AMOR

"Ensina só Amor, pois é isso que tu és"

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

"Top 10 Obstáculos ao Desenvolvimento Pessoal"


"Top 10 Obstáculos ao Desenvolvimento Pessoal"

Desenvolvimento Pessoal é, talvez, a designação mais comum e conhecida usada para identificar aquilo que na verdade, e no final, é um caminho de evolução espiritual, primeiro em direcção à Realidade e Integridade, e depois ao Espírito e Iluminação. Decidi usar este termo neste post, pois é então aquele que as pessoas mais irão reconhecer o que significa, e com o qual mais pessoas se sentem confortáveis. Isto porque o ego detesta e receia tudo o que é espiritual, vendo-o como estranho, abstracto, impraticável, ameaçador, fantasia, etc. E isso é um obstáculo em si, mas já lá chegamos.

A intenção deste post é revelar, e deixar claros, quais são os principais obstáculos que impedem o ser humano de realmente evoluir e alcançar níveis de consciência mais elevados, agradáveis e felizes, e consequentemente uma vida melhor e mais alegre, nas suas diferentes áreas.

Uma vez que 85% das pessoas não são íntegras, esta informação, claro, vai incomodar muita gente =) mas é assim neste caminho, a vida íntegra é como que um dia-a-dia de “last stands”, em que 1 é atacado por 8 ou 9 lol

Passando aos obstáculos, a ordem não é importante. O formato de “top 10” é apenas uma opção como outra qualquer, apenas para organizar as lições. Estes obstáculos são ilusões do ego que uma vez seguidas têm 1 de 3 consequências: ou a pessoa não evolui de todo, ou a pessoa acredita que está a evoluir mas na verdade não está, ou a pessoa evoluiu mas depois de facto baixa de nível de consciência.


#10
“A Causa do Problema é Sempre Exterior”

Esta ilusão/obstáculo é a atitude do ego que vem deste acreditar que é perfeito, e que já é Iluminado. Ou seja, a mentalidade é algo do género, “eu sou perfeito, portanto este meu sofrimento/problema é causado pelo patrão/marido/sociedade/políticos/crise/extraterrestres/sofá/etc. Isto é claro, falso. Nós somos responsáveis por todas as nossas escolhas, e experienciamos o tipo de vida e momentos que o nosso nível de consciência actual permite. Logo subindo de nível de consciência e fazendo escolhas diferentes é possível uma vida melhor, pois passamos a ter acesso a outras pessoas, locais, oportunidades, etc, e deixamos de estar à mercê das condições do nível de consciência anterior. Logo a nossa felicidade apenas depende de nós. Aquilo que temos de aceitar é que somos imperfeitos, e que como somos agora potencia o nosso sofrimento e problemas actuais. Colocar as culpas e causa noutras pessoas ou condições que não apenas o nosso nível de consciência, é inútil e uma ilusão.


#9
“Saber sobre não é o mesmo que Ser”

Então a pessoa, ou porque não aguenta mais o sofrimento, ou porque deseja algo intensamente, parte em busca de uma solução para resolver a sua angústia. Aqui já há um pouco de humildade, a pessoa aceita que não sabe tudo e que tem de aprender algo novo e eficaz para mudar as suas circunstâncias e nível de felicidade. Geralmente começa-se por ler sobre desenvolvimento pessoal, ou espiritualidade, seja em livro real ou na internet. O erro é que toda a informação, mesmo que verdadeira e eficaz para a evolução, é imediatamente mentalizada, e percepcionada/interpretada através do nível de consciência actual da pessoa que está em sofrimento. O ego/mente acredita logo que por ter lido sobre evolução, agora sabe como funciona. Mas na verdade ainda não sabe nada. Leu sobre o assunto, sim, mas ainda não experienciou nada. Ler sobre a Austrália não é o mesmo que se ser Australiano. Ler sobre como é ser-se íntegro, não é o mesmo que se Ser íntegro. Ler-se sobre como conhecer mulheres, não é o mesmo que se conhecer mulheres. Só realmente se aprende e se sabe algo através de experiência, e não quando se lê sobre essa experiência. O ego pega logo na informação e por questões de orgulho considera-se um perito no tema, sem ter qualquer experiência real no mesmo, longe e muito abaixo do nível de consciência de quem escreveu sobre o tema.


