AMOR

"Ensina só Amor, pois é isso que tu és"

segunda-feira, 14 de maio de 2012

“As Pessoas Não São Números e o Amor Não é Uma Calculadora”


Pergunta de leitor:



“Olá Pedro, mais uma vez quero-te agradecer por disponibilizares mais áudios e textos, eles ajudam muito. Obrigado. Agora lá vai a pergunta haha :P Em sua experiência com socialização, convívio com diversos tipos de pessoas, o que você pode resumir da essência das pessoas que você conheceu ou conhece em percentagem? É apenas uma curiosidade. Quantos % você daria para as pessoas egocêntricas, pouco egocêntricas, íntegras, e pessoas com o ego transcendido? Seria possível fazer essa avaliação? E outra pergunta, você acha que a sociedade tem evoluído em termos de integridade, honestidade ou mesmo o ego, ou tem piorado com o tempo? O que você pode dizer sobre isso? Obrigado.”



Resposta, comentários:



Olá! E obrigado eu por ouvires os áudios e as minhas maluqueiras =)



“É apenas uma curiosidade.”



O ego apanha-nos com esta facilidade e velocidade. Pois estes tipos de perguntas, apesar de parecerem inocentes e pertinentes, distraem-nos do verdadeiro trabalho espiritual interior que tem de ser feito diariamente para subirmos de nível de consciência.



O ego quer saber estas coisas, não apenas por curiosidade e por parecerem interessantes, mas porque secretamente e inconscientemente anda à caça de mais razões para odiar o mundo e as pessoas. Ele sabe que a maioria não é íntegra, logo essa é a razão perfeita para decidir que é melhor evitar interagir com as pessoas e participar no mundo, bloqueando assim com sucesso o Amor, e qualquer hipótese de integridade ou aumento de consciência.



Segundo David R. Hawkins, 85% das pessoas no mundo não são íntegras.



E depois?



Isso explica o porquê de muitas coisas no mundo, mas em que é que isso me ajuda a subir de nível de consciência? Nada. É apenas informação nova na cabeça. Não estou a enfrentar o meu ego, os meus medos, os meus defeitos, não estou a fazer nada por ninguém, etc, etc. É conteúdo, não é contexto. Nós aprendemos por experiência e não por leitura =D vivendo e não pensando. Claro que neste caminho é natural acabarmos por encontrar e ler este tipo de informações, e tudo bem. Estou apenas a alertar para o facto de que podemo-nos perder nelas e ficar eternamente a andar aos círculos sem aumentar a nossa consciência, se, ao mesmo tempo, não andarmos a fazer o trabalho espiritual necessário com consistência e regularidade.



Uma pergunta mais pertinente seria, “como posso Amar os 85% de pessoas egocêntricas?”. Aí sim, temos dança =D



Porque temos algo a aprender com todas as pessoas, e se uma pessoa é íntegra ou não é íntegra, isso é algo que descobrimos ao interagir com ela, no momento, e não algo que tentamos antecipar sozinhos em frente ao computador a ler um texto.



Quando começamos a aprender a Amar todas as pessoas, é impossível estarmos sozinhos. Passamos a ter energia suficiente para falar com qualquer pessoa em qualquer lado a qualquer momento. Nem todas vão querer falar connosco ou ter energia suficiente para uma boa conversa, mas isso é completamente secundário pois a nossa energia será contagiante para a maioria. A realidade de poder sair de casa e ter a certeza que se terá sempre alguém com quem conviver um pouco é libertador. Claro que muitas dessas pessoas não serão compatíveis connosco, e da interacção não surgirá uma relação. E depois? =D



Podemos ser simpáticos e animados para todas as pessoas que quisermos. Podemos dizer olá com alegria, apenas pelo prazer de o fazer, simplesmente porque estamos alegres. Cumprimentamos os cães e brincamos com eles. Tudo é possível no Amor! =D



O erro é odiar em antecipação, querendo evitar as pessoas em vez de interagir com elas. Só interagindo é que as conhecemos, e é interagindo que vamos aprender as lições. As pessoas são a oportunidade perfeita para aprendermos a Amar. O que interessa se são íntegras ou não? Ainda nem sequer falámos com elas! E se soubermos trazer cá para fora o nosso melhor, vamos inspirá-las a trazer o seu melhor cá para fora, e de facto uma interacção agradável é possível. E não tem de ser mais do que isso. Com algumas pessoas será, com a maioria não. E depois?



Amar não implica ter uma relação lol Amar implica Amar no momento, e deixar acontecer o que for natural acontecer. E nem sempre irá acontecer mais do que aquela pequena conversa agradável sobre a criança que se molhou toda a brincar com o cão no jardim. É importante não nos tornar-mos caçadores de amigos e relações lol isso está ao mesmo nível dos caçadores de validação (orgulho) e de sexo, é apenas um sabor diferente do mesmo gelado.



