AMOR

"Ensina só Amor, pois é isso que tu és"

segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

“Hitch, A Cura Para O Homem Comum: Análise Das Personagens”

No post anterior analisei várias dicas do Hitch e alguns diálogos que achei relevantes. O objectivo era identificar o que de facto era Verdade e podia ajudar, e o que era mera fantasia, informação errada ou um mau caminho a seguir. Hoje vou-te falar acerca de algumas das personagens do filme. Não de todas, apenas daquelas que acho com as quais se tem algo importante a aprender.

Para melhor poderes compreender estas análises (deste post e do anterior) é essencial que vejas o filme Hitch.

Então bora lá falar do pessoal do filme! Prepara-te, pois temos aqui malta muuuito “interessante”...





Chip (David Wike)





Chip é o homem que se mete com a Sara Melas no bar.

Este é o típico PickUp Artist. O típico homem sedutor manipulador. Ele até começa bem, com alguma naturalidade, simpatia e humor... mas depois, e como sempre, a Verdade veio ao de cima.

Sara não estava interessada e com simpatia expressou isso verbalmente e deixou-o bem claro, mas ele forçou a situação e tentou manipulá-la. Nem sequer a estava a ouvir ou a respeitar... limitou-se a lançar perguntas variadas e comentários para a impressionar, na tentativa de que algum colasse ou resultasse.

O que ele fez não tem nada a ver com “dar uma segunda oportunidade à mulher”, ou “ser persistente para alcançar o que deseja”. Isso são as típicas justificações do ego. O que se passa com o tipo de homem que faz o que Chip fez (forçar, manipular, etc) é que esse tipo de homem não sabe ouvir um “Não”. O seu ego não aguenta um “Não”, e ele sente a necessidade desesperada de dar a volta à situação para obter o “Sim”. Para obter a validação, o alívio do vazio interior. Para se conseguir sentir bem com ele próprio... porque senão não sente que tem valor como homem. É a baixa auto-estima a bombar e o ego a controlar. Como se não houvessem mais mulheres naquele bar para conversar e conhecer. Só que com aquele “Não” ele depois não se podia gabar aos amigos da sua grande conquista e obter a sua validação. O que era uma grande chatice.

A maior parte dos homens que se aproximam de uma mulher para a conhecer são assim: caçadores de validação. Vão lá para obter algo, e não para partilhar uma experiência. Não há verdadeira consideração ou fascínio pela mulher... apenas o desejo de satisfazer a atracção que sentem usando o corpo da mulher para terem um orgasmo, e obter dela validação para aliviarem a baixa auto-estima e o vazio interior.

Chip, como grande parte dos homens do nível de consciência mais comum, precisa de ter uma lista de conquistas, um currículo limpo de falhanços. Ele não consegue ouvir um “Não”, senão o seu ego vai ganir como um cão aleijado. Ele tem de ser uma espécie de campeão da sedução, num jogo de manipulação onde vale tudo.

Conclusão: um bom exemplo daquilo que NUNCA deves fazer ao iniciar uma conversa com uma mulher por quem te sentes atraído e que queres conhecer.


Ben (Michael Rapaport)



Ben é o amigo de Hitch com quem ele está a jogar snooker no bar.

Um tipo fixe que desenvolveu bastante maturidade. Antes era como Hitch, à caça de gratificação a curto prazo com as mulheres, e agora está numa relação íntima com uma mulher que o faz sentir realizado.

O que se passou com Ben foi que abriu o seu coração, pelo menos um pouco. O ego controla-o menos... e por isso ele consegue ver mais além que Hitch. Procura mais partilha e gratificação a longo prazo, e menos conquista em série (alimentar o ego) e gratificação a curto prazo.