#8
“Ter Mais Não é Ser-se Mais”

Dedicado ao desenvolvimento pessoal, o ser humano muitas vezes cai na armadilha de acreditar que - porque usou certas técnicas para uma mentalidade mais positiva, e assim conseguiu, por exemplo, um carro novo que escreveu regularmente como objectivo adquirir -  evoluiu, é uma pessoa diferente e mais sábia. Conseguiu sim, adquirir uma coisa nova na vida, tem o seu mérito, mas isso em termos de real evolução pouco ou nada significa. Uma coisa é conseguir ter-se uma casa nova, ou um telemóvel novo topo de gama, outra coisa é desenvolver-se uma qualidade nova e transcender-se uma limitação (defeito). As coisas novas adquirem-se através de qualquer nível de consciência, basta seguir-se as instruções de determinada mentalidade de alguém que as consegiu ter, e usar-se certo tipo de pensamentos, objectivos e afirmações. Está-se apenas a usar a mente de forma diferente, mas o nível de consciência mantém-se na mesma, se o foco não for uma transformação interior, como por exemplo, tornar-se íntegro. A pessoa orgulhosa e desonesta, ao adquirir um carro novo não se vai transformar em alguém humilde e honesto.


#7
“Mais Não Significa Melhor”

Muitos são aqueles que fazem colecção de lições e diferentes mestres, e não chegam a lado nenhum. Não é o uso de 1000 técnicas diferentes, e a leitura de 100 perspectivas diferentes que vai fazer alguém evoluir. É sim o uso de 1 técnica espiritual todos os dias, e o seguimento disciplinado de 1 mestre apenas. Tal como David Hawkins disse, “Não são necessárias 10 jangadas para atravessar um rio, basta uma”. E por outro lado, há mestres para diferentes níveis de consciência e intenções, logo estar a colecionar mestres e sabedorias é um erro uma vez que, um mestre pode ser apropriado para um nível de consciência mas não para outro. Há mestres demasiado elevados para certas pessoas (pois o nível de consciência destas não é elevado o suficiente para realmente compreenderem e aplicarem a sua Sabedoria), assim como há mestres apropriados para o nível das mesmas pessoas em questão. Tenta-se um mestre de cada vez, uma técnica de cada vez, um caminho de cada vez, a 100%, e é assim que se descobre se é apropriado ou não para nós, se vai na direcção que pretendemos, e se de facto o mestre é verdadeiro ou um charlatão.


#6
“A Ilusão do Interesse”

Mera curiosidade intelectual não leva ninguém a lado nenhum neste caminho. Se a Sabedoria não é aplicada no dia-a-dia, no mundo real, não tem qualquer valor transformativo. Dependendo do seu nível de verdade, a Sabedoria tem um nível de energia que pode fazer a pessoa que a lê sentir-se melhor do que normalmente se sente, mas isso não é verdadeira evolução, é apenas um estado temporário e curto, dependente da leitura dessa mesma Sabedoria. Muitos são aqueles que acreditam que estão interessados em evoluir, e interessados em Amor, e em espiritualidade, e em integridade, etc, mas depois apenas lêem sobre os temas, e tratam-nos apenas ao nível de conteúdo, e não de experiência. Ou seja, o seu interesse não é em evoluir, mas sim em adquirir mais informação, cujo momento de leitura os faz sentirem-se melhor, e depois usam essa informação para parecerem sábios, aqueles que sabem, superioridade moral (“sou mais boa pessoa/evoluído que ele/este grupo”), etc. Resume-se tudo a orgulho intelectual, e apesar das constantes leituras e da crença de que, sim, estou a evoluir e sei sobre o assunto, a pessoa fica no mesmo nível e nada evoluiu. É fácil detectar estes “interessados”, pois as suas perguntas geralmente são sempre hipotéticas, irrelevantes na prática e ao nível de conceito e conteúdo, e não representam uma dúvida consequente de uma experiência real na sua vida, ou na verdadeira intenção de usar a Sabedoria da resposta, enfrentando algum medo, por exemplo.


