AMOR

"Ensina só Amor, pois é isso que tu és"

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

"Como Ser Mais Masculino e Atraente Para As Mulheres"

"Como Ser Mais Masculino e Atraente Para As Mulheres"


Pergunta de leitor:

"Olá Pedro. Como me posso tornar mais masculino? Reparo que atraio raparigas não muito femininas, o que pode querer dizer que eu também não sou lá muito masculino, certo? Quais são as qualidade que posso desenvolver? E como? (Agradecia que referisses exercícios práticos). Uma das coisas que aprendi recentemente foi a aumentar a vibração da minha voz, ter uma voz mais grossa, e neste momento estou a fazer exercícios bioenergéticos (alongamentos, aprender a respirar melhor) para me ajudar. Qual é a tua opinião nisso? Obrigado, abraço"


Resposta, comentários:

O guerreiro dos alongamentos! =)

Aquilo que estás a fazer pode-te vir a ajudar a desenvolver uma aparência mais masculina, mas uma coisa é uma aparência masculina, outra coisa é uma essência masculina. Os exercícios bioenergéticos, e o resto que andas a fazer, podem ser uma interessante manipulação da tua aparência, e podem ter a sua validade em termos de te libertar de alguns bloqueios e resistências que te podem estar a impedir de começar a verdadeira transformação interior e evolução de essência. Dependendo do nível de consciência em que estamos, ter em atenção a nossa linguagem corporal e fazer um esforço diário para a corrigir para, por exemplo, parecermos mais confiantes, pode ser útil na nossa evolução. Temos de começar por algum lado, e para os menos experientes e mais inseguros, esse trabalho de linguagem corporal ajuda a começar a aceitar outras escolhas que têm de ser feitas para permitir a evolução de consciência/essência, escolhas essas que lidam com o invisível, não linear e ilógico da realidade. Esse trabalho de linguagem corporal pode ajudar a pessoa a habituar-se a experimentar coisas novas, e a desenvolver a disciplina e dedicação que o caminho de transformação interior exige. Pela minha experiência pode ser, sem dúvida, um bom treino para o trabalho espiritual a sério. Portanto, se estás entusiasmado a fazer o que estás a fazer agora, a trabalhar a tua voz e os exercícios bioenergéticos, e te tens sentido bem, ou melhor com isso, então não há razão nenhuma para não o fazeres. Continua, pois pelo menos é um bom treino para o que vem a seguir. E claro, ajuda a ter a curto prazo experiências novas e diferentes. Experiências breves, mas pequenas alegrias, o que pode ajudar em termos de motivação para o resto, apesar de estares apenas a esforçar-te em termos de aparência.

"Como me posso tornar mais masculino?"

"Quais são as qualidade que posso desenvolver? E como? (Agradecia que referisses exercícios práticos)."

Primeiro de tudo, ter o lado feminino desenvolvido não é um problema, e é algo que não deve ser invalidado. A intenção é ter-se acesso a ambas as energias e maneiras de ser, para que contexto a contexto, consigamos fazer as melhores escolhas. Certos contextos exigem ser-se masculino, e outros feminino. A evolução espiritual leva-nos ao equilíbrio perfeito entre ambos, sem se pensar nisso. Ser masculino ou ser feminino são apenas conceptualizações da mente humana, palavras para identificar algo na realidade linear física, não correspondem à realidade do que se está a passar, pois masculino e feminino são, na verdade, a mesma coisa: o Espírito. Só que são o Espírito a expressar-se espontaneamente, de forma linearmente diferente, em contextos diferentes, segundo a limitada percepção da mente humana. O problema de muitos homens é terem um lado feminino fraco, não desenvolvido. Isto leva a que tenham dificuldade em compreender as mulheres, e chegam até a odiar a sua "estranha" e aparentemente "irracional" maneira de ser, que tanto os irrita, e que tentam mudar com as suas limitadas lógicas. Depois também são os piores seres em termos de empatia, nunca percebem o que o outro está a sentir lol e são altamente desinteressantes em termos de conversa pois estão limitados por temas meramente lógicos e físicos/materiais/descritivos. Há portanto que desenvolver os dois, e não desvalorizar nenhum, pois ambos são igualmente poderosos e essenciais.

Para se desenvolver masculinidade, na verdade, não existem simples exercícios práticos. Temos que enfrentar a vida. Não há nada que possamos fazer regularmente no conforto da nossa casa. A experiência tem de ser real, ou a transformação não é real. Em essência, masculinidade é confiança, e é essa a qualidade base que se tem de desenvolver. Então como se desenvolve confiança?

Através de escolhas de coragem. E fazem-se escolhas de coragem enfrentando medos, ou por outras palavras, desafios. É no momento em que sentimos medo, que temos de avançar, que temos de fazer o que está certo. Simples medos como o de ir dizer olá a uma mulher bonita desconhecida, como o de lhe dizer que a achamos bonita e que queremos a sua companhia para sair, como o de nos aproximar-mos da sua cara para lhe dar um beijo. Enfrentar o medo da rejeição é talvez ainda mais difícil para um homem do que enfrentar o medo da morte. Muitos são aqueles que se alistam e estão prontos a combater e a morrer, mas poucos são aqueles que verdadeiramente aprendem a amar uma mulher.

Hmm...

lol

Nesta "nossa" raça de milhares de anos, imensos foram, e são, aqueles que estão prontos a morrer no campo de batalha, e assim enfrentar o medo de morrer (depende da intenção com que o façam, podem ir para lá e não enfrentar nada e não evoluir nada), mas poucos são aqueles que estão dispostos a enfrentar o medo da rejeição para poderem aprender a amar devidamente as mulheres. Isto faz todo o sentido pois não é novidade que o ego prefere morrer a admitir que está errado lol há níveis de coragem, portanto.

Seja como for, podemos usar a vida social e amorosa como oportunidades para nos tornarmos mais confiantes. Muitos são os medos, e portanto desafios não nos faltam. Honestidade é a coragem de dizer a verdade, independentemente das consequências. Agora, não é dizer a verdade à padeiro, sem qualquer sensibilidade ou consideração pelos outros lol nem é dizer "a verdade" para os atacar, ofender ou tramar :D é dizer a verdade sobre nós. Sobre a nossa intenção, o que estamos a sentir, etc. Revelar aquilo que nos deixa embaraçados. Este é o tipo de coragem que o ego faz tudo para evitar devido ao seu medo de descobrir que não é tão espectacular como imaginava, e de perder a sua falsa auto-imagem de perfeição, e associado falso orgulho. O ego tem um medo atroz de ser gozado, rejeitado e humilhado.