Só que ao entrarem as mulheres atraentes dos decotes grandes no bar, descobre-se o resto da Verdade sobre Ben: o seu corpo, a atracção que sente, o desejo sexual ainda o controlam muito. A sua reacção deixa isso bem claro, e ele sabe-o. Neste diálogo isso fica bem claro:

Hitch: You excited?
Ben: What'd you say?
Hitch: Do you want me to go get them and bring them over here?
Ben: No, don't do that.
Hitch: Are you saying you don't wanna talk to them because you can't go home with them?
Ben: I'm just trying to keep my head above water.


“I’m just trying to keep my head above water”. Ou seja, “Estou à rascal”. Mais concretamente: “Estou a tentar manter a minha integridade, mas está a ser difícil porque a atracção que sinto está-me a controlar”.

Não é só o ego que tem de ser transcendido, o desejo sexual também o tem de ser.

E transcender não significa fazer desaparecer, ignorar ou reprimir. Significa deixar de se ser controlado pelo desejo sexual. Continua-se a senti-lo com a mesma intensidade, mas ele não nos controla. E por não nos controlar conseguimos assim tomar decisões conscientes. As traições acontecem porque a pessoa que traiu era escrava do seu corpo e mente. Era completamente controlada pelo ego e desejo sexual, logo ao sentir o desejo sexual não conseguiu tomar uma decisão consciente, afastar-se e ser íntegra. Foi simplesmente atrás do desejo sexual como um cavalo atrás de uma cenoura, ou um macaco atrás de uma banana.

Como se não tivesse qualquer vontade própria ou Consciência. E de facto não tem. Ser-se escravo do ego e do desejo sexual faz com que as pessoas tomem decisões que as prejudicam e que prejudicam os outros. Que negligenciem os seus valores e integridade. Não há uma análise Consciente do contexto e das consequências, apenas reacções a estímulos exteriores. É tipo o zombie que vai na direcção do estímulo exterior mais forte (reacção), e não da direcção que ele quer ir (decisão consciente).

Transcender o ego e o desejo sexual implica claro um desenvolvimento sério de Consciência, e isso só se alcança através de evolução espiritual.

Conclusão: um tipo fixe com boas intenções, mas que tem um grande caminho de evolução pela frente.

“Honestly, I just hope one day you're able to experience... the unconditional love, trust, and openness... that I share with Grace every single day.”

Esta sua frase deixa bem claro que ele está sem dúvida no caminho certo. Mas apesar de mentalmente e verbalmente ele estar no caminho certo, a sua reacção à entrada das mulheres e ao que Hitch lhe disse de as ir buscar não é de um homem que vive aquele tipo de relação e experiência com uma mulher. Há uma certa inconsistência entre aquilo que ele diz e depois como reage. Seja como for não é grave, mas é algo a ter em atenção.


Casey Sedgewick (Julie Ann Emery)



A amiga solteira (e desesperada) de Sara Melas.

Casey é um bom exemplo da típica mulher de baixa auto-estima. Toda a sua forma de falar sobre a sua situação de não ter ninguém e como depois se relaciona com os homens deixa bem claro que está carente e desesperada.

Aqui temos uma escrava do ego em busca de validação. E esta é a Verdadeira causa de uma mulher se partilhar com um homem que não a merece, tal como ela fez com Vance Munson. O desespero para aliviar o sofrimento da solidão é tão grande, ela precisa tanto de aliviar o vazio interior, de ser aceite por um homem e de obter validação de um homem, que até mente a ela própria convencendo-se que Vance é uma opção de qualidade.

Resultado: sentir-se usada e miserável. Ou seja, pior do que estava antes.

Todas as decisões que tomamos e que depois nos prejudicam só contribuem para a nossa baixa auto-estima. O que Casey precisava de fazer não era arranjar um homem mas sim tornar-se emocionalmente independente dos homens. Desenvolver auto-estima e auto-respeito, para que ao conhecer um homem pudesse perceber se ele a merecia ou não, e tomar uma decisão consciente em relação ele.

Quando temos uma necessidade que nos faz sofrer nós vamos sempre aceitar aquilo que a vai aliviar, independentemente da sua qualidade. É como uma pessoa esfomeada: qualquer comida que lhe apareça à frente vai ser devorada em segundos sem haver qualquer selecção. E a pessoa só vai descobrir que aquilo que comeu era uma sola de sapato quando já for tarde demais...

