhava para Immortan Joe, por intimidação claro, mas decide salvar as 5 noivas (de quem ele teria filhos, e para quem são a coisa mais preciosa), e arriscar tudo. Num contexto destes arriscar tudo tem o potencial de um final bem horroroso se ela fosse apanhada. Ela é um excelente exemplo de verdadeira heroína. A sua coragem e determinação não têm outra fonte senão um nível de integridade.

Max é um homem perturbado. Perturbado pela morte da família, pela qual ele se sente culpado, e é essa culpa que o perturba, o que é normal. Daí o nome Mad Max. Max não começa um herói, mas torna-se um. Ele começa por apenas querer sobreviver. Querer sobreviver só por si é íntegro, e é por isso que todos trabalhamos para ganhar a vida. Ele começa narcisista, não se querendo envolver com ninguém (devido a ter perdido a família), mas depois muda progressivamente e acaba por genuinamente ajudar Furiosa, quando poderia simplesmente continuar o seu caminho solitário calmamente, longe de todo aquele caos e conflito.

"At least that way we'll be able to... together... come across some kind of redemption."

Max Rockatansky é portanto um bom exemplo de evolução, que de apenas querer saber da sua sobrevivência, passa a querer saber do bem estar e esperanças dos outros e sacrifica-se por eles, para os ajudar. Perto do fim Max até faz uma transfusão de sangue com Furiosa para a salvar, mostrando clara preocupação com o seu estado, não querendo que ela morra.

"My name is Max. My world is fire and blood."

É assim que todos começamos o nosso caminho de evolução, no "fogo e sangue" do sofrimento emocional, mas não é assim que temos de permanecer.

Max tem também outro aspecto interessante em termos de evolução, pois ele fica "louco" apenas depois de passar pelo pior. É depois da sua família ser morta, e depois de ser capturado por Immortan Joe, que Max se começa a transformar e depois se torna num homem diferente, com uma atitude diferente. Isto é o que na verdade acontece na estrada da evolução: primeiro atingimos o nosso fundo de sofrimento, alcançando a saturação, e depois "explodimos", numa fúria em que já não aguentamos mais e estamos dispostos a tudo para mudar e ser mais felizes. Só quanto atingimos a nossa saturação de sofrimento é que vamos largar o que é preciso, e passamos a estar dispostos a fazer o que é preciso, para passarmos a viver de uma forma diferente que esteja alinhada com aquilo que potencia a nossa evolução de consciência e felicidade. Tal como Max, todos nós primeiro temos de passar pelo pior, pelo deserto negativo, de sofrimento, e ficar como que "loucos de fúria", firmes e determinados a ir em frente custe o que custar, fazendo tudo o que é preciso para mudar, estando dispostos a morrer pela nossa felicidade.

Nux é das melhores coisas que este filme tem! Começa como um fanático War Boy de Immortan Joe que o acompanha na perseguição de Furiosa e das noivas, disposto a tudo para as capturar. A sua transformação é fantástica, pois lentamente a ilusão de Immortan desfaz-se na sua percepção, e Nux acorda. Nux rejeita o "Immortan Ego" e torna-se íntegro, juntando-se a Max e Furiosa, ajudando-os imenso, e no fim sacrifica a sua vida para eles escaparem de todos os que ainda os perseguem, num grande acto de heroísmo. Um vilão torna-se herói é algo que deixou de ser moda. Não é fixe para o ego (pois não valida as suas percepções negativas e o seu narcisismo), logo deixou de acontecer no final dos anos 80.

Há detalhes dos quais não me consigo lembrar para descrever, várias frases e momentos que são metáforas de integridade. O filme acaba bem, tal como o caminho para a integridade. Todo o sacrifício e esforço é válido neste caminho, nesta estrada. No fim a recompensa está para além da nossa imaginação. Como por magia toda a tempestade acaba e o mundo fica em paz. Outros ainda vêem essa tempestade e parecem senti-la, mas tu não, tu Vês que não há tempestade nenhuma, e serás chamado de louco, pelos verdadeiros loucos do mundo.

"As the world fell it was hard to know who was more crazy. Me... Or everyone else."

Max diz isto no início do filme, e é o que mais à frente neste caminho acontece. A nossa percepção deixa de ser como a das massas, como a da maioria, e chegamos a pensar que estamos loucos. E estamos, mas no bom sentido. Integridade é raro neste mundo, e ainda mais raro é Amor. O ego colectivo vê um apocalipse constante à sua volta, quando na verdade apenas há beleza, perfeição e paz. O apocalipse constante que este vê nada mais é que a sua própria essência reflectida e expressa no mundo. Nem tudo o que se vê neste filme é bonito, mas para um filme deste género, e com violência, quase que não se vê sangue, e isso é óptimo! Mas são breves momentos mais feios que vão desaparecendo conforme Max e Furiosa vão transcendendo os obstáculos para a sua felicidade e redenção. Immortan Joe e os seus War Boys são isso mesmo no filme: meros obstáculos para o essencial para a sobrevivência e uma vida mais confortável, tal como o ego e as suas ilusões são obstáculos para a felicidade. O grupo de heróis foge na direcção de um espaço verde onde vivem bravas mulheres, mas descobrem que este espaço já não existe, e as bravas mulheres são poucas. Ao início Max não quer continuar com o grupo (iriam todos na direcção do deserto), e até diz a Furiosa que a esperança é um erro lol mas uma visão da sua filha fá-lo acordar, e dá para perceber que ele percebe que tem uma 2ª hipótese, e que pode transcender a culpa que o perturba. Que pode não ter sido capaz de salvar a sua família, mas que podia escolher agora ajudar Furiosa e o seu grupo, e é isso que faz. usando um mapa que fez, partilha o plano de voltarem para trás para a Citadela pelo mesmo caminho pelo qual vieram, enfrentando e acabando de vez com Immortan Joe e os seus War Boys. Uma vez na Citadela teriam acesso a tudo para sobreviver, a água, as plantações, e viveriam lá, dando acesso ao povo a tudo também. Afinal tudo o que era necessário sempre esteve próximo... não estava noutro lado, longe, mas ir a esse lado foi necessário para poder haver as transformações que trariam a consciência e poder suficientes para ser possível ver a Citadela de forma diferente e usá-la para o Bem. Furiosa e as noivas regressam assim para de onde fugiram, mas foi uma fuga necessária pois sem esta não teria sido enfrentada a ilusão da zona verde, do "a felicidade está noutro lado". E a viagem transformou-as, e transformou o seu contexto também, pois já não havia Immortan Joe e os seus War Boys a comandar a Citadela.