E depois? :D

Com Humildade somos imunes a tudo isso, pois com humildade vemos as nossas limitações não através dos olhos do orgulho ("sou inferior", "não presto", "não mereço", "não tenho valor", etc) mas através dos olhos da compaixão, que vêem a inocência por detrás dos erros, que as limitações não são o que somos, que como qualquer outro ser humano apenas estamos na nossa fase de evolução (é um processo e não uma identidade), e que na verdade as limitações levam a humor. É como observar o nosso animal de estimação a fazer os seus disparates. O gato ou o cão, a fazerem as suas inocentes trapalhices. O ser humano, com o seu ego, é apenas um inocente trapalhão na realidade ilusória da vida. Os seus disparates e erros não são fonte de ódio ou vergonha, mas de humor ^_^

Então com experiência de vida irás passar por muitos tipos de experiências, e isso irá trazer-te confiança, e tornar-te mais masculino. Em essência o masculino é o caçador e o guerreiro, que enfrenta o mundo sem hesitação, que faz o que é preciso fazer, o que é certo fazer, independentemente do que sente e das consequências. E quando a essência é masculina, a aparência torna-se automaticamente masculina. A essência influencia e modifica espontâneamente e naturalmente a aparência. Quando a essência é masculina e confiante, a pose, a voz, a linguagem corporal, o olhar, até a vitalidade do corpo, se transformam. O mais poderoso é sem dúvida o olhar confiante, em contemplação, prolongado, olhos nos olhos. É aí que o homem mostra o que vale, é aí que, de forma invisível e silenciosa, o homem transfere toda a sua experiência de vida à mulher, a sua aura, nível de consciência, energia, essência. É aí que se expressa uma presença gentil mas sólida, pois tem os pés na Verdade, e o apoio do Espírito, em vez de os pés em falsas bases de ilusões e o controlo/limitações do ego.

"Reparo que atraio raparigas não muito femininas, o que pode querer dizer que eu também não sou lá muito masculino, certo?"

Sim, certo. Os opostos apenas se atraem no caso da polaridade masculino/feminino. Eu garanto-te que, por exemplo, uma pessoa honesta não se sente atraída por uma pessoa desonesta lol a não ser que a pessoa "honesta" na verdade não seja mesmo honesta, apesar de gostar de acreditar que é =)

Quanto mais masculino o homem é, mais femininas serão as mulheres a que ele terá acesso. Mas também não tem mal nenhum atraíres mulheres mais masculinas, elas também têm a sua beleza e graça. Podes estar saturado disso, o que é válido, e querer experienciar momentos com outros tipos de mulheres mais femininas. Assim sendo, se é mesmo isso que queres, terás mesmo de te tornar mais masculino. Como já disse, a intenção é ter ambas as energias desenvolvidas para uma expressão espontânea apropriada, conforme o contexto. Na intimidade o homem será mais masculino e a mulher será mais feminina (é esta a escolha certa na realidade, e é assim que funciona. Qualquer julgamento orgulhoso em relação a isto, de um ser superior ao outro, nada mais é que uma ilusão do ego), mas noutros contextos é essencial ser-se mais um, ou o outro, conforme necessário.

Agora, há diferentes níveis dentro do "ser-se masculino". Há uma masculinidade mais primitiva e narcisista, não íntegra, que basicamente não tem o outro em consideração, e cujos interesses são mais básicos, não tendo acesso à experiência da sofisticação dos estados mentais e espirituais mais elevados.

"Reparo que atraio raparigas não muito femininas"

A tua percepção pode estar correcta, e isso não está aqui em causa. Mas para te ajudar um pouco mais, quero trazer-te algo à consciência:

Serão essas raparigas apenas masculinas, ou serão do tipo masculino não íntegro? Ou mesmo do feminino não íntegro?

O ego facilmente confunde verdadeira coragem e confiança com arrogância e raiva, o que são estados que não têm nada a ver.

Nada. lol

E ele confunde-os pois não tem como experienciar verdadeira coragem e confiança, logo não tem ponto de referência para saber o que é o quê, e distinguir a diferença.

Por isso questiono: que queres concretamente dizer com "raparigas não muito femininas"?

São mandonas? São brutas? Não são carinhosas? São primitivas na maneira de falar? Gostam de mandar vir? De mandar abaixo? De mandar bocas?

É que estas coisas não significam apenas que elas não são lá muito femininas... são típicas expressões de narcisismo. São expressões comuns de arrogância e raiva, que são estados do ego. Portanto, mais do que não serem lá muito femininas, são sinais de que não são íntegras, ou seja, que são incapazes de verdadeiramente respeitar outra pessoa (mas podem fingi-lo por interesse, haha), o que as invalida automaticamente como boa escolha como namorada (mas não como escolha para curtires, haha!). Tu é que decides o que estás disposto a tolerar ou não, mas será útil para ti observares com atenção essas raparigas, ou lembrares-te delas o melhor possível contemplando essas memórias, e tentar perceber se elas simplesmente não eram lá muito femininas, ou se os seus comportamentos e atitudes eram afinal apenas expressões de narcisismo (arrogância e raiva, má educação, etc). O ponto de referência é simples: perante as suas atitudes, sentiste-te respeitado ou não? Porque ser-se masculino não é o mesmo que se ser desrespeitador. E daqui virá uma das escolhas mais poderosas em termos de evolução e confiança, a rejeição daqueles que não te respeitam (o que é diferente daqueles que não te validam).



Obrigado pela tua pergunta.

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

“Como Lidar Com a Ex-Namorada”

“Como Lidar Com a Ex-Namorada”


Pergunta de leitor:

Olá Pedro, uma pergunta: a minha ex-namorada terminou comigo em Novembro por uma coisa que eu fiz que ela ficou um bocado magoada com a situação. Eu quis voltar a reatar as coisas no final de Dezembro mas ela não quis, e depois em janeiro, dia 15, voltei a contacta-la e começamos a falar com frequência. Ao início ela demonstrava que queria estar comigo mas depois pelas conversas que tínhamos a falar do porquê de termos terminado, ela começou a ficar mais indecisa em relação a estarmos juntos e a dizer que tinha medo de se magoar de novo. Depois no final de janeiro ela convidou-me para sair numa segunda mas depois umas 3h antes do encontro desmarcou e pediu desculpa a dizer que era melhor não falarmos mais. Aí fiquei a dizer-lhe também aquilo que ela na altura fazia que eu não gostava e ao que ela não deu valor, e ela ai mudou de ideias logo a seguir e já queria estar comigo. Eu fiquei um bocado chateado e disse-lhe que já não tinha vontade nenhuma para estar com ela e falamos à noite por telefone e eu aí disse-lhe que por enquanto não queria mais nada. Passados uns dias aquilo passou-me um bocado e voltei a contactá-la a dizer-lhe que gostava de voltar a estar com ela e ela disse-me o mesmo, e depois ela mandou-me mensagem passados uns 3 dias e eu respondi só no dia seguinte, e depois ela convidou-me para sair na segunda e eu disse que esta segunda não podia. Mas será que a indecisão dela tem a ver com o facto de ela ser controlada pelo ego? É normal eu ter ficado chateado e com menos motivação para estar com ela por causa da sua indecisão? Obrigado pelo post (:


Resposta comentários:

Ufa, Nossa Senhora de Fátima! :D

Primeiro de tudo, eu sugiro que leias mais e que te dediques seriamente a aprender a escrever e a expressar-te melhor através da escrita. Escreves de uma forma confusa, praticamente sem pontos finais, e isso não te vai ajudar em nenhuma área da vida. Tive de corrigir bastante o teu comentário para o tornar minimamente claro para os outros leitores. Uma mulher mais decente e sofisticada recebe uma mensagem, preguiçosamente ou desleixadamente, mal escrita de um homem estranho, ou que mal conhece, e acabou-se. Um homem sem excelência naquilo que faz não tem acesso a uma mulher excelente. Karmicamente, devido ao seu nível de consciência, ainda não merece uma mulher como deve de ser. E são as mulheres excelentes que potenciam os melhores momentos e relações.

