AMOR

"Ensina só Amor, pois é isso que tu és"

segunda-feira, 17 de dezembro de 2007

"A Importância do Desenvolvimento Pessoal"

Hey, obrigado pela tua opinião. Mais de 100 pessoas escolheram “Oh yeah!!” demonstrando assim o seu interesse em assistir, de GRAÇA, a uma palestra do Cool Vibes. Isso vai acontecer, agora só falta encontrar um local onde o possa fazer. Se estás a ler isto e conheces um local, em Lisboa, onde eu possa fazer a palestra, manda-me uma mensagem para CoolVibesClub@hotmail.com. Obrigado.

Agora passando para o tema do post.

Sem o conhecimento que o mundo do desenvolvimento pessoal tem para oferecer, muito dificilmente a vida de uma pessoa poderá mudar e melhorar. No mundo contemporâneo, a grande maioria da informação que vem ter connosco não traz soluções, apenas descrições de problemas ou é uma mera distracção da realidade.

Isto quer dizer que somos todos uns coitados e que precisamos do desenvolvimento pessoal? Não. Isto não se trata de precisar, mas sim de BENEFICIAR. Seja como for a sua vida, tenha ela o que tiver, uma pessoa tem sempre a beneficiar com o desenvolvimento pessoal. Os grandes mentores desta área de conhecimento continuam a aprender... há sempre mais para evoluir, há sempre mais para melhorar. É um caminho, não um destino.

A escola e a faculdade são duas instituições extremamente importantes, mas infelizmente prestam um serviço muito incompleto. Quantas pessoas não acabam o seu curso superior com uma média excelente e depois nunca têm a vida que desejam? Na escola aprende-se todo o tipo de informação menos aquela que nos ensina a viver e a criar a vida, a felicidade e o sucesso que queremos ter. Aprende-se a ler e a escrever, a fazer contas, aprende-se sobre autores literários, complexas equações, ciência, física, química, geografia, história, arte, geometria, etc... a nossa cabeça fica cheia, mas a nossa vida vazia. Este conhecimento tem a sua utilidade e importância claro, mas na escola não se aprende porque é que certas pessoas têm sucesso e outras não. Porque é que certas pessoas são felizes e outras não. Porque é que certas pessoas andam sempre com um sorriso na cara e outras não. Porque é que certas pessoas têm uma relação íntima espectacular e outras não. Porque é que certas pessoas têm uma vida fantástica cheia de prazeres e outras não. Porque é que certas pessoas alcançam a sua realização pessoal e outras não. E muito menos se aprende como alcançar essas coisas todas. A escola e a faculdade ensinam e treinam o ser humano para este mais tarde ser bom a sentar-se atrás de uma secretária e fazer o que lhe mandam, mas não o ensina como criar liberdade financeira criando o seu próprio negócio rentável ou como ser naturalmente atraente para o sexo oposto. E estas são duas necessidades naturais que todos os seres humanos têm. Desde a minha 1ª classe até ao final do meu 5º ano do curso passaram-se 17 anos. 17 anos, 5 dias por semana, a ouvir professores, fazer trabalhos, estudar, etc... e nunca aprendi nada que me ajudasse a mudar e a melhorar a minha vida. Tive de me aventurar no desconhecido e acreditar que a solução existia, mesmo quando tudo à minha volta me dizia e provava que não existia...

O mundo do entretenimento também não te vai ajudar lá muito. O seu objectivo não é dar-te soluções, mas sim distrair-te da vida que tens ou então falar de uma forma criativa e diferente sobre os problemas que existem no mundo. Cinema, música, teatro, desporto, artes-plásticas, literatura, banda-desenhada, séries televisivas, telenovelas, jogos de computador, etc, não têm mal nenhum, e muitos deles até te podem tornar numa pessoa interessante, a questão é que se intencionalmente decides distrair a cabeça, ou seja, distraires-te da realidade e da vida que tens, quem é que fica a tomar conta dela? Quem é que a controla e cria? Ninguém... ela fica em piloto-automático, completamente deixada ao acaso como se fosse um sorteio do Euromilhões. Aí sim, os conceitos de sorte e azar têm poder, pois vive-se sem intenção. Não se tomam decisões conscientes para se chegar a algo, não se procuram soluções, simplesmente pensa-se “A minha vida não me satisfaz, vou mas é fazer algo que não me faça pensar nela...”, e o que acontece a seguir é que ela piora cada vez mais pois não há uma dedicação consciente e intencional para a mudar.

