AMOR

"Ensina só Amor, pois é isso que tu és"

quinta-feira, 26 de março de 2009

“O Que Fazer Quando Ainda Se é Virgem – Como Lidar Com A Virgindade, O Sexo Oposto, A Atracção E A Sexualidade”

“O Que Fazer Quando Ainda Se é Virgem – Como Lidar Com A Virgindade, O Sexo Oposto, A Atracção E A Sexualidade”


Há uns tempos atrás uma pessoa deixou um comentário aqui no blog sugerindo-me um post sobre o tema da virgindade.

Apesar de agora andar super ocupado com as preparações da workshop Arte Social, que vai mesmo ser uma experiência fantástica, e muito provavelmente a melhor workshop do Cool Vibes até hoje, consegui reservar tempo para dedicar ao tema da virgindade.

Ser-se virgem pode ser a origem de um grande obstáculo na vida amorosa tanto dos homens como das mulheres, e também a fonte de vários problemas e sofrimento.

A virgindade é um tema muito importante, principalmente, claro, para quem ainda é virgem é quer desenvolver uma vida amorosa de qualidade.

Eu ainda me lembro muito bem quando ainda era virgem e via isso como um problema ou obstáculo. Mas na Verdade apenas o é se deixares. A virgindade é na Verdade bem mais irrelevante do que pensas.

Como eu pedi à pessoa que sugeriu o tema da virgindade para me dar uns tópicos sobre o que acharia importante e interessante relativamente ao tema, vou primeiro desenvolver esses tópicos e depois falar de conceitos essenciais que te vão ajudar na tua vida amorosa caso ainda sejas virgem.

Sim, porque eu pessoalmente também tive que lidar com isso e não foi fácil. Pois ser-se virgem aos 21 anos, como eu o era, já começa a ser um “problema”.

Vamos então aos tópicos:

1 - O facto de alguns rapazes valorizarem as mulheres virgens, o porquê (será que é porque acham que elas têm mais auto-respeito que as outras?), e será que elas o têm mesmo?

Há homens que valorizam as mulheres virgens por muitas razões diferentes. Como é óbvio não posso dar uma razão e dizer que essa é a única que existe, mas vou dar aquela que acho mais importante ter em consideração em termos de desenvolvimento humano e vida amorosa extraordinária.

Há homens (não todos) que valorizam uma mulher virgem pois esta ainda não se partilhou sexualmente com nenhum homem. Ou seja, estes homens não conseguem lidar com o facto de um mulher já ter tido sexo com outros homens antes dele, e então procura evitar ter de lidar com isso.

É o ego masculino a entrar em acção. E neste caso não tem nada a ver com a mulher ter mais auto-respeito (Selecção Consciente).

Até porque lá porque uma mulher é virgem, não quer dizer, não garante, que tenha auto-respeito. O auto-respeito, ou auto-estima, não se expressa apenas através da forma como vivemos a nossa sexualidade e vida amorosa, expressa-se em TUDO o que fazemos na vida.

A mulher pode ser virgem e ter vícios auto-destrutivos. Pode-se dar com pessoal desonesto e manipulador. Ser-se virgem não garante nada relativamente ao nosso auto-respeito. Pode ter, mas pode também não o ter. É sempre necessário analisar o resto da sua vida, principalmente o tipo de coisas que costuma fazer e o tipo de pessoas que deixa entrar na sua vida.

Portanto, estes homens que valorizam as mulheres virgens procuram evitar ter de lidar com a realidade de “não foste o único”, “não és o mais importante nem o melhor”. Coisas (Verdades) que o ego detesta saber. E também porque sendo ela virgem, e tendo pouca experiência sexual, este tipo de homem também acredita que é um escudo que o protege de ser traído.

Mais uma vez... não garante nada. Tem tudo a ver com o tipo de mulher que ela é... se é desonesta ou não, se é de confiança ou não, se tem consideração pelos outros ou não. Virgindade aqui não garante nada novamente, pois nas outras áreas da sua vida ela pode ser uma mentirosa e manipuladora. E uma vez numa relação, seja antes ou depois de ter perdido a virgindade, basta aparecer um homem mais atraente que o seu parceiro que saiba fazer as coisas acontecer, e se ela não tiver Consciência suficiente... vai trair o parceiro.

Em termos de “será que ela me merece?”, ou de Selecção Consciente, a virgindade não garante nada nem é um factor útil para ter em conta nesse sentido.

2 - O facto de alguns rapazes trairem as namoradas virgens porque elas não os satisfazem sexualmente.

Ora cá está o prémio trolhozice Março 2009! ;)

Repara bem... estes rapazes metem-se numa relação íntima com uma rapariga que é virgem, logo eles sabem que têm de saber lidar com isso. Se é uma relação íntima... tem de haver algo FÍSICO e SEXUAL entre os parceiros, senão é apenas uma espécie de amizade.

Agora vem a ideia genial destes tipos:

“Bem, eu já pedi para fazermos sexo várias vezes, mas ela diz sempre que não. Eu tenho mesmo de ter sexo senão cai-me um braço e transformo-me numa caixa de fósforos usados... logo tenho de arranjar outra para ter um orgasmo, e no processo traio a minha namorada, o que é brutal e faz-me parecer um grande homem”.