Então os outros são para aprendermos a Amar e a servir, e o caminho de aumento de consciência é um caminho de contemplação em que olhamos para nós, para dentro, e enfrentamos aquilo que tivermos de enfrentar no nosso nível de consciência actual. O ego vai-nos distrair de formas infinitas dessa simples escolha, ele fará de tudo para nos impedir de olhar para dentro (para ele), pois ele sabe que se isso acontece, ele é descoberto e por ser descoberto começa automaticamente a ser desfeito e a perder o poder que tem sobre nós. Quando a ilusão se descobre ser ilusão, começamos imediatamente a deixar de acreditar nela até que ela desaparece para sempre em nós.



Uma das tácticas favoritas do ego é apontar o dedo para fora. Para ele são sempre os outros os responsáveis, e como os outros são ou o que fazem é o seu tema de interesse. Ele adora odiar, o que se pode fazer? Lol ele caça os erros dos outros para ter mais uma razão para os odiar e rejeitar… e depois queixa-se que se sente só, tem poucos amigos, não sabe iniciar conversas com estranhos e não consegue conhecer mulheres! =D



O ego é um idiota insano.



Temos de olhar para dentro e não para fora (para os outros, as suas escolhas e o que fazem ou não fazem). Saber percentagens de quantas pessoas são íntegras ou não íntegras pode ser interessante mas não resolve nada em nós. O ego pega nessa informação e usa-a para se tornar mais forte lol por isso é importante estarmos sempre atentos ao porquê das nossas escolhas e perguntas, e em como percepcionamos e interpretamos aquilo que aprendemos.



A tendência é evolutiva. Mas hoje em dia está tudo mais caótico por causa da televisão e do mundo do entretenimento. Ou seja, há cada vez mais confusão de conteúdos e informação não íntegros de fácil acesso. Cada vez mais filmes, séries e programas de TV não íntegros que simplesmente baralham as pessoas em termos de princípios e as bloqueiam em termos de evolução de consciência.



O que eu quero dizer é que apesar de estarmos lentamente a evoluir no geral, o entretenimento e outras fontes de conteúdos têm cada vez mais autores e criadores não íntegros que dificultam o caminho de evolução às pessoas. As séries do Spartacus e do Game of Thrones são das piores coisas que se podem ver em termos de aumento de consciência. São horríveis, com baixa energia, glorificam a violência e a traição, e uma série de outras coisas que não são íntegras. Quem vê essas séries claramente não está interessado em Amor ou sequer em subir de nível de consciência. Talvez nos seus sonhos, mas na verdade não está =D são, como lhes costumo chamar, entretenimento para animais lol para humanos (integridade) não são de certeza. O ego adora aquelas histórias, claro, representam tudo o que ele é… mas qualidade artística não é o mesmo que qualidade espiritual, e para quem quer aumentar a sua consciência, ser Amor, e ter mais energia para ter uma vida social e amorosa bonitas, com alegria e paz, há coisas que têm mesmo de ser deixadas para trás. Em termos de entretenimento a situação actual é pior que má lol séries, filmes e heróis com quem de facto se pode aprender algo, e ser um modelo de comportamento íntegro no dia-a-dia, isso praticamente já não existe. É a era de glorificação do ego lol completamente desinteressante e aborrecido. No outro dia cheguei à sala e tinha 3 javalis, 1 t-rex, 2 tubarões, 1 crocodilo e 1 planta carnívora a verem o Spartacus e a beberem minis. Enfim, é 2012 e deve ser mesmo o fim do mundo =D



Felizmente há as séries antigas, como o MacGyver e o Poirot, com bases íntegras e princípios a seguir. E há vários filmes de energia mais elevada com os quais podemos aprender coisas importantes, seguir modelos de integridade e alcançar a nossa alegria e Amor. Basta estarmos realmente interessados nisso e é apenas uma questão de tempo até descobrirmos essas séries e filmes.



Tudo isto para dizer que de forma geral estamos a evoluir lentamente, mas que há muita (muita mesmo) coisa de fácil acesso no mundo do entretenimento e da televisão que glorifica o ego e o que ele adora. E se nos expomos a isso diariamente o nosso nível de consciência vai baixar, e podes esquecer o conhecer mulheres bonitas naturalmente e o ter uma vida amorosa alegre =D



Obrigado pela tua pergunta!

4 comentários:

Anonymous disse...

Muito obrigado pela resposta.

Mas me surgiu uma duvida, então não devemos nos afastar das pessoas que ja percebemos que não são integras ? devemos conviver com elas apesar disso ?

E sobre seleção de amizades e outras coisas, como devemos selecionar as pessoas que temos a nossa volta, se temos que amar a todos ?

Obrigado pela atenção!

Anónimo disse...