Conclusão: um bom exemplo daquilo que uma mulher NUNCA deve fazer quando é solteira e está aberta a conhecer homens. Há que desenvolver auto-estima e não viver num estado de desespero por ser aceite por um homem e obter dele validação e sexo.
Auto-respeito é a chave de uma porta que as pessoas têm medo de abrir. Mas abrir essa porta é precisamente o que lhes vai trazer a Felicidade que desejam.


Sara Melas (Eva Mendes)

A mulher que faz Hitch abrir o seu coração... e passar por várias situações embaraçosas e problemáticas.

Sara é a típica mulher inteligente e confiante que tem sempre um escudo de defesa em relação aos homens. Nada disto é negativo, a não ser que seja um extremo. Pois a mentalidade dela é do género: “Todos os homens são a mesma treta, por isso vou-me fechar a todos e duvidar de todos até que aquilo que eu suspeitava se confirme. Porque se vai sempre confirmar”.

Obviamente que isto não atrai homens de qualidade. Ela é um ego fechado, sempre na defensiva e sempre com comentários e piadas para desvalorizar/inferiorizar os homens que estão com ela. Um belo exemplo de um ego a funcionar a tempo inteiro.

Ela não é conscientemente selectiva, simplesmente está contra os homens. O que ela faz não vem de Amor (selecção consciente), vem do ego (medo que leva a defesa constante e a processos de rejeição/inferiorização) . E as suas decisões, mentalidade, comentários e sentido de humor deixam isso bem claro.

Conclusão: boa rapariga, mas não deixa isso vir cá para fora. Muitas mulheres atraentes acabam por, infelizmente, desenvolver um tipo de atitude semelhante à de Sara, que vive fechada aos homens, logo homens de qualidade ao observá-la nem sequer se aproximam. Porquê? Porque ao observá-la não iriam sentir um coração aberto e uma mulher sociável, mas veriam uma cara e presença do tipo “se vieres falar comigo levas uma cabeçada”. Nesta atitude fechada não há claro nenhuma intenção de partilhar uma experiência, e isso não interessa a um homem que tenha um nível de consciência elevado. Logo tudo o que ela faz impede-a de conhecer o tipo de homem que a poderia ajudar a sair desse ciclo negativo.

É engraçado verificar como Sara é o extremo oposto de Casey. Uma está sempre a julgar e a desconfiar, e a outra é ingénua. Uma é confiante e independente, e a outra é insegura e dependente. Uma fecha-se a todos e a outra abre-se a todos... mas nem uma nem outra têm o equilíbrio necessário para criar uma vida amorosa de qualidade, que só Consciência e Auto-Estima podem trazer.





HITCH - Alex Hitchens (Will Smith)




O misterioso Date Doctor que ajuda homens bem intencionados, mas trapalhões com as mulheres, a alcançar intimidade física com a mulher que desejam em apenas 3 dias.

Hitch é a cura para o homem comum... ou talvez não. Apesar de ele no fundo ter bom coração e ser bem intencionado, está a usar o mapa errado para chegar onde deseja. Ele de facto gosta das mulheres e tem consideração por elas. Mas Hitch está muito preso a uma mentalidade de manipulação e controlo, na qual sente a necessidade de montar espectáculos e cenários para impressionar as mulheres e assim conquistá-las e alcançar intimidade física com elas, o mais rapidamente possível.

É pena pois ele transmite aos seus clientes grandes Verdades que nada têm de desonesto. O problema está depois em limitar-se a dizer-lhes o que fazer e dizer para obter um resultado com as mulheres que desejam (e assim promover uma atitude de actor), e não em ajudá-los a transformar-se no tipo de homem que as mulheres desejam naturalmente.