A televisão e o telejornal são os piores de todos. São sem dúvida um serviço útil e importante, mas os seus conteúdos não. Qualquer pessoa já sabe o que vai dar num telejornal: alguém morreu, alguém foi atropelado, alguém foi enganado ou roubado, há uma guerra aqui, há violência ali, o preço disto subiu, a qualidade daquilo desceu, esta pessoa foi presa, aquela continua à solta, este banco foi assaltado, aquele só tem 3 pernas... e há mais! Muitas mais coisas espectaculares: incêncios, doenças, negligência médica, crime, tráfico de droga, terrorismo, cuidado com isto, afasta-te daquilo, não faças isto, o casal de velhotes que vive numa aldeia que só tem 3 casas feitas em pedra e que têm de percorrer 5Km para irem buscar água a um poço... crianças desaparecidas... hum, deixa cá ver, acho que já estou a esgotar os temas... mas tenho a certeza que te deves lembrar de mais uns quantos =)

Ah! Já sei! As vidas disfuncionais de alguns famosos!! =D

Espectacular... eu vou já comprar os DVDs todos dos telejornais. A questão aqui não é se essas notícias são verdade ou mentira, é se são úteis ou inúteis para a vida de quem está a olhar para a TV. Fornecem soluções? Hey, não é preciso ser-se um génio para perceber que não. A única coisa que fazem é tornar as pessoas NEGATIVAS, INSEGURAS e a acreditar que o mundo é um local perigoso, que isto tudo é o apocalipse, que só vai é piorar, que vamos todos morrer da pior forma possível, etc, etc, etc... completamente inútil. De vez em quando, e felizmente, lá vem uma notícia mais positiva, mas é insuficiente.

Porque é que saber quantas pessoas morreram na estrada é importante, e saber quantas pessoas nasceram hoje na maternidade x não é?

Porque é que saber quantas pessoas não têm emprego é importante, e saber quantas conseguiram hoje o seu 1º emprego não é?

Porque é que saber histórias de vidas miseráveis é importante, e saber sobre histórias de pessoas com sucesso não é?

O que é mais útil? Saber sobre problemas e ter uma influência negativa, ou saber sobre soluções que podes usar na tua vida e ter uma influência positiva?

Problemas ou soluções?

Isto torna as pessoas tão negativas, insatisfeitas e revoltadas com tudo, que sempre que aparece alguém na TV que tenha uma vida boa, seja feliz ou tenha sucesso, é logo criticado em vez de ser visto como alguém com quem se pode aprender como ter uma vida boa, ser-se feliz ou ter sucesso.

Os amigos também não garantem nada. Se eles tiverem uma vida que não os satisfaz, se só tiverem conversas negativas, se forem inseguros, se a sua preocupação for sobreviver e não seguir as suas paixões e se tiverem uma vida amorosa miserável, então deles nunca virá uma solução que te ajude a melhorar a tua vida. Se eles a tivessem a sua vida seria diferente, e não a fonte de insatisfação e problemas sobre a qual eles te falam. Eles podem ter bom coração, e têm todos valor, mas se queres mudar e melhorar a tua vida tens de procurar a solução noutro lado.

A nossa experiência de vida também não garante nada. Pois a nossa experiência de vida não representa todas as possibilidades, apenas aquelas com que nos deparámos ao longo do tempo. Uma pessoa pobre de 60 anos pode ter muita experiência de vida: ter lidado com muitos problemas, com muitas pessoas medíocres e ter de, ao longo da sua vida, passar por momentos muito difíceis. “Hey, mas esta pessoa é uma mina de experiência de vida!”. Pois é, mas apesar de desejar ser rica continua pobre...

Uma pessoa de 40 anos insatisfeita com a sua vida amorosa pode ter muita experiência de vida: viajou pelo mundo, teve vários empregos, já lidou com muitos tipos diferentes de pessoas, passou por momentos muito difíceis de dor, etc. “Hey, mas esta pessoa também é uma mina de experiência de vida!!”. Pois é, mas apesar de desejar ter uma vida amorosa de qualidade continua insatisfeita com a que tem...

Tempo de vida e quantidade de experiências não igualam realização pessoal. Por esta simples razão: experiência de vida é passar por coisas aleatórias vindas do exterior, ter aprendido com elas, e saber como lidar com essas mesmas coisas vindas do exterior. Só que a nossa vida não é criada através do exterior, mas sim do nosso interior. E há coisas que os nossos olhos não conseguem ver, e coisas que a nossa mente sozinha não consegue imaginar, compreender ou racionalizar.

A solução está noutro lado...