#5
“Ser o Maior é Ser o Pior”

Para muitos o caminho de evolução tem apenas como objectivo, consciente ou inconsciente, o nível de orgulho, cujo destino é a queda da arrogância. Orgulho é na verdade o principal obstáculo à verdadeira evolução. Ir do nível de consciência do medo ao do orgulho é positivo e tem o seu mérito, mas ainda se está à mercê do ego das suas ilusões. Verdadeira felicidade apenas começa na Integridade, e isso é um facto. Porque orgulho é um nível narcisista, está à mercê de 85% da população humana de intenções não íntegras, logo é frágil. Integridade só depende da Realidade e do Espírito, logo o que os outros pensam, dizem e fazem não afecta a felicidade da pessoa, nem a pessoa é dependente destes para se sentir no seu melhor e alcançar o que pretende. Integridade é não só Felicidade como também Liberdade, e nada nem ninguém neste mundo se compara a esse estado e nível. Portanto, dependendo do nível da pessoa, pode ser boa ou má ideia o uso de técnicas de desenvolvimento pessoal para alcançar um estado de orgulho. Muitas afirmações e objectivos têm como intenção “secreta” o orgulho, pois é isso que o ego mais quer. A leitura de livros sobre evolução, e a participação em formações, workshops e palestras sobre o tema levam o ego a um orgulho do “eu agora sei como é”, e isto é quase sempre invisível à pessoa (é o tal, “ler/ouvir sobre não é o mesmo que o Ser”). Na minha percepção ninguém precisa disso. O caminho para a integridade tem tudo o que todos precisam. As lições e técnicas ajudam a pessoa a evoluir sem ter de ficar presa no orgulho, e aquilo que praticamente ninguém sabe é que karmicamente, uma vida nesse nível é terrível em consequências. A queda para a pessoa acordar tem de ser extrema, pois o ego jamais larga o orgulho de boa vontade, e quanto mais ganhar com essa atitude orgulhosa, mais arrogante fica, até à sua auto-destruição. Não é preciso ir em direcção a um apocalipse para se escolher plantar uma flor.


#4
“Entretenimento Pessoal Não é Desenvolvimento Pessoal”

O frequentar de formações de desenvolvimento pessoal é bom, mas muitas vezes o que lá acontece pode ser mal interpretado pelas pessoas. Os formadores usam todo o tipo de tácticas e técnicas de entretenimento para tentar tornar a passagem de informação mais estimulante, e alguns conseguem, e até são mestres nisso. Independentemente da utilidade, e integridade, da informação passada, o participante por fazer jogos, ouvir histórias e piadas, interagir com várias pessoas, participar em vários tipos de actividades, ouvir músicas, etc, vai-se sentir melhor do que geralmente se sente. É o mesmo efeito que ler os textos de Sabedoria: é apenas um estado temporário, dependente do que acontece na formação. Depois da formação a pessoa regressa ao seu estado normal, passado um dia ou dois, e claro, sente a necessidade de voltar a uma formação do género, pois lá sente-se melhor do que no seu dia-a-dia normal. Tudo isto é normal, não tem mal nenhum em si. O importante é a pessoa não confundir esse estado com evolução (ilusão de evolução, orgulho, etc). Seja a formação de horas ou dias, ninguém sobe de nível de consciência, acredita. Não é assim tão rápido e simples lol leva-se meses ou anos a aplicar os princípios e técnicas no dia-a-dia até isso acontecer. A função dessas formações é passar esses princípios e técnicas, e de forma estimulante, para que depois a pessoa as use no seu dia-a-dia. Num ambiente controlado e seguro de formação, de produção profissional, ninguém passa pelas duras experiências humanas e escolhas que nos fazem evoluir. Não é só repetir frases e jogar jogos lol é difícil. Verdadeira evolução é um constante enfrentar de medos e limitações, é lidar com as surpresas da vida humana (boas e más), é aborrecido e desconfortável. A informação pode ser passada de forma estimulante numa formação numa sala de hotel com ar condicionado e cadeiras almofadadas, mas o processo de evolução é doloroso e é no dia-a-dia, perante o pior e o melhor da vida. Sempre disse, a melhor workshop de desenvolvimento pessoal é a nossa própria vida.