É tudo muito à base de esquemas espertos e criativos, e pouco ou nada tem a ver com Verdadeira evolução pessoal ou espiritual. Eles acabam sempre claro por mudar um pouco, pois são obrigados a fazer coisas que nunca tinham antes feito e ganham alguma confiança. E com as dicas do Hitch sobem um pouco de nível de consciência. Mas é muito insuficiente, pois o objectivo nem é esse, é obter o resultado final.

Hitch era um desastre com as mulheres, tal como é mostrado no filme. Era o típico homem tímido de baixa auto-estima que sufocava a mulher numa tentativa de obter a mega validação eterna. O que é completamente disfuncional e não causava qualquer atracção. É fácil perceber que esta era uma área importante para ele, e que quando as coisas começaram a mudar para ele, sentiu a necessidade de passar o conhecimento e ajudar outros homens.

“And it's an education I feel obliged to pass on to my fellow men.”

Há muito boa intenção em Hitch, mas a forma como ele tenta ajudar não é a melhor. Ele próprio deve ter aprendido errando muito, e foi tudo muito à base de “jogo exterior”, ou seja, o que fazer no momento “A”, o que dizer no momento “B”, que máscara usar com a mulher “C”, que espectáculo montar com a mulher “D”, etc, etc.

Para um homem que vivia numa frustração e sofrimento extremos com as mulheres, descobrir estes truques é quase o mesmo que descobrir o Santo Graal... mas não é. Apesar de se começar a obter resultados que antes eram impossíveis, esta mentalidade é manipuladora e não há nela quaquer consideração pela mulher. É um vale tudo para obter o resultado final, num esquema desonesto em que Compaixão, Contribuição, Amor, Partilha, Integridade, Autenticidade e Honestidade são praticamente palavras proibidas.

Seria interessante no filme ter sido mostrado o processo de aprendizagem de Hitch.

Conclusão: Hitch é um homem bem intencionado, que quer ajudar outros homens que são como ele era – trapalhão com as mulheres - e que no fundo tem consideração pelas mulheres. Mas depende muito de espectáculos montados, máscaras e jogos de palavras. É o nível de consciência do ego a bloquear. Ele vive muito na gratificação a curto prazo, e em prazeres rápidos, que não têm mal nenhum... mas libertando-se deles Hitch poderia alcançar experiências muito melhores, e ajudar muito mais os seus clientes. Pois aí haveria Verdadeira transformação, e não apenas homens enfeitados para parecerem atraentes e obterem um resultado específico.



Se o que Hitch ensinava aos seus clientes fosse 100% íntegro, ele nunca teria problemas ao ser descoberto. Honestidade nunca é criticada, a não ser por quem não tem o que é preciso ter para conseguir lidar com a Verdade (ou seja, o nosso amigo ego). Mas Hitch é um exemplo a seguir em alguns aspectos: como na sua atitude de não ajudar Vance Munson por este ser um abusador de mulheres que as usa e faz sofrer; por ser um homem sociavelmente confiante e divertido; por muitas das coisas que ensina aos seus clientes (tal como eu expliquei no post anterior); pela forma como se veste; pela sua linguagem corporal; pela sua criatividade e sentido de humor (mas nem sempre pela forma como os usa), etc. Hitch pode não ser a Verdadeira cura para o homem comum... mas o seu nível de consciência acima da média já ajuda em alguns aspectos importantes.







Vance Munson (Jeffrey Donovan)


O homem que pede ajuda a Hitch mas que se revela mal intencionado, e depois usa e engana a amiga de Sara, Casey.

Aqui temos o senhor campeão da sedução! Vance Munson...

Este é o típico homem masculino e imaturo que usa as mulheres para obter o que deseja e depois abandona-as, fazendo-as sofrer.