Estes rapazes cometeram vários erros seguidos.

O primeiro deles foi, se sexo é assim tão importante para eles (ao ponto de venderem o pulmão esquerdo), nunca deviam ter-se metido numa relação com uma rapariga virgem. Porque é óbvio que o processo não seria fácil nem rápido... no nível de consciência deles.

“Ah mas eu não sabia que ela era virgem...”

Segundo erro... meter-se numa relação com alguém que mal se conhece. Não há nada de errado em não saber que a rapariga era virgem, afinal de contas não é fácil descobrir isso através de interacções, a não ser que se fala muito em sexo indirectamente, através de piadas e metáforas, e ela acabe por dizer numa dessas conversas que o é, devido ao desconforto sexual que sente.

Mas para isso acontecer é preciso fazer aquilo que eu já disse milhões de vezes: dinâmica do potencial parceiro íntimo, e não do predador sexual esfomeado e desesperado.

E depois de estar na relação com ela, descobrindo que ela é virgem, há que tratar das coisas directamente. Há que falar com ela directamente e honestamente sobre como as coisas são e estão. “Ok, és virgem. Isso é perfeitamente normal. Mas isto é uma relação íntima, não é uma amizade. E ou estás mínimamente aberta a experimentar, ou eu não te posso obrigar nem forçar e a relação tem de acabar.”

Isto não é para ela dizer que sim imediatamente. É para ela dizer que sim ou não conforme o que realmente deseja e sente. E é depois de já se ter feito tudo bem para se chegar ao sexo de forma natural.

Porque para ela é um desafio... exige um acto de coragem. E tempo não ajuda, deixar a coisa andar até ela se decidir não vai resolver nada. Porque ela nem sequer está disposta a arriscar ou tentar, é a mentalidade dela. Das duas uma: ou ela é demasiado insegura ou o homem também não sabe como fazer as coisas.

Seja como for, traí-la com outra mulher só para se ter um mísero orgasmo não é a solução. A solução é acabar a relação caso de facto ela esteja fechada à hipótese do sexo. Ficam amigos e pronto, há muito valor em ficar amigos. Muitos egos ficam incomodados com este conceito de acabar a relação íntima e ficar amigos, pois numa amizade não há a atenção especial (validação, alívio do vazio interior) que há numa relação íntima, e por isso não a sabem apreciar pelo que ela é.

Dizem “mas não é a mesma coisa...”. E têm razão, não é. É uma coisa diferente também com o seu valor. Há que saber lidar com isso.

3 - Porque as mulheres se mantêm virgens (podes falar nos bloqueios da religião, de não serem sexualmente confortáveis, de ser pecado antes do casamento).

Bem, cada mulher terá a sua razão para querer manter-se virgem. Seja intencional ou não. Porque em termos de religião, em que uma mulher é severamente criticada e julgada se a perder antes do casamento, ou pode mesmo vir a ser severamente castigada, é óbvio que essa virgindade é imposta através de medo e controlo.

Mas basta olhar para isso conscientemente para perceber que não faz sentido nenhum. Não significa nada ser-se virgem até ao casamento. Repara, uma relação íntima vive de intimidade, de proximidade, em todas as dimensões (mental, física, emocional e espiritual). E a única diferença que há entre uma amizade e um namoro ou casamento é a parte física. Logo a mulher virgem não estará à altura para poder satisfazer sexualmente o homem.

É como entrar-se num campeonato mundial de futebol... sem nunca ter jogado futebol antes.

Uma relação é um processo de criação, partilha e contribuição. E intimidade não quer dizer apenas sexo e satisfazer sexualmente, mas há todo um nível de consciência relativamente à sexualidade, sensualidade, atracção e sexo oposto que não se consegue atingir empurrando para trás durante grande parte da vida o acto sexual.

Estes conceitos são tão ridículos e primitivos que há religiões em que cortam o clítoris da mulher só para ela não poder ter prazer durante o acto sexual e assim não se sentir tentada a trair o marido.

Isto é tão horrível que até me custa escrevê-lo, mas é o nível de consciência muito baixo em que grande parte da humanidade vive. Esses homens são tão inseguros que até precisam de fazer essa coisa patética e cruel para poderem relaxar relativamente à questão da traição. No fundo é como os outros que valorizam a virgindade, mas a um nível extremo, muito pior e negativo. É escusado dizer que esses homens não têm o que é preciso para poderem fazer uma mulher feliz.

E depois essas religiões de baixo nível de consciência, que na sua essência não têm nada de errado mas trabalham de forma deficiente e primitiva com a sabedoria que não sabem nem conseguem interpretar, muito menos meter em prática, vêm dar o golpe final de trolhozice. Isto já é tão básico que nem os macacos o fazem... aliás, nenhum animal o faz. Nós somos o único que o faz, e muitos de nós conseguem usar as capacidades fantásticas da mente tão mal que até parece que treinaram para o conseguir.

A culpa não é das religiões, não há nada de errado nas religiões. O problema são certas figuras nessas religiões, os fanáticos, que baralham tudo e interpretam tudo segundo o seu baixo nível de consciência, e depois só fazem é disparates. É graças a esse pessoal que a espiritualidade tem tanta má fama e falta de credibilidade.