#3
“Fazer Não é Ser”

Usar uma técnica para se tornar mais confiante não é o mesmo que se ser confiante. Uma coisa é o uso de uma técnica espiritual que uma vez aplicada todos os dias nos fará evoluir espiritualmente. Outra coisa é de facto ser-se evoluído espiritualmente. Usar-se uma técnica espiritual, como contemplação, para se experienciar o momento presente (Realidade) e Amor, não é o mesmo que se ser Amor. Há que se ser Humilde e se perceber que sim, está-se no caminho e a fazer um esforço honesto, mas que apenas se está a usar técnicas para tal, ainda não se é o resultado final. Lá porque se medita todas as noites 15 minutos ou 2 horas, isso não significa que já se transcendeu o ego e se está à beira da Iluminação lol não quer dizer que se é um ser humano espiritualmente evoluído. Quer apenas dizer que se está a meditar durante esse tempo, e que meditação é uma ajuda para se ganhar consciência do inconsciente em nós, do ego, e que faz parte do caminho de evolução. Tal como qualquer outra técnica de evolução, só é útil até certo ponto do caminho, pois quando se atinge determinado nível de consciência, a técnica torna-se inútil, uma vez que já se é naturalmente tudo o que essa técnica representa.


#2
“Aparência Não é Essência”

Este obstáculo engloba o anterior. Trata-se do uso errado das técnicas, não com a honesta e humilde atitude de evoluir, mas como identidade, como aparência de algo que não se é, usadas como técnica de actor para se parecer mais evoluído do que se é na verdade. Ou seja, a imitação do visual e estilo de vida de quem é íntegro, não faz de nós íntegros lol aparência não é essência. Por muito sofisticada que seja a imitação, está-se apenas a ser um actor, e não realmente, automaticamente, naturalmente, espontaneamente, o nível de consciência daquele cuja aparência se está a imitar e copiar. Não é só a aparência física que faz parte da dimensão da aparência, mas sim também as palavras e comportamentos. As acções também são aparência, pois a mesma acção pode ter por detrás intenções diferentes. Intenção faz parte da dimensão invisível da essência. Por exemplo, oferecer uma bebida a uma mulher na discoteca pode ter como intenção apenas querer partilhar a alegria que se está a experienciar no momento com a mulher (integridade), como pode ter como intenção manipular a mulher dando-lhe algo na esperança de se obter desta algo que se deseja (narcisismo). Mesma acção, intenções diferentes. Portanto meditar, ir a retiros espirituais, usar roupas estranhas, ter um penteado estranho ou viver na floresta/montanha, porque se leu que um mestre espiritual é assim, não significa que se é espiritualmente evoluído. Está-se a imitar, mas ainda não se é assim. O perigo disto é acreditar-se que se está a evoluir e não se estar a evoluir. Passa-se por estranho, e pior, num estado de orgulho que não leva a pessoa a nenhum lado bom. Vestir-se como homem que tem sucesso com as mulheres não é o mesmo que de facto ter-se sucesso com as mulheres. Está aí a secreta lição espiritual do Carnaval: permite-nos Ver que aparência é apenas brincadeira, o que importa é a essência. Daí eu poder me vestir à cowboy no Carnaval, mas sei que não sou cowboy nenhum. Logo apesar de me divertir assim vestido no Carnaval, não o levo a sério. A atitude tem de ser a mesma fora do Carnaval, todos os dias, em relação a tudo. Há muitos actores imitadores por aí, e poucos verdadeiramente evoluídos. São vários os falsos mestres espirituais, cuja única coisa em que são mestres é em parecerem mestres espirituais lol são sofisticados, exóticos, dão espectáculo, sabem os textos, têm esperteza, são convincentes, mas depois as suas escolhas e intenções são narcisistas, o que apenas engana os não íntegros, que são a maior parte das pessoas. Ou seja, facilmente estes falsos mestres conseguem impressionar o ser humano comum com a aparência daquilo que fazem, a legião de fãs e a quantidade de dinheiro que conseguem. Quantidade de seguidores não garante qualidade de sabedoria. Basta entreter o ego das pessoas e dizer-lhes o que elas querem ouvir, com o mínimo de inteligência e criatividade, e serás famoso haha!