Pois essa pessoa de 40 anos, imaginemos que é um homem, até já pode ao longo da sua vida ter estado na cama com centenas de mulheres diferentes. Até já pode ter tido dezenas de relações íntimas com aquelas de quem gostou mais... mas a verdade é que continua insatisfeito com a sua vida amorosa. “Então mas... espera lá! Ele conheceu centenas de mulheres, tem muita experiência com mulheres e relações, e não está satisfeito com a sua vida amorosa?! Isso não faz sentido nenhum!! Ele tem uma vida amorosa espectacular, ele não dá hipótese, atrai-as todas!”. Pois é, mas ele continua a sentir um vazio na sua vida, pois nenhuma mulher fica durante muito tempo, nem nenhuma o faz sentir-se realizado como homem. Ele continua sem ter esta parte da sua vida resolvida pois nela ainda não existe nada de constante e positivo. Ele não percebe porque é que não encontra uma mulher que o satisfaça... e por isso ele acredita que as mulheres são uma espécie de ser incompleto e insatisfatório, com quem é impossível ter uma relação íntima de qualidade que dure mais de uns meses. Esta é a sua experiência de vida com o sexo oposto. Até que um dia, no final da sua vida, ele decide ir à internet. E nessa breve aventura online ele encontra um blog ou site, no qual um jovem de vinte e poucos anos - sem a espectacular e enorme experiência de vida do homem de 40 anos – que sabe, usa, obtém resultados com, e partilha a informação que teria resolvido a vida amorosa deste homem de 40 anos. E ao ler o blog ou site ele pensa “Não é possível...!! Ele nem metade da minha idade tem, ele não pode saber como as coisas são pois não tem a experiência!”.

O que a experiência de vida nunca ensinou a este homem de 40 anos é que é o seu interior que define como é a sua vida. Compreender o exterior ajuda, e quantas mais experiências tivermos na vida com mais situações exteriores saberemos lidar. A questão é que isso é completamente independente da relação que temos com nós próprios. A nossa vida é criada de dentro para fora, não de fora para dentro. E os olhos não conseguem ver isto... e a mente humana não consegue compreender isto através do que lhe chega do exterior. E 40 anos de experiências negativas, problemas e insatisfação não ensina ninguém a evoluir, mudar e melhorar a sua vida, apenas a aguentar levar com coisas medícres na vida, e a sobreviver a elas.

Eu prefiro conversar com um miúdo de 16 anos que segue as suas paixões, que se desafia e que procura soluções para o que deseja ter na vida, do que com um homem de 50 anos, cheio de experiência de vida, que é negativo, inseguro e que só se sabe é queixar-se da vida que tem e do que lhe acontece. Pois o miúdo de 16 anos tem a atitude que o vai levar longe na vida, e é uma boa influência pois cria emoções positivas e motiva quem convive com ele. E o homem de 50 anos, que fez muito, passou por muito, lidou com muito, etc, só tem uma colecção de histórias sobre como as coisas são difíceis, como as pessoas são más, como ninguém lhe liga, como o mundo é um inferno, como tudo são problemas e não podemos fazer nada, etc, e é assim uma pessoa encravada na vida, insatisfeita, e uma má influência pois cria emoções negativas em quem convive com ele, e puxa para baixo essas pessoas.

O miúdo terá a porta aberta e fará parte da minha vida. O homem de 50 anos, com todo o respeito, não.

Voltando ao homem de 40 anos... muito provavelmente o seu problema era ser negativo, e como o ser humano apenas atrai para a sua vida aquilo que projecta, ou seja, quem é semelhante a si, ele só atraiu mulheres negativas que depois o aborreciam. Os seus olhos nunca poderiam ter visto isto, e a sua mente nunca poderia ter chegado a esta conclusão sozinha. A solução passava por ele se tornar positivo, e para isso teria de desenvolver auto-estima e largar o ego. Muito provavelmente ele também não sabia porque é que as mulheres se sentiam inicialmente tão atraídas por ele... ele só as via a demonstrar interesse em si, mas não compreendia porquê nem sabia verbalizar porquê.

Pois os olhos também não conseguem ver isso... e a mente não o consegue compreender sozinha.

Como é que alguém pode compreender e usar com sucesso a Lei da Atracção quando os seus olhos não conseguem ver que todos nós, e tudo o que nos rodeia é feito de energia? Não pode. Pois só com um poderoso microscópio é que se consegue ver isso. Portanto seria impossível essa pessoa, mesmo que tivesse 1000 anos e muita experiência de vida, saber que a Lei da Atracção existe, e muito menos usá-la para mudar e melhorar a sua vida. Este tipo de coisas só se aprende explorando o mundo do desenvolvimento pessoal.