4 - As mulheres pensarem que pelo facto de não serem mais virgens que têm de se partilhar com todos com quem curtem, porque já não há a desculpa do "não estou preparada", ou partilharem-se cedo demais.

Esse é um tipo de mulher insegura que não sabe dizer não quando o deseja. É apenas insegurança, pois elas apenas fazem aquilo que quiserem com quem quiserem. E se não desejam fazer sexo com determinado homem também devem ter a disciplina para não andar a curtir com ele.

É tanto insegurança como falta de consciência, e escravidão dos desejos do corpo (curtes). Por validação, significância e atenção o ego faz tudo, nem que seja matar-se. Logo essas mulheres têm as curtes porque sabem que se curtirem com o homem vão obter dele essa atenção e validação de que precisam. Só depois é que acordam e se apercebem de que já abriram as portas à intimidade física, e que de curtes a sexo a distância é extremamente curta.

O “não estou preparada” não deve ser usada como desculpa. As coisas criam-se e resolvem-se a sério quando se é directo e honesto. Temos de viver sempre conscientes das nossas decisões, daquilo que decidimos fazer, quem deixamos entrar na nossa vida, naquilo que nos metemos, etc. Não há nada de errado em viver ao calhas, mas também não há desculpas. E há sempre consequências negativas, ou seja, sofrimento. Porque vamo-nos cercando de fontes de emoções negativas e quando damos por nós não temos como sair dali. Ficamos encravados e é um processo muito difícil e doloroso mudar essas fontes de negativas para positivas. Entra-se então no famoso estado de “caçador de alívios do sofrimento”, em que não se está a mudar nada nem a criar nada, apenas a tomar morfina para as dores da vida. Mas o que cria essas dores continua lá...

Se és uma mulher e já não és virgem, não tens de ter sexo com quem curtes. Só tens sexo com quem quiseres quando quiseres. És 100% livre de dizer não a quem quiseres e quando quiseres. Tens esse direito, mas tens de ser sempre directa e honesta, e não andar a evitar o momento em que tens de dizer não, nem andar com desculpas. A insegurança não traz benefícios nem resultados positivos, apenas mantém as coisas como estão, mantém o problema vivo e a funcionar. Insegurança pode trazer o alívio de não ter de lidar com as coisas, de fazer algo ou de enfrentar algo... mas esse algo vai depois sempre lá continuar a assombrar e a prejudicar. É uma pedra no sapato com dentes de tubarão que te vai comendo o pé aos poucos, e quando deres por isso já só te sobra a cabeça. Tens de parar, lidar com ela, tirá-la da tua vida e resolver directamente e de vez a questão.

E se conheces um homem com quem não queres ter sexo, então também não andes a curtir com ele. E se perceberes que ele só quer curtes, e que de outra forma “perdes” a sua companhia e atenção... então “perde” a sua companhia e atenção e afasta-te de vez dele. Porque razão hás-de querer um homem na tua vida que não quer saber de ti para nada, que não tem qualquer fascínio e consideração pelo Ser que és, e que só quer usar o teu corpo para ter prazer físico?

Agora, o que se faz quando ainda se é virgem e se quer criar uma vida amorosa espectacular e divertida?

Para as mulheres o problema pode ser “será que ele é o homem certo para eu perder a minha virgindade?”

A solução para essa questão é sem dúvida Selecção Consciente. Perceberes que tipo de homem ele é antes de o deixares entrar na tua vida, antes de haver curtes ou qualquer ligação física entre ambos. Tens de primeiro sair como amigos para perceberes como ele é e quais são as suas Verdadeiras intenções relativamente a ti. Porque muitos homens podem parecer gostar de ti, e a única coisa que se passa é que querem obter algo de ti, ou estão a gostar do que estão a obter de ti.

Para os homens o problema pode ser “uma mulher nunca irá querer ter algo com um homem virgem como eu, sexualmente inexperiente”. Pelo menos esse era o meu problema, eu pensava que lá porque era virgem tinha baixo valor no “mercado” da atracção e das relações, e por isso sentia-me preso e bloqueado.

Mas não é Verdade. Não se tem menos valor... a virgindade só afecta a nossa vida amorosa se nós deixarmos. Mais uma vez é sempre o teu nível de consciência e personalidae que definem tudo. A informação de que és virgem por si só não repele nenhuma mulher. O que pode repelir uma mulher é o teu desconforto e insegurança em relação à tua virgindade e sexualidade. Se fores virgem, mas estiveres completamente confortável e confiante com isso, irá sempre haver atracção.

Sexo não é nada de especial, é apenas um actividade física que dá prazer. Em termos de prática e significado não é nada de especial. É super normal e natural, e muitas pessoas que já não são virgens, apesar de terem a experiência, não são lá grande parceiros íntimos. A experiência que tens com eles, seja dentro ou fora da cama, não é lá grande coisa. Ser-se ou não ser-se virgem não garante nada em relação a nada.

Eu sentia-me muito desconfortável em relação à minha virgindade e sexualidade, e a qualquer coisa que fosse física com uma mulher. É óbvio que tudo isso só contribuiu para a minha insegurança geral e bloqueou-me desnecessáriamente. Então o que fiz eu? Comecei a agir como se já não fosse virgem.

