AMOR

"Ensina só Amor, pois é isso que tu és"

quarta-feira, 26 de dezembro de 2007

"Os Teus Objectivos para 2008"

Obrigado por leres o meu blog.

Obrigado por falares dele aos teus amigos e amigas.

Obrigado pela tua ajuda e apoio.

Obrigado pelo teu comentário, mensagem e email.

Obrigado pela tua pergunta, dúvida e pedido de ajuda.

Obrigado pela tua crítica destruidora de universos.

Obrigado pelo teu interesse e por dares atenção ao Cool Vibes.

Obrigado pelo teu tempo e energia.

Sem dúvida que o meu ano de 2007 foi espectacular. Muita coisa mudou para melhor... mas é apenas o início. E se muita coisa mudou em mim e na minha vida, não foi porque fiquei sentado à espera que mudasse... mas sim pois assumi a responsabilidade pela minha vida e procurei soluções para alcançar o que desejava.

Defini objectivos claros e dediquei-me a eles.

E defini 12 deles à meia-noite de 31 de Dezembro de 2007.

Mas achas mesmo que uma pessoa vai conseguir obter o que deseja na vida fazendo os seus desejos apenas UMA VEZ POR ANO?!

Claro que não.

Fazer os 12 desejos à meia-noite é uma tradição... por alguma razão. Mas só os fazer nessa data é insuficiente.

E muitas vezes desejar é pedir através de uma emoção negativa, através da emoção do “não tenho... e quero/preciso tanto”. Assim não resulta.

Vamos então mudar um pouco a tradição... oh yeah!

Em vez de pedires 12 desejos, vais definir 12 OBJECTIVOS. Porque um objectivo não é uma expressão de algo que não tens, mas sim a expressão de algo que vais alcançar. Quando defines um objectivo estás a fazer um contrato contigo próprio: eu vou-me dedicar a isto e vou alcançar isto. Sem acção nada se cria, nada se obtem, nada se alcança.

E em vez de segundos antes da meia-noite começares a pensar “Mas o que raio é que eu vou pedir?”, define-os já, com antecedência, consciência e intenção. Pois é através desses 12 objectivos que vais CRIAR a tua vida.

E mais... não vais definir esses 12 objectivos apenas na noite de passagem de ano. Vais fazê-lo TODOS OS DIAS. Pois a nossa mente é uma ferramenta. É uma caçadora de soluções. E quanto mais pensas em algo, mais coisas relacionadas com esse algo a tua mente irá descobrir. Logo quanto mais pensares nos teus objectivos mais facilmente a tua mente irá chegar a soluções para os alcançar.

Cria o hábito de escreveres os teus objectivos todos os dias. São 15 minutos de investimento... e é assim que irás conseguir criar a vida que desejas.

Vai buscar uma folha de papel e uma caneta.

Agora escreve os teus 12 objectivos para 2008.

LOADING...
...
.....
.........
.............
..................

Já está? Fixe.

Lê-os em voz alta, e enquanto os lês em voz alta, imagina-te a alcançá-los. Imagina-te já com aquilo que queres ter. E sente-te como se já tivesses alcançado cada um dos objectivos.

Agora lê a lista novamente e escolhe aquele que é para ti o objectivo mais importante. Qual é aquele objectivo que uma vez alcançado irá fazer mais diferença na tua vida, e trazer-te mais satisfação e prazer? É esse que deves escolher.

A seguir vira a folha ao contrário e escreve-o no topo. Depois escreve tudo aquilo que te lembres que necessitas de começar JÁ a fazer para o alcançares. Não te preocupes se só sabes uma ou duas coisas, as outras todas virão naturalmente se te concentrares diariamente no objectivo.

Agora faz o mesmo para todos os outros objectivos. E depois põe em acção aquilo que escreveste para o mais importante.

Esta prática diária vai-te pôr a agir em função dos teus objectivos, e quando deres por ti já os alcançaste. Não é magia, simplesmente procuras conscientemente e intencionalmente como os alcançar, e aplicas as soluções que vais encontrando.

Sê paciente e disciplinado. Alguns são mais rápidos e mais simples, mas outros certamente serão mais difíceis e demorados. Lembra-te que são as decisões mais difíceis que te irão trazer as maiores e melhores mudanças, e não as decisões mais fáceis.

Não arranjes truques para conseguires sobreviver à insatisfação. Descobre soluções para criares satisfação.

Bom Ano e força nesses objectivos!


PERGUNTAS / MSN – MAILING LIST (adiciona)
COOLVIBESCLUB@HOTMAIL.COM



Tudo é possível, tudo tem uma solução.
Pedro Constantino

segunda-feira, 17 de dezembro de 2007

"A Importância do Desenvolvimento Pessoal"

Hey, obrigado pela tua opinião. Mais de 100 pessoas escolheram “Oh yeah!!” demonstrando assim o seu interesse em assistir, de GRAÇA, a uma palestra do Cool Vibes. Isso vai acontecer, agora só falta encontrar um local onde o possa fazer. Se estás a ler isto e conheces um local, em Lisboa, onde eu possa fazer a palestra, manda-me uma mensagem para CoolVibesClub@hotmail.com. Obrigado.

Agora passando para o tema do post.