Quanto ao resto, a tua situação é uma bela telenovela mexicana que seria evitada com apenas uma escolha:

Não manter contacto com a ex-namorada.

Este é um princípio essencial que já partilho há anos. Tudo na vida é temporário, logo uma das lições que temos a aprender como ser humano é a aceitar o início e o fim de tudo o que nos surge na vida, incluindo o corpo, emoções, relações, etc. Todas as relações acabam, seja porque um dos dois morre, ou por outra razão qualquer. Portanto há que aceitar que as relações acabam, e há que as deixar acabar quando tiverem de acabar, e isso inclui largar a ex-namorada. Não interessa quando a relação acaba, ou porque razão acaba, a atitude é a de, imediatamente e sem hesitação, a deixar acabar e largar a ex-namorada. O ego quer sempre controlar a duração das relações, forçando a proximidade com o parceiro, mesmo que o parceiro já tenha deixado claro que não quer mais essa proximidade. Manter o contacto com a ex-namorada é deixar aberta uma porta de potencial de sofrimento, pois o ego (o teu e o dela) vai trazer ao de cima todas as emoções negativas possíveis, o que na prática só traz dúvidas, frustração, revolta, tristeza, medo, etc. Há sempre um dos dois cuja atracção não está a ser satisfeita, logo há uma frustração inconsciente. O que é brutal, se a intenção da pessoa for sofrer sem saber porquê :D

Depois há a secreta motivação por detrás das conversas e saídas: a busca por validação do ex-parceiro, o tentar forçar as coisas a serem como eram antes, cobranças, controlo, manipulação, ânsia por companhia, querer sentir-se desejado, medo de estar só, etc, o que é fácil perceber que nada tem a ver nem com verdadeira amizade, nem com amor.

Portanto cometeste um erro na relação e ela quis acabar a relação. Então deixa-a acabar a relação. Pedes desculpa pelo teu erro e lamentas tê-la feito sofrer, mas deixa-la livre para seguir o seu caminho. Agradeces os bons momentos, mas larga-la e segues com a tua vida, ficando em relação a ela e à relação um estado de gratidão e boas memórias. Relativamente ao teu erro, perdoas-te pois foste vítima de uma ilusão do ego, e dedicas-te a não voltar a cometer esse erro. Experiencialmente isto é bem melhor do que o que descreveste no comentário, em que basicamente só há confusão, dúvida, raiva, medo e arrependimento entre um e o outro. Se queremos ser felizes temos de largar o medo de estar sós, pois esse medo irá controlar as nossas escolhas e fazer-nos estar com as pessoas erradas, pelas razões erradas, e fazer-nos rebolar aos trambolhões de mau momento em mau momento.

Sempre que não aceitamos o propósito evolutivo da vida e que a tentamos controlar, sofremos. O ego virá sempre com as suas justificações aparentemente plausíveis e lógicas para fazermos certas coisas, uma delas continuar-se próximo da ex-namorada como se a relação não tivesse acabado. A prova, digamos assim, de que essa escolha não está alinhada com a Verdade da situação é a de que apenas potencia sofrimento, tal como descobriste. Se fosse boa ideia em termos de felicidade não estarias a passar por uma confusão de momentos e emoções negativas, nem terias enviado um comentário em busca de uma solução para aliviar a tua dor.

O princípio é simples:

Não manter contacto com a ex-namorada. Por outras palavras, fechar o acesso ao ego do combustível que este poderia usar para nos trazer sofrimento. Se a relação acabou é porque já não é suposto estarmos com aquela pessoa. É essa a mensagem que nos está a ser enviada pela Realidade. Se compreendemos porquê ou não, é indiferente, pois o que faz a diferença é se seguimos essa Verdade.

É que só estás a perder tempo. Podias estar tranquilamente a viver a tua vida, alegremente a fazer o que gostas, a conhecer outras mulheres e a explorar o potencial de felicidade e evolução na vida humana, e quem sabe, até já podias ter outra namorada e estar a passar por momentos bonitos com ela.

Mas se calhar nada disto interessa, pois não daria audiências nas telenovelas mexicanas :D


Obrigado pela tua pergunta. 

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

“Como Perceber Quando Uma Mulher Não Tem o Que é Preciso Para Ser Boa Namorada”

“Como Perceber Quando Uma Mulher Não Tem o Que é Preciso Para Ser Boa Namorada”

Pergunta de leitor:

“Oi! :)

Estou um bocado acanhado, gostava que me ajudasses numa situação.

Ontem fui sair com uma miúda à tarde e foi divertido, gostei de sair com ela embora ela passasse demasiado tempo a mexer no telemóvel, mas foi algo que suportei bem. A saída foi agradável e a miúda era divertida.

Mas depois, como já era bastante tarde, ela perguntou-me se eu queria ir ao Music Box com ela, porque íam lá bandas de que ela gostava muito, mas não tinha companhia. Eu não tinha grande interesse pelas bandas nem gosto muito de sair para discotecas no primeiro encontro, mas como vi que ela queria tanto ir, decidi fazer-lhe companhia.

No início foi divertido mas depois ela começou a dançar e eu fiquei um bocado em pé lol. Tentei dançar mas não conseguia acompanhar o ritmo dela haha! Mas até aí tranquilo, porque ela gostava, e eu não tinha problema em estar lá.

O problema foi aqui... quando ela me diz que dois amigos dela lhe tinham mandado mensagem para ir ter com ela. Eu não fiquei lá muito feliz com a ideia, e acho que isso se notou, porque eu queria estar com ela, não queria lá amigos lol mas pronto. Entretanto, chegaram os amigos e eu começo a ficar mais para trás (não me lembro porquê mas não me conseguia integrar, tenho ideia de ser por eles estarem todos a dançar.) Entretanto, começo a ver um dos amigos a ficar muito íntimo com a rapariga, o que me fez sentir triste e até um bocado desprezado. Eu não tenho a certeza, pois estava já um bocado longe, mas parece-me que se começaram a beijar.

Assim que vi isso (que não foi muito tempo depois deles chegarem), decidi que não valia a pena estar ali e fui ao pé deles desejar-lhes um resto de boa noite mas que me ía embora porque já estava um bocado cansado. Fui para casa a sentir-me realmente triste (não chateado, mas algo como que se tivesse sido trocado.) E hoje, ao acordar, recebo um sms da rapariga a agradecer pela noite.

Fiquei na dúvida como deveria agir. Se lhe devo dizer que fiquei um bocado triste por isso ter acontecido pois estava interessado nela e ela até estava a ser uma boa companhia, mas que com os amigos lá não deu para se conhecer melhor. (Por não ter 100% de certeza, não ía referir o beijo na mensagem.) Ou se não devo referir nada disso, responder-lhe como se não fosse nada, e passar à próxima miúda.

Mas a verdade é que aconteceu...

PS: E fiquei na dúvida se tinha sido suficientemente claro quanto à minha intenção em sair com ela. Porque nas conversas eu sugeria directa ou indirectamente que a achava gira e cenas assim, mas nunca lhe o disse directamente.”