Ou seja, passei a sentir-me confortável com a minha sexualidade. Esse tópico deixou de me fazer sentir inseguro, preocupado ou nervoso. Atenção que isto não se trata de dizer que não se é virgem... trata-se de estar confiante, e quando estás confiante e falas naturalmente de sexualidade e do sexo oposto, com piadas e tudo, a última coisa que irá passar na cabeça de uma mulher é que és virgem.

E foi o que aconteceu. Uma vez, quando eu ainda era virgem, estava com uns amigos a falar com uma rapariga. Já não me lembro porquê, mas a certa altura ela começou a dizer quem achava que era virgem e quem não era. E não estava a brincar, era mesmo uma análise séria. Olhando para todos os meus amigos, ela disse que todos eles eram virgens (e nenhum era...), quando olhou para mim disse que eu de certeza que não era (e era o único virgem na verdade).

O que se passou aqui?

Passou-se que a minha ENERGIA fê-la sentir que eu não podia ser virgem. Todas as interacções e momentos que tinha passado com ela antes fizeram-na ver-me como alguém confortável com a sua sexualidade, e não deu a impressão de virgem.

Agora, eu não usei truque nenhum nem mentira nenhuma. Era simplesmente eu a mudar e a evoluir. A subir de nível de consciência relativamente à minha vida amorosa. Já não era o típico homem passivo, estava já dentro da fase social, desenvolvendo alguns aspectos da fase de sedutor (de conforto sexual, não tem nada a ver com manipulações).

Portanto não interessa se és virgem ou não, o que interessa é como lidas com esse facto da tua vida amorosa, e qual é a tua energia quando estás com uma mulher. Porque se houver polaridade masculino/feminino, ela irá sempre sentir-se atraída sexualmente, mesmo sabendo que és virgem. Não é a informação que define o que a mulher sente e deseja, é a tua energia, o teu nível de consciência. Ela pode claro sentir algo com a informação, porque pode interpretá-la de determinada forma e dar-lhe determinado significado, mas nada é mais poderoso do que a tua energia, e como estás no momento presente com uma mulher.

Quando eu comecei a desenvolver a energia de um homem que se sente confortável com a sua sexualidade, foi apenas uma questão de tempo até perder a virgindade. E quando aconteceu estava descontraído, pois já tinha andando vários meses a desafiar-me e a desenvolver a minha confiança.

Para muita coisa, Coragem é a única solução.

O que tens de fazer é enfrentar os teus medos, inseguranças e desconfortos. Sair da tua zona de conforto e desafiar-te. Só assim poderás desenvolver a masculinidade que é atraente para as mulheres femininas, e ter uma energia que crie naturalmente nelas desejo sexual, independentemente de seres virgem ou não.

É esta a saída do bloqueio da virgindade. Tens também de ver toda a situação como algo divertido, e de que te vais rir daqui a uns tempos.



Segue o que Amas,
Pedro Constantino


* * * * *


COMO ATRAIR E CONHECER MULHERES

CURSO ONLINE NÍVEL 1

«Como Ser Naturalmente Atraente, Iniciar Conversas e Conhecer Mulheres»

14 ebooks + 6 meses de email coaching personalizado )

Mais informações em http://coolvibesblog.blogspot.com/2011/04/curso-online-como-atrair-e-conhecer.html


* * * * *


COMO TER UMA VIDA AMOROSA ALEGRECURSO ONLINE NÍVEL 2

«Espiritualidade / Aumento de Consciência / Como Atrair, Conhecer e Amar a Mulher dos teus Sonhos / Intimidade e Relação Amorosa / Vida Social / Afirmações, Visualizações, Meditação, Contemplação e Exercícios»

( 8 áudios / 9 horas de mp3 + 6 meses de email coaching personalizado )

Mais informações em http://coolvibesblog.blogspot.com/2011/06/como-ter-uma-vida-amorosa-alegre-curso.html


14 comentários:

Anónimo disse...

mas e entao e se ambos forem virgens n e namoru e amizade entao?

eu conheço 1 casal que sao ambos virgens e ela quer esperar pelo casamento pars ter 1 ultima coisa nova diferente para dar a ele no dia e ele aceita isso e n a trai p isso respeita a decisao dela

Pedro Constantino disse...

Há muitas situações específicas diferentes, mas se eles se sentem bem assim, e se de facto é estimulante para os dois assim, isso é o que importa. Muito menos importante que isso é catalogar a relação de "A" ou "B". Ou falei na distinção entre namoro e amizade para esclarecer um conceito, não se tem de andar atrás das situações a tentar dar-lhes o nome perfeito. Mas é fácil perceber que a diferença entre um homem e uma mulher que são amigos e um homem e uma mulher que são namorados é o facto de o segundo par fazer sexo e ter uma ligação física.

Troca de validação (elogios, atenção especial, palavras bonitas, companhia, etc) não garante que haja Amor... apenas uma necessidade de obter algo do outro para aliviar um vazio interior. Quando há Amor contribui-se para a vida do outro, não se precisa de nada dele, logo não há essa dinâmica de validação. E a relação íntima é não só uma ligação emocional como também física. Quando uma das duas partes é posta de lado... é desiquilibrado. Nesse caso a relação "íntima" não pode durar muito tempo, e só dura se os parceiros viverem em carência e tiverem extrema dificuldade em criar opções... pois isso vai motivá-los a agarrarem-se um ao outro independentemente de tudo. Sejam quais forem as consequências, haja auto-destruição ou prejudicando-se ou outro, o ego tem sempre de obter o que precisa e não quer saber de mais nada.