Sem o conhecimento que o mundo do desenvolvimento pessoal tem para oferecer, muito dificilmente a vida de uma pessoa poderá mudar e melhorar. No mundo contemporâneo, a grande maioria da informação que vem ter connosco não traz soluções, apenas descrições de problemas ou é uma mera distracção da realidade.

Isto quer dizer que somos todos uns coitados e que precisamos do desenvolvimento pessoal? Não. Isto não se trata de precisar, mas sim de BENEFICIAR. Seja como for a sua vida, tenha ela o que tiver, uma pessoa tem sempre a beneficiar com o desenvolvimento pessoal. Os grandes mentores desta área de conhecimento continuam a aprender... há sempre mais para evoluir, há sempre mais para melhorar. É um caminho, não um destino.

A escola e a faculdade são duas instituições extremamente importantes, mas infelizmente prestam um serviço muito incompleto. Quantas pessoas não acabam o seu curso superior com uma média excelente e depois nunca têm a vida que desejam? Na escola aprende-se todo o tipo de informação menos aquela que nos ensina a viver e a criar a vida, a felicidade e o sucesso que queremos ter. Aprende-se a ler e a escrever, a fazer contas, aprende-se sobre autores literários, complexas equações, ciência, física, química, geografia, história, arte, geometria, etc... a nossa cabeça fica cheia, mas a nossa vida vazia. Este conhecimento tem a sua utilidade e importância claro, mas na escola não se aprende porque é que certas pessoas têm sucesso e outras não. Porque é que certas pessoas são felizes e outras não. Porque é que certas pessoas andam sempre com um sorriso na cara e outras não. Porque é que certas pessoas têm uma relação íntima espectacular e outras não. Porque é que certas pessoas têm uma vida fantástica cheia de prazeres e outras não. Porque é que certas pessoas alcançam a sua realização pessoal e outras não. E muito menos se aprende como alcançar essas coisas todas. A escola e a faculdade ensinam e treinam o ser humano para este mais tarde ser bom a sentar-se atrás de uma secretária e fazer o que lhe mandam, mas não o ensina como criar liberdade financeira criando o seu próprio negócio rentável ou como ser naturalmente atraente para o sexo oposto. E estas são duas necessidades naturais que todos os seres humanos têm. Desde a minha 1ª classe até ao final do meu 5º ano do curso passaram-se 17 anos. 17 anos, 5 dias por semana, a ouvir professores, fazer trabalhos, estudar, etc... e nunca aprendi nada que me ajudasse a mudar e a melhorar a minha vida. Tive de me aventurar no desconhecido e acreditar que a solução existia, mesmo quando tudo à minha volta me dizia e provava que não existia...

O mundo do entretenimento também não te vai ajudar lá muito. O seu objectivo não é dar-te soluções, mas sim distrair-te da vida que tens ou então falar de uma forma criativa e diferente sobre os problemas que existem no mundo. Cinema, música, teatro, desporto, artes-plásticas, literatura, banda-desenhada, séries televisivas, telenovelas, jogos de computador, etc, não têm mal nenhum, e muitos deles até te podem tornar numa pessoa interessante, a questão é que se intencionalmente decides distrair a cabeça, ou seja, distraires-te da realidade e da vida que tens, quem é que fica a tomar conta dela? Quem é que a controla e cria? Ninguém... ela fica em piloto-automático, completamente deixada ao acaso como se fosse um sorteio do Euromilhões. Aí sim, os conceitos de sorte e azar têm poder, pois vive-se sem intenção. Não se tomam decisões conscientes para se chegar a algo, não se procuram soluções, simplesmente pensa-se “A minha vida não me satisfaz, vou mas é fazer algo que não me faça pensar nela...”, e o que acontece a seguir é que ela piora cada vez mais pois não há uma dedicação consciente e intencional para a mudar.

A televisão e o telejornal são os piores de todos. São sem dúvida um serviço útil e importante, mas os seus conteúdos não. Qualquer pessoa já sabe o que vai dar num telejornal: alguém morreu, alguém foi atropelado, alguém foi enganado ou roubado, há uma guerra aqui, há violência ali, o preço disto subiu, a qualidade daquilo desceu, esta pessoa foi presa, aquela continua à solta, este banco foi assaltado, aquele só tem 3 pernas... e há mais! Muitas mais coisas espectaculares: incêncios, doenças, negligência médica, crime, tráfico de droga, terrorismo, cuidado com isto, afasta-te daquilo, não faças isto, o casal de velhotes que vive numa aldeia que só tem 3 casas feitas em pedra e que têm de percorrer 5Km para irem buscar água a um poço... crianças desaparecidas... hum, deixa cá ver, acho que já estou a esgotar os temas... mas tenho a certeza que te deves lembrar de mais uns quantos =)

Ah! Já sei! As vidas disfuncionais de alguns famosos!! =D

Espectacular... eu vou já comprar os DVDs todos dos telejornais. A questão aqui não é se essas notícias são verdade ou mentira, é se são úteis ou inúteis para a vida de quem está a olhar para a TV. Fornecem soluções? Hey, não é preciso ser-se um génio para perceber que não. A única coisa que fazem é tornar as pessoas NEGATIVAS, INSEGURAS e a acreditar que o mundo é um local perigoso, que isto tudo é o apocalipse, que só vai é piorar, que vamos todos morrer da pior forma possível, etc, etc, etc... completamente inútil. De vez em quando, e felizmente, lá vem uma notícia mais positiva, mas é insuficiente.

