AMOR

"Ensina só Amor, pois é isso que tu és"

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

"A Verdade Sobre o Ego Humano"

Este é provavelmente o meu mais curto post, mas é também um dos mais importantes.

Se tens acompanhado o Cool Vibes então já deves ter reparado que eu falo muito sobre o ego humano, e em como ele é a grande causa de todos os problemas que existem. Principalmente na vida amorosa do ser humano.

O que eu quero hoje partilhar contigo em relação ao ego humano é isto:

Já deves ter lido coisas escritas por mim do género “Tens de matar o ego” ou “Tens de meter o ego no caixote do lixo juntamente com as cascas de banana e os pacotes de leite dobrados”.

Essas expressões nada mais são do que linguagem forte e o meu sentido de humor para chamar a atenção das pessoas. É mesmo importante compreender que a grande solução é libertares-te do ego, mas se eu usasse uma linguagem neutra as pessoas ficariam indiferentes e assim que acabassem de ler os textos já não se lembrariam de nada.

E para isso mais valia não existir o Cool Vibes...

Nesse caso abriria uma “Loja de Validação”, com todo o tipo e formas de validação em prateleiras, com preços para todos os bolsos, e assim todos os egos ficariam muito felizes... e eu milionário ;)

Só que consumir validação não é muito diferente de consumir droga... se pensares bem vais descobrir que o resultado final é o mesmo: vício e auto-destruição. Só precisas de observar conscientemente a vida de pessoas que obtêm muita validação exterior, como pessoas famosas (actores, actrizes, modelos, popstars, etc) para veres o perigo de ter um ego alimentado constantemente.

Nota: claro que não estou a falar de todas as pessoas famosas. Felizmente nem todas são escravas do ego.

Quere-se mais e mais e mais... porque é como tentar encher um saco roto ou uma garrafa partida. Assim que se enche fica vazio e precisa-se de mais (vício). E essa necessidade constante de obter validação depois leva a uma colecção de comportamentos disfuncionais e desonestos... porque o ego só quer saber do resultado de obter validação. Como chega a essa validação, para ele é irrelevante. É um vale-tudo...

Se ele se desrespeita e prejudica os outros... isso é completamente secundário.

Mas este post não é sobre as consequências de se seguir o ego. É sobre outra coisa...

Lembra-te que a linguagem forte que uso é só para chamar a atenção das pessoas. A solução não é criticar o ego, rejeitá-lo ou odiá-lo.

Libertar-se do ego significa compreendê-lo, não o deixar controlar a nossa vida e ter Compaixão por ele.

Significa deixar de viver através de mera lógica e linguagem... e começar a viver através de Energia.

Ele nunca vai morrer nem desaparecer... ele é uma criação da nossa mente, está “dentro” dela, e enquanto tivermos mente ele vai existir.

Mas viver através dele, viver através da necessidade constante de validação, é uma escolha. Não tem de ser assim.

96% da população humana vive neste momento controlada pelo seu ego.

Medo do que os outros vão pensar...

Medo de ser rejeitado...

Medo de ser inferiorizado...

Medo de perder...

Medo de ser percepcionado como inferior...

Medo de errar...

Medo de não ser aceite...

Medo... de não obter validação.

Amor “é” validação, e compaixão é uma decisão lógica chamada pena que só se tem em relação a alguns (os que estão pior ou são “inferiores” – porque “os outros que estão melhores do que eu ou que estão na boa não merecem...”).

As relações íntimas e de amizade são meros “negócios de validação”, nos quais valida-se o parceiro e amigos, mas só se eles também nos validarem. E só se vai para a relação para OBTER validação. “Obtenho validação ou não? Está interessada/o em mim ou não?”. “Esquece lá se a outra pessoa tem qualidades e valores... o que interessa é se me dá validação!”

Sexo deixou de ser um acto natural de reprodução e intimidade, e passou a ser uma forma de validação. Porque quem tem sexo tem valor, e para se ter valor tem que se fazer sexo (hã?! Lol)

O sexo oposto passou a ser um troféu que se mostra aos amigos para se obter a sua validação. Principalmente se for físicamente atraente, famoso ou rico... “Olhem só: eu sou um campeão! Há alguém do sexo oposto que gosta de mim!” E eles depois aplaudem todos como focas num espectáculo de circo ;)

Os homens aproximam-se das mulheres como pedintes para obter esmola emocional: “Vá lá... dá-me um pouco de validação que isto anda muito mal e o meu ego está muito em baixo...” ou “Vá lá... anda para a cama comigo porque se eu não andar a ter orgasmos com estranhos não consigo sentir que tenho valor e não me consigo sentir um homem”.