Ter "1 última coisa nova diferente" para dar ao parceiro não me parece ser boa ideia. Não tem nada de mal, mas depois de a dar... o que sobra para manter a relação viva? Se ela deseja fazê-lo então é isso que deve fazer, mas a relação não deve depender de um acto glorificado, que ainda por cima é a última coisa nova diferente que tem para dar ao parceiro. Soa muito a "queimar o último cartucho".

Uma relação íntima é um processo de criação, e essa criação de momentos e emoções tem de ser constante, pois é o que mantém a relação viva. Ter um última coisa nova e diferente para dar, apesar de não ter mal nenhum e ser um acto positivo, projecta que depois de o dar vai ficar em branco sem mais tinta na caneta para poder continuar a escrever a história da sua relação.

Não é uma mentalidade útil para criar e manter uma relação íntima de qualidade. Mas eu também sei muito pouco ou nada sobre como de facto é a relação deles, como começou, etc para poder dizer algo 100% acertado. Seja como for, fica a sugestão.

C

Anónimo disse...

tu não percebes muito de raparigas... uma rapariga virgem pode perfeitamente querer ter uma relação intima sem que isso signifique que tenha de haver sexo obrigatoriamente ("sem sexo apenas existe uma espécie de amizade" escreveste tu algures). essa atitude significa que uma rapariga precisa de tempo para se sentir segura e confortável com a decisão de perder a virgindade ou até mesmo de ir para a cama mesmo que já não seja virgem, precisa de confiar no homem com quem quer ter a relação sexual e sentir-se à vontade com ele, não significa que a relação seja uma espécie de amizade, significa que demora algum tempo a aprofundar a intimidade! os rapazes e os homens em geral é que não sabem pensar em mais nada a não ser sexo, não sabem gostar das raparigas e apenas as consideram objectos de prazer que têm de estar sempre disponiveis à hora e ao ritmo que eles querem e as mulheres como têm medo de ficar sozinhas acabam por satisfazer estes estupidos caprichos esquecendo-se de se satisfazem as suas proprias necessidades de serem entendidas e amadas como realmente são! para os homens só conta a "tesão", não existem homens com coração! e as mulheres deixam-se enganar, usar e manipular... virgens ou não virgens não aprendem a respeitar-se e a exigir aquilo que as satisfaz realmente. entregam-se para receber uma espécie de atenção e companhia em troca que na verdade não é real, os homens fingem que estão interessados mas o seu interesse é sempre só e apenas satisfazerem-se a si próprios!! só isso explica a eterna disponibilidade dos homens, é raro aquele que respeita o seu compromisso, a grande maioria está SEMPRE disponivel para qualquer outra mulher que conheça e as mulheres com quem estão comprometidos a fazerem de tudo para lhes agradar, para os satifazer, fazer felizes e talvez à espera de sentir que a dedicação e sentimento sejam reciprocos... inutil o esforço mulheres!!! o vosso homem não gosta de vocês!!! e se vocês se entregam assim, nem voces gostam de voces!!! tentem ser voces proprias a ver como eles reagem!!! talvez assim um dia encontrem o unico que mereça que voces gostem deles e se entrreguem realmente!!!

PedroXeneta disse...

Sem dúvida! Também perdi a virgindade aos 20 e com uma rapariga de 19 virgem! UAU, "resolvi o problema" dessa forma mas se ela nao o fosse tinha sido igual. Nunca me senti inferior por ser virgem porque sempre disse que teria de ser com uma pessoa da qual eu gostasse e qe gostasse de mim, e assim foi. Só criei essa opçao aos 20anos, ya mas criei e estou plenamente satisfeito com a pção que criei aos 20anos mesmo sendo que essa relaçao ja terminou. Mas deixar para depois do casamento...epah, se se dão bem, siga, é bom é que reflictam que o sexo é um componente muito importante numa relação, é onde muitas vezes se projectam outros poblemas, tanto pessoais como da relação em si e mutilar, à partida, essa forma de expressão, também me parece errado. Era como um cozinheiro profissional só começar a fazer arroz qd tivesse o titulo de cozinheiro...e se dps é a unica coisa de cozinha que ele nao faz bem? Invalidamos tudo o que está para trás? Divorciamo-nos, portanto? WOW wake up... Só quando o sexo existe numa relação, um homem consegue perceber como gosta, onde e quando gosta, antes é teoria e influências dos amigos! Se ele só perceber que sexo é realmente importante para uma relação após o casamento parece-me que está tramado. Vai ter de haver muita compatibilidade nessa altura e espero que haja e que eles a criem, se não vão ser mais um daqueles casais que estao casados porque se casaram um dia e têm um história de amor tão longa que vivem em sofrimento mas estão casados! lol GO AHEAD então! :)
Já agora, esse teu amigo até pode não trair mas quando algum amigo lhe fala de sexo ele TEM de ter curiosidade, ele tem hormonas aos saltos dentro dele! É necessário que o contacto físico seja muito superficial mas que a vontade não mate essa ambição deles...ou então entram numa bué estupida que é a de: sexo vaginal nao, só anal qe assim vou ser virgem quando casar...há muitos assim e eu acho triste...
Apenas a minha opinião.