Porque é que saber quantas pessoas morreram na estrada é importante, e saber quantas pessoas nasceram hoje na maternidade x não é?

Porque é que saber quantas pessoas não têm emprego é importante, e saber quantas conseguiram hoje o seu 1º emprego não é?

Porque é que saber histórias de vidas miseráveis é importante, e saber sobre histórias de pessoas com sucesso não é?

O que é mais útil? Saber sobre problemas e ter uma influência negativa, ou saber sobre soluções que podes usar na tua vida e ter uma influência positiva?

Problemas ou soluções?

Isto torna as pessoas tão negativas, insatisfeitas e revoltadas com tudo, que sempre que aparece alguém na TV que tenha uma vida boa, seja feliz ou tenha sucesso, é logo criticado em vez de ser visto como alguém com quem se pode aprender como ter uma vida boa, ser-se feliz ou ter sucesso.

Os amigos também não garantem nada. Se eles tiverem uma vida que não os satisfaz, se só tiverem conversas negativas, se forem inseguros, se a sua preocupação for sobreviver e não seguir as suas paixões e se tiverem uma vida amorosa miserável, então deles nunca virá uma solução que te ajude a melhorar a tua vida. Se eles a tivessem a sua vida seria diferente, e não a fonte de insatisfação e problemas sobre a qual eles te falam. Eles podem ter bom coração, e têm todos valor, mas se queres mudar e melhorar a tua vida tens de procurar a solução noutro lado.

A nossa experiência de vida também não garante nada. Pois a nossa experiência de vida não representa todas as possibilidades, apenas aquelas com que nos deparámos ao longo do tempo. Uma pessoa pobre de 60 anos pode ter muita experiência de vida: ter lidado com muitos problemas, com muitas pessoas medíocres e ter de, ao longo da sua vida, passar por momentos muito difíceis. “Hey, mas esta pessoa é uma mina de experiência de vida!”. Pois é, mas apesar de desejar ser rica continua pobre...

Uma pessoa de 40 anos insatisfeita com a sua vida amorosa pode ter muita experiência de vida: viajou pelo mundo, teve vários empregos, já lidou com muitos tipos diferentes de pessoas, passou por momentos muito difíceis de dor, etc. “Hey, mas esta pessoa também é uma mina de experiência de vida!!”. Pois é, mas apesar de desejar ter uma vida amorosa de qualidade continua insatisfeita com a que tem...

Tempo de vida e quantidade de experiências não igualam realização pessoal. Por esta simples razão: experiência de vida é passar por coisas aleatórias vindas do exterior, ter aprendido com elas, e saber como lidar com essas mesmas coisas vindas do exterior. Só que a nossa vida não é criada através do exterior, mas sim do nosso interior. E há coisas que os nossos olhos não conseguem ver, e coisas que a nossa mente sozinha não consegue imaginar, compreender ou racionalizar.

A solução está noutro lado...

Pois essa pessoa de 40 anos, imaginemos que é um homem, até já pode ao longo da sua vida ter estado na cama com centenas de mulheres diferentes. Até já pode ter tido dezenas de relações íntimas com aquelas de quem gostou mais... mas a verdade é que continua insatisfeito com a sua vida amorosa. “Então mas... espera lá! Ele conheceu centenas de mulheres, tem muita experiência com mulheres e relações, e não está satisfeito com a sua vida amorosa?! Isso não faz sentido nenhum!! Ele tem uma vida amorosa espectacular, ele não dá hipótese, atrai-as todas!”. Pois é, mas ele continua a sentir um vazio na sua vida, pois nenhuma mulher fica durante muito tempo, nem nenhuma o faz sentir-se realizado como homem. Ele continua sem ter esta parte da sua vida resolvida pois nela ainda não existe nada de constante e positivo. Ele não percebe porque é que não encontra uma mulher que o satisfaça... e por isso ele acredita que as mulheres são uma espécie de ser incompleto e insatisfatório, com quem é impossível ter uma relação íntima de qualidade que dure mais de uns meses. Esta é a sua experiência de vida com o sexo oposto. Até que um dia, no final da sua vida, ele decide ir à internet. E nessa breve aventura online ele encontra um blog ou site, no qual um jovem de vinte e poucos anos - sem a espectacular e enorme experiência de vida do homem de 40 anos – que sabe, usa, obtém resultados com, e partilha a informação que teria resolvido a vida amorosa deste homem de 40 anos. E ao ler o blog ou site ele pensa “Não é possível...!! Ele nem metade da minha idade tem, ele não pode saber como as coisas são pois não tem a experiência!”.

O que a experiência de vida nunca ensinou a este homem de 40 anos é que é o seu interior que define como é a sua vida. Compreender o exterior ajuda, e quantas mais experiências tivermos na vida com mais situações exteriores saberemos lidar. A questão é que isso é completamente independente da relação que temos com nós próprios. A nossa vida é criada de dentro para fora, não de fora para dentro. E os olhos não conseguem ver isto... e a mente humana não consegue compreender isto através do que lhe chega do exterior. E 40 anos de experiências negativas, problemas e insatisfação não ensina ninguém a evoluir, mudar e melhorar a sua vida, apenas a aguentar levar com coisas medícres na vida, e a sobreviver a elas.