Resposta, comentários:

Mais uma “vítima” emocional do narcisismo alheio :D

gostei de sair com ela embora ela passasse demasiado tempo a mexer no telemóvel”

Passar demasiado tempo ao telemóvel não é aceitável. Repara como dizes que suportaste isso. Toleraste isso. Não confiaste na tua intuição, e intuição é como que o início da Visão do Espírito. Logo aí eu já teria ficado desinteressado e não teria nenhum dos problemas que tiveste, nenhuma situação chata a gastar tempo, dinheiro e energia inutilmente, nem iria para casa a sentir-me magoado :D o sinal do desastre que se avizinhava está todo aí em tamanho gigante! Lol

Quando se está numa saída com alguém, está-se com essa pessoa a 100%. O telemóvel é como se não existisse. É simplesmente uma falta de respeito desprezar a pessoa que está connosco numa saída para dar atenção a algo inútil e irrelevante para o contexto como o telemóvel. Ela aí simplesmente demonstrou não ter capacidade para estar com alguém devidamente numa saída a dois, o que é das qualidades mais básicas e essenciais de todas na vida amorosa e na vida em geral lol na sociedade actual em que o narcisismo, o orgulho e o negativo são glorificados, este tipo de atitude é aceite como normal, obviamente. Mas aqui, no contexto de Amor, evolução de consciência e Integridade, é inaceitável e em essência uma falta de respeito que vem, claro, de narcisismo. A pessoa que passa tempo ao telemóvel durante uma saída basicamente não quer saber para nada da pessoa que está à sua frente.

“a miúda era divertida”

Parecia divertida ^_^

Parecia.

Quase todos parecem divertidos numa saída lol para mim quem passa tempo ao telemóvel durante uma saída é em essência uma pessoa aborrecida, sempre em busca de estímulos e distracções que a animem. A sua falta de energia é tal que não consegue sequer ter uma saída normal com consideração por quem está à sua frente. Como já disse é uma atitude inaceitável no contexto em que se procura alguém para uma relação alegre, que exige a capacidade de consideração e dedicação. Eu nem teria escolha, automaticamente só iria era querer fugir dali, nunca mais perder tempo com aquela pessoa e esquecê-la para sempre :D o meu entusiasmo por ela teria acabado espontaneamente e imediatamente, pois ela demonstrou no momento, na prática, na realidade, não ter aquilo que é preciso ter para ser uma boa companheira e namorada. Com uma mulher assim não é possível experienciar a vida a dois como sendo Um… e tudo abaixo disso é aborrecido. Assim sendo, passado pouco mais de 10 minutos eu teria dito que me tinha de ir embora, e ía à minha vida, feliz.

Feliz.

Não haveria convívios indesejados nem estado de tristeza em casa. Zero problemas, zero sofrimento, pois teria Visto o sinal, o potencial e fechado a porta a tempo. Felicidade é também a consciência da escolha certa, e evitar a tempo o maligno e o negativo, estejam estes disfarçados de miúda gira divertida ou de Batman :D com auto-respeito e Amor, descobre-se a Alegria da selecção, quando Sabemos que acabámos de nos ver livres de alguém que nada mais é – devido ao seu nível de consciência actual – uma fonte e potencial de sofrimento, e bloqueio aos níveis de alegria e felicidade que nos interessam.

“Eu não tinha grande interesse pelas bandas nem gosto muito de sair para discotecas no primeiro encontro, mas como vi que ela queria tanto ir, decidi fazer-lhe companhia.”

Foste atrás do “osso” :D

Se a rapariga fosse de facto fixe, a tua atitude teria sido excelente. Porque ela não era fixe, foi um erro que só te trouxe uma saída miserável e sofrimento solitário caseiro na noite negra e fria :D

A atitude foi excelente pois apesar de não estares interessado em ir, foste por ser algo que a faria feliz. Ignoraste as tuas preferências para fazer algo por ela. Isso é excelente, e até fiquei impressionado que o tenhas feito, pois é comum falhar-se nesse momento da verdade. Ela precisava de companhia, e tu mesmo não te apetecendo, serviste-a com a tua companhia. Isso foi bom, num contexto de escolha íntegra, de ignorar as sugestões do ego, de a servires, de te esqueceres de ti próprio, etc.

Claro que, se tivesses seguido a tua intuição e Visto que a atitude do telemóvel não era aceitável, terias recusado ir com ela ao Music Box, e terias feito muito bem. Eu também o teria feito, sem qualquer hesitação. Então qual é a escolha certa? Depende da intenção. Em termos de evolução, para chegar à Integridade e Amor, ir com ela foi uma escolha certa pois o ego não foi seguido (ele não queria ir), e serviste-a com a tua companhia, como também se serve oferecendo uma bebida ou fazendo um elogio. Em termos de auto-respeito e selecção, a escolha certa era não ir pois Sabe-se que o que depois aconteceu poderia acontecer (Sabe-se o tipo de energia/experiência, não o específico linear). Auto-respeito é o mesmo que Amor, logo seria a escolha mais elevada. Sem Amor não há consciência da falta de Amor, ou de atitudes que não são de Amor (a tal relação forma/fundo de que falo no áudio dos gráficos), logo não haveria consciência de que ela era uma má escolha como companheira e namorada. Portanto em certo nível de consciência o certo era ir, e noutro mais elevado o certo era não ir. Na Verdade tudo o que aconteceu está certo e foi perfeito, pois sem a experiência do que aconteceu, não terias como aprender a lição que precisas de aprender para te veres livre desse tipo de sofrimento =)

Tentei dançar mas não conseguia acompanhar o ritmo dela haha!”

Claro sinal de incompatibilidade ^_^ até se vê daqui a descoordenação do par! Haha

A tua atitude foi fixe, tu deste o benefício da dúvida a toda a situação, tu tentaste, tu fizeste mesmo não te apetecendo, mas a partir do momento que aceitaste a atitude do telemóvel, meteste-te numa arena de energias negativas do ego, e aí não há nada a fazer, é sempre desagradável para quem não é assim, acólito da ceita global do narcisismo :D

nem gosto muito de sair para discotecas no primeiro encontro”

Bem observado. Isto porque numa discoteca há demasiadas distracções e barulho, o que impede de conhecer a pessoa bem, e depois há o potencial de serem incomodados e interrompidos várias vezes por sosses a tentarem fazer-se ao bife ^_^

É boa ideia a primeira saída ser para um sítio calma e bonito, no qual estão tranquilos a sós e podem conversar à vontade facilmente, sem interrupções ou distracções. Assim a mulher mostra o que vale, pois não há nada que nos distorce a percepção dela, nem ela tem a energia e distracção de atenção de outras pessoas para parecer mais fixe e bem disposta do que na verdade é ;) quando são apenas os dois, um em frente ao outro, tudo o que é dito, todas as reacções, todas as pequenas escolhas, vêm directamente da essência. Basta olhar nos olhos e esperar, enquanto a conversa e o humor vão-se manifestando. Olhando e esperando em frente a ela, não foi preciso muito tempo para se manifestar uma expressão de narcisismo: desprezo pela pessoa que estava à sua frente, em detrimento da distracção do telemóvel. Nervosismo não é desculpa, pois por detrás do nervosismo pode haver uma sinceridade e humildade. Mas no caso dela esquece lol uma saída com alguém do sexo oposto tem como intenção descobrir como é estar a sós com essa pessoa. Tem como intenção perceber como é estar com essa pessoa num contexto de intimidade, ou se essa intimidade de facto é possível. É agradável, estimulante, bonito, interessante, tranquilizante, estar com aquela pessoa ou não?