#1
“O Ego Espiritual”

Parece um paradoxo, mas não é. O ego não tem nada de espiritual, mas julga ter :D

O ego pega nos conteúdos sobre verdade espiritual, e usa-os para o seu próprio orgulho. Em vez de os usar correctamente, usa-os para justificar escolhas passadas, fortalecer crenças falsas editando-os, para manipular outros, para ser adorado por outros, para se sentir especial, para ter razão, para se sentir moralmente superior aos outros (“eu sou mais boa pessoa que aqueles que não lêem sobre espiritualidade”), para parecer o mestre que sabe, etc. Em essência usa o conteúdo espiritual com intenções narcisistas de orgulho e ganho material. Este é talvez o pior obstáculo de todos, pois faz cair mestres. Mestres que de facto a certa altura estavam num nível de consciência elevado, e Eram de facto aquilo que falavam e pareciam Ser, por inocentemente atribuírem a Sabedoria e Poder ao “eu individual” (ego) e se acharem especiais – em vez de humildemente atribuírem isso ao Espírito e o verem como uma dádiva – caíram. Desceram de nível de consciência, foram de Amor Incondicional a Orgulho Incondicional lol queda épica! E continuaram a ensinar, mas apesar da conversa e aparência ser a mesma, a energia e intenção já não tinham nada a ver. Para o estudante espiritual, o ego espiritual é mais usado em termos de orgulho (“eu sei, logo dou conselhos não solicitados”, lol), e os conteúdos espirituais são usados como uma arma do ego contra a realidade e os outros, numa de superioridade de conhecimentos, sofisticação da pele de ovelha que mascara o lobo e camuflagem das escolhas, intenções e impulsos narcisistas.

Resumindo e concluindo, o principal obstáculo ao desenvolvimento pessoal é a ilusão. Seguir algo que não é real, e percepcionar/interpretar o que é real de forma errada, o que gera uma ilusão. Pensamento é ilusão, logo não existe no mundo real. Se não existe não tem energia para nos apoiar, logo não é “sólido”. Se nos tentamos erguer numa base falsa, sem solidez, não temos como dar o impulso para dar o salto da evolução. Para quem está verdadeiramente interessado em evoluir e se tornar íntegro, é essencial estar consciente do que é ilusão e realidade neste caminho. Do que é falso e verdadeiro, do que é útil e inútil. É importante ter a percepção correcta das coisas, do que é certo e errado. O ego é no final o grande obstáculo à evolução, tudo se resume a transcender o ego e as suas ilusões, crenças, emoções, impulsos e programação. Depois voamos livremente pela Realidade, saltando de experiência em experiência, vamos evoluindo e começando a Ver cada vez melhor que tudo não passa de uma grande ilusão, um grande sonho do tamanho do Universo, e que aquele corpo lá em baixo não é o que Somos, mas sim que Somos a totalidade de tudo aquilo que Vemos. Separação é ilusão, acordar do sonho da vida humana é tudo o que importa e que faz a diferença. Trocar o temporário pelo eterno é tudo o que importa. Levar o sonho na brincadeira liberta-nos do sofrimento deste.


Neste momento estás consciente que estás a ler isto, mas na verdade não há ninguém a ler nada. Apenas Silêncio.

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

“O Que Fazer Quando a Mulher Já Tem Filhos e é Mãe Solteira”

“O Que Fazer Quando a Mulher Já Tem Filhos e é Mãe Solteira”



Pergunta de leitor:


“Pedro, será que não há nenhuma inconveniência um homem que, ainda, não tem filhos aceitar em namorar uma mulher que já é mãe? Será que, pelo facto de a mulher ter filhos, não irá atrapalhar a relação? Ou a mulher saberá, muito bem, gerir o desafio de ser mãe e namorada ao mesmo tempo?”



Resposta, comentários:


Ora muito bem, aqui está a pergunta que vai acabar com o Cool Vibes de vez. Mas como já estou milionário que se lixe! Hahaha

Primeiro de tudo, tens de perceber se como homem queres mesmo ter filhos ou não. Tens de parar um bocado, e contemplar essa situação. Tens de trazer à consciência se ter um filho é algo que realmente queres ou não, e largar as tuas ilusões relativamente a isso. Tens de pensar seriamente nisso, e não apenas vagamente ou deixar na gaveta do “logo se vê”. Porque a primeira lição de hoje é: se de facto não queres ter filhos, não deves sair e relacionar-te com mulheres que já têm filhos. Isso seria desonesto, e uma trapalhice. Estarias a mentir a ti próprio, à mulher e aos filhos desta, e creio não ser preciso explicar porque tal atitude é má ideia. Neste caso não interessa se a mulher gosta de ti, se a achas bonita e gostas dela como pessoa… assim que sabes que ela tem filhos, e porque na verdade não queres ter filhos, a escolha íntegra, que te mantém autêntico e sincero, e que tem a mulher e os seus filhos em verdadeira consideração, é colocares um ponto final nas vossas saídas, dizendo a verdade, e não deixando assim a vossa ligação amorosa desenvolver-se mais.