Eu prefiro conversar com um miúdo de 16 anos que segue as suas paixões, que se desafia e que procura soluções para o que deseja ter na vida, do que com um homem de 50 anos, cheio de experiência de vida, que é negativo, inseguro e que só se sabe é queixar-se da vida que tem e do que lhe acontece. Pois o miúdo de 16 anos tem a atitude que o vai levar longe na vida, e é uma boa influência pois cria emoções positivas e motiva quem convive com ele. E o homem de 50 anos, que fez muito, passou por muito, lidou com muito, etc, só tem uma colecção de histórias sobre como as coisas são difíceis, como as pessoas são más, como ninguém lhe liga, como o mundo é um inferno, como tudo são problemas e não podemos fazer nada, etc, e é assim uma pessoa encravada na vida, insatisfeita, e uma má influência pois cria emoções negativas em quem convive com ele, e puxa para baixo essas pessoas.

O miúdo terá a porta aberta e fará parte da minha vida. O homem de 50 anos, com todo o respeito, não.

Voltando ao homem de 40 anos... muito provavelmente o seu problema era ser negativo, e como o ser humano apenas atrai para a sua vida aquilo que projecta, ou seja, quem é semelhante a si, ele só atraiu mulheres negativas que depois o aborreciam. Os seus olhos nunca poderiam ter visto isto, e a sua mente nunca poderia ter chegado a esta conclusão sozinha. A solução passava por ele se tornar positivo, e para isso teria de desenvolver auto-estima e largar o ego. Muito provavelmente ele também não sabia porque é que as mulheres se sentiam inicialmente tão atraídas por ele... ele só as via a demonstrar interesse em si, mas não compreendia porquê nem sabia verbalizar porquê.

Pois os olhos também não conseguem ver isso... e a mente não o consegue compreender sozinha.

Como é que alguém pode compreender e usar com sucesso a Lei da Atracção quando os seus olhos não conseguem ver que todos nós, e tudo o que nos rodeia é feito de energia? Não pode. Pois só com um poderoso microscópio é que se consegue ver isso. Portanto seria impossível essa pessoa, mesmo que tivesse 1000 anos e muita experiência de vida, saber que a Lei da Atracção existe, e muito menos usá-la para mudar e melhorar a sua vida. Este tipo de coisas só se aprende explorando o mundo do desenvolvimento pessoal.

A fonte de tudo o que nos acontece na vida está na qualidade da relação que temos com nós próprios. Essa relação é invisível e não é lógica... mas sim emocional. Que tipo de conversa é que tens contigo próprio? E eu não estou a dizer que falas sozinho... estou a referir-me aquelas coisas em que pensas ao longo do dia. Que emoções crias em ti próprio regularmente? Positivas ou negativas? Falas a ti próprio de soluções, momentos de prazer e satisfação ou em problemas e dor? Já reparaste que não consegues dizer uma piada e fazer alguém rir quando estás chateado ou triste? Já pensaste que fazer rir é criar uma emoção positiva num ser humano? Não fará sentido que uma pessoa que esteja a maior parte do tempo chateada ou triste não seja uma companhia agradável nem alguém cuja companhia seja procurada e desejada? E se essa pessoa está na maior parte do tempo chateada e triste, não fará sentido que ela depois quando surja um problema não o consiga resolver devidamente e fique ainda pior pois fica a pensar nesse problema constantemente?

Infelizmente faz, mas essa pessoa não precisa de viver assim. No mundo do desenvolvimento pessoal estão as soluções para ela mudar e não só passar a ser uma companhia desejada como também alguém que pensa apenas em problemas para os resolver, e faz o que é preciso para os resolver. E uma vez resolvidos não pensa mais neles... concentra-se novamente nas suas paixões e em criar a vida que deseja ter.

O mundo está cheio de decisões fáceis. Mas vidas de qualidade não são criadas através de decisões fáceis. Todas as histórias de sucesso têm um início difícil e em todas existe mudança e evolução. E para existir essa mudança e evolução foi necessário tomar-se decisões difíceis, pois as fáceis deixam sempre tudo na mesma: os mesmos amigos, as mesmas actividades, os mesmos pensamentos, os mesmos hábitos, o mesmo emprego, o mesmo parceiro, as mesmas conversas, etc.

Sylvester Stallone chegou a ter de vender o próprio cão para não morrer à fome.

Joe Vitale chegou a ser um sem abrigo.

Brian Tracy trabalhava na construção civil e dormia no seu carro. Por vezes, e por falta de dinheiro, chegou mesmo a viver nele.

Michael Beckwith chegou a ser um traficante de droga.

Tony Robbins era pobre e foi abandonado pelo pai.

Sean Stephenson nasceu com uma grave doença nos ossos, quebrou-os mais de 200 vezes, tem metade da altura de um ser humano normal e vive numa cadeira de rodas.

E a lista é interminável.

Todos os mentores de desenvolvimento pessoal, de uma forma ou de outra, saíram de um buraco de dor, insatisfação e frustração. Pois todos eles acreditaram a certa altura das suas vidas que existia mais no mundo do que aquele buraco em que viviam. Acreditaram que era possível ter mais e melhor, e acreditaram que conseguiriam lá chegar. Tudo mudou, ou começou a mudar para eles quando começaram a acreditar neles próprios.