Toast: What are you doing?
The Dag: Praying.
Toast: To who?
The Dag: Anyone who's listening.

Este pequeno diálogo do filme nem precisa de ser explicado. É perfeito. Demonstra que basta acreditar em algo melhor, não é preciso dar-lhe um nome, basta acreditar e pedir ajuda, e depois do esforço e coragem algo melhor surgirá.

“Where must we go, we who wander this wasteland, in search of our better selves"

Esta frase aparece mesmo no fim do filme, e demonstra como o filme acaba por ser uma metáfora da estrada para a integridade. Como se evolui? Como se torna melhor? Como se muda e transforma para algo mais feliz e alegre? Como se muda a vida? Qual é a solução? A estrada para a integridade é também uma estrada de fúria. O ego colectivo não quer que sejas feliz, não quer que mudes, e vai fazer de tudo para te desmotivar e impedir de chegar onde queres. Quando realmente te quiseres tornar íntegro, positivo ou mais feliz, irás experienciar pessoas que conheces tentarem puxar-te para baixo, tal como Immortan Joe e os seus War Boys partem em perseguição de Furiosa e das noivas, querendo apenas usá-las para satisfazer os seus desejos narcisistas, sem querer saber da sua felicidade. Ignorando que elas são sempre livres, e que não são de ninguém, e que na verdade podem partir quando quiserem. Tal como os amigos não-íntegros, não querem quer leias livros para ser feliz, não querem que vás a formações para evoluires, não querem nada disso pois o ego não quer ver nada melhor que ele. Se ele está mal, os outros também têm que estar mal, pois só assim continua a receber a validação dos outros. Só os negativos e não-íntegros se validam uns aos outros, os positivos e íntegros não validam os negativos e não-íntegros. Pelo contrário, denunciam-nos e rejeitam-nos. Pois para se ser positivo e íntegro (integridade é felicidade), temos que aceitar e largar em nós o que temos de negativo e não-íntegro. O que por sua vez nos leva a desinteressar pelo negativo e não-íntegro no geral, pois vemos a sua base de ilusão inútil que não leva a nada, a não ser a mais do mesmo sofrimento.

Então partes e começas este caminho, fazes-te à estrada com esperança, esperança de que vais evoluir e ter uma vida mais feliz com experiência mais alegres, bonitas e benignas, com outras pessoas mais agradáveis, interessantes e boas. E assim que tomas essa decisão a sério, a perseguição começa, e a estrada da evolução enche-se de fúria. O ego é insistente e usa todo o tipo de manipulações para te fazer parar. Seja o ego dos outros, ou o teu próprio. Tens de manter em mente, de forma clara, a toda a hora, a intenção de como queres ser e o que queres experienciar. O espaço verde pode não ser aquele que esperas, mas ele virá e será verde, e será muito mais ainda de Bom e Bonito. E para além da intenção clara, tens de ser firme na rejeição dos não-íntegros. Tens de ser firme na rejeição das suas manipulações, sejam elas mais agressivas, ou de vítima triste, ou de lógica distorcida. Tens de te manter firme rumo ao teu espaço verde, e corajoso perante a adversidade e o conflito. Pois haverá conflito, pois tinhas todo um estilo de vida e relações que te aconteceram devido ao teu nível de consciência. Se vais mudar e evoluir vais subir de nível de consciência, e esse nível de consciência irá trazer um novo estilo de vida e relações. Ambos te trarão conflito interno, e no caso das relações trará também conflito externo, pois as pessoas que te conhecem valorizam mais a tua validação que a tua felicidade, logo não querem que mudes. Também por inveja e como sistema de defesa do ego, vão-te atacar de várias formas, umas mais directas e primitivas, outras mais subtis e espertas. Mas a tua motivação em mudar não pode vir do exterior, tem de vir de uma esperança de viver uma vida melhor, tem de vir de dentro. E dentro de ti ninguém chega, só se permitires. Tens de estar disposto a morrer, tal como Furiosa. Tens de continuar mesmo com todos os ataques e tempestade à tua volta. Tens de acreditar e continuar em frente, pois é possível algo melhor, e não és o primeiro a conduzir pela estrada de fúria em direcção à zona verde... e a chegar lá.

As pessoas mais próximas irão surpreender-te pelas piores razões. Terás de ser duro e continuar, pois pessoas não são princípios, e no futuro novas pessoas aparecerão na tua vida que estão mais alinhadas com os princípios que são a origem da felicidade que pretendes. Relações vão acabar, assim como deixarás de fazer certas coisas e passarás a fazer outras. É a mudança de estilo de vida.