É como uma simulação, como se já estivessem a namorar e a sair. Assim descobre-se a qualidade da experiência de estar a sós com a mulher. Porque numa relação a maior parte dos momentos são passados a sós entre os dois, seja num restaurante, café ou em casa, por exemplo, é essencial percebermos como é estar com alguém a sós antes de decidirmos que queremos namorar com aquela pessoa e ter esse nível de proximidade e intimidade com ela. O ego quer apenas saber da satisfação de desejo (prazer) e de validação e aceitação (orgulho), logo as qualidades invisíveis que realmente importam (inteligência, sentido de humor, humildade, etc) é como se nem existissem lol o ego escolhe um parceiro tendo apenas em conta se o outro satisfaz o seu desejo e se o valida e aceita como parceiro haha! A atitude é quase como se fosse, “se me queres então eu quero-te como namorada”. Não há qualquer auto-respeito ou selecção. Beijar, não beijar, fazer amor, não fazer amor, isso é indiferente para a atitude de auto-respeito. O não do auto-respeito vem relativamente a ter uma relação com determinada pessoa. O fazer amor com alguém sem estar numa relação não é sinal de falta de auto-respeito, é uma experiência que se partilha com outro ser humano como outra qualquer, como sair e conversar, como comer, como rir, etc. O ego demoniza o sexo pois pode ser uma forma de chegar ao Amor, ups! :D mas na Verdade não há qualquer julgamento moral a fazer em relação ao sexo. Nada, zero. Se ambos são solteiros, estão completamente à vontade ^_^

quando ela me diz que dois amigos dela lhe tinham mandado mensagem para ir ter com ela.”

O Ataque dos Chouriços! Haha lindo. Ela está numa saída com uma pessoa, e aceita que 2 “amigos” (?) venham ter com ela. Total desprezo por ti, mas tu aceitaste a atitude do telemóvel, logo abriste a porta a todas as colecções de tradições e rituais sociais dos orcs ^_^

E surge-me uma questão, pelas atitudes dela: será que eles eram mesmo amigos dela? Amigos verdadeiros? Ou será que ela conheceu um deles tal como te conheceu a ti? E será que foram mesmo eles que enviaram o sms a perguntar se ela estava pelo Music Box/a dizer que íam lá também, ou será que foi ela que os convidou para te fazer jogo de ciúmes…? Ou será que foi para se ver livre de ti discretamente pois estava a ficar aborrecida com a tua companhia…? Lol Com os não íntegros nunca se sabe. A partir do momento que o narcisismo é de certo nível, todo o tipo de intenções e atitudes de manipulação e falsidade são possíveis. As boas notícias é que nem precisamos de saber o detalhe destas intenções – apesar de em certo nível de consciência conseguir saber-se isso no momento. Tudo pode ser evitado… quando se contempla que o que vem do telemóvel está a ser mais importante para a pessoa do que a nossa presença ^_^

“Eu não fiquei lá muito feliz com a ideia, e acho que isso se notou, porque eu queria estar com ela, não queria lá amigos lol mas pronto.”

Claro! Tu saíste para estar com ela. Com ela. O teu interesse era nela apenas. Não saíste para ter de levar com a presença de dois chouriços desconhecidos. Tu querias uma saída que fosse uma experiência contínua a dois… e não a cinco. Sim, a cinco. Porque o telemóvel recebeu tanta atenção como tu :D à segunda vez que ela se pusesse a mexer no telemóvel, eu ter-lhe-ia dito, “parece que gostas muito do teu telemóvel…”. A intenção aqui seria mostrar-lhe que eu não estava a dormir, e que ela estava avisada. Claro que para eu chegar a esse ponto ela a seguir teria mesmo que me impressionar para eu continuar interessado, e isso envolveria nunca mais mexer no telemóvel, mesmo que ele tocasse. Isso iria provar que ela estava mesmo com intenção de me respeitar e ter uma experiência a dois contínua. Se ela mexesse uma 3ª ver no telemóvel, eu simplesmente esperaria que ela acabasse o “serviço” e depois lhe diria que me tinha de ir embora e acabava-se tudo ^_^

“Entretanto, chegaram os amigos e eu começo a ficar mais para trás (não me lembro porquê mas não me conseguia integrar, tenho ideia de ser por eles estarem todos a dançar.)”

Eles gostavam das bandas e da música, e tu provavelmente não. Logo havia compatibilidade entre eles, estavam a fazer algo que gostavam, logo dançavam juntos espontaneamente. Se ela já os conhecia é normal também que houvesse uma ligação e companheirismo mais sólido com eles, o que leva a essa fácil proximidade entre os três, que ela ainda não tinha contigo. Muito importante também foi a tua aversão a eles. A partir do momento que surge a aversão esquece, não temos qualquer interesse nas pessoas. Há um bloqueio de energia e não temos vontade de falar e conviver com elas. O Ataque dos Chouriços é uma grande chatice numa saída a dois lol bloqueia logo qualquer tipo de intimidade, o que é algo que só acontece verdadeiramente quando os dois estão a sós. Daí a clássica saída romântica de ir sentar-se no jardim à noite e observar a Lua. É íntimo, é bonito, e não há chouriços aos pulos à vossa volta :D

“Eu não fiquei lá muito feliz com a ideia, e acho que isso se notou”

É possível que sim, que ela tenha notado, e que isso tenha fortalecido a sua atitude de desprezo por ti quando eles chegaram. Só se fosses louco é que ficarias feliz com a ideia. Se fossem amigas, ainda se tolerava, mas chouriços… esquece. Podias era ter-lhe dito isso assim que ela te dissesse que eles íam lá ter: “eu preferia estar só contigo, mas se eles são mesmo teus amigos eu compreendo e fico mais um bocado”.

“Eu não tenho a certeza, pois estava já um bocado longe, mas parece-me que se começaram a beijar.”

Talvez. Talvez não. Talvez ela te tivesse achado giro e tivesse saído contigo porque queria curtir contigo. Talvez por isso não ter acontecido ela desinteressou-se por ti e começou a desprezar-te. Nesta fase, é irrelevante. Nada disso podia ser controlado, tu és como és, e ela é como é. Agora, não precisavas de ficar ali, passivo, a ser empurrado para cada vez mais longo como um saco do Minipreço ao vento :D

Se eu estivesse nessa situação, no Music Box, com ela, os amigos chegam, não há integração (eu tentaria com sentido de humor perceber se isso seria possível, eles até podiam ser minimamente decentes e companhia divertida para aquele contexto, quem sabe), e via-a com um deles como se andassem a curtir… perfeito! É que mais perfeito era difícil. Eu, basicamente sozinho numa discoteca? E depois de testemunhar tal orcquice? Hahaha!! Eu punha-me logo a ir meter conversa com mulheres bonitas e a oferecer bebidas :D eu aproveitava a situação para fazer aquilo que realmente gosto de fazer numa discoteca, festa ou bar: beber um copo com uma mulher bonita =)