Sylvester Stallone é hoje um actor mundialmente famoso, e um excelente argumentista que quase ninguém conhece.

Joe Vitale é um génio do marketing e um autor de best sellers de nível mundial.

Brian Tracy é uma das principais figuras mundiais no que se trata de dar treino a quem quer ter sucesso na vida. Em qualquer área da sua vida, mas mais especificamente na sua vida financeira.

Michael Beckwith criou uma igreja chamada Agape, na qual ensina os princípios espirituais que levam qualquer ser humano a ser feliz e ter paz interior.

Tony Robbins já trabalhou com milhões de pessoas por todo o mundo, e é um dos melhores peritos do mundo em comportamento humano e desenvolvimento pessoal. Já trabalhou com atletas de alta competição, políticos, celebridades, etc.

Sean Stephenson já trabalhou com o presidente Clinton, tem sucesso com o sexo oposto (muito mais sucesso do que 99% dos homens, que felizmente nascem com um corpo normal, imaginam ser possível ter) e fala em universidades para motivar e orientar jovens na sua vida pessoal e universitária.

E tu podes ser a próxima história de sucesso. Todos estes autores envolveram-se com o mundo do desenvolvimento pessoal antes de começarem a ter sucesso e a terem a vida que desejavam. Todos eles tiveram mentores e as suas inspirações. E tu podes alcançar o mesmo tipo de felicidade que eles, pois é feito do mesmo que eles: és um ser humano.


Perguntas / Ajuda (adiciona no MSN para fazeres parte da mailing list):
CoolVibesClub@hotmail.com



Uma vida espectacular está à tua espera.
Pedro Constantino

terça-feira, 11 de dezembro de 2007

"Livros a Ler (e a Oferecer Neste Natal)"

Existem vários autores e trabalhos excelentes no mundo do desenvolvimento pessoal. E qualquer um deles serve para começares. Saber apenas não chega. Para evoluires, mudares e melhorares a tua vida tens mesmo de agir. Mas sem dúvida que o primeiro passo é saber, compreender, ter consciência, estudar, etc. Depois é necessário aplicar o conhecimento diariamente, praticar, fazer exercícios, criar novos hábitos, tomar decisões, etc. Estuda e aplica, e a tua vida vai mudar de certeza.

Esta é uma lista de 7 livros de desenvolvimento pessoal que não só são óptimos para leres e releres e releres... mas também boas sugestões de prendas para este Natal.

Hey, se não sabes o que oferecer a alguém, seja quem essa pessoa for, oferece-lhe um destes livros. A maioria deles estão à venda na FNAC a preços acessíveis.

Procura ler 1 livro destes por mês e aplicar os seus conteúdos, e eu garanto-te que a tua vida vai mudar para melhor... de certeza.

Uma vida espectacular... hey, nada mau como prenda de Natal =)


7 livros a ler e oferecer neste Natal:

TRANSFORMAÇÃO PESSOAL
De John DeMartini

O PODER SEM LIMITES
De Anthony Robbins

SPIRITUAL MARKETING
De Joe Vitale

OS SETE PRINCÍPIOS DA REALIZAÇÃO PESSOAL
De Deepak Chopra

THINK AND GROW RICH
De Napoleon Hill

O PODER DO AGORA
De Eckhart Tolle

THE SECRET
De Rhonda Byrne


Todos estes livros e todos estes autores já mudaram milhares e milhares de vidas por todo o mundo. E a próxima será a tua...


PERGUNTAS / MSN – MAILING LIST (adiciona)
COOLVIBESCLUB@HOTMAIL.COM



Começa hoje.
Pedro Constantino

sexta-feira, 7 de dezembro de 2007

"O Que Querem as Mulheres?"

Não há duas pessoas iguais, é verdade. Pelo menos a um nível superficial. Todos nós temos vidas diferentes e os factos das nossas vidas são diferentes... mas todos nós funcionamos da mesma maneira. Somos seres humanos, e todos nós temos um corpo, uma mente e consciência. Cada uma dessas partes funciona da mesma forma em todos nós, e a origem das nossas decisões é a mesma: emoções.

Tanto nos homens como nas mulheres o que define o tipo de decisões que temos são as emoções que sentimos no momento. Na mesma situação duas pessoas podem saber exactamente o que fazer, mas a pessoa confiante vai tomar uma decisão e a pessoa insegura vai tomar outra. Uma vai avançar e a outra recuar.

Então, o que querem as mulheres? Será possível chegar a uma conclusão real, verdadeira e útil? Oh yeah =)

Não há duas mulheres iguais, superficialmente. Mas assim como todos os homens, todas as mulheres funcionam da mesma forma. As suas vidas são diferentes, vivem em sítios diferentes, vestem roupas diferentes, gostam de cores diferentes, têm carros diferentes, têm empregos diferentes, falam de temas diferentes, têm paixões diferentes, gostam de músicas diferentes, de filmes diferentes, de artistas diferentes, etc. Mas todas essas coisas são definidas pela personalidade que têm. Só existem 3 tipos de pessoas no mundo: as de baixa auto-estima, as que funcionam através do sistema operativo do ego (SOE) e as de auto-estima. Porquê? Porque é a relação que temos com nós próprios que define a vida que temos. A nossa vida é uma projecção da nossa personalidade. Existem variantes dentro de cada tipo de pessoa, mas as pessoas de baixa auto-estima sentem-se mal constantemente, têm problemas, não conseguem criar o que desejam ter na vida pois falta-lhes confiança (ver post “Zona de Conforto”), não gostam de si próprias e por isso não se tratam bem, têm pensamentos negativos em relação a elas próprias e à vida, são ciumentas, estão constantemente a ter desgostos amorosos, a serem magoadas e enganadas, traídas, são carentes, dependentes, inseguras, etc. Basicamente, e apesar de até poderem ser boas pessoas e terem um bom coração, têm uma vida que não as satisfaz pois têm uma má relação com elas próprias: não gostam de si próprias.