Eu lembro-me da minha viagem pela "estrada da fúria", não é novidade nenhuma, tantas vezes já falei do "deserto" e da "tempestade" que temos de atravessar primeiro, antes de chegar ao tesouro da felicidade. São metáforas que significam desafios. Uns vamos direito a eles conscientemente, outros surgem do nada, lançados pelo Espírito como testes e oportunidades de desfazer karma negativo. Este caminho é possível e está ao alcance de todos que o queiram percorrer, mas é um caminho de constante conflito com o ego, uma estrada de fúria em certas fases. Mas vale a pena! Vale a pena pelos lindos oásis que vamos encontrando. Pelas inacreditáveis experiências que vamos tendo, algumas das quais nem contamos pois não vale a pena, ninguém entenderia ou apreciaria. Vale pela beleza que começa a estar cada vez mais presente, cada vez mais tempo. E de um nível passamos ao próximo, com novos desafios, mas também novas alegrias. Para podermos apreciar o que a vida tem de melhor, temos de ser capazes de lidar com o que ela tem de pior. Eu lembro-me quando comecei a vestir-me de forma diferente, quando comecei a ir meter-me com mulheres que não conhecia de lado nenhum, o coração batia tão forte de medo, mas fui em frente à mesma. Cheguei a ser ameaçado por outros homens, e até a ser empurrado por mulheres, mas no dia seguinte lá estava eu a desafiar-me socialmente outra vez. Lembro-me quando comecei a largar amigos, e quando ao falar minimamente dos ensinamentos que seguia, ser atacado, gozado e criticado. Mas continuei. Lembro-me de todas as vezes que chorei por não aguentar mais, e de todas as que chorei de alegria por finalmente ter acontecido algo bonito que há muito desejava. Lembro-me de estar só, e de passar quase 2 anos até voltar a sair com 2 amigos ao mesmo tempo, algo que reparei na altura e partilhei com eles. Pois antes, devido à selecção que foi  (e é) necessária, ou saía sozinho, ou saía raramente com um grupo de pessoas que mal conhecia não sentindo a ligação próxima da amizade, ou saía apenas com 1 amigo. 2 ao mesmo nunca, pois não os tinha por opção. Lembro-me dos conflitos com a minha mãe, pois como eu estava a mudar já não aceitava fazer certas coisas e ir a certos sítios. Tinha preferências, e não queria dar passos atrás na minha felicidade, nem fazer algo fora do meu novo estilo de vida que me fazia sentir bem como nunca antes. Lembro-me da sua doença, e em como foi uma terrível tempestade de quase 3 anos que não desejo a ninguém, e que acabou com a sua morte, mas que não me fez vacilar neste caminho, a única coisa que me manteve são durante esse tempo, e a minha única fonte de poder e inspiração para lidar com tanta negatividade constante de dia e de noite, e ao mesmo tempo prescindir de vida pessoal quase para ajudar. Quem ler o Cool Vibes desse período e me visse na minha vida pessoal nunca iria perceber que estava a passar pelo que estava, tal é o verdadeiro poder do Espírito, que na prática e realidade resulta como dedicação, e eu não tenho dúvidas nenhumas disso. É a única coisa que importa. Lembro-me também dos ataques no Cool Vibes, que simplesmente o poderiam ter acabado, mas não acabaram. Resumindo, todas as fases desta estrada de evolução têm desafios e ataques, e é indo de cabeça como um louco na sua direcção, com a fúria da firmeza de intenção, que os transcendemos e chegamos ao próximo nível. Nem sempre é bonito de sentir ou excelente na execução, mas se a intenção de ser feliz for pura e inocente (verdadeira), tudo correrá bem no final.

A estrada da fúria para a integridade é real, e só lhe sobrevivemos se formos loucos.

Loucos segundo a percepção do ego colectivo. Não te enganes, tornar-te-ás diferente da maioria das pessoas, e verás que não há como falar com elas sobre a Realidade, sobre como a vida realmente é, pois elas estão inconscientes de tudo isso, logo vão achar que estás a imaginar coisas e que és louco, quando os loucos são eles por acreditarem em ilusões.

Loucos porque por integridade escolhemos fazer o que está certo, em vez do que é fácil. Loucos pois escolhemos perder e recusar algo que o ego deseja, em nome de um princípio de integridade. Mas aquilo que parece uma derrota ou perda para o ego é na verdade uma vitória para o Espírito. E é com todas essas pequenas e invisíveis vitórias do Espírito que vamos conduzindo em direcção à felicidade da integridade. Aquilo que somos define aquilo que vamos viver. É a nossa verdadeira essência que potencia o tipo de vida que temos, e uma essência íntegra e feliz vive uma vida íntegra e feliz.

Então tudo isto para dizer que Mad Max: Fury Road hoje não só me entreteu, como inspirou-me, e inspirou-me pois pareceu-me uma excelente metáfora do caminho de evolução para a integridade, em estilo de arma secreta espiritual. Tem sem dúvida um significado especial para mim, devido ao meu caminho pessoal de evolução.

Será que todas estas metáforas foram intencionais? Talvez sim, talvez não, mas de certeza que isso é irrelevante. Ninguém escapa à inspiração, seja ela consciente ou inconsciente.

Pelo filme estar a ter tanto sucesso e a receber tantos elogios, e por ter esta essência espiritual, brevemente começará a ser atacado e insanamente criticado por aspectos irrelevantes, pelo ego colectivo, devido essencialmente a inveja, ignorância artística, incapacidade de apreciar subtilezas que exigem contemplação e apreciação do momento, e também talvez ao constante desejo do ego de estar num estado de orgulho, o que o leva neste caso a achar-se especial e superior odiando algo que muitas pessoas estão a adorar. Atenção que uma coisa é não gostar do filme, outra é atacá-lo.