Na maior parte das vezes sabes logo na primeira conversa ou saída que ela tem filhos, logo não é um final escandaloso e drástico, como seria, por exemplo, no altar lol

“Mas então e se depois eu descobrir que afinal gosto de ter filhos, ou que quero ter filhos? Isso não é possível?”

O ego tem todo o tipo de dúvidas espertas para nos meter a funcionar através de ilusões/pensamentos/imaginação, ou seja, neste caso, o hipotético. É com a verdade de agora que fazemos as nossas escolhas íntegras e autênticas, e não com a imaginação do que podemos vir a ser no futuro, ou de como o futuro poderá vir a ser. Chama-se a isso alinharmo-nos com a realidade (verdade) e deixar a imaginação (falsidade). Se agora não queres de facto ter filhos, afasta-te das mulheres que já têm filhos. Ponto final.

Outro truque magnífico do ego é este: o homem convence-se que sim, que quer ter filhos, ou que a mulher já ter um filho é algo que não o incomoda, ou que até lhe agrada, pois na verdade é um homem sem capacidade de conhecer mulheres, ou seja, não tem outras opções. Porque ela é a única mulher que parece gostar dele, que o aprova e valida como homem, com quem ele conseguiu sair e que lhe faz companhia, e com quem epicamente consegue satisfazer a sua carência sexual, ele claro aceita-a, seja ela minimamente íntegra ou não, tenha ela filhos ou não, queira ele filhos ou não. Portanto ele aceita a mulher que tem filhos, não porque ele realmente quer ter filhos, mas porque não tem outra opção, nem consegue ter outra opção de mulher.

Falta de auto-respeito e falta de opções levam sempre o homem a ter uma vida amorosa miserável.

Portanto neste caso é essencial o homem perceber se agora quer mesmo ter filhos ou não, e se o seu entusiasmo pela mulher que já tem filhos vem da realidade de ela ser uma mulher minimamente íntegra e decente e de ele querer realmente agora ter filhos, ou se vem da sua falta de capacidade para conhecer mulheres, falta de opções e falta de auto-respeito. Há muitas mulheres solteiras por aí, logo, se o homem não quer filhos, porque há-de perder tempo, e ser desonesto, com mulheres que já têm filhos…?

“será que não há nenhuma inconveniência um homem que, ainda, não tem filhos aceitar em namorar uma mulher que já é mãe?”

Isso é o homem que decide. Se ele não quer ter filhos, então sim, há inconveniência. Se o homem quer ter filhos, mas a mulher não é minimamente íntegra, então sim, há inconveniência. Agora, independentemente disto tudo, a mulher ter filhos é sempre um obstáculo ao convívio com o homem, e isto é um facto. Seja o filho mais novo ou mais velho (a não ser que o filho já seja um adulto independente), é apenas uma questão de o obstáculo ser maior ou menor.

“Será que, pelo facto de a mulher ter filhos, não irá atrapalhar a relação?”

Irá sempre atrapalhar a relação, especificamente o convívio entre o homem e a mulher (se o filho não for um adulto independente). Uma relação não se resume a telefonemas e a sessões de chat no Facebook… isso é pobre e fraco na realidade. Uma relação é passar por experiências reais juntos, sejam íntimas, sexuais ou sociais, e tudo o que impeça isso de acontecer é um obstáculo a ter em máxima conta, e um factor essencial na decisão de continuar ou acabar com determinada mulher. Se a mulher já tem filhos, acredita que ele será sempre a prioridade, e isso é responsável da parte dela. O problema é que vais querer estar com ela, e ela não poderá… pois tem de ir deitar a criança, e no dia seguinte tem de a levar à escola cedo, e depois será dia de lhe dar banho, ou de lhe comprar coisas que precisa, ou de ir ao médico com ele, ou é a festa de anos do amigo da escola, ou está doente em casa, etc, etc. Isto claro não é problema nenhum se estiveres disposto a tolerar estar com ela menos vezes do que te vês ao espelho =) mas se queres uma relação como deve de ser, que nas suas diferentes fases se expressa como é suposto expressar-se, e para isso ambos têm de ter um tempo livre normal para estar um com o outro, e para se conhecerem, e para se dedicarem um ao outro (porque uma relação não é usar o outro para companhia, ups!), então não estarás lá muito interessado em mulheres que já têm filhos.