Anónimo disse...

o 2º anonimo tem razão... quase sempre num relacionamento a mulher está para o que der e vier, o homem está para a mulher que vier e der... é assim a diferença, quem não a reconhece vive enganada, quem a conhece vive alienada porque é muito dificil encontrar a satisfação nesta imperfeição... mesmo que haja compreensão e perdão, precisa de mais um coração de mulher... de qualquer forma isto são aprendizados que surgem vivendo as relações, estagnar na virgindade implica travar a evolução e o aprendizado inerente à vida... ninguém é vitima de nada e até as más experiências têm sempre o seu lado positivo... duvido que alguém se tenha arrependido de ter perdido a sua virgindade mesmo que depois disso a história de amor não tenha sido perfeita para sempre! adiar o acto para depois do casamento apenas para haver algo novo nessa data é adiar o saudavel e equilibrado desenvolvimento de uma relação e pior do que isso é assinar um contrato para a vida sem ler as minusculas (se bem que existem divorcios a permitir voltar atrás na decisão)... sou de opinião que um casamento nem sequer é necesário embora a existir deva ser uma opção 100% consciente e ninguém está 100% conscinete ignorando tanto assim do parceiro(a)...

Pedro Constantino disse...

Anónimo:

É importante compreender que esse é um tipo de homem com determinado nível de consciência (baixo), não representa todos os homens.

Não há apenas homens e mulheres, há homens e mulheres com diferentes níveis de consciências, uns mais baixos, outros mais elevados, e é isso que depois define como é a sua vida e como eles se relacionam com o sexo oposto.

O tipo de homem de que falaste é o típico manipulador desonesto que não tem consideração pelas mulheres e só quer usar o seu corpo para obter um orgasmo. Não representa todos os homens ou como todos os homens são... apenas uma parte que infelizmente ainda é grande.

90% dos homens nunca poderão fazer uma mulher feliz, pois vêm do nível de consciência do ego (o que eu preciso, o que eu quero) e não têm consideração pelo outro (mulher). Ou querem apenas obter prazer físico da mulher ou querem obter uma espécie de atenção especial de mãe da mulher, para se sentirem bem com eles próprios. Seja como for vêm sempre de carência e necessidade.

Mas a solução não é odiar todos por causa dos actos de alguns de determinado nível de consciência baixo... é ter Compaixão por todos. Mas isso só se consegue evoluíndo espiritualmente e transcendendo o ego.

Nós atraímos aquilo que somos, ódio e raiva atraem ódio e raiva. Necessidade atrai necessidade. Carência atrai carência. Ego atrai ego. Medo atrai medo. Compaixão, que é uma expressão de Amor, atrai Compaixão... e o tipo certo de pessoa. O tipo de pessoa que não precisa de obter nada de nós, mas que quer contribuir para a nossa vida, que quer partilhar momentos e experiências connosco.

Lamento se no passado muitos homens te fizeram sofrer porque te enganaram e usaram apenas por prazer físico... mas esse é apenas um tipo de homem, há outros por aí.

Há um tipo de homem bem intencionado que neste momento está a pensar suicidar-se porque não consegue conhecer raparigas e ter namorada... mas o ego não consegue pensar nestas pessoas e ter consideração por elas. Só pensa no inimigo que o fez sofrer, ou que não lhe deu o que ele desejava.

A questão amizade/namoro não é para ser levada à letra. São apenas representações extremas para ajudar a compreender determinados conceitos. Não é científico, e há muitas variantes.

Mas uma relação íntima sem sexo não é uma relação íntima. A palavra íntima significa isso mesmo: ligação física. Não só física, mas também. Uma relação completa e integral com ligações entre todas as 4 dimensões humanas: emocional, mental, física e espiritual.

Se uma delas não existe, ou está muito esboçada na relação... então segundo a definição completa e integral de intimidade que uso, não é uma relação íntima. É algo que está antes de se chegar à relação íntima integral ou completa.

E como uma relação íntima é a dois, não é apenas o que a rapariga virgem quer, ou apenas o que o homem quer que interessa e conta. É o que os dois querem. E é por isso que se tem de encontrar pessoas compatíveis connosco que já queiram algo semelhante ao que nós queremos, para que nenhum dos lados tenha de impôr a sua vontade enquanto o outro lado sai prejudicado. A rapariga virgem (ou não virgem) pode querer ter uma relação sem sexo, tudo bem. E o homem? E o outro ser humano que está do outro lado? Ele pode querer outra coisa e tem direito a ela. E esse tipo de homem, pode só querer ter sexo e não querer saber da mulher para nada. Então e a mulher? Tem que levar com isso? Claro que não. Tanto de uma perspectiva como da outra há sempre um ser humano do outro lado a ter em consideração, e isso chama-se de Compaixão. Amor.

"uma rapariga precisa de tempo para se sentir segura e confortável com a decisão de perder a virgindade ou até mesmo de ir para a cama mesmo que já não seja virgem, precisa de confiar no homem com quem quer ter a relação sexual e sentir-se à vontade com ele, não significa que a relação seja uma espécie de amizade, significa que demora algum tempo a aprofundar a intimidade". Tens toda a razão aqui. É uma situação específica Verdadeira, e muito natural de acontecer. E é por isso que eu digo que nunca deve haver pressa ou desespero em ter ou começar uma relação íntima.