Claro que ninguém é obrigado a gostar do filme, isso é perfeitamente aceitável. Não gostar do filme é uma coisa, vem do tipo de personalidade da pessoa. Há muitos filmes íntegros de que eu não gosto, não me inspiram pelo seu tipo de história e execução. Outra coisa é atacá-lo, pegando em 1 aspecto do filme, ou em algo que acontece 1 ou 2 vezes ao longo do filme, retirando isso de contexto, e distorcendo a sua mensagem e intenção, com o objectivo de o denegrir. O que é previsível de acontecer neste mundo insano em que um idiota achou boa ideia matar o Gandhi lol

Os dois ataques, ou críticas, mais comuns são os seguintes:

Que Mad Max: Fury Road é um filme de propaganda feminista. HAHAHA!! Eu vi o filme e não é, não tem nada a ver com propaganda feminista. Se o Mad Max: Fury Road é um filme de propaganda feminista, então o The Big Blue é um filme de propaganda golfinhista :D Esta perceção é anedótica e absurda. Só porque tem personagens femininas fortes, e elas perguntam no filme 3 vezes, "Who destroyed the world?", aos seus perseguidores, isso não significa que seja propaganda feminista. Praticamente todo o filme é acção e carros à macho! lol Eu acho excelente haver tantas personagens femininas fortes, lutadoras, guerreiras, como também personagens femininas bonitas. É no máximo o tema de igualdade dos sexos, e não de propaganda feminista. É bom e positivo haver estas personagens femininas no filme, principalmente a Imperator Furiosa e a tribo das Many Mothers, e espero ver mais filmes assim, em que ambos os sexos mostram o seu melhor e testemunha-se igualdade.

O segundo ataque é que o filme tem pouco conteúdo. E é verdade, não é desse tipo de filme. Não é um filme de muitas explicações verbais e de muitos diálogos inteligentes e interessantes. E depois? Isso não é um sinal de falta de qualidade, é uma característica de um género de filme. Não se vai a uma exposição de pintura surrealista ou abstracta, saindo de lá a dizer que não se gostou e que é má, pois falta-lhe realismo e naturalismo lol é absurdo. 

Este é um filme de acção, e nisso é excelente. A história é simples mas é boa, e acho que já expliquei o suficiente o porquê neste texto. O conteúdo do filme é o que contemplamos acontecer nele. A comunicação não é apenas verbal, mas principalmente não verbal. Há muita mestria de linguagem corporal neste filme, e isso é óptimo! Precisamos é de mais filmes assim: menos conversa irrelevante e mais acção bem feita e íntegra. Apreciar este filme é semelhante a apreciar uma pintura: não é pelo texto, mas pela essência do seu tipo de arte. O cinema é a arte da imagem em movimento, e não da palavra. Pode ter excelentes diálogos e descrições, sem dúvida, mas isso é secundário, não precisa de ter. O verdadeiro poder do cinema está no contar de uma história através de imagem em movimento, nada mais. O resto acaba por ser um extra, um extra necessário pois a maior parte das pessoas não consegue apreciar o resto devido às limitações da mente e do seu nível de consciência. Sem palavras e relatos não conseguem simplesmente apreciar em silêncio a beleza de uma cena, ou a inteligência por detrás de uma elaborada sequência de acção, ou o poder de um olhar ou gesto, ou perceber o significado de algo no filme apenas através da imagem em movimento, ou da linguagem corporal de uma das personagens.

Eu tanto acho este filme excelente, e há mesmo muito tempo que não ficava entusiasmado com um filme - e ainda há mais tempo não ficava tão entusiasmado com um filme contemporâneo - como acho excelente filmes do género do Blade Runner, mais calmos e misteriosos, do género do The Big Blue, mais belos e espirituais, do género do Empire of the Sun, mais realistas e humanos. É essencial saber-se do que se está a falar, e saber-se o que se está a ver. Surrealismo não é realismo, uma pintura não é uma banda desenhada, um filme de acção passado num futuro pós-apocalíptico não é um drama realista. Se queremos conteúdo temos por exemplo os livros do David R. Hawkins, está no topo de conteúdo neste mundo.

Venham mais filmes como o Mad Max: Fury Road! Em que não é preciso levar com conteúdo e complexidades negativas, irrelevantes e desnecessárias, e pode-se apenas contemplar a beleza da acção, cenas e cores, tendo consciência da boa história que é contada através da arte do cinema, estando num estado de consciência mais elevado. Arte que eleva é sempre bem vinda.

E é bem possível que George Miller faça brevemente outro filme do Mad Max. Ele já revelou ter as histórias escritas, e segundo ele é possível que o próximo filme se chame Mad Max: The Wasteland. Se tiver a mesma essência que este, então é muito bem-vindo! Pessoalmente gostaria que a história tivesse a ver com a exploração do "deserto", mostrando com coração diferentes tribos, cidades e personagens, e a forma como sobrevivem. E até poderia ter como um dos temas uma guerra entre tribos, que no final entram em paz graças à intervenção de Mad Max e à descoberta de abundância do essencial (água, comida, gasolina, etc) para a sobrevivência de ambas. Acho que seria um filme interessante, mas isto é apenas o meu gosto pessoal.

É engraçado como um filme como o Mad Max: Fury Road, que é apenas um criativo e espectacular filme de acção, com uma história simples mas com alguns bons elementos de heroísmo e esperança, é atacado por tantos, mas a desnecessária e inútil violência, crueldade e malícia dos filmes de Quentin Tarantino são tranquilamente aceites e até idolatradas pelas massas lol 

Na verdade estes ataques ao filme Mad Max: Fury Road acabam por ser irrelevantes, pois o filme é como é, e quem o quiser ver pode vê-lo e entreter-se pois o filme é excelente nisso, e inspirar-se, se a pessoa o deixar inspirá-la.