E há outra coisa. Se até certa altura somos como que um Guerreiro Social, pois andamos a desafiarmos-nos na vida social para evoluirmos e sermos mais felizes, a partir de certo ponto somos Guerreiros da Integridade, e demonstramos aos orcs do mundo que não se brinca com o que há de Bom e Bonito no mundo. Somos representantes dos princípios, e por Amor e gratidão pela felicidade que nos foi dada, erguemos-nos em nome da verdade. A equação é simples: telemóvel + “amigos” + desprezo = ir falar com outras mulheres e deixar acontecer com elas o que for suposto acontecer, até ao fim ^_^ se os orcs mandam pedras a desrespeitar o Espírito, tu atinge-os com 1001 ondas de Poder em nome do Espírito, por gratidão pela felicidade que Ele te traz. Com essa atitude ela iria ver-te a falar com outras mulheres, feliz da vida, e iria perceber que cometeu um erro, que não precisas dela, e que tens auto-respeito para não aceitar as atitudes narcisistas dela. Isto não é um jogo de ciúmes, não é para ela voltar a estar interessada. Nesta atitude não há qualquer interesse em que ela volte a ficar interessada. Ela já foi completamente rejeitada por nós, sem qualquer hipótese de recuperação. Estamos apenas a deixar o Espírito nos guiar, por auto-respeito (Amor). É suposto protegermos o que a vida tem de Bom e Bonito, e mostrarmos afinal aquilo que realmente apreciamos, principalmente quando essas qualidades estão a ser desrespeitadas pelos não íntegros. Se ela te vê ou não te vê a falar com outras mulheres, isso é irrelevante. Não é para ela ver, é para tu experienciares. É para o ego sentir que não tem qualquer poder sobre ti. É para reafirmar que sim, é o Espírito que escolhes, é felicidade e alegria que escolhes, logo vais fazer algo que te deixa alegre, e que é o oposto da experiência que o ego te trouxe.

“E hoje, ao acordar, recebo um sms da rapariga a agradecer pela noite.”

Infelizmente não quer dizer nada. A programação de simpatia é fácil de aceder e colocar em prática, mas a intenção pode não ser o que parece. Uma pessoa verdadeiramente grata pela presença de outra não se põe ao telemóvel quando está com ela numa saída. Uma pessoa verdadeiramente grata pela presença de outra diz aos amigos que está com alguém e que não dá jeito eles lá irem ter. Uma pessoa verdadeiramente grata pela presença de outra não a despreza depois dos amigos chegarem, e ao ver que ela se está a afastar vai ter com ela para perguntar se está tudo bem ou simplesmente para a tentar integrar no grupo, ou para lhe dizer algo ou brincar.

“Fiquei na dúvida como deveria agir. Se lhe devo dizer que fiquei um bocado triste por isso ter acontecido pois estava interessado nela e ela até estava a ser uma boa companhia, mas que com os amigos lá não deu para se conhecer melhor. (Por não ter 100% de certeza, não ía referir o beijo na mensagem.) Ou se não devo referir nada disso, responder-lhe como se não fosse nada, e passar à próxima miúda.”

Resposta à miúda:

“Eu estava a gostar da noite até os teus amigos aparecerem, pois a minha intenção era sair apenas contigo pois era em ti que eu estava interessado, e estava a gostar da tua companhia. Depois deles chegarem senti-me desprezado por ti, e desinteresse da tua parte. Eu não deixo ninguém de parte sem lá ir ver o que se passa, ou sem ir ter com a pessoa para falar, e não achei isso bonito da tua parte.”

E só isto. Deixa-a mastigar a Verdade como quiser ^_^

“Ou se não devo referir nada disso, responder-lhe como se não fosse nada”

O ego é de facto um campeão a fingir que nada se passou, que nada se sentiu… tipo a omitir a Verdade, o que é o oposto de se ser sincero e íntegro :D

“Porque nas conversas eu sugeria directa ou indirectamente que a achava gira e cenas assim, mas nunca lhe o disse directamente.”

Como é que nunca lhe o disseste directamente se lhe o sugeriste directa e indirectamente? Lol independentemente disso, a atitude dela não teve a ver com falta de atracção, mas sim com falta de consideração. Até podes dizer à mulher que queres ir sair com ela porque queres ser amigo dela. Se durante a saída ela se sentir atraída por ti, ela irá querer ser beijada por ti. Aqui foi uma situação de desprezo, narcisismo, orgulho. O telemóvel mais os “amigos” não têm nada a ver com falta de atracção ou pensar que só queres amizade. Mesmo que dissesses antes, directamente, que a achavas bonita e te sentias atraído por ela, isso não iria impedir que ela tivesse falta de consideração por ti. Isso aconteceu porque ela é como é e tem o nível de consciência que tem, e tu és como és, e tens o teu nível de consciência e experiência. Na melhor das hipóteses só poderias ter detectado a qualidade da peça durante a saída, e pores-te a andar o mais rápido possível, evitando assim o Ataque dos Chouriços e a tristeza que sentiste ao chegares a casa. Porque o que ela fez de facto magoa, é desprezo. É suposto sentirmos-nos magoados quando nos fazem isso, pois o que sentimos é um sinal de que estamos perante uma fonte de sofrimento, e que nos temos de afastar.


Obrigado pela tua pergunta.

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

"Como Não Deixar Que o Ego Nos Prejudique Na Vida Amorosa"

"Como Não Deixar Que o Ego Nos Prejudique Na Vida Amorosa"



Pergunta de leitor:

“Olá Pedro, antes de mais um bom ano a todos, desejo as melhores felicidades ao Cool Vibes e a todos os que participam dele.

Agora minha pergunta :D
1º do ano xD

Sabes Pedro que o meu nível de consciência não é elevado, aliás, é muito limitado, mas eu ultimamente tenho tentado ser corajoso, servir os outros e desafiar-me. Prova disso é que eu sirvo até pessoas que não gosto nada só para desfazer o meu ego… oh yeah!! Mas a verdade é que todos os dias o ego me ataca sem aviso e pronto, está o dia estragado. Quando isso acontece procuro contemplar, manter-me consciente, mas não gosto da sensação, e quando chego a casa e penso sobre o que fiz de errado, consigo perceber no que errei, porém no momento faço tudo mal, por isso queria fazer-te algumas perguntas:

A primeira é, o que me vai ajudar mais, a contemplação / ausência de pensamentos, ou o combater o ego? Como meu nível não é grande coisa, tenho sempre procurado pensar que atitudes tomar perante as situações, porque eu penso assim: se for espontâneo, nunca vou ter consciência das asneiras e o mais provável é não evoluir, porque eu às vezes sou espontâneo e só sai asneiras xD...

Outra coisa que gostava que me ajudasses antes que seja tarde demais, é que eu estou a ir para o caminho do orgulho, devido ao facto de como referi acima estar a servir, a ser corajoso, a enfrentar meus medos, eu recebo muitos elogios das pessoas e como é óbvio gosto de ouvir isso, mas não faço isso para receber elogios, mas sim porque quero que essas coisas façam parte de mim, por isso minha pergunta é, como lidar com os elogios de forma integra?

P.S.: lembras-te Pedro da última pergunta que te fiz em que estava interessado numa rapariga com namorado? Olha, ela já não tem namorado xD fiz o que pediste, não me aproximei nem me meti na relação, mas agora que acabou vou ver no que dá, ela diz que está bem solteira, mas eu não acredito xD… passei o ano novo a agradecer as coisas boas que tenho e surgiu-me na cabeça uma frase que escrevi num papel que foi "Partilha Amor, o resto aparecerá" ou seja, vou dar o meu amor e mostrar aquilo que eu sou, o resto fica nas mãos do divino.