A mulher que já tem filhos não precisa que a salves de nada. Não és o seu salvador… ela irá sempre encontrar homens que querem ter filhos, e terá sempre um homem se quiser, é apenas uma questão de intenção e tempo. A tua missão é seres autêntico e fiél à tua intenção e princípios. Assim como todos têm o direito de querer ter filhos, todos têm o direito de não querer ter filhos, e a ter a preferência por mulheres com disponibilidade normal para um relacionamento realista, fase a fase. É apenas uma questão de decidires o que realmente queres, estares consciente disso no momento, e seres fiél aos teus princípios e preferências. Quem achar isso errado é sinal de que é um idiota, pois não tem a capacidade de ver os dois lados, nem de apreciar autenticidade ^_^

“Ou a mulher saberá, muito bem, gerir o desafio de ser mãe e namorada ao mesmo tempo?”

Isso depende da mulher, portanto tens de perceber isso uma a uma. E só interessa pensar nisso se realmente queres ter filhos. Mas vamos imaginar que sim, que realmente queres ter filhos. Como acabei de dizer, depende da mulher. Depende do seu nível de consciência, depende do seu nível de experiência com homens, em relações, e como mãe, etc. Se queres ter filhos e gostas dela, então vais saindo com ela e deixas a relação desenvolver-se. Se todo o contexto te for agradando, seja porque razão for, continuas, aprecias e desfrutas. Se te começar a deixar insatisfeito pois a mulher não tem o tempo suficiente para ser uma namorada como deve de ser, então acabas a relação que tiverem. Assim estarás a manter-te autêntico, e não estarás a fingir que está tudo bem e que ela é espetacular, quando na verdade não é =)

Uma vez que 85% das pessoas não são íntegras, eu não teria grandes expectativas relativamente a encontrar uma mulher que saiba gerir o desafio de ser mãe e namorada ao mesmo tempo lol é muito raro, logo é mais realista esperares sempre haver limitações e defeitos nesses aspectos.

Em conclusão, uma mulher solteira com filhos não é pior, nem melhor, que uma mulher solteira sem filhos. É apenas diferente. Se é uma boa escolha como namorada, isso depende daquilo que realmente queres. Depende de se realmente queres ter filhos ou não, se realmente tens capacidade para conhecer mulheres regularmente ou não (isto define se a tua escolha vem de a mulher ser uma boa opção, ou se vem da tua falta de opções), se ela é minimamente decente e íntegra ou não, se estás disposto a tolerar a sua falta de tempo para ser uma namorada como deve de ser ou não, se a sua falta de tempo é um obstáculo ao normal desenvolvimento da relação fase a fase ou não, etc.

És tu quem define isso. A principal orientação aqui é seres autêntico. Seres fiél ao que realmente queres, doa a quem doer e sejam quais forem as consequências, e seguires a realidade das situações. Porque um homem sem auto-respeito, sem consciência do que realmente quer, e sem a integridade suficiente para ser autêntico e fiél aos seus princípios e preferências, terá sempre uma vida amorosa miserável.

Obrigado pela tua pergunta.




Nota: este foi o último post do Cool Vibes. Um dia depois de o escrever, Pedro Constantino foi caçado, alvejado e enforcado por uma furiosa posse de mulheres solteiras com filhos. Apesar do seu heróico last stand, sozinho e sem munições, acabou por sucumbir ao terrível ataque do grupo não íntegro. O seu corpo foi enterrado, mas 3 dias depois já lá não estava. Há quem acredite que ainda cavalga por aí, a tentar ajudar aqueles que realmente estão interessados na verdade da felicidade, alertando-os para as tentadoras e sedutoras ilusões do bandido conhecido como ego, e como se defenderem do seu vasto grupo de foras-da-lei não íntegros, a gang dos idiotas. Mas pode ser apenas um mito…