Deves ir vê-lo?

Esta estrada pode ser de fúria, mas também é de liberdade, logo a escolha é tua.


Gloria in Excelsis Deo!








sexta-feira, 15 de maio de 2015

"Como Atrair Mulheres Com o Contacto Visual"


"Como Atrair Mulheres Com o Contacto Visual"


Pergunta de leitor:

"Hey Pedro! Já te ouvi a dizer em áudios e também em posts, que se não formos falar com a rapariga/mulher que estamos atraídos a seguir ao segundo contacto visual, estamos tramados. Mas porquê? Acho que nunca chegaste a explicar isto... Eu normalmente troco olhares com a rapariga/mulher que me sinto atraído umas 3, 4 ou 5 vezes e depois tento reunir coragem para ir lá dizer-lhe algo. Faço mal então? Abraço."


Resposta, comentários:


Se fazes bem ou mal isso depende da tua intenção, depende do tipo de experiência que pretendes ter, e do tipo de homem que pretendes ser. A minha intenção quando partilho um princípio no Cool Vibes é para potenciar o alívio de sofrimento a quem estiver interessado, e potenciar as melhores experiências subjectivas possíveis na vida em geral, e com as mulheres na vida amorosa e social, em particular. Portanto a questão não é se fazes bem ou mal, mas sim em que estás interessado? E em vez de te questionares, "faço mal então?", mas apropriado para a tua felicidade seria questionares-te, "qual é o nível a seguir nisto?". Aí posso-te ajudar através da partilha dos princípios que fizeram a diferença na minha vida, na prática. Não coisas que li e que acho que compreendo, mas experiências que vivi, e que fazem parte da minha essência e sabedoria.

Não há nada de mal no que fazes, nem no que és. A questão nunca é essa. Mas num contexto de evolução, há escolhas que te vão ajudar a ser mais feliz, e há outras que só te vão prejudicar. A ideia é largar as que prejudicam e impedem de evoluir, e passar a aplicar os princípios que realmente são úteis e eficazes em termos de evolução e felicidade.

Então como se atrai mulheres com o contacto visual?

E porque digo eu que estás tramado se apenas fores falar com a mulher a seguir ao 2º contacto visual?

Primeiro, podes ir meter conversa com uma mulher sem antes ter havido contacto visual. Podes ir falar com qualquer mulher sem antes ela te ter visto. E esta é uma boa forma de o fazer. A minha sugestão, para que a aproximação seja poderosa e tenha impacto, é que digas o que disseres, tens de o dizer a olhar a mulher nos olhos, num estado de alegria tranquila, e depois de dizeres o que tens a dizer calmamente, continuas a olhá-la nos olhos à espera que ela te responda. Assim estás a deixar que o natural processo de selecção da mulher se manifeste, em vez de o tentares controlar com medo de ser rejeitado.

Este é o calmo, e atraente, verdadeiro poder masculino. Nada força, tudo mostra. É a vulnerabilidade do guerreiro que está disposto a morrer pelo bem maior. É a atitude de, "Não! Por amor deixarei o ego desprotegido, e se houver rejeição então ele levará com ela com toda a força, e o seu falso orgulho que me limita morrerá mais um pouco". Isto é coragem, e mais tarde transformar-se-á em confiança. Qualidades do homem a sério, que a mulher a sério procura.

Nós são somos conteúdo e palavras, somos a energia que flui no Silêncio e Paz do Espírito. É por isso que se diz que os olhos são o espelho da alma, ou que os olhos são a janela da alma, ou que os olhos são o reflexo da alma. O olhar expressa a essência da alma, e revela-nos a verdadeira natureza e intenção da pessoa. A sua maneira de ser narcisista ou inocente. A sua consciência da realidade, ou o seu desconforto com a realidade. É fácil perceber quem é íntegro ou não íntegro através do seu olhar. O não íntegro não está a ver a realidade, e evita-a. O seu olhar não é o de quem quer ver a realidade, mas o de quem quer derrotar a realidade através de ilusões. É como se os seus olhos não fossem "ferramentas de consciência", mas sim dois pequenos canhões que a mente usa para disparar as suas ilusões contra quem estiver à sua frente. O olhar, ou contacto visual, é confuso, nervoso e fraco pois a pessoa está com a atenção distraída na tempestade de consecutivas imagens e sons mentais que a hipnotizam. O seu olhar é de zombie, sem grande energia, ou inapropriadamente sempre numa direcção que não a de com quem está a falar, ou fisicamente forçado e expressivo, em busca da atenção e validação do outro.

O contacto visual do homem atrai a mulher quando a sua essência, estado e intenção são positivos, e repele a mulher quando a sua essência, estado e intenção são negativos. Um sintoma natural do estado negativo, de medo, do homem, é o olhar para a mulher, e voltar a olhar, sem o contacto visual sequer ser prolongado, e nada fazer. E vai olhando e olhando, e nunca se coloca no lugar da mulher. O seu narcisismo nunca lhe permite aperceber-se de como essa fraca atitude "predadora" faz sentir a mulher. Muitos homens acham que querem uma mulher, mas na verdade nunca pensam nela sequer e em como a fazem sentir lol é tudo direccionado a eles, em como obter algo dela, em como ser o fixe e sexy perante ela, em como ele se sente, etc. Meramente reagem ao espontâneo estado de atracção e ficam perdidos nele, fantasiando a realidade da situação, dando-lhe significados que não tem, distorcendo tudo, e pensando e pensando, e fazendo o que será melhor para eles, e a mulher? Quem? Ah, espera! Há uma mulher aqui também :D com tanta emoção não tinha reparado ^_^