É verdade Pedro só mais uma pergunta. Vi num dos teus áudios Como se declarar a uma mulher, disseste que um homem não devia declarar-se, mas sim demonstrar pois o namoro acontecia naturalmente, ainda partilhas dessa opinião? Porque minha situação é a seguinte, eu interessei-me pela rapariga, comecei a demonstrar as minhas intenções, mas não levou muito tempo ela arranjou o tal namorado e eu deixei de mostrar as minhas intenções e com isso passei da lista dos potenciais namorados para a lista dos amigos conselheiros xD, eu quero voltar outra vez para a lista dos potenciais namorados dela xD então o que é melhor fazer, falar com ela e dizer "olha não quero ser teu amigo, quero ser teu namorado" ou demonstrar através de atitudes as minhas intenções? Escrevendo isso estou-me sentido tão entusiasmado só por ter problemas para resolver com mulheres xD já não sei aos anos que isso não me acontecia, até já me estou a rir xD

Muito obrigado Pedro. Abraço :) “


Resposta, comentários:

Temos um novo recorde, pois o P.S. é ligeiramente mais longo que o texto normal :D

Obrigado e Bom Ano para ti, e para todos.

Não sei se foste o primeiro, tem que se confirmar isso com o photo finish :D

“ultimamente tenho tentado ser corajoso, servir os outros e desafiar-me”

Óptimo! Continua.

“todos os dias o ego me ataca sem aviso”

Bem-vindo ao planeta Terra ^_^

“Quando isso acontece procuro contemplar, manter-me consciente, mas não gosto da sensação, e quando chego a casa e penso sobre o que fiz de errado, consigo perceber no que errei”

O dia não tem de ficar estragado por causa disso. Só tens de aceitar que tens um ego, ver isso como normal, e não ter aversão aos estados do ego. É a tua percepção do ego que te faz sofrer, e não os seus estados. Os estados do ego são sempre temporários, e a única coisa que tens de fazer é estar consciente deles, e sem pensar no estado / emoção esperar que ele passe. É isto que te permitirá depois, no momento, não seguir uma sugestão do ego que te leva a cometer um erro. Só depois de cometer o erro é que percebes no que erraste, pois no momento em que fizeste a escolha que te levou ao erro estavas inconsciente da Realidade, e seguiste cegamente uma sugestão do ego. Temos de contemplar as sugestões / emoções do ego para que passemos a estar num nível em que estamos conscientes delas no momento, e para que nesse mesmo momento consigamos dizer-lhes que não e fazer a escolha certa. Sem erros não há evolução, sem experiência não há Sabedoria. É normal e aceitável cometermos erros, e é apenas a saturação do sofrimento vindo desses erros que depois nos leva a querermos ser diferentes e capazes de fazer melhores escolhas. Mas para isso é essencial que quando surge um estado / emoção do ego, a contemplemos e esperemos que ela passe. Basta ganharmos consciência do ego, pois ele só nos controla (e leva a cometer erros, o que por sua vez leva a sofrimento) se estivermos inconscientes dos seus estados / emoções. Por outro lado é essencial não ver os estados negativos do ego como algo mau, mas apenas como algo que, apesar de desconfortável, é normal na vida humana, e algo sempre temporário. É desconfortável, mas temporário, logo qualquer ódio ou aversão é desnecessário e só vai contribuir para perpetuar o sofrimento. Qualquer julgamento relativamente ao ego e aos seus estados negativos / desconfortáveis é apenas uma percepção do próprio ego.

“o que me vai ajudar mais, a contemplação / ausência de pensamentos, ou o combater o ego?”

Não é possível combater o ego. É o ego que quer “combater” o ego lol isso não é transcender o ego, mas apenas seguir um tipo diferente de sugestão / percepção do ego. O ego não se muda, é impossível. O ego é algo do qual ganhamos consciência e desistimos. O ego larga-se, não se combate ou muda. Para isso basta ganharmos consciência do ego e não pensarmos sobre o seu estado negativo quando este surge, e ele irá ter cada vez menos poder sobre nós. Só somos controlados pelo ego quando estamos inconsciente dele e das suas emoções. Assim que ganhamos consciência do ego e não seguimos as suas sugestões, ele perde a sua soberania sobre nós.

“se for espontâneo, nunca vou ter consciência das asneiras e o mais provável é não evoluir, porque eu às vezes sou espontâneo e só sai asneiras”

Se já sabes que certo tipo de escolha será um erro e potenciará sofrimento, obviamente não vais voltar a fazer essa escolha. O teu problema é que estás como que a tentar fingir ser mais evoluído do que és. Repara, sai asneira por seres espontâneo pois é o teu nível de consciência actual. Mais à frente na evolução és espontâneo e não sai asneira nenhuma. O ser espontâneo é o mesmo que ser autêntico, mas ser autêntico não significa ser perfeito, evoluído ou íntegro. Significa ser autêntico, sermos nós próprios como somos agora, qualidades e defeitos. Só há evolução cometendo erros e ganhando experiência. Se não fores espontâneo é que nunca irás evoluir, pois nem sequer irás ganhar consciência de como realmente és, o que não te permitirá sequer seres autêntico e tu próprio. Uma lição aprendida é uma lição aprendida. Fizeste uma escolha, entraste em acção, erraste, sofreste, ficaste farto desse sofrimento, não queres repetir esse erro, que veio dessa escolha, que veio por sua vez de uma emoção do ego, que veio de uma percepção do ego; logo tens de ganhar consciência dessa percepção e emoção do ego, para que depois, no mesmo tipo de situação / contexto, quando ela surgir, estarás consciente e podes dizer a ti próprio: “não obrigado, já sei no que vai dar, e por isso, porque neste momento estou consciente da verdadeira origem desta sugestão do ego, não a vou seguir e vou fazer a escolha certa, mesmo que me sinta nervoso ou que sinta que vou perder alguma coisa que satisfaria o ego”.

“como lidar com os elogios de forma integra?

Com gratidão. Aceitas e agradeces os elogios, e em vez de veres a origem dos elogios em algo especial que há em ti (ego), o que leva a orgulho, reconheces e admites todo o mérito sendo do Espírito, pois a verdade é que tudo o que de bom temos, somos e nos acontece é sempre, sem excepção, uma dádiva divina do Espírito, e tem sempre como origem o Espírito.

“fiz o que pediste, não me aproximei nem me meti na relação, mas agora que acabou vou ver no que dá, ela diz que está bem solteira, mas eu não acredito”

Eu não pedi nada lol eu sempre e só, apenas sugiro atitudes e escolhas que sei por experiência que vão aliviar, reduzir ou evitar sofrimento e karma negativo. Se ela diz que está bem solteira, em vez de escolheres não acreditar nas suas palavras, escolhe aceitá-las. É comum quando um ser humano acaba uma relação, não lhe apetecer logo meter-se noutra, seja porque razão for: ou porque ainda se sente magoada, ou porque prefere desfrutar a vida e liberdade de solteira, etc. E só temos é que, com Humildade, aceitar a escolha dessa pessoa, em vez de forçar aquilo que o nosso ego deseja.