Caro Pedro!
Me parece que algumas pessoas nao conseguem aprender a evoluir de consciencia por si mesmas(e me incluo junto a estas pessoas tambem).
A mim por exemplo, um "mestre" espiritual ajuda muito, que no meu caso escolhi voce Pedro.

Minha duvida é a seguinte:
Pode dar errado seguir dois "mestres" diferentes? Ou esta sensação de "dar errado" é mais um golpe do ninja Ego?

Abraçao Pedro,

Felipe

Pedro C. disse...

Sim, devemos afastarmo-nos das pessoas que não são íntegras, pois o seu nível de consciência/energia impede-nos de sermos íntegros. Ou pelo menos tornam essa transformação muito mais difícil.

Não temos de conviver com esse tipo de pessoas.

Amar não significa que temos uma relação com as pessoas. Estás a confundir Amor com relação e acção. Amor é um nível de consciência, uma forma de ver o mundo e estar nele. Podemos Amar todos e não ter uma relação com ninguém. Porquê? Porque o Amor é no momento. Quando a pessoa está à nossa frente Amamo-la porque somos Um com ela. Sabemos que ela na Verdade é o Espírito e não o ego/corpo animal que está à nossa frente. Amar é no momento, frente a frente com a pessoa e podemos nunca mais voltar a vê-la e nem sequer sabemos o seu nome lol

Amar também é deixar ser. Se uma pessoa não é de confiança e vive a vida através de esperteza e mentiras para obter o que deseja, amamo-la como ela é, sem a tentarmos mudar. Mas porque ela é assim, e o Amor vê logo como as pessoas são, ela não está alinhada com o Amor. E se nós estamos, ou estamos a tentar estar, afastamo-nos por Amor à Verdade e ao Espírito.

Repara que é muito diferente afastarmo-nos de alguém por ódio a essa pessoa, de afastarmo-nos de alguém por Amor ao Espírito e à Verdade. No primeiro caso a porta está fechada e ponto final. No segundo caso a porta está sempre aberta à pessoa, caso ela se comece a alinhar com princípios mais elevados. Amamos a pessoa, e porque a Amamos lidamos com ela como ela realmente é. E a escolha mais apropriado pode ser afastarmo-nos dela.

É importante não confundir Amor com relação, ligação ou afecto =D

Depois o afastar ou não afastar depende do nosso nível de consciência e fase de evolução em que nos encontramos. Para certas pessoas o mais apropriado é sem dúvida afastarem-se dos negativos, não íntegros, egocêntricos, narcisistas, etc. Para outras pessoas a lição que precisam de aprender é lidar e relacionar-se com todo o tipo de pessoas primeiro, e só depois é que é apropriado afastarem-se.

Cada caso é um caso, mas todos chegam á fase em que o apropriado é afastarem-se, pois se não se afastarem nunca conseguirão chegar a níveis de consciência mais elevados.

Pedro C. disse...

Um mestre espiritual é essencial no caminho de todos nós. Alguém com a experiência e sabedoria real é muito importante.

Seguir dois mestres diferentes pode ser bom ou ser mau. Pode ser bom se eles falarem do mesmo, com a mesma intenção e vindos de níveis de consciência semelhantes. Porque se assim não for, só nos vai baralhar.

Para se atravessar um rio não precisamos de 10 jangadas... basta uma. 1 mestre, 1 técnica espiritual, 1 ensinamento mais elevado... usado todos os duas correctamente e consistentemente, leva-nos até ao fim do caminho.

Por outro lado, encontrar o "nosso" mestre espiritual leva tempo e exige pesquisa e experiência. É natural que durante essa pesquise cheguemos a ter mais que um mestre espiritual.

Acho que é bom pegarmos apenas num e ir até ao fim com ele. Ou seja, pegamos num e estudamos/aplicamos o que ele tem de melhor e de essencial e vemos o que acontece. Se não nos satisfazer procuramos outro e dedicamo-nos a 100% a ele.

Só com dedicação a 100% é que percebemos se de facto este mestre espiritual é o mais apropriado para nós. Andar a saltar de um para outro, ou com 3 ou 4 ao mesmo tempo, isso só nos vai baralhar. Até porque o mestre espiritual apropriado para nós depende do nosso nível de consciência.

Há pessoas para quem o mais apropriado é o Tony Robbins, ainda estão nessa fase. Para outras poderá ser o Stephen R. Covey ou o Wayne Dyer... outros o Deepak Chopra, outros o Ken Wilber, outros o David R. Hawkins.

Há mestres espirituais que são demasiado elevados para certas pessoas, ainda não são apropriados para elas. Logo o melhor para elas é um mestre de um nível de consciência mais baixo que o Hawkins, por exemplo.

Tudo depende do nosso nível de conciência, por isso temos de procurar, experienciar e depois logo se vê :)