E é esse o erro. Amar uma mulher não é olhá-la 5 vezes, meter "coragem" nos bolsos e ir dizer-lhe sabe Deus o quê, e sabe-se lá de que maneira, com uma inconsciente, ou consciente, intenção narcisista. Amar a mulher é, por exemplo, estar-se disposto a rejeitar os impulsos do ego para ela poder sentir-se o melhor possível, e sermos uma presença positiva perante ela, não para sermos percepcionados por ela como fixes e sexys, mas porque sendo uma presença positiva estaremos a permitir, ou potenciar, que ela se sinta bem, tranquila, alegre, e quem sabe... até atraída por nós! :D

Ao olharmos para uma mulher, a mulher sente-se observada. É importante termos consciência de que somos um estranho para ela, e que é normal ela não se sentir confortável com um estranho a olhar para ela constantemente. Um olhar é o suficiente para vermos a mulher, vermos como ela é, e decidirmos ir ou não falar com ela. Em termos práticos, na vida real, basta isto. Se vais olhar para uma mulher, contempla-a, não olhes para ela como um animal em transe de desejo. Atenção que eu estou a falar para todos nós, não para ti em específico que enviaste a pergunta. Portanto olha a mulher nos olhos, ou olha para a totalidade do seu corpo, enquanto estás consciente de toda a tua visão periférica e recusas todos os pensamentos, voltando a tua atenção para a realidade sempre que te apanhares perdido num pensamento. Não olhes só para as mamas ou rabo dela, olha para a totalidade do seu corpo, tendo como "centro" a sua cara. Se houver contacto visual sorri muito subtilmente, e fica a olhá-la até ser ela a desviar o olhar primeiro.

Logo aqui surgem vários problemas:

Há homens que vão fazer isto para provarem que são capazes de o fazer. Têm desculpa a primeira vez que o fazem, mas esta intenção não é para manter e repetir;

A um nível semelhante, há aqueles que o fazem por orgulho, numa de competição com a mulher, numa de, "consegui ficar a olhar e tu não", em busca de algum sentimento de superioridade em relação à mulher, como se isso lhes fosse garantir atracção e sexo :D

Outros fazem-no porque querem parecer, e não ser, o homem confiante por quem ela se tem que sentir atraída ou o universo deixará de fazer sentido para ela :D

A intenção certa, ou apropriada, ou alinhada com a verdade, que é bom termos ao olhar uma mulher nos olhos é a de inocente tranquila apreciação, e nada mais. Olhamos a mulher nos olhos pois estamos inocentemente e tranquilamente a apreciar a sua beleza. E enquanto fazemos isto estamos a contemplá-la, pois estamos de mente calma ou silenciosa, completamente presentes no momento, no agora, como se nada mais existisse, senão ela e a sua beleza, e o que estiver dentro da nossa visão periférica. Este estado positivo e intenção íntegra são atraentes pois contêm energia, e estão a transmiti-la à mulher. Algo está a ser dado à mulher, pois o acto de apreciação é um serviço, é o reconhecimento da existência, presença e beleza da mulher. É algo que está alinhado com a verdade do Espírito que é a fonte da nossa existência, que nos ama infinitamente e incondicionalmente, e que nos guia pela vida humana de forma útil. Não só é seguro e de confiança devido à sua intenção íntegra, como também é extraordinário pelo estado subjectivo de alta energia que potencia em nós e na mulher.

O estado negativo e a intenção narcisista são repelentes (para uma mulher normal), pois não têm energia suficiente - devido a terem como fonte uma ilusão, algo que é falso e não existe, logo não tem energia = o ego - e procuram tirar energia à mulher para se alimentarem. Para satisfazerem um desejo narcisista que pode ir de prazer sexual a uma questão de identidade, o que envolve orgulho, "eu consegui-a!", e ser percepcionado como o campeão da sedução, o que é algo em que o ego masculino é viciado (e é também a origem de toda a indústria e negócios pelo mundo fora de como manipular mulheres. Como 85% das pessoas não são íntegras, é disso que vão gostar e gastam o seu dinheiro nesses cursos, PDFs e palestras, enchendo os bolsos de autênticos psicopatas narcisistas).

Para concluir, o contacto visual é uma questão de, pelo menos, intenção. A intenção geral tem de ser fazer a mulher sentir-se bem, ou pelo menos não se ser um obstáculo para isso. Logo não se fica a olhar para a mulher prolongadamente, nem só para o rabo ou mamas, nem a olhar 5 ou 6 vezes antes de se ir falar com ela, pois este tipo de olhares deixam-na desconfortável, e é isto que a maior parte dos homens perdidos no ego fazem. Não o fazeres já é excelente e coloca-te num patamar raro. A minha sugestão é apenas 1 contacto visual com a mulher, com a intenção de apreciação, antes de ires falar com ela. Se depois desse contacto visual não fores falar com ela, esquece-a. Este exercício vai-te transformar e colocar numa situação de, ou começas mesmo a ir falar a seguir ao 1º contacto visual, ou nunca falas com ninguém e não conheces mulheres, o que é uma boa motivação para ficar saturado do medo do ego e avançar na direcção da coragem do Espírito. Ao veres a mulher a passar na rua, basta olhar para ela em contemplação 2 ou 3 segundos no máximo, para a totalidade do seu corpo/presença. Não é preciso ficar a olhar para ela 5 ou 10 segundos tipo cãozito babado, ela sente isso e isso deixa-a desconfortável pois és um estranho, lembra-te disso. Sempre que vires uma mulher bonita, podes dizer a ti próprio, "Obrigado Espírito pela beleza das mulheres". Isto vai-te ajudar a tranquilizar o estado de desejo do ego, que é na verdade o principal problema na vida amorosa dos homens.