Antes tem de haver Selecção Consciente, para que tanto a mulher como o homem possam evitar meter-se numa relação e partilharem-se com o tipo errado de pessoa, que não os merece, que os usa, mente, trai, etc. O problema é que quando há carências e necessidades a relação, mesmo que incompleta ou disfuncional, torna-se num fruto saboroso que alivia sofrimentos, mas que infelizmente a longo prazo também os cria. E muito.

As mulheres que têm medo de ficar sozinhas são um tipo de mulher, não são todas. Há mulheres que não têm medo de ficar sozinhas, são de um nível de consciência mais elevado, e por isso nunca se partilham com esse tipo de homem. Percebem o que ele quer, afastam-se, e vão passar tempo com outros homens, até descobrirem um que realmente as mereça.

Uma relação íntima não tem nada a ver com satisfazer necessidades. As nossas necessidades são para ser satisfeitas por nós próprios, através da nossa evolução, e não por alguém do sexo oposto. Se sentimos a falta de algo, somos nós quem tem de criar isso... não alguém do sexo oposto.

Uma relação íntima é uma dinâmica de criação, partilha e contribuição... não de obter dos outros aquilo que precisamos.

Usar um homem para se sentir entendida e amada não é a solução para esse sofrimento. Amor é algo que desenvolvemos em nós próprios através de evolução espiritual. E a necessidade de sermos entendidos desaparece quando desenvolvemos a nossa Consciência e nós próprios passamos a nos entender. Tapamos os nossos próprios buracos, somos Autênticos, e assim vamos atrair o tipo de pessoa certa, que é compatível connosco. E depois vamos CONTRIBUIR e DAR, e não procurar formas de OBTER aquilo que precisamos para satisfazer as nossas necessidades.

Uma relação íntima não é um negócio de atenção especial e prazer físico, no qual "dá-se" algo para se obter algo a seguir. É uma dinâmica de contribuição, em que não se procura obter nada, apenas criar e partilhar momentos e experiências estimulantes para ambos (e de preferência para as nossas 4 dimensões), e em que CONTRIBUIMOS para a vida da outra pessoa. Tem a ver com DAR não com OBTER.

Porque é óbvio que não há Compaixão nenhuma no homem que usa a mulher só para o sexo... o que não é tão óbvio é que também não há Verdadeira Compaixão na mulher que usa o homem para satisfazer carências emocionais pessoais. Tem a ver com a atitude de OBTER DO OUTRO O QUE PRECISO. Se não há contribuição, se não há partilha, se não há oferta sem se precisar de obter algo em troca, então também não há Amor.

Nós não somos as bengalas dos outros, não é para isso que existimos. Somos seres poderosos com a responsabilidade de evoluir e de nos desenvolvermos, para depois podermos contribuir para a vida dos outros, e não ser uma espécie de massa de tapar buracos, para aliviar os outros da sua responsabilidade de evoluir. Ajudar é uma coisa, outra coisa é nunca deixar os outros aprender as lições que precisam de aprender, fazer o que precisam de fazer, desafiarem-se, para poderem de facto resolver as coisas de vez e serem Felizes.

Há tanto homens que não merecem as mulheres como há mulheres que não merecem os homens, são 90% da população humana. Deve-se procurar descobrir e conhecer os 10% com quem realmente nos podemos sentir bem, em paz, estimulados, com quem podemos evoluir e contribuir para os outros.

Mas isso só se consegue quando se pára de julgar, criticar e odiar aqueles que no passado nos magoaram ou fizeram sofrer. Pois a Verdade fundamental é que eles vivem em sofrimento, tal como nós. E esse é o nível de consciência do Amor, que vai atrair naturalmente quem também está nele.

Obrigado pelo teu comentário, e espero que sejas Feliz.

Anónimo disse...

Olá Pedro, obrigada pela tua resposta! Felizmente eu não sofri assim tanto com os homens, este meu comentário é fruto de uma observação das relações em geral e não da minha situação pessoal.Por não temer ficar sozinha e me respeitar demorei algum tempo a encontrar alguém que mereça que eu me partilhe e o que escrevo fala mais do que vi nesse tempo e percurso do que propriamente do que vivi com esse tipo de pessoas, fala da minha experiência de mulher tentada por muitos homens comprometidos embora não tenha escorregado nesse terreno, tantos que a traição passou a ser interpretada por mim não como uma excepção mas sim como uma regra plenamente natural na mente masculina, fala da minha interpretação do que vejo e compreendo em relação às mulheres comprometidas com esses homens... Entendo perfeitamente que uma relação intima tem de ser inteira e não ha qualquer problema a nivel da partilha de intimidade sexual. Falei para o geral dos homens e das mulheres, para os 90% que falas que não têm tempo ou vontade para evoluir e para pensar nestas coisas, exactamente para talvez incentivar que essa percentagem decresça e a satisfação geral consiga assemelhar-se aquela que tenho a felicidade de viver na minha vida! Falei para os homens que apenas têm necessidade de ter alguém que os satisfaça e para as mulheres que apenas têm necessidade de alguém que esteja com elas e para a farsa que é a troca de necessidades nas pseudo-relações de amor que vivem... O caminho é mesmo a evolução, o conhecimento, o respeito, o tempo e a paciência... a ausência total de medo e necessidade! A eliminação da pressão constante que existe na sociedade! Penso que nesses termos não haverá duvidas em relação à virgindade... e como disse, talvez assim um dia todos encontrem quem mereça estar a seu lado para um quotidiano feliz e bem celebrado!!!