Ele sente-se atraído por uma mulher e nesse preciso momento decide que tem que ir para a cama com ela. E se não for para a cama com ela ele já não consegue pensar em mais nada... pois o seu ego ainda não foi alimentado. O desejo sexual e a necessidade de obter validação controlam-no completamente. Ele é desonesto e manipulador, e está disposto a dizer as maiores mentiras e usar os maiores esquemas para obter o que deseja das mulheres. Mas partilhar está quieto. Até porque ele não tem nada para partilhar... não há Amor neste homem, logo não pode haver Compaixão e Contribuição. O que há são jogos de manipulação, dinâmicas de distâncias e migalhas, e negócios de validação que controlam completamente as reacções das mulheres de baixa auto-estima que andam em busca de um homem para lhes aliviar o vazio interior. É tão fácil para estes tipos manipulá-las... pois elas têm todos os requisitos mínimos para serem manipuladas.

Elas caiem na armadilha pois há atracção. Ele é claramente um homem masculino, logo facilmente verifica-se polaridade masculino/feminino nas suas interacções com as mulheres. As mulheres seguem essa atracção dando-lhe significados que ela não tem... e depois lixam-se. Pois a partir do momento em que desejam algo deste tipo de homem, ele sabe que as tem na mão. E é só uma questão de tempo até obter o que deseja e pôr-se a andar, deixando a mulher pior do que a encontrou.

Que é precisamente o oposto daquilo que deve ser feito: deixar uma mulher melhor do que a encontrámos.

Enfim, infelizmente há muitos homens deste género por aí à solta e para as mulheres só há uma solução: evolução.

Conclusão: um bom exemplo de um manipulador desonesto que para alcançar os seus objectivos é capaz de tudo. Ausência plena de Integridade e Compaixão pelas mulheres. Um predador sexual cheio de esquemas e mentiras que ao longo da sua vida vai conquistando (tradução: enganando) mulheres atraentes de baixa auto-estima.

Sim, pois a beleza física de uma mulher não é o que lhe traz auto-estima. Há muitas, mas mesmo muitas mulheres físicamente atraentes que estão sempre na dúvida se são bonitas ou não. O que a sua beleza física lhes traz é validação exterior que lhe alivia durante algum tempo a insegurança interior constante em que vivem. E algum tempo significa alguns segundos ou minutos. No máximo algumas horitas...e depois o ego regressa em grande a cantar a bela canção da eterna dúvida (vestido à Elvis Presley e tudo).

Sim, grande parte das mulheres atraentes que vês não se sentem bonitas (por isso é que, por exemplo, se maquilham tanto). O ar de confiança que têm nada mais é do que uma mera máscara... pois lá dentro, e especialmente quando estão sozinhas em casa à noite, é uma tortura. E algumas dessas mulheres, para se sentiram bem com elas próprias, para se conseguirem sentir bonitas, partilham-se com homens que não as merecem. Bem, lá aliviadas são elas, mas depois dessa partilha e alívio da dúvida (e do homem se pôr a andar) elas sentem-se muito mal... pois tomaram uma decisão que as prejudicou. E sempre que tomamos uma decisão que não seja íntegra ou que nos prejudique, só contribuímos para a nossa baixa auto-estima. É o mesmo que tentar apagar fogo com... fogo. Acredita que não resulta lá muito bem.

Portanto uma mulher ser físicamente atraente não garante nada que tenha auto-estima e goste de si própria, sem ter dúvidas ou inseguranças em relação ao seu valor como mulher. Muitas delas dependem de validação exterior para se conseguirem sentir bonitas e bem com elas próprias. E esta necessidade é inteiramente patrocinada pelo seu ego. É por isto que muitas mulheres desejam ser modelos, popstars ou estrelas de cinema... porque aí estariam numa posição em que obteriam quantidades massivas de validação exterior, e o vazio interior, a dúvida, a insegurança, não as incomodaria e torturaria tanto. Mas hey, isso não resulta. E para perceber isso basta olhar conscientemente para o bonito exemplo da Amy Winehouse.

E o nome... “Casa do Vinho”... de facto não inspirava lá grandes resultados. Mas lá que era uma boa artista isso era. E eu digo isto mesmo sem me sentir atraído pelo seu tipo de música.