A fonte de tudo o que nos acontece na vida está na qualidade da relação que temos com nós próprios. Essa relação é invisível e não é lógica... mas sim emocional. Que tipo de conversa é que tens contigo próprio? E eu não estou a dizer que falas sozinho... estou a referir-me aquelas coisas em que pensas ao longo do dia. Que emoções crias em ti próprio regularmente? Positivas ou negativas? Falas a ti próprio de soluções, momentos de prazer e satisfação ou em problemas e dor? Já reparaste que não consegues dizer uma piada e fazer alguém rir quando estás chateado ou triste? Já pensaste que fazer rir é criar uma emoção positiva num ser humano? Não fará sentido que uma pessoa que esteja a maior parte do tempo chateada ou triste não seja uma companhia agradável nem alguém cuja companhia seja procurada e desejada? E se essa pessoa está na maior parte do tempo chateada e triste, não fará sentido que ela depois quando surja um problema não o consiga resolver devidamente e fique ainda pior pois fica a pensar nesse problema constantemente?

Infelizmente faz, mas essa pessoa não precisa de viver assim. No mundo do desenvolvimento pessoal estão as soluções para ela mudar e não só passar a ser uma companhia desejada como também alguém que pensa apenas em problemas para os resolver, e faz o que é preciso para os resolver. E uma vez resolvidos não pensa mais neles... concentra-se novamente nas suas paixões e em criar a vida que deseja ter.

O mundo está cheio de decisões fáceis. Mas vidas de qualidade não são criadas através de decisões fáceis. Todas as histórias de sucesso têm um início difícil e em todas existe mudança e evolução. E para existir essa mudança e evolução foi necessário tomar-se decisões difíceis, pois as fáceis deixam sempre tudo na mesma: os mesmos amigos, as mesmas actividades, os mesmos pensamentos, os mesmos hábitos, o mesmo emprego, o mesmo parceiro, as mesmas conversas, etc.

Sylvester Stallone chegou a ter de vender o próprio cão para não morrer à fome.

Joe Vitale chegou a ser um sem abrigo.

Brian Tracy trabalhava na construção civil e dormia no seu carro. Por vezes, e por falta de dinheiro, chegou mesmo a viver nele.

Michael Beckwith chegou a ser um traficante de droga.

Tony Robbins era pobre e foi abandonado pelo pai.

Sean Stephenson nasceu com uma grave doença nos ossos, quebrou-os mais de 200 vezes, tem metade da altura de um ser humano normal e vive numa cadeira de rodas.

E a lista é interminável.

Todos os mentores de desenvolvimento pessoal, de uma forma ou de outra, saíram de um buraco de dor, insatisfação e frustração. Pois todos eles acreditaram a certa altura das suas vidas que existia mais no mundo do que aquele buraco em que viviam. Acreditaram que era possível ter mais e melhor, e acreditaram que conseguiriam lá chegar. Tudo mudou, ou começou a mudar para eles quando começaram a acreditar neles próprios.

Sylvester Stallone é hoje um actor mundialmente famoso, e um excelente argumentista que quase ninguém conhece.

Joe Vitale é um génio do marketing e um autor de best sellers de nível mundial.

Brian Tracy é uma das principais figuras mundiais no que se trata de dar treino a quem quer ter sucesso na vida. Em qualquer área da sua vida, mas mais especificamente na sua vida financeira.

Michael Beckwith criou uma igreja chamada Agape, na qual ensina os princípios espirituais que levam qualquer ser humano a ser feliz e ter paz interior.

Tony Robbins já trabalhou com milhões de pessoas por todo o mundo, e é um dos melhores peritos do mundo em comportamento humano e desenvolvimento pessoal. Já trabalhou com atletas de alta competição, políticos, celebridades, etc.

Sean Stephenson já trabalhou com o presidente Clinton, tem sucesso com o sexo oposto (muito mais sucesso do que 99% dos homens, que felizmente nascem com um corpo normal, imaginam ser possível ter) e fala em universidades para motivar e orientar jovens na sua vida pessoal e universitária.

E tu podes ser a próxima história de sucesso. Todos estes autores envolveram-se com o mundo do desenvolvimento pessoal antes de começarem a ter sucesso e a terem a vida que desejavam. Todos eles tiveram mentores e as suas inspirações. E tu podes alcançar o mesmo tipo de felicidade que eles, pois é feito do mesmo que eles: és um ser humano.


Perguntas / Ajuda (adiciona no MSN para fazeres parte da mailing list):
CoolVibesClub@hotmail.com



Uma vida espectacular está à tua espera.
Pedro Constantino

1 comentário:

mB disse...

Espaço para uma palestra? Que tal na rua, numa praça ou entao num café? depende das pessoas.. No entanto sugiro aqui que se realmente houver muita gente interessada, todos contribuiriamos para alugar uma sala, o que não é muito caro, (depende obviamente do tamanho).