Escravos da ilusão de que validação é Amor, e escravos do corpo e do ego.

Zombies sofisticados a deambular pelo planeta. A enganar, prejudicar e matar por dinheiro, sexo e poder... por validação. Por aquele breve momento de satisfação no qual conseguem sentir que têm valor.

Bem, eles têm valor. Sempre tiveram valor e sempre terão valor. E todos temos o mesmo valor.

Todos... temos... o mesmo... VALOR.

Felizmente, e obviamente, nem todas as pessoas são como eu descrevi acima. Nem todos os homens são assim, nem todas as mulheres são assim. Mas se olhares com atenção à volta... se olhares conscientemente à volta... vais descobrir que são sem dúvida a maioria. Nem todos da mesma maneira... mas todos com a mesma origem: o ego humano.

Mas não tem de ser assim, e já começou a mudar.

Há sem dúvida um grande caminho a percorrer, e a sociedade e cultura precisam de evoluir para um novo nível de consciência. Um nível acima do corpo e da mente (ego).

E se estás a ler este post então parabéns, porque tu já começaste a percorrer esse caminho.

Perguntas:

CoolVibesClub@hotmail.com

6 comentários:

Cláudia Nóbrega disse...

Ao ler este post lembrei-me de uma típica cena dos desenhos animados em que quando alguém tem de tomar uma decisão difícil aparece, de um lado o anjo e do outro o diabo.

O diabo é bem comparável ao ego humano, aquele que quer validação e implora por mais e mais meios de obter validação dos outros ou de objectos externos ao sujeito, custe o que custar!

O anjo simboliza as decisões tomadas sem ter em conta esse jogo do vale-tudo do ego, é tomarmos uma decisão baseados naquilo que somos e no valor que, efectivamente, temos.

Agora tu é que decides a voz que queres ouvir e seguir… ;)

Rubiana disse...

Gostei muito da explicação sobre o ego, mas poderias escrever à respeito de como evitar o ego. Atitudes, comportamentos... como atingir o amor verdadeiro, como não buscar a validação?

Qwerty (Brasil) disse...

Muito bom o post Pedro, pequeno mas eficiente. Tu tens bastante organização dos teus conhecimentos, és bem direto, gostaria que você escrevesse algo sobre afetividade. Cresci numa família disfuncional, onde havia pouco afeto e tenho muitas dúvidas sobre o afeto. Acho que tu conhece aquela experiência maluca que fizeram com bebês em que eles morreram,Maslow acho,isso entraria na questão das necessidades , li alguma coisa sobre independencia emocional não sei se o contrário teria à ver com validação. Percebo que maturidade tem à ver com passar à dar e criar do que receber,ou depender como no caso das crianças, bom desde já agradeço pelas valiosas idéias, muito bom saber que existe conteudo de qualidade na internet, valew!!

Querty(Brasil) disse...

Aí Pedro, só complementando a mulher é mais afetiva do que o homem, observando a maneira com que ele lida com as crianças e como elas lidam, isso não é natural também, é uma construção cultural né?

Pedro Constantino disse...

Rubiana:

Tudo passa por conseguires silenciar a mente e estar presente no momento.

Não estar a pensar em nada... nem no passado nem no futuro... apenas a viver o momento presente e a absorver o que está à tua volta, agora.

Para isso tens a espiritualidade e meditações. O desenvolvimento de Consciência é o que te vai libertar do ego e da mente. Que vão sempre lá estar e vais sempre usar... mas não és escrava deles. Usas a mente conscientemente e não a toda a hora a ouvir uma voz e a pensar em coisas.

Pedro Constantino disse...

Qwerty:

Quando nascemos precisamos da orientação de seres humanos mais velhos. Precisamos de afecto e educação. Mas afecto nada tem a ver com validação. Tem a ver com compaixão.

Depois crescemos e é suposto desenvolvermos maturidade, auto-estima e independência emocional... se os nossos pais também tiverem isso para nos transmitir. A questão é que 96% não tem. Eles não têm a culpa, mas é como as coisas estão.

E isso é algo que podes desenvolver em qualquer idade.

As mulheres são mais afectivas porque isso faz parte da Natureza do feminino. Não tem nada a ver com cultura ou sociedade. Isso são coisas exteriores da mente... é energia que manda. É a Natureza que manda, pois é a ela que pertencemos e é dela que vimos.