A beleza do contacto visual está também na sua atitude de, "eu estou-te a ver, e estou mesmo aqui contigo, e sinto-me feliz aqui contigo".

Amar as mulheres é querer saber delas, e fazer as escolhas necessárias que têm em consideração como elas se sentem, e a sua felicidade. E todas as pequenas escolhas são válidas, se tiverem como intenção respeitá-las e contribuir para a sua felicidade no momento.


Obrigado pela tua pergunta.

quinta-feira, 7 de maio de 2015

“10 Princípios Para Uma Vida Mais Alegre”


“10 Princípios Para Uma Vida Mais Alegre”


Define o Que Queres
Se queremos uma vida mais alegre e feliz, temos de mudar, e para podermos mudar primeiro temos de ter um ponto de referência, uma orientação geral para a nossa evolução. Se não sabemos qual é a meta, nunca a alcançamos. A minha sugestão é que escrevas numa folha A4 como gostarias de ser, como gostarias que a tua vida fosse, o que gostarias de ser capaz de fazer, o que gostarias que te acontecesse e como gostarias de te sentir no teu dia-a-dia.

Gratidão
Aproveita todas as oportunidades para agradecer aquilo que tens de bom e bonito na vida. Todas as oportunidades são válidas, desde a ajuda de alguém, a uma informação útil que te acabaram de dar, às refeições de comes, à diversão que tens com amigos, ao dinheiro que ganhas, etc. Os problemas e sofrimentos são oportunidades escondidas de evolução, por isso podes agradecer por eles também, pois se a lição for aprendida irás começar a experienciar mais felicidade no dia-a-dia. É a gratidão que garante a permanência na nossa vida do que temos de bom, e que potencia a manifestação de mais coisas boas e bonitas. Ser-se negativo é também ser-se ingrato, pois está-se a apenas a focar no que não gostamos e não temos, e a ignorar o que de bom e bonito existe na nossa vida.

Faz o Que Gostas
Descobre algo, seja o que for, que te deixe entusiasmado fazer. Essa actividade irá fazer sentir-te bem e obviamente contribuir para a tua alegria geral no dia-a-dia. Será também uma fonte de energia e paciência que irá equilibrar o teu estado quando a vida te surpreende com problemas. Assim, aconteça o que acontecer, sabes que tens sempre aquela actividade que te entusiasma e relaxa, e só de pensares que a vais fazer sentir-te-ás contente. Esta actividade pode ser como ganhas a vida, mas não tem de ser. Pode ser algo simples que fazes depois do trabalho. Num nível mais elevado de consciência irás descobrir que o segredo está em amar aquilo que já fazes e incorporá-lo na tua evolução espiritual de consciência.

Aceita a Realidade
Tudo acontece por uma razão, seja o bom ou o mau. O ego cataloga os eventos da vida, mas estes não têm qualquer rótulo na realidade. Tudo nos acontece no fundo por mérito karmico, mesmo que não estejamos conscientes disso e que não compreendamos porquê. Não são as coisas em si que acontecem que nos fazem sofrer, mas sim a nossa percepção delas. Se simplesmente aceitarmos o que nos acontece e fizermos o que tem de ser feito, há todo um conjunto de emoções negativas que nos deixam de afectar e perturbar a alegria. Se nos acontece é porque nos tem de acontecer e há uma lição a aprender, pois é esse o propósito da vida. Logo nem vale a pena ter opiniões sobre aquilo que nem compreendemos.

Contemplação
Todas as emoções negativas têm como origem ilusões. Ilusões (memórias, pensamentos, imaginações, etc) não secundárias e não importam. Só o que é Real e Verdade tem validade para guiar as nossas escolhas e contribuir para a nossa evolução e felicidade. Se a curva é à direita que utilidade tem a memória/ pensamento/imaginação de que a curva é para a esquerda? E se a memória/pensamento/imaginação for que a curva é para a direita, essa memória/pensamento/imaginação vem da Realidade de que a curva é de facto para a direita. Contemplar é um exercício que nos permite estarmos mais conscientes da realidade, ou por outras palavras presentes no momento, no agora. Todo o sofrimento vem dos pensamentos do ego, e este exercício permite que a mente se acalme e até silencie. Olha-se em frente para nada em específico e foca-se a atenção na totalidade da nossa visão periférica. Há quem goste também de focar a atenção na respiração (daí dizer-se a alguém que se respirar fundo irá acalmar-se), e desfocar a visão um pouco relaxando os olhos. Pode-se contemplar a maior parte do tempo, e o dia está cheio de oportunidades (a comer, à espera de algo, a vestir-se, a lavar os dentes, a andar na rua, etc).