As pessoas do SOE procuram obter do exterior o maior número de opiniões/reacções positivas para se sentirem bem. O seu estado emocional e a sua identidade é completamente definida pelo exterior. Elas são pessoas de baixa auto-estima, só que funcionam através do seu ego para obter a validação que não conseguem dar a si próprias. Para obterem essa validação essas pessoas fazem coisas como manipular, mentir, enganar, discutir, roubar, inferiorizar, matar, competir, comparar-se, criticar, julgar, gabar-se, etc. Nem todas são más, mas o ego é o que faz um ser humano prejudicar outro ser humano.

E depois há as pessoas que têm auto-estima. Estas pessoas gostam de si próprias, respeitam-se, têm compaixão por si próprias, aceitam apenas o melhor para si próprias, e isto independentemente da sua aparência física, do dinheiro que têm, da casa que têm, daquilo que os outros lhes dizem ou fazem, etc. Ter auto-estima é uma decisão que é independente do exterior, é apenas interior. Estas pessoas não fazem as coisas para os outros verem ou saberem que elas fazem e não têm as coisas para os outros verem ou saberem. Elas seguem as suas paixões para se sentirem bem e criam a sua vida para terem paz interior e um bem estar constante. Se os outros sabem ou não o que elas fazem ou têm é irrelevante, elas podem dedicar-se a algo espectacular e nunca ninguém saber. Pois elas apenas querem-se sentir bem e ter prazer, não provar algo ao mundo ou tentar obter a sua validação.

Isto está muito resumido, mas já dá para ter uma ideia. Portanto existem 3 tipos de pessoas, logo existem 3 tipos de homens e 3 tipos de mulheres. Cada tipo de mulher quer uma coisa diferente, um tipo de homem diferente, e é disso que eu agora vou falar.

1. Mulher de baixa auto-estima:
Este tipo de mulher sente um vazio e acredita que é um homem que o vai preencher e ser a solução para todos os seus problemas na vida e a sua felicidade total. O que é um erro. Pois esse vazio só pode ser preenchido por ela própria, quando ela tomar a decisão de gostar de si própria e aceitar-se como é independentemente do corpo, vida, saúde e dinheiro que tem. O sonho deste tipo de mulher é ter sempre um homem a seu lado, 24h por dia, a elogiá-la e a dizer-lhe o quanto a ama – o que é o mesmo que a estar constantemente a validar e a explicar que ela tem valor e qualidade, ou seja, o que ela deveria fazer a si própria. Ela quer-se casar o mais rapidamente possível para poder prender o homem a si. Ela ouve falar de independência e pensa logo em egoísmo e coração fechado. Não consegue compreender esse conceito. Ela geralmente é uma pessoa triste. Tem os seus momentos de alegria claro, e ainda bem, mas a maior parte do tempo está em baixo, pois os pensamentos que tem constantemente em relação a ela própria, ao que a rodeia e à vida são negativos. Raramente uma mulher de baixa auto-estima tem sentido de humor, é impossível ter sentido de humor quando aquilo que se sente constantemente é mau, deixa-nos mal dispostos, tristes, aborrecidos e até chateados, irritados ou frustrados. Esta mulher quer portanto um homem como ela: de baixa auto-estima. Um homem que seja dependente, carente e que esteja sempre disposto a desrespeitar-se por ela e a tratar-se mal prejudicando-se para satisfazer as carências, dependências e inseguranças da mulher. Um homem que deixe de fazer o que gosta e lhe dá prazer na vida para estar sempre com ela. Um homem que deixe de ter amigos e amigas para estar sempre com ela. Um homem que deixe de ter vida própria para poder entrar dentro dela e assim encher o vazio que ela sente. A relação é possível pois eles são compatíveis, só que nunca será lá grande coisa. Este tipo de mulher é muito inseguro. Se ele telefona 5 minutos mais tarde ela já o está a imaginar a divertir-se com 2 playmates, fica irritada, ele telefona mais tarde pois tinha ficado sem bateria, ela não quer saber e começa uma discussão desnecessária. Ele chega mais tarde a casa e é o mesmo, ou pior. Ele não pode ir sair com os amigos pois na mente dela isso é o mesmo que traição. As conversas são sempre à volta de problemas e preocupações, o futuro é sempre negro e a vida é um apocalipse constante no qual todos os outros são egoístas, pobres, doentes, vigaristas, criminosos, etc, à excepção deles os 2, das suas famílias e amigos. Este tipo de mulher quase que quer um homem virgem que não tenha experiência nenhuma com mulheres para que ela seja a sua única opção e assim nunca o perder. Só que por vezes vem um homem masculino, por vezes também mais interessante, e ela “sem saber como”, trai ou chega mesmo a deixar o pateta que a ama e que sempre fez tudo por ela. Óbvio que nem todas as mulheres de baixa auto-estima fazem isto, mas porque o tipo de homem que querem não é naturalmente atraente, quando surge um que é, elas sentem-se atraídas, e se ele não tiver maturidade (e ela for bonita) vai levar as coisas até ao sexo e ela vai pensar que foi ao paraíso e voltou, pois sentiu prazeres que o “homem da sua vida” não a sabe nem a consegue fazer sentir. Atracção não tem a ver com lógica, bondade ou sacrifícios, mas sim com qualidades que ou se têm ou não se têm, mas que qualquer pessoa pode começar a desenvolver quando quiser. Este é o tipo de mulher que se mantém numa relação com um homem que a trata mal, pois ela não se respeita nem aceita apenas o melhor para si própria. Sente-se atraída por ele porque ele é masculino (apesar de não ter maturidade e é por isso que a trata mal) e confunde essa atracção com gostar dele e ele gostar dela. Portanto a mulher de baixa auto-estima quer um homem de baixa auto-estima, bondoso, simpático, disposto a deixar tudo por ela e a sacrificar-se por ela, etc, pois ambos não gostam de si próprios, não se respeitam nem tratam bem e precisam de alguém para preencherem o vazio que sentem, são inseguros, negativos, carentes e dependentes.