Ok, esta conversa já se afastou muito do tema do post e no nosso amigo Vance Munson. Fica então uma última pergunta/observação em relação a esta personagem:

Sou só eu, ou o actor que faz de Vance Munson tem mesmo cara de Donovan...?








Albert Brennaman (Kevin James)


O cliente trapalhão e nervoso de Hitch que quer conquistar a atraente, famosa e poderosa Allegra Cole.

Albert é daquele tipo de homens que dá um bom amigo: divertido, de confiança e com bom coração. E este é curiosamente o mesmo pensamento que muitas mulheres teriam em relação a ele. Dá um bom amigo.

Na verdade não há nada de errado com Albert. Ele não é nenhum totó nem nenhum parvo. Ele tem boas intenções, falta-lhe é confiança e tomar a iniciativa para as coisas acontecerem. Ele não é feminino, só um pouco inseguro e nervoso. É muito trapalhão... o que não iria atrair lá muitas mulheres.

Mas ele sendo assim iria sempre atrair o tipo de mulher que corresponde ao tipo de homem que ele é. Até na famosa e cómica parte da dança. Se era assim que ele dançava então era assim que ele devia dançar. Ele não tinha de mudar aquilo por nada nem ninguém. Claro que muitas mulheres não se iriam sentir atraídas por ele, mas outras iriam. Mulheres que também dançassem assim iriam ADORAR dançar com ele. Outras mulheres não.



O que mais atraiu Allegra nele foi a sua Autenticidade. O mau e o bom foram mostrados naturalmente, e a sua atitude de consideração (o extremo oposto de Chip e Vance), fizeram-na sentir algo em relação a um homem que ela nunca antes tinha sentido. Porque lembra-te que o último namorado dela, pelo que disseram no filme, era muito rico e atraente... mas era desonesto e traiu-a. Infelizmente é este o único tipo de homem que grande parte das mulheres atraentes conhece ao longo da sua vida: um tipo confiante que se mete com elas, mas depois que não é honesto e só as quer usar para obter validação e prazer sexual.

Aqueles que realmente as poderiam fazer felizes não têm a Coragem ou confiança de se aproximar delas, logo elas nunca os conhecem e nunca têm relações com eles. E isto traz alguns aspectos importantes que vou agora deixar claros: Isto não significa que todos os homens tímidos e inseguros, que não se aproximam das mulheres para as conhecerem, podiam fazê-las felizes. Isso não é um selo de garantia de qualidade. Mas é Verdade que muitos desses homens são bem intencionados, e alguém em quem a mulher podia confiar. Outro aspecto é que as mulheres têm de começar a tomar mais a iniciativa, senão só levam com o tipo de homem que decide meter-se com elas. Dependem dos homens para conhecer homens... e em termos de selecção consciente isso pode ser um pesadelo.

Há que começar a irem falar com os homens por quem se sentem atraídas.

Agora, por muito bem intencionado que um homem seja isso não significa que tenha transcendido o ego... logo as questões do necessitar de obter validação, ter baixa auto-estima e sentir um vazio interior mantê-se presentes. E Albert não fugiu à regra.

Conclusão: boa pessoa mas precisava de entrar mais em acção, de se desafiar mais e tomar mais a iniciativa. De arriscar e de comunicar mais com as mulheres. E claro, de evolução pessoal e espiritual a sério. Não sei se na vida real Allegra se teria sentido atraída por Albert. Teria sem dúvida gostado dele, mas daí a sentir-se atraída...

Não é que Albert tenha feito algo de errado ou demasiado repelente, mas Allegra é uma personagem muito “vazia”, muito pouco é demonstrado sobre ela e torna-se difícil perceber se haveria compatibilidade ou não. Até porque perto do final do filme acontece este diálogo:

Hitch: So, wait... that stuff worked for you?
Allegra: It was adorable.