Curious Girl disse...

Hey Pedro, estou a ver que o tema da virgindade deu que falar, até criaste outro post, quando eu tiver curiosidade sobre outro tema pergunto, é bom CONTRIBUIR para o Cool Vibes. Bjo

Pedro Constantino disse...

Curious Girl:

Obrigado pela tua sugestão, foi uma surpresa agradável. Já não me lembrava a dor de cabeça que a minha virgindade era para mim... e como também pode ser um obstáculo desnecessário para muitas pessoas.

Sempre que tiveres alguma ideia para um post diz qualquer coisa.

PedroXeneta disse...

Wow, realmente é pano para mangas e parece tão simples...é tabu também...Só se perde uma vez e essa pode ou nao ser marcante mas estabelece, sem duvida, uma viragem, evolução, etc na vida de qq um. Sempre tem algo positivo mesmo que só se veja um manipulador desonesto que se aproveitou da mulher...pode ser que isso seja o verdadeiro insight para perceber melhor a dinâmica das relações e subir um nivel de consciencia. É bom que toda a gente reflicta nisso...costuma-se dizer que perder a virgindade é importante porque proporciona uma abertura de um campo até lá desconhecido e que é tão fisico que não ha como nao o experimentar. Não o fazer, é mutilarmo-nos sem sentido, logo à partida...penso eu de que..! eheh

Anónimo disse...

Olá Pedro!
Achei muito interessante a maneira como abordas a questão da religião. Na verdade um dos maiores problemas da religião são os seus seguidores. Falando da religião cristã, pessoalmente acho que se Cristo vivesse na nossa época alguns que dizem ser cristãos teriam feito o que os religiosos daquela época fizeram "Matar Jesus Cristo". Porque alguns não compreendem o que é o amor, o que é ter compaixão e ser altruista. Nunca iam perceber que para Jesus era normal ter amor por uma prostituta!

Deus é amor, Ele permite que façamos aquilo que é melhor pra nós, não nos ameaça, nem nos deixa inseguros, so nos ajuda a ter auto-estima, auto controle,humildade, a ser autentico,e...
O conceito de intimidade e casamento que está na Biblia é muito diferente do que nós homens vivemos, é um conceito divino e puro.

Penso que nós homens precisamos voltar a ser originais, estamos cada vez mais artificiais e prejudicando grandemente as nossas vidas.

Mto obrigado pelo que partilhas connosco...

Passy Selombo(tomaselombo@hotmail.com)

Lotus disse...

Tópico interessante. Posso dizer que sou virgem pelas seguintes razões:

1º- não ter conhecido ainda um rapaz que fosse digno de me envolver a esse nível

2º- medo de engravidar

3º- medo da dor

e a 4º razão é algo cómica na medida em que sinto uma estranheza ao facto de algo entrar dentro de mim, acho estranho e esquisito, quase como se eu fosse uma espécie de alien qualquer e habitasse agora dentro de um corpo humano que tem algumas funcionalidades que me causam confusão conceber. Fogo a serio, e eu só ha relativamente pouco tempo me apercebi disto. Deve haver algum nome pra este tipo de patologia. Suponho tambem que hajam mais pessoas que sentem o mesmo heheh

Rodrigo disse...

ei Pedro tudo fixe?
Sei que este post já foi escrito á algum tempo, mas apenas hoje senti necessidade de o ler e por consequência deixar este comentário:
Achei o post sensacional, toca em vários pontos importantes e deixou-me de alguma forma mais confortável, mas o meu caso é o seguinte:

Eu sou virgem e minha namorada não é, no entanto devido á minha "fama" ela está convencida que eu sou sexualmente experiente, namoramos á umas semanas, mas eu nunca lhe confessei a minha virgindade.
Eu consigo agir como tu disseste, "fazer de conta que já não se é virgem"...
Provávelmente o sexo estará para breve, e eu começo a sentir-me inseguro, com medo de "o material falhar" de a desiludir sexualmente.

Como posso lidar com isso?
Quando chegar o momento se eu ficar nervoso e não conseguir?

Talvez o que eu escrevi seja um bocado estupido, mas é o que eu sinto neste momento

Grande Abraço Pedro!

Pedro Constantino disse...

Rodrigo:

Se consegues agir como se já não fosses virgem, e sentir-te confortável com a tua virgindade, então faz isso.

A tua questão é super simples de resolver:

Deixa de sentir a necessidade de a impressionar sexualmente, e limita-te a apreciar seja o que for que aconteça sexualmente com ela. Vulnerabilidade e honestidade são as únicas coisas de que precisas. Ou seja, apenas precisas de lhe expressar que apesar de seres virgem e não teres experiência, queres passar um bom momento com ela. Pergunta-lhe do que ela gosta, e o que gostaria que lhe fizesses sexualmente.

Tu não a tens de impressionar sexualmente, apenas Amar.