Sê Tu Próprio
A primeira fase da evolução é a de ganharmos consciência de como realmente somos. A partir daí começamos a ganhar consciência das nossas qualidades reais e das nossas limitações reais, e sabemos em que temos de melhorar para termos uma experiência de vida mais alegre e feliz. A maior parte das pessoas não são autênticas, seguem programações mentais de funcionamento semelhantes a trabalho/performance de actor, e fazem/dizem aquilo que acham que lhes trará a maior validação exterior possível, por questões de sobrevivência e prazer. Não estão a ser espontâneas e inocentes, mas sim a forçar uma aparência que não está alinhada com a sua essência. Tentam manipular a ideia que os outros têm delas, e enganam-se a si próprias. Ser espontâneo não é sinónimo de cometer erros e loucuras, nem de ser desequilibrado. Quando se tem determinadas qualidades são essas qualidades que se irão expressar na nossa espontaneidade. Claro que irão se expressar também limitações, mas isso é normal. Começamos por nos perdoar pelos nossos erros e limitações, e ter compaixão por nós próprios. E quanto essa atitude for real, iremos começar realmente a perdoar os outros, pois nem os chegamos a culpar, e a ter compaixão pois todos somos vítimas do ego – e é por isso que o temos de transcender. Faz e diz as coisas não para obter algum resultado ou tentar controlar a realidade, mas sim porque são uma expressão da tua verdadeira essência. Há um estado incrível de liberdade quando se vive assim, e aprende-se muito pois não se nega nem esconde as limitações.

Evita o Negativo
Funciona como magia. Evitar na vida aquilo que tem uma essência negativa, só por si faz-nos sentir melhor, pois isso funciona como bloqueio. É portanto importante sermos selectivos em tudo. Há 10 anos que não vejo televisão e na prática não só nunca me prejudicou nem limitou em nada, como automaticamente passei a sentir-me melhor. É em essência inútil, tal como tudo o resto que seja negativo e expressões de falta de integridade e narcisismo. Música, filmes, locais, actividades e pessoas negativas, tal como pensamentos negativos, são coisas desnecessárias que nos impedem de sentir tão bem como poderíamos sem elas. Sê selectivo, rodeia-te apenas do que é positivo, e descobre a diferença.

Arrisca e Experimenta
Sai de casa e parte à aventura. Dedica-te à tua vida social nem que seja apenas 1 dia ou noite por semana. Sem experiência de vida não há evolução nem transformação, nem sabedoria. Arrisca e experimenta fazer coisas novas que te atraiam e apeteçam. Dá o benefício da dúvida a convites surpresa e vai. Pensa menos e sê mais, faz.

Foca-te No Relevante
É fácil focarmos a nossa atenção para o mundo lá fora e formar opiniões sobre tudo. Até parece que é boa ideia comentar sobre as escolhas e vidas dos outros, e os eventos do mundo. Essa é uma excelente forma de garantir que nunca iremos evoluir. Evolução é um caminho interior de aumento de consciência. O mundo e os outros apenas entretêm o nosso ego com os seus sentimentalismos e indignações, pois ele alimenta-se do que é negativo. Só olhando para dentro, contemplando, meditando, aplicando os princípios no nosso dia-a-dia, arriscando, experimentando, ganhando experiência de vida, enfrentando os nossos medos, é que vamos evoluir e ser mais felizes. Custa muito, pois exige esforço e o nosso ego ataca-nos. Tem de ser diário, e lidar com o que está no nosso inconsciente não é nada fácil. Na verdade a maior parte das pessoas não quer saber como realmente é, apenas quer ter razão e outros a concordarem consigo. É doloroso quando realmente se descobre as nossas reais limitações. É aí que surge a verdadeira humildade, pois é apenas aí que descobrimos que não somos tão espectaculares como pensávamos, e que na verdade não sabemos nada.

Procura Descobrir a Alegria de Existir
Neste preciso momento poderias estar num estado de perfeita alegria. Só não estás porque na verdade não queres. Não há nada agora a impedir-te de te sentires feliz, apenas a tua escolha livre de te focares no negativo e aceitares as ilusões do ego. As razões para te sentires mal são todas inválidas, são todas pensamentos, não te tens de agarrar a nenhuma nem aceitar nenhum. És livre de aceitar essas razões, e enquanto aceitas essas razões só porque queres, ignoras a realidade de que existes e estás completo, mas podias focar-te antes nessa realidade. Pois é o poderoso estado que vem dessa realidade que te permitirá melhor lidar com o pior da vida. E é essa realidade que te trará verdadeira e permanente alegria. Nada no mundo te pode trazer essa alegria e felicidade, pois tudo no mundo é temporário. O mundo pode proporcionar-te prazeres passageiros, mas a fonte de toda a felicidade é interior, é só e apenas o Espírito. E é do Espírito que vêm todas as qualidades boas que um ser humano pode ter, que vem a integridade, a compaixão, a humildade, que vem toda a Beleza do mundo, que vem coragem, optimismo, sucesso, amor, paz, alegria, etc. E isto descobre-se através da contemplação, que é o começar a ver o invisível que está por detrás de tudo o que acontece. E mais à frente irás perceber que tudo é uma ilusão na vida, que esta é apenas um sonho, que não se morre apenas se fica sem corpo (a vida transforma-se, não se elimina).


Que se vai do individualismo para o Todo, de opiniões para a Verdade, de narcisismo para Amor, de negativo para Paz, de ânsia e desejo para Completo, de manipulação para Inocência, de orgulho para Humildade, de crítica para Perdão, de frustração para Aceitação, de quantidade para Qualidade, específico para Tudo, de medo para Entusiasmo, de tristeza para Alegria, de aparência para Essência, de ontem para Agora, de sombras para Luz, de violência para Beleza, de força para Poder, de ambição para Contribuição e Serviço, de temporário para Eterno, de limitado para Infinito, de variedade para Silêncio, de ter para Apreciar, de saber sobre para Ser. É um caminho feito de o largar daquilo que nos impede de ser felizes. Tal como o Sol está lá sempre em cima a brilhar, mas apenas não o vemos por causa das nuvens, a Verdade também está sempre presente aqui a brilhar a sua Luz, mas apenas não as vemos pois estamos a escolher as “nuvens” chamadas ilusões do ego. Deixa-as cair, e Eleva-te.