2. Mulher que funciona através do Sistema Operativo do Ego:
Este tipo de mulher quer apenas homens fisicamente atraentes, ricos, famosos, com outras mulheres interessadas neles e que se façam de difícil. Ela não quer partilhar nada com ninguém, quer apenas obter algo dos homens. Ela é uma mulher de baixa auto-estima que chegou à conclusão de que, se não partilhar nada com ninguém, se tiver o seu coração fechado, não se vai magoar, e se manipular os homens para obter a sua validação, vai-se sentir bem e poderosa, e assim vai ser feliz. Este é o tipo de mulher que só se entrega a um homem se sentir que ele tem o ego mais alimentado que o dela. Este é o tipo de mulher que veste roupas e se arranja apenas para dar nas vistas e conseguir obter validação do maior número possível de homens. Obter bebidas, flores, chocolates, todo o tipo de prendas, favores e elogios, jantares e espectáculos à borla, etc. Ela ouve falar em amor, compaixão e partilha e pensa logo em fraqueza, carência e dependência. Ela não consegue compreender estes conceitos. O único tipo de homem que consegue obter algo dela são os manipuladores, ou seja, os homens que funcionam através do sistema operativo do ego. Eles sabem que se não lhe alimentarem logo o ego como todos os outros, e se até a inferiorizarem sem serem ofensivos, conseguem obter validação dela através de sexo, um beijo ou ficar com o seu contacto. Para elas só tem valor quem tem o ego alimentado, elas não compreendem o conceito de auto-estima, nem que todos os seres humanos têm valor. Ela usa todo o tipo de truques e técnicas para obter algo dos homens e alimentar o ego. Este é o tipo de mulher que trai, mente, engana, manipula, cria intrigas, rouba, faz-se de difícil, é demasiado provocante, etc. Nem todas fazem este tipo negativo de coisas, nem todas estão no extremo negativo, mas todas elas fazem coisas com a intenção de obter validação dos homens e de alimentar o ego (ver post “O Badboy e a Bitch” e “Sistema Operativo do Ego”). Portanto este tipo de mulher quer um homem manipulador que funcione através do ego e que tenha o ego mais alimentado que o dela (dinheiro, fama, outras mulheres interessadas, fazer-se de difícil para parecer desinteressado e assim inferiorizá-la e fazê-la andar atrás dele, etc).

A maioria das mulheres vive entre estes dois tipos, pois a origem é a mesma: baixa auto-estima. Ora estão um pouco em baixo, ora estão mais alegres. A baixa auto-estima ataca-as constantemente pois está com elas todos os segundos da sua vida, mas de vez em quando vem algo positivo do exterior, que por vezes até dura bastante tempo, e elas animam-se, quase parecendo ter auto-estima. Só que o exterior é aleatório, e de repente lá vem algo negativo, e quando elas olham para dentro em busca de força, encontram mais coisas negativas. A maioria das mulheres (e dos homens também) vive nesta dança constante e aleatória de emoções boas e más, como se fosse uma montanha-russa cheia de altos e baixos fora do seu controlo, na qual nunca conseguem ficar constantemente, ou pelo menos a maior parte do tempo, lá em cima.

Mas existe um 3º tipo de mulher...