Allegra expressa aqui uma admiração pela autenticidade de Albert, mas pouco ou nada é demonstrado em relação ao seu fascínio por ele como homem. É que é mesmo preciso compreender que Amor nada tem a ver com Atracção. Amor não garante que haja sexo ou relação íntima entre um homem e uma mulher... esse é o papel da Atracção. Amor traz Harmonia, Paz, Compaixão, Partilha, Abertura e Entrega entre dois seres humanos, e isso tudo pode ser apenas uma amizade, não uma relação íntima.



Não havia qualquer vestígio de Amor em Casey ou Vance, e eles fizeram sexo. Quando há Amor ninguém tem baixa auto-estima e falta de auto-respeito, nem ninguém tem falta de consideração pelos outros e os usa e engana. Mas há sexo. O que havia entra Casey e Vance era Atracção, polaridade masculino/feminio, o desejo do corpo de um de se reproduzir com o do outro.

O GRAAAAAAAANDE problema do ser humano contemporâneo é confundir Amor com Atracção... o que o leva a interpretações erradas e depois a más decisões na sua vida amorosa.

Amor é um nível de consciência espiritual... Atracção faz parte do reino do mundo físico e material. Não quer dizer que a causa seja física, porque pode ser e não o ser. A Polaridade Masculino/Feminino é uma energia que causa Atracção Sexual... mas essa Atracção Sexual pode também ser consequência de mera atracção física, causada pela aparência e corpo do parceiro. Curiosamente atracção física não garante que haja sexo (a não ser que se esteja bêbado), pois para que haja sexo a mulher primeiro tem de sentir de alguma forma que pode confiar no homem, tem de ter uma sensação de segurança (e é por isso que o alcóol “ajuda” e muitos homens arranjam esquemas de manipulação).



E mais: mesmo que haja atracção física, se ao haver interacção não haver polaridade, esse desejo sexual físico deixa de ter qualquer poder. Porque um homem pode ser físicamente atraente, mas feminino. E se a mulher for feminina, não há atracção sexual, nem sexo, nem relação íntima. Garantido.

A energia manda em tudo. Foi (e é) energia que te fez ler este post até aqui e não te ficares apenas pelo título ou parares a meio.

Por hoje é tudo. No próximo post vou partilhar contigo a visão do Cool Vibes em relação à homossexualidade, a pedido de um leitor do blog. Por isso, se o tema te interessa de alguma forma, regressa ao blog daqui a uns dias.

Até lá, segue as tuas paixões!
Pedro Constantino

Perguntas:
CoolVibesClub@hotmail.com

PS: Basic principles: There are lots of them! ;)

4 comentários:

Fabio disse...

Santo Graal, muito boa essa Pedro e expressa bem o que significou esses truques pra mim a algum tempo atrás, mas como conclui mais tarde parecia que faltava algo, não era consistente.

Seria interessante definir um pouco mais o que é exatamente essa polaridade, ela não garante que vai haver algo de qualidade entre um homem e uma mulher, tu fala em sinais que a mulher passaria, mas isso não seria sutil demais, passível de interpretações equivocadas, o que é exatamente a energia masculina ou feminina.??

Esse conceito é difícil de se explicar?, é pratico demais?, seria um conceito muito mais de postura como se movimenta ou só um olhar específico?

Grato pela consideração. Continue com esse trabalho excelente !!!

mikeb disse...

Bem pedro, estive a ver um audio teu, o Primeiro Ponto Para Se Começar a Evoluir, e reparei que falaste na reencarnação. Hmm, interessante, será que vais abranger um pouco mais esse promenor? Abraços

Pedro Constantino disse...

Fabio:

A polaridade masculino/feminino é uma energia. Não tem nada a ver com sinais de interesse das mulheres, e isso nem sequer te é útil. Pois é mais um sistema de protecção do ego que outra coisa qualquer: "Será que ela está interessada em mim ou se eu lá for vou ser rejeitado?".

Pedro Constantino disse...

MikeB:

Se descobrir algo sobre o tema da reencarnação que faça sentido partilhar, sim, no futuro escreverei mais sobre esse tema.