«"Partilha Amor, o resto aparecerá" ou seja, vou dar o meu amor e mostrar aquilo que eu sou, o resto fica nas mãos do divino.»

Essa atitude é excelente, mas a verbalização induz em erro. Amor não se partilha como sendo uma coisa física que se distribui, tipo rebuçados. O Amor também não é nosso (orgulho), não é algo que vem de nós, que está no nosso bolso e do qual temos um recibo ou factura :D Amor é uma dádiva do Espírito, e é algo que se é. Vem do Espírito, nunca de nós. Podemos Amar, mas não podemos partilhar Amor. É uma atitude e maneira de ser no mundo, não é algo que se distribui ou partilha tipo cobertor. Logo, uma melhor verbalização para se ter em mente todos os dias será: “Basta Amar, mostrar como sou e o resto fica nas mãos do Divino”.

“disseste que um homem não devia declarar-se, mas sim demonstrar pois o namoro acontecia naturalmente, ainda partilhas dessa opinião?”

Sim.

(final da transmissão)

:D

Primeiro, não é uma opinião. É uma Verdade da qual ganhei consciência através de experiência. Quando me refiro a declarar-se, refiro-me a um discurso sentimental vindo de um nível, ou estado, de carência / desejo (que é sempre narcisista), com a secreta ou inconsciente intenção de manipular a mulher, tentado fazê-la escolher e aceitar o homem como seu namorado. Este princípio foi partilhado para ajudar os homens que vivem prisioneiros dessa maneira de ser, e que não os leva a lado nenhum em termos de felicidade na vida amorosa, ou com as mulheres no geral. Assim sendo, temos como atitude mais elevada e sincera a demonstração. Sendo um namoro algo que acontece sempre, (SEMPRE), espontaneamente, automaticamente e naturalmente (apesar do ego achar sempre que foi graças a alguma escolha sua que o namoro aconteceu lol), é ridículo e desonesto tentar-se forçar o seu início, tentando controlar o que a mulher acha de nós. Basta nos darmos a conhecer, demonstrar como realmente somos e expressar o nosso interesse pela mulher (verbalmente, criativamente, silenciosamente, não interessa como, mas de forma sincera e clara), e se for suposto aquela mulher gostar de nós, nos querer beijar, querer fazer amor connosco, namorar connosco, etc, isso irá acontecer mais rápido e facilmente. Se não for suposto acontecer por ambos serem demasiado diferentes (ausência de compatibilidade mínima nos aspectos mais importantes), então com humildade aceita-se que ela não era mulher para nós, e largamo-la e esquecemo-la, deixando-a livre para encontrar o melhor homem possível para ela, podendo nós assim também encontrarmos a melhor mulher possível para nós. Porque escolher estar com uma mulher que não é para nós é burrice e isso só potencia e perpetua um estado de sofrimento. Sendo aqui a intenção alcançar novos e mais agradáveis estados de felicidade, isso é um erro.

Não te convenças que estavas na lista de potenciais namorados dela… pois se estivesses, terias de facto namorado com ela. É essa a mensagem que a Realidade te está a trazer. Na Realidade és para ela um amigo conselheiro. Porquê? Pois foi essa a relação que aconteceu entre vocês, e não há mal nenhum nisso. Dizes que começaste a demonstrar as tuas intenções, mas chegaste a beijá-la? Não. Então é porque não és homem para ela. Ela namorou com o outro pois ele beijou-a, e haviam certas compatibilidades essenciais, e atracção mútua. Quando algo é suposto acontecer, acontece. Com Humildade aceitas que não és homem para ela, e segues com a tua vida. Ainda por cima ela já te disse que está bem solteira. Achas mesmo que uma mulher quando gosta de um homem diz-lhe isso? Hahaha!! Tenta manter uma mulher afastada de um homem de quem ela gosta, é impossível! Mesmo que ele a trate mal, se houver a tal compatibilidade em termos de nível de consciência, personalidade e atracção, esquece, ela não o deixará por nada. Muito menos virá com desculpas para se tentar afastar dele ou para evitar que algo aconteça entre ambos =)

Independentemente disto tudo, se tens vontade em voltar a tentar para ficares tranquilo pois sabes que fizeste tudo o que podias, eu acho que podes tentar uma última vez. A minha sugestão é a tal conversa de, “gosto de ti, sinto-me atraído por ti. Não estou interessado em ser apenas teu amigo, mas sim em namorar contigo, e não aceito apenas amizade pois isso iria fazer-me sofrer e o meu auto-respeito não me permite deixar isso acontecer”.

Outra questão é, se nunca a beijaste e não sabes como é beijá-la e sair com ela nesse contexto de ligação física/sexual, como sabes que queres namorar com ela? Lol Não se salta assim de umas saídas de conversa para um namoro. Há um processo natural, com fases diferentes, que pode ser mais rápido ou mais curto, mas que está sempre presente. Começa-se sempre por uma conversa ou convívio, durante o qual percebes se gostas da companhia da pessoa, e se a queres voltar a ver ou não. Tendo a certeza disso podes beijá-la, e conforme for o beijo, ou se ela aceitar o beijo, sabes se há atracção mútua ou se queres continuar a sair e a beijá-la. A mesma coisa com o fazer amor: revela se há compatibilidade essencial para um namoro. Só depois disso, de teres experienciado tudo isso com a pessoa, de estares consciente, por experiência, de todos esses factores essenciais sobre ela e sobre o convívio entre os dois, é que sabes se queres uma relação com a pessoa.

Tu sabes que tu te sentes atraído, e por isso vais meter conversa com a mulher para te dares a conhecer e descobrires no que dá. Mas se nunca tiveste essa primeira conversa, como sabes que queres voltar a conversar com a mulher? Se nunca saíste com a mulher, como sabes que queres voltar a sair com ela? Se nunca beijaste a mulher, como sabes que a queres voltar a beijar? Como sabes que queres fazer amor com ela? Se nunca fizeste amor com ela, como sabes que queres voltar a fazer amor com ela? Como sabes que queres namorar com ela? A escolha é baseada em que experiência real? Como sabes que queres determinada pessoa como teu amigo se nunca conviveste e conversaste com ele?

Querer namorar com alguém e ter essa proximidade e intimidade, tendo apenas como base a conversa e a atracção que sentimos, não é uma escolha consciente. A escolha deve ser feita tendo como base todo o tipo de experiências reais comuns que se tem com uma mulher quando se namora com ela, como se fosse uma espécie de simulação: sabes como é conversar com ela, sair com ela, beijá-la, fazer amor com ela, sabes como te sentes ao fazer tudo isso com ela, logo assim poderás saber se queres namorar com ela ou não. Assim evitas o sofrimento de más relações e de pessoas que só te trariam experiências desagradáveis e emoções negativas.

“Escrevendo isso estou-me sentido tão entusiasmado só por ter problemas para resolver com mulheres xD já não sei aos anos que isso não me acontecia, até já me estou a rir xD”

Sim, é engraçado =) E há uma fase em que o problema é, “qual destas 3 mulheres vou convidar para sair no Domingo?”. E depois há uma 4ª mulher que te convida para sair no Domingo :D é a comédia.


Obrigado pela tua pergunta.