3. A mulher que tem auto-estima:
Esta mulher gosta de si própria, decidiu aceitar-se tal como é e apreciar o que de melhor tem. Ela respeita-se e trata-se bem. Ela apenas aceita o melhor para si. Ela é selectiva e sente-se bem constantemente. Mesmo que venha algo de muito negativo do exterior, como um problema grave, ela não se vai abaixo, pois ao procurar forças dentro de si ela encontra-as, pois adora-se. Ela é positiva e segue as suas paixões. Ela é feminina e sensual, não meramente de aparência, mas na forma como funciona na vida e se apresenta ao mundo. Ela não sente a tristeza e carência constante da mulher de baixa auto-estima, nem manipula para obter validação dos homens como a mulher escrava do ego. Ela não vive desesperada por um homem, mas ela quer um homem de qualidade com o qual possa ter intimidade. Ela quer render-se aos prazeres do masculino... mas ela é paciente. A sua auto-estima permite-lhe ser selectiva e saber esperar. Ela não permite que um homem lhe estrague a vida de satisfação que ela criou... logo não se entrega a qualquer um. Ela aprendeu a analisar as decisões de um homem para perceber se a longo prazo ele será um parceiro de qualidade ou se só lhe trará problemas e más emoções. Para ela títulos não significam nada, ela sabe que é a personalidade que define um homem. Pois ele pode ser grande, forte e belo, mas se for inseguro jamais poderá servir a humanidade e atraí-la sexualmente, pois ele não é masculino. Ela não quer um homem dependente, pois ela não quer uma espécie de filho que precisa dela para se mover na vida, mas sim um homem independente, com força emocional, que a ajude a ultrapassar os seus problemas e inseguranças, que cuide dela e a oriente na vida. Pois o masculino e o feminino têm papéis diferentes na vida, mas igualmente importantes e valiosos. Um serve o outro, e assim reproduzem-se e a humanidade continua. Ela quer um homem de auto-estima que se respeite, que seja responsável e que seja honesto, pois só assim ela o poderá respeitar e confiar na sua liderança e decisões, pois ele tem maturidade. Ela quer um homem com sentido de humor, inteligente e com imaginação, pois ela sabe que se ele não tiver profundidade, se não for interessante, será apenas uma questão de tempo até a relação se tornar repetitiva e ela se aborrecer. E um homem sem paixões na vida, que não está a seguir o seu caminho na vida, é como o capitão de um barco que não sabe para onde ir, que não tem rumo, e que por isso vai condenar a sua tripulação a morrer na imensidão dos oceanos.

Se perguntares a uma mulher que tipo de homem ela quer, ela vai-te dar uma resposta sincera, mas geralmente errada. Uma coisa é a lógica da simpatia, da honestidade e do humor, mas não é só isso que a atrai num homem, o tema é bem mais profundo. E se uma mulher nunca tiver estudado estes temas da atracção, ela nunca te poderá dar uma resposta que realmente te ajude, mesmo que ela tenha a melhor das intenções em te dar a solução por que tanto anseias.

Portanto se és um homem de baixa auto-estima vais apenas atrair mulheres de baixa auto-estima, e terás um tipo de relação cujas bases são a carência e o sacrifício. Se te moves na vida através do ego, irás apenas atrair mulheres que se movem através do ego, e terás um tipo de relação cujas bases são o obter e o tirar algo aos outros. Se és um homem com auto-estima, irás atrair mulheres com auto-estima, e terás um tipo de relção cujas bases são a partilha e a intimidade.

Se és uma mulher, então agora já sabes porque é que estás sempre a levar com aquele tipo de homem que de início parece ser fixe, mas que a longo prazo revela-se sempre ser mais um que não te consegue fazer realizada como mulher. Todos nós atraímos aquilo que projectamos. E se queres atrair a longo prazo um homem de auto-estima, tens de ser primeiro uma mulher de auto-estima. E isso podes começar a desenvolver já. Assim como qualquer homem pode começar agora a evoluir para obter o tipo de mulher que deseja e com a qual terá uma relação de qualidade a longo prazo.

Na sua essência, todas as mulheres querem fazer parte de uma história de amor e viver uma aventura romântica... a questão é que nem todos os homens lhes conseguem dar isso. Mas podem começar hoje a evoluir para o conseguirem. Quantas mais boas emoções criares no teu dia-a-dia, melhor o mundo ficará. Passa a palavra.


PERGUNTAS:

COOLVIBESCLUB@HOTMAIL.COM


Tu és espectacular.
Pedro Constantino

segunda-feira, 3 de dezembro de 2007

"Mais Vídeos para te Inspirar, Motivar e Ajudar”

Hey, aqui tens mais 5 vídeos para veres e reveres cujos conteúdos são espectaculares. Se diariamente vires vídeos destes ou consumires de alguma forma informação vinda do mundo do desenvolvimento pessoal, eu garanto-te que a tua vida vai mudar. Pois apenas saber o que está mal no mundo e no nosso país só te irá deixar inseguro e fazer-te ter pensamentos negativos em relação a tudo, e até a ti próprio. Se queres andar para a frente com a tua vida, se queres mudar e melhorar a tua vida, se queres evoluir e finalmente obter aquilo que te faria feliz, tens de te rodear de histórias de sucesso, motivadoras, inspiradoras, estimulantes, positivas e sobre soluções. Rodeia-te de influências positivas e de soluções e terás uma vida positiva e soluções para o que queres alcançar ou obter.

Hey... e já agora responde à pergunta que está aqui à direita, é importante.



JOE VITALE




TONY ROBBINS (outra vez, porque é mesmo ESPECTACULAR)




LES BROWN




DAVID DEIDA





RICHARD ST. JOHN




Procura ver pelo menos 1 vídeo destes por dia… pelo menos 1. E procura mais como estes no YouTube. A tua vida nunca mais será a mesma com este tipo de influência positiva diária.


PERGUNTAS / MSN – MAILING LIST (adiciona)
COOLVIBESCLUB@HOTMAIL.COM



Tudo é possível, tudo tem uma solução.
